REVISTA DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA DO INPA: UMA VISÃO A PARTIR DA ANÁLISE DISCURSIVA BAKHTINIANA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16503

Palavras-chave:

Revista, Discurso, Amazônia, INPA, Divulgação institucional

Resumo

A Amazônia é conhecida por sua biodiversidade, formas culturais e tecnológicas, em exposições científico-culturais as audiências urbanas, turísticas e autóctones. Há instituições de Ciência e Tecnologia amazônicas que realizam atividade de divulgação científica das suas próprias pesquisas e tecnologias. O objetivo desse trabalho é conhecer a proposta comunicativa da Revista de Divulgação Científica (RDC) de uma instituição de Ciência e Tecnologia, o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia – INPA, o seu Discurso de Divulgação Científica (DDC). Para isso, analisaremos 12 volumes publicados em cerca de seis anos, pela Pró-Reitoria de Extensão/INPA, a partir do aporte da leitura do Círculo de Bakhtin, visando construir uma interpretação fundamentada na Análise Discursiva. Nossos resultados - foram levantados 129 textos em 12 números de RDC, no qual se destacaram temas de desenvolvimento, pesquisa, educação, saúde, entre outros. Percebeu-se uma distinção entre o discurso da divulgação científica (65%) e divulgação institucional científica (34%) dos textos selecionados. Desse último grupo, selecionou-se dois textos na área de Educação Ambiental para análise detalhada, e percebeu-se uma perspectiva institucional de apresentação de projeto extensionista voltada ao público escolar, utilizou-se dos objetos de pesquisa biológica para ser atrativo para divulgação científico-ambiental com proposito de conservação da Amazônia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Saulo Cézar Seiffert Santos, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.

Doutor em Educação em Ciências pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Mestre em Ensino de Ciências pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), especialização em Docência do Ensino Superior pelo Centro de Pesquisa da Amazônia (CEPAM), graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Atuo na Área de Ensino de Ciências do Departamento de Biologia do Instituto de Ciências Biológicas na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECIM), UFAM, campus Manaus. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação em Ciências, atuando principalmente nos seguintes temas: divulgação científica, aprendizagem significativa (D. Ausubel), analogias e metáforas no ensino, ensino de zoologia, análise dialética discursivo (Círculo de Bakhtin) e educação em espaços não formais. Membro da Associação Brasileira de Cristão na Ciência (ABC²) e líder do grupo de estudos em Manaus/AM.

Malena Albuquerque Oliveira, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil

Sou formada em Licenciatura em Ciências Naturais, pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM, no ano de 2022 fui bolsista da UFAM no Programa de Institucional de Iniciação Cientifica - PIBIC no projeto Discurso da Divulgação Cientifica Amazônica: Uma visão da Revista de Divulgação Cientifica do INPA. Também participei do Programa Institucional de Iniciação a Docência-PIBID no ano de 2020 a 2021 em uma escola pública da cidade de Manaus, ademais fui voluntaria na Casa da Física como professora de Ciências e Biologia, ministrando aulas remotas para alunos de 6 ano a 2 serie do ensino médio. Atualmente estou no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática(PPGECIM) da Universidade Federal do Amazonas, na linha de pesquisa Processos de Ensino e Aprendizagem.

Mirlane Maria Moura Matos, Graduanda em Licenciatura em Ciências Naturais (UFAM). Iniciação Científica – PIBIC (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil.

Possui graduação em Tecnologia em gestão Ambiental pela Universidade do Estado do Amazonas (2012).

Referências

ABREU, W. Educação científica na escola: Ciência na prática. Revista de Divulgação Científica do INPA: Ciência para todos, Manaus, ano 3, n. 8, pp. 20-23, 2011.

BACELLAR, C. Grandes aliados da educação ambiental: insetos aquáticos. Revista de Divulgação Científica do INPA: Ciência para todos, Manaus, ano 4, n. 9, 2011, pp. 6-11.

BAKHTIN, M. M. [1975] A teoria do romance I: A estilística. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

BAKHTIN, M. M. [1975] Os gêneros do discurso. In: BEZERRA, P. (Ed.). Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016. p. 11–70.

BOURDIEU, P.; DARBEL, A. O amor pela arte: os museus na Europa e seu público. tradução Ged. São Paulo; Porto Alegre: EdUSP; Zouk, 2007.

BUENO, Wilson Costa. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, v. 15, n. 1esp, p. 1-12, 2010. https://doi.org/10.5433/1981-8920.2010v15n1espp1

CAVALCANTE FILHO, U. Como funciona o discurso do gênero divulgação científica? In: CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA, 14 - UERJ, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Cadernos do CNLF (CiFEFil). Rio de Janeiro - RJ: CiFEFiL, 2010.

CAVALHEIRO, J.; TOMÁS, R. N.; NEVES, A. As fronteiras entre o discurso científico e a divulgação científica: uma análise de matérias da revista Amazonas faz Ciência. Revista Areté - Revista Amazônica de Ensino de Ciências, Manaus, v. 4, p. 148-157, 2011.

CARVALHO, F. B.; BELTRÃO, G. G. B.; FEIO, J. da S.; TERÁN, A. F. Possibilidades de alfabetização científica no bosque da ciência, Manaus, Am, Brasil. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 6, n. 2, p. 342–356, 2018. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p342-356.i7042

COSTA, L. R. A questão da ideologia no círculo de Bakhtin e os embates no discurso de divulgação científica da revista Ciência Hoje. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2017.

CUNHA, M. B. Divulgação científica: diálogos com o ensino de ciências. Curitiba: Appris, 2019.

FLICK, U. Introdução à metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso, 2013.

FONSECA, O M. Pensando a Amazônia. Manaus: Editora Valer, 2011.

GARVEY, W.D.; GRIFFITH, B.C. Communication, the essence of science, Apêndice A, B. In: GARVEY, W.D. Communication: the essence of science. Oxford: Pergamon Press, 1979. p.299.

GONÇALVES, N. L.; REIS, J. Divulgação científica e o ensino. Idealistas isolados: ensaios sobre a divulgação científica–linguagens e posturas. São Paulo: ECA-USP, 1999. p. 47-70.

GRIGOLETTO, E. O discurso de divulgação científica: um espaço discursivo intervalar. 269f. Doutorado (Doutorado em Letras) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-graduação em Letras. Porto Alegre, 2005.

GRILLO, S. V. de C. Gêneros primários e secundários no círculo de Bakhtin: implicações para a divulgação científica. Alfa, São Paulo, v. 52, n.1, p. 57-79, 2008. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1467. Acesso em: 21 out. 2023.

GRUZMAN, C. Educação, ciência e saúde no museu: uma análise enunciativo-discursiva da exposição do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. 2012. 280f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

HIGUCHI, M. I. G.; FARIAS, M. S. M. Pequenos guias do Bosque da Ciência: trajetória de experiência de educação ambiental com crianças na Amazônia. Manaus: INPA, 2002.

LIMA, G. S.; GIORDAN, M. O discurso citado na divulgação científica: alguns apontamentos. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, 20. São Paulo. Anais... São Paulo: s. n, 2013.

MALHEIROS, B. T. Metodologia da pesquisa em educação. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

MARQUES, T. S.; OLIVEIRA, E. M.; ROCHA, W. M. A formação de sujeitos ecológicos: um estudo do coletivo jovem de meio ambiente. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 7, n. 2, p. 91–108, 2019. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p91-108.i8439

MALHEIROS, B. T. Metodologia da pesquisa em educação. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

NEGRÃO, F. da C.; MORHY, P. E. D. A inserção da disciplina de educação em espaços não formais no curso de pedagogia. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 7, n. 3, p. 219–234, 2019. https://doi.org/10.26571/reamec.v7i3.9337

OSSAME, A. C. Pequenos Guias: promove difusão da ciência. Revista de Divulgação Científica do INPA: Ciência para todos, Manaus, ano 1, n. 1, pp. 6-9, 2009.

REIS, E. F. dos; SOUSA, M. F. da C.; ALVES, D. dos S.; PINHO, M. I. M.; RIZZATTI, I. M. Espaços não formais de educação na prática pedagógica de professores de ciências. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 7, n. 3, p. 23–36, 2019. https://doi.org/10.26571/reamec.v7i3.8265

SANTOS, S. C. S.; CUNHA, M. B. O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e o seu papel na popularização da Ciência em Manaus. História da Ciência e Ensino: construindo interfaces, São Paulo, SP, v. 22, p. 67–85, 2020. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/hcensino/article/view/49326. Acesso em: 01 maio 2022.

SANTOS, S. C. S. Uma visão sobre os museus de ciências como espaços não formais: o bosque da ciência um exemplo amazônico. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 3, p. 415–434, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i3.10022

SEIFFERT-SANTOS, S. C. O discurso expositivo de um espaço amazônico de educação não formal em Ciência e Tecnologia: o caso do Bosque da Ciência. 2020. 338f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática, Unioeste, Cascavel, 2020a.

SEIFFERT-SANTOS, S. C.; CUNHA, M. B. A tradição de pesquisa segundo Laudan em educação em espaços não formais num evento de ensino de Ciências. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, s.l., v. 14, n. 1, p. 88-107, 2019a. http://doi.org/10.14483/23464712.13369

SEIFFERT-SANTOS, S. C.; CUNHA, M. B. Aproximação da teoria do gênero discursivo e a perspectiva comunicacional de museus: cronotopo das gerações museais. In: SOLIGO, V.; SOLIGO, M. G. (Org.). Educação em debate: perspectivas da produção acadêmica. 1ed.Curitiba: Editora CRV, 2019b, v. 1, p. 261-278.

SEIFFERT-SANTOS, S. C.; CUNHA, M. B. Parque Temático, Popularização e Pesquisa Amazônica: a Proposta do Bosque da Ciência/INPA. Educação em Revista, v. 38, p. e29448, 2022. https://doi.org/10.1590/0102-469829448

SOBRAL, A. Estética da criação verbal. In: BRAIT, B. Bakhtin, dialogismo e polifonia. São Paulo: Contexto, 2015. p. 167-188.

ZAMBONI, L. M. S. Heterogeneidade e Subjetividade no Discurso da Divulgação Científica. 1997. São Paulo: Unicamp, 1997.

ZAMBONI, L. M. S. Cientistas, jornalistas e divulgação científica: subjetividade e heterogeneidade no discurso da divulgação científica. Campinas, SP: Autores Assoc., 2001.

Downloads

Publicado

2023-10-30

Como Citar

SANTOS, S. C. S. .; OLIVEIRA, M. A.; MATOS, M. M. M. REVISTA DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA DO INPA: UMA VISÃO A PARTIR DA ANÁLISE DISCURSIVA BAKHTINIANA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23077, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16503. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16503. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Rede de Formação e Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática