OS SABERES MATEMÁTICOS PARA MENINAS NO MARANHÃO: UM BREVE CONTEXTO A PARTIR DA PRIMEIRA LEI EDUCACIONAL BRASILEIRA DE 1827

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16661

Palavras-chave:

Instrução primária feminina, Saberes Matemáticos, Sexismo, Maranhão

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar como os saberes matemáticos, destinados à instrução primária feminina, foram se consolidando ao longo do período Imperial, em especial, no Maranhão no final do século XIX. Para isso, buscamos conhecer o que estava prescrito na primeira lei educacional brasileira, de 1827, e que impactos os discursos sexistas de senadores daquela época tiveram sobre a formação de meninas. Este estudo é de natureza qualitativa, cujo referencial teórico-metodológico está inserido no âmbito das pesquisas da história da educação matemática e apoiado nas discussões da história cultural. As fontes examinadas foram documentos oficiais e estudos já realizados no âmbito da pesquisa histórica. Antes de a Lei Imperial de 1827 ser sancionada pelo imperador, debates sexistas dos senadores demonstram como esses homens determinaram qual deveria ser o papel da mulher na sociedade imperial. Os estudos das meninas ficavam limitados ao ler, escrever e contar, e às prendas domésticas, educando-as para serem futuras mães e esposas zelosas. No âmbito dos saberes matemáticos, elas ficaram excluídas do ensino de geometria e tiveram acesso somente às quatro operações fundamentais da aritmética. Verificamos, portanto, um currículo coerente com o patriarcado da época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elke Rusana Pires Santos Ribeiro, Professora da Educação Básica (SEMED), São Luís, Maranhão, Brasil.

Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdade Santa Fé (2007). Licenciada em Matemática pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Maranhão (2004). Professora de Matemática pela SEMED-Axixá e SEMED-São Luís. Atualmente desenvolve atividades no Núcleo do Currículo da SEMED-São Luís.

Antonio José da Silva, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luis, Maranhão, Brasil

Licenciado em Matemática pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Maranhão (2004), hoje IFMA. Especialista em Fundamentos de Matemática pela Universidade Estadual do Maranhão (2006). Mestre em Engenharia de Eletricidade pela Universidade Federal do Maranhão (2009) com ênfase em Modelagem, Identificação de Sistemas e Controle de Processos Elétricos e Industriais. Desenvolve trabalhos de pesquisa relacionados à Educação Matemática e Informática Educacional, objetivando formação de docentes e processos de ensino, aprendizagem e didática na matemática. Foi professor na Educação Básica das redes privada e pública de ensino. Foi professor de diversas instituições de Ensino Superior público e privado, hoje é Professor Adjunto, Classe C, Nível 3 com dedicação exclusiva lotado no Departamento de Matemática da Universidade Federal do Maranhão - UFMA, atuando na graduação e pós-graduação (PROFMAT e PPECEM).

Marcos Denilson Guimarães, Professor de Matemática dos Anos Finais do Ensino Fundamental - SEMED (São José de Ribamar), São José de Ribamar, Maranhão, Brasil.

É licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Sergipe (2010) e Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela mesma instituição (2012). É Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/2017). É membro dos seguintes grupos de pesquisa: Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil (GHEMAT/BRASIL), do Grupo de Pesquisa e Estudo em Educação Matemática (GPEM/UFMA) e integrante do Núcleo de Investigação sobre História e Perspectivas Atuais da Educação Matemática (NIHPEMAT). Realizou doutorado sanduíche na Université de Paris SUD - Paris XI, sob a orientação do professor Dr. Renaud D'Enfert, bem como participou das atividades do grupo de pesquisa Groupe d'Histoire et Diffusion des Sciences d'Orsay (GHDSO), entre os anos de 2014-2015 (com financiamento CAPES/COFECUB - Processo 99999.004131/2014-02). Realizou estágio pós-doutoral com bolsa Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) do projeto PROCAD Amazônia 2018 - Linha 2 intitulado Rede de formação e pesquisa em ensino de ciências e matemática: Uma cooperação entre UFMA-UFAM-UFSC (durante 5 meses, sendo 4 com bolsa). Foi Professor Visitante do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPECEM/CCET) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA, Campus Bacanga) (2019-2021). Tem experiência nos seguintes temas: ensino de matemática, educação matemática, história da educação matemática, ensino de desenho nos anos iniciais.

Referências

ABRANTES, E. S. “O dote é a moça educada”: mulher, dote e instrução em São Luís na Primeira República. 2010. 323f. Tese (Doutorado em História Social) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, 2010.

ABRANTES, E. S. A educação feminina em São Luís no século XIX. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 22., 2003, João Pessoa. Anais do XXII Simpósio Nacional de História: História, acontecimento e narrativa. João Pessoa: ANPUH, 2003. CD-ROM.

Agência Senado. Para lei escolar do Império, meninas tinham menos capacidade intelectual que meninos. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/arquivo-s/nas-escolas-do-imperio-menino-estudava-geometria-e-menina-aprendia-corte-e-costura .Acesso em: 10 jun. 2021.

BARBARESCO, C. S. .; COSTA, D. A. da. O ensino de aritmética nas escolas profissionais técnicas amazonenses (1873-1926). REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 1–27, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.16485

BARROS, J. D’A. Fontes históricas: introdução aos seus usos historiográficos. Petropólis, RJ: Vozes, 2019.

BRASIL. Anais do Senado Federal, sessão de 29 de agosto de 1827, vol. 2, p. 264, 278. Disponível em: https://www.senado.leg.br/publicacoes/anais/pdf/Anais_Imperio/1827/1827%20Livro%202.pdf. Acesso em: 11 jun. 2021.

BRASIL. Anais do Senado Federal, sessão de 30 de agosto de 1827, vol. 2, p. 276, 277, 278. Disponível em: https://www.senado.leg.br/publicacoes/anais/pdf/Anais_Imperio/1827/1827%20Livro%202.pdf. Acesso em: 11 jun. 2021.

BRASIL. Collecção das leis do Imperio do Brazil –1827, Página 71, Vol. 1 pt. I (Publicação Original) parte primeira. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/colecao-anual-de-leis/copy_of_colecao2.html. Acesso em: 10 jun. 2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

CARNEIRO, R. dos S.; VILLELA, L. M. A. A matemática intuitiva no manual de lições de coisas de Calkins: tradução de Rui Barbosa. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 245–267, 2019. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p245-267.i8214

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.

CUNHA, W. D. S.; SILVA, R. J. V. A educação feminina do século XIX: entre a escola e a literatura. Gênero, Niterói, v. 11, n. 1, p. 97-106, 2. sem. 2010.

D’AMBRÓSIO, U. A história da Matemática: questões historiográficas e políticas e reflexos na educação matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: UNESP, 1999. Disponível em: https://cattai.mat.br/site/files/ensino/uneb/pfreire/docs/HistoriaDaMatematica/Ubiratan_DAmbrosio_doisTextos.pdf. Acesso em: 15 nov. 2023.

DALLARI, D. O que é Cidadania. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Moderna, 1998. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/textos/oque_e_cidadania.html. Acesso em: 15 jun. 2021.

FEITOSA, F. J. S. “Semeador de Luzes”: Dona Martinha Abranches e a Educação feminina em São Luís na primeira metade do século XIX. 63f. Monografia (Curso de História), Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2007.

FREIRE, I. A. A.; LANDO, J. C.; LIMA, E. B. Programa curricular para o ensino de matemática na década de 1960 – Salvador/Bahia. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 3, p. e21092, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i3.13108

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. Tradução Attílio Brunetta. 15ª ed. (atualizada e ampliada). Petrópolis, RJ: Vozes, 2018. – (Coleção Ciências Sociais da Educação).

HOOKS, B. O feminismo é para todo mundo [recurso eletrônico]: políticas arrebatadoras. Tradução Ana Luiza Libânio. 1. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

LANG, D. W. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. ESTUDOS FEMINISTAS ANO 9 - 2º SEMESTRE, 2/2001.

Lei escolar do Império restringiu ensino de matemática para meninas. Disponível em: https://brasil.elpais.com/sociedade/2020-03-04/lei-escolar-do-imperio-restringiu-ensino-de-matematica-para-meninas.html?outputType=am. Acesso em: 09 jun. 2021.

MENDES, I. A.; ASSIS, M. M. A. de. A matemática do ensino primário na escola normal de Natal (Brasil): alguns fragmentos de história. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 15–34, 2014. https://doi.org/10.26571/2318-6674.a2014.v2.n1.p15-34.i5293

MOREIRA DA SILVA, M.; MACHADO RIBEIRO, J. P. .; FERREIRA, R. . Biopirataria e explorações ocorridas no Brasil: um relato-denúncia de práticas criminosas contra povos indígenas. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21031, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i1.11668

OLIVEIRA, C. C. de; PORTELA, M. S.; PIRES, L. A. A matemática no ensino fundamental paranaense (1970-1990): saberes a e para ensinar. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 11, n. 1, p. e23017, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.14463

PINTO, J. R. S.; MIGNOLO, W. D. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 15(3), 381-402, 2016. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.3.20580

PODER 360. Brasil Imperial considerava que meninas eram intelectualmente limitadas. Disponível em: https://www.poder360.com.br/brasil/brasil-imperial-considerava-que-meninas-eram-intelectualmente-limitadas/. Acesso em: 04 jun. 2021.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SILVA, G. S. Das disposições legais: uma breve análise das leis educacionais do Império (1827-1854). Dossiê Espaço Urbano, Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, n. 51, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/rihgse/article/view/16460. Aceso em: 15 nov. 2023.

SOARES, W. J. B. XIX: uma história, uma cidade e os primórdios da matemática escolar – 1. Ed. – Curitiba: Appris, 2018.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, n. 14, mai./jun./jul./ago. 2000. https://doi.org/10.1590/S1413-24782000000200005

TELES, M. A. A. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo – Brasiliense, 1999 – (Coleção tudo é história).

VALENTE, W. R. Oito temas sobre história da educação matemática. REMAT – Revista de Matemática, Ensino e Cultura, Natal (UFRN), ano 8, n. 12, p. 22-50, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/160384/VALENTE,%20W%20-%20Oito%20temas%20em%20Hist%C3%B3ria%20da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Matem%C3%A1tica.pdf?sequence=3. Acesso em: 15 nov. 2023.

VALENTE, W. R. Os experts e os currículos de matemática. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 3, p. e21090, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i3.13033

VILLELA, H. O. S. O mestre-escola e a professora. In.: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil. Autêntica: Belo Horizonte, 2003.

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

RIBEIRO, E. R. P. S. .; SILVA, A. J. da .; GUIMARÃES, M. D. . OS SABERES MATEMÁTICOS PARA MENINAS NO MARANHÃO: UM BREVE CONTEXTO A PARTIR DA PRIMEIRA LEI EDUCACIONAL BRASILEIRA DE 1827. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23079, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16661. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16661. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

Rede de Formação e Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática