INTERAÇÕES INTERMOLECULARES NA ARTE DO GRAFITE: UMA PROPOSTA TEÓRICA DE JOGO EDUCATIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES SOCIOCULTURAIS E POLÍTICOS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.14893

Palavras-chave:

Ensaio Teórico, Ética, Jogo Educativo, Ensino de Química, Formação de Professores

Resumo

Com as crescentes denúncias de violência e injustiças nas relações sociais, a educação pensada “em” e “para” os direitos humanos se faz insurgente ao sistema atual de ensino e aprendizagem. Precisamos fazer dialogar as ciências da natureza com as ciências sociais, garantindo possibilidades de aprendizagem científica e atitudinal que permeiam a ética na formação dos estudantes, para isso é necessário repensar o modelo do professor de química. Os autores procuraram planejar, neste ensaio, as possibilidades de um jogo educativo informal para o ensino das interações intermoleculares dentro do contexto social dos estudantes, contemplando importantes questões que podem possibilitar reflexões sobre o ensino de química e a educação em direitos humanos. Este trabalho é um ensaio teórico que utilizou a análise estrutural-funcional de concepções importantes para a formação de professores de química como agentes sociais, culturais e políticos. Este é um processo intencional, transgressor e democrático, interessado em despertar no professor a consciência da presença das assimetrias nas relações sociais, de forma que possa levar a uma busca constante por equidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kleber Francisco da Silva, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil.

Licenciado em Química pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Goiás). Especialista em Ensino de Química e Metodologia do Ensino de Química pela Faculdade Iguaçu (FI-PR). Mestre e Doutorando em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Integrante do grupo de pesquisa do Laboratório de Educação em Química e Atividades Lúdicas (LEQUAL) na Universidade Federal de Goiás - UFG. Tem experiência na área de Educação em Química, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de Professores, Decolonialidades, Interculturalidade, Educação em Direitos Humanos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química.

Roberto Dalmo Varallo Lima de Oliveira, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Licenciado em Química pela Universidade Federal Fluminense (2012), Mestre e Doutor em Ciência, Tecnologia e Educação pelo CEFET-RJ (2017). Foi professor da Escola Básica. Trabalhou entre 2014 e 2017 na Universidade Federal do Tocantins (UFT), entre 2017 e 2019 na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente, é professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Coordenador da Coleção Culturas, Direitos Humanos e Diversidades na Educação em Ciências. Atuando nos programas de pós-graduação em Educação (PPGE) e Educação em Ciências e em Matemáticas (PPGECM) com os temas Estudos Culturais da Ciência e Tecnologias; Relações entreCiências, Artes e filosofias. Amante da linguística, ele focou os últimos anos de sua carreira em estudos em Therolinguística o que fez com que se sentisse confortável para trabalhar como tradutor da obra "A Máquina Classificatória de Humanidades: escritos excrementais" produzida pelo intelectual Bartholomew Feather.

Márlon Herbert Flora Barbosa Soares, da Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil.

Cursei Licenciatura em Química na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), entre 1992 e 1998. Desde 1993, até antes de me mudar para São Carlos -SP em 1999 para cursar o mestrado, ministrava aulas de química e física no ensino médio público. Em 2001, após dois anos, terminei meu mestrado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), trabalhando com ensino de química analítica. Minha dissertação versava sobre a caracterização e aplicação de corantes naturais de flores em equilíbrio químico, mudança de coloração, indicadores naturais enfim. No mesmo ano, 2001, logo após a defesa de dissertação, fui aprovado para o doutorado em química, também pela UFSCar, minha tese versava sobre o uso de jogos em ensino de química. Conclui o doutorado em 2004, três anos após meu ingresso e dois anos após ter sido aprovado em concurso público para professor assistente na Universidade Federal de Goiás, onde estou atualmente. Hoje sou PROFESSOR TITULAR e um dos professores da área de ensino de química do Instituto de Química da UFG. Coordeno o Laboratório de Educação Química e Atividades Lúdicas (LEQUAL), grupo registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq e que também conta com financiamento deste mesmo órgão. Fui coordenador do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência do curso de Licenciatura em Química do IQ - UFG entre 2008-2012. Coordenei o estágio de licenciatura por 5 anos, entre 2003 e 2008, período de direcionamento, implantação e regulamentação do estágio docente no Brasil e na UFG. Sou pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Ensino de Ciências (NUPEC) da UFG, com financiamento do CNPq e do FINEP. Orientei 13 alunos de doutorado, 32 alunos de mestrado e 22 alunos de Iniciação Científica até o presente momento, além de 25 monografias de final de curso, implantadas em 2007 na licenciatura em Química da UFG. Atualmente, oriento 4 alunos de mestrado e 8 alunos de doutorado pelo PPGQ E PPGECM da UFG. Publiquei até o momento 105 artigos em periódicos especializados e 315 trabalhos em anais de eventos científicos, sendo 95 deles, trabalhos completos. Tenho 19 capítulos de livro publicados, e no final do ano de 2008, lancei meu primeiro livro: Jogos em Ensino de Química, teoria, métodos e aplicações, que se encontra na 2a edição no ano de 2015. No ano de 2018 lanço um livro novo: Didatização Lúdica no Ensino de Química/Ciências, em parceria com Cleophas, M. G. Finalmente, as linhas de pesquisa em que atuo são: Jogos e Atividades Lúdicas Aplicadas ao Ensino de Química; Ciência e Religião; Formação de Conceitos; Inclusão Digital de Professores de Ciências e Robótica Educacional em Ensino de Ciências.

Referências

AKCELRUD, L. Fundamentos da ciência dos polímeros. Editora Manole Ltda, 2007.

ATKINS, P. W.; JONES, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. 5ªed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

BRASIL. Decreto-lei n.º 9.394. LDB – leis de diretrizes e bases da educação nacional. 1996.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da Educação Básica. Diário Oficial da União: 25 de junho de 2015.

BRASIL. Decreto-lei n.º 9.605. Dos crimes contra o ordenamento urbano e o patrimônio cultural. Seção IV, Art. 65, 1998.

BRASIL. Decreto-lei n.º 12.408. Altera o art. 65 da lei n.º 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para descriminalizar o ato de grafitar, e dispõe sobre a proibição de comercialização de tintas em embalagens do tipo aerossol a menores de 18 (dezoito) anos. 2011.

BROUGÈRE, G. Jogo e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

CAMARGO, M. J. R.; BENITE, A. M. C. Educação para as relações étnico-raciais na formação de professores de química: sobre a lei 10.639/2003 no ensino superior. Química Nova, v. 42, p. 691-701, 2019. Disponível em: https://quimicanova.sbq.org.br/detalhe_artigo.asp?id=6931. Acesso em: 24 ago. 2023.

CANDAU, V. M. F.; SACAVINO, S. B. Educação em direitos humanos e formação de educadores. Revista Educação, Porto Alegre, vol. 36, n.º 1, p. 59-66, jan./abr. 2013. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/12319 . Acesso em: 17 jan. 2023.

CANDAU, V. M. F.; ANDRADE, M.; LUCINDA, M. C.; AMORIM, V.; PAULO, I. A.; SACAVINO, S. B. Educação em Direitos Humanos e Formação de professores. São Paulo: Editora Cortez, 2013.

CHAUI, M. Conformismo e resistência. Homero Santiago (org.), Coleção Escritos de Marilena Chaui, 4. 1ª ed.; 1.reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2018.

CORTINA, A. Ética sin moral. Madrid: Tecnos, 1990.

COSTA, L. P. Grafite e pichação: institucionalização e transgressão na cena contemporânea. In: III Encontro de História da Arte – IFCH / UNICAMP, Campinas: Unicamp. p. 177 a 183, 2007. https://doi.org/10.20396/eha.3.2007.3676

DA SILVA, K. F. Interações químicas e interculturais: uma proposta de educação em química de forma lúdica por meio dos direitos humanos e da arte transgressora do grafite. Dissertação (mestrado), Mestrado em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2020. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/10625. Acesso em: 27 jun. 2023.

DA SILVA, K. F.; OLIVEIRA, R. D. V. L.; SOARES, M. H. F. B.. The Ludic and Human Rights: The Anti-Racist Fight in Science Education for a Political-Scientific Formation through Graffiti Art. Revista Acta Scientiae, v. 23, n. 6, p. 237-269, 2021. https://doi.org/10.17648/acta.scientiae.6324

DA SILVA, K. F.; OLIVEIRA, R. D. V. L.; SOARES, M. H. F. B. A Cultura Lúdica e Transgressora do Grafite em Direitos Humanos: Repensando a Democracia pela Arte no Ensino de Química. Revista Debates em Ensino de Química, v. 9, n. 1, p. 22-39, 2023. https://doi.org/10.53003/redequim.v9i1.4908

FAZENDA, J. M. R. Tintas: ciência e tecnologia. São Paulo: Editora Blucher, 2013.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2007.

JUNQUEIRA, M. M. Um estudo sobre o tema interações intermoleculares no contexto da disciplina de química geral: a necessidade da superação de uma abordagem classificatória para uma abordagem molecular. Tese (Doutorado), Doutorado em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-05072018-145554/en.php. Acesso em: 17 jan. 2023.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 14ª ed., Coleção Antropologia Social, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

NEVILLE, A. M.; BROOKS, J. J. Tecnologia do concreto. Trad. CREMONINI, R. A. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

OLIVEIRA, R. D. V. L.; QUEIROZ, G. R. P. C. Planejar com direitos humanos na formação de professores de ciências. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, vol. 10, nº 22, p. 231-245, ARETÉ, Manaus, jan-jun 2017. Disponível em: http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/645. Acesso em: 24 ago. 2023.

OLIVEIRA, B. G.; ARAÚJO, R. C. M. U. SAPT: ligação de hidrogênio ou interação de van der Waals? Química Nova, v. 35, n. 10, p. 2002-2012, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/qn/a/JQSzsGFycTHvqxgptCHVgsM/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 17 jan. 2023

PIAGET, J. Estudos sociológicos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 1973.

RAMOS, C. M. A. Grafite & pichação: por uma nova epistemologia da cidade e da arte. 16º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores de Artes Plásticas, ANPAP, Florianópolis, set. de 2007. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/237798400_Grafite_pichacao_por_uma_nova_epistemologia_da_cidade_e_da_arte. Acesso em: 17 jan. 2023

REIS, A. S. Ligações hidrogênio no cotidiano: uma contribuição para o ensino de química. Dissertação (Mestrado), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Química, Campinas, SP. 2008. Disponível em: https://www.btdeq.ufscar.br/teses-e-dissertacoes/ligacoes-hidrogenio-no-cotidiano-uma-contribuicao-para-o-ensino-de-quimica. Acesso em: 17 jan. 2023

SARON, C.; FELISBERTI, M. I. Ação de colorantes na degradação e estabilização de polímeros. Química Nova, v. 29, n. 1, p. 124-128, 2006. https://doi.org/10.1590/S0100-40422006000100022

SOARES. M. H. F. Jogos e atividades lúdicas para o ensino de química. Goiânia: Kelps, 2015.

SOARES. M. H. F. Sobre o jogo e suas possíveis relações com a epistemologia genética de Jean Piaget: em um tabuleiro de xadrez. In: SOARES. Márlon H. F.; CLEOPHAS, Maria das G. (Org.). Didatização lúdica no ensino de química/ciências: teorias de aprendizagem e outras interfaces. São Paulo: editora Livraria da Física, 2018.

SILVA, C. C. Da força ao tensor: evolução do conceito físico e da representação matemática do campo eletromagnético. Tese (Doutorado) Instituto de Física Gleb Wataguin, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, Campinas, 2002. Disponível em: https://www.ghtc.usp.br/server/Teses/Cibelle-Celestino-Silva-DR.pdf. Acesso em: 17 jan. 2023.

TOSI, G. (Org.). Direitos humanos: história, teoria e prática. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2004.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UEMOTO, K. L. Influência da formulação das tintas de base acrílica como barreira contra a penetração de agentes agressivos nos concretos. Tese (Doutorado). Escola Politécnica da USP – Departamento de Engenharia de Construção Civil. São Paulo-SP, 1998. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3146/tde-22032017-100712/pt-br.php. Acesso em: 17 jan. 2023.

VIEIRA, L. B.; MOREIRA, G. E. Políticas públicas no âmbito da educação em direitos humanos: conexões com a educação matemática. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 622–647, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i2.10500

Downloads

Publicado

2023-08-25

Como Citar

SILVA, K. F. da; OLIVEIRA, R. D. V. L. de .; SOARES, M. H. F. B. . INTERAÇÕES INTERMOLECULARES NA ARTE DO GRAFITE: UMA PROPOSTA TEÓRICA DE JOGO EDUCATIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES SOCIOCULTURAIS E POLÍTICOS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23042, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.14893. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14893. Acesso em: 19 maio. 2024.