JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTA PARA ELUCIDAR AS PROPRIEDADES BÁSICAS DA MOLÉCULA DE DNA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.14804

Palavras-chave:

Aprendizagem, Genética, Sequência Didática, Metodologia Ativa

Resumo

O ensino de Genética é um grande desafio encontrado pelos professores de Biologia do Ensino Médio, pois depende de conceitos abstratos, elucidação de processos moleculares e interpretação de figuras planas. Com o propósito de trabalhar o lúdico e dinamizar o contexto da genética molecular, este trabalho teve como objetivo produzir e avaliar uma sequência didática investigativa fundamentada nos métodos de aprendizagem ativos, como a aprendizagem baseada em jogos e a utilização das tecnologias digitais de comunicação. Os processos metodológicos foram divididos em duas etapas complementares, a etapa 1 versa sobre a composição química dos ácidos nucleicos e na etapa 2, são abordados os processos de duplicação do DNA e a síntese de proteínas, com fases de problematização, sistematização, contextualização e conclusão. Nestas fases os estudantes aprenderam Genética Molecular, por meio de jogos digitais e ensino investigativo. A pesquisa foi desenvolvida em uma escola de rede pública no município de Nova Mutum/MT, com 44 estudantes matriculados no 3º Ano do Ensino Médio. A avaliação da sequência didática foi feita por 22 professores de Biologia que atuam na Ensino Médio. A análise dos resultados foi de caráter misto (qualitativa/quantitativa), sendo avaliado a utilização de quatro jogos abordando conteúdos de Genética Molecular. Os resultados pré e pós teste, identificaram índices satisfatórios na aprendizagem dos estudantes e bons índices na avaliação dos professores. Durante o desenvolvimento da pesquisa, pode-se observar o protagonismo dos estudantes no processo de ensino-aprendizagem, o interesse e o entusiasmo deles pela genética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vinícius Sabino de Paula, Secretária de Estado de Educação de Mato Grosso (SEDUC/MT), lotado na Escola Estadual José Aparecido Ribeiro. Nova Mutum, Mato Grosso, Brasil.

Mestre em Ensino de Biologia (PROFBIO) pela Universidade Federal de Mato Grosso. Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Minas Gerais - Campus de Ituiutaba/MG (2004). Atualmente é professor efetivo de Biologia na Secretária do Estado de Educação de Mato Grosso desde 2007, atuando como professor regente de Biologia no Ensino Médio na Escola Estadual José Aparecido Ribeiro

Daniela Cristina Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Bióloga, graduada pelo Centro Universitário de Rio Preto (2001), mestrado (2005) e doutorado (2009) em Ciências Biológicas (Genética) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, Botucatu/SP. Em 2012, iniciou sua carreira de docente no ensino superior na Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Campus de Cuiabá. É credenciada, nos Programas de Pós-Graduação em Zoologia e Mestrado Profissional em Ensino de Biologia, ProfBio, UFMT. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética animal, atuando principalmente nos seguintes temas: marcadores cromossômicos e moleculares em peixes de água doce, organização do genoma, elementos transponíveis, taxonomia integrativa.

Referências

ACRANI, S.; JUNIOR, R. A. B.; NICULA, B. S.; PEIXOTO, F. O.; LOPES, L. A.; NOGUEIRA, B. R.; FERNANDES, R. D.; SANTOS, P. P. B. F. dos. A utilização de jogos didáticos como estratégia de aprendizagem no ensino de biologia/ The use of teaching games as a learning strategy in teaching biology. Brazilian Journal of Development, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 7930–7935, 2020. https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-194.

ADONA, C. P.; VARGAS, C. L. O quebra-cabeça como possibilidade de ensino aprendizagem na disciplina de educação física. Cadernos PDE, 2013.

ALEXANDRE, C. O jogo dos games para o processo de aprendizagem de estudantes. In: MEIRA, L.; BLIKSTEIN, P.(org.). Ludicidade, jogos e gamificação na aprendizagem. Porto Alegre: Penso, 2020. Cap. 4. p. 39-47.

BACICH, L.; MORAN, J. (org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BARRETO, J. A. P.; SANTOS, L. T. S. DE O. O uso de imagens e as tecnologias da informação e comunicação: aportes para o ensino de biologia. Revista Expressão Católica, v. 9, p. 29–36, 2020. Disponível em: http://publicacoesacademicas.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/rec/article/view/3740/03. Acesso em: 04 mai. 2022.

BRÃO, A. F. S.; PEREIRA, A. M. T. B. Biotécnétika: possibilidade do jogo no ensino de genética. Revista Electrónica de Enseñanza e las Ciencias, v. 14, n. 1, p. 55–76, 2015. Disponível em: http://reec.educacioneditora.net/volumenes/volumen14/REEC_14_1_4_ex826.pdf. Acesso em: 05 mai.2022.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base: ensino médio. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2018.

CARDOSO, T. C. et al. Biologia forense no ensino de genética molecular em três escolas estaduais de canto do buriti (pi). Revista Prática Docente, v. 6, n. 3, p. e080–e080, 17 out. 2021. https://doi.org/10.23926/RPD.2021.v6.n3.e080.id1270.

CAMPEIZ, A. F. et al. A escola na perspectiva de adolescentes da Geração Z. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 19, 2017. https://doi.org/10.5216/ree.v19.45666.

CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

COLET, D. S.; MOZZATO, A. R. “Nativos digitais”: características atribuídas por gestores à Geração Z. Desenvolve Revista de Gestão do Unilasalle, v. 8, n. 2, p. 25–40, 2019. http://dx.doi.org/10.18316/desenv.v8i2.5020.

CONCEIÇÃO, A. R. DA; MOTA, M. D. A.; BARGUIL, P. M. Jogos didáticos no ensino e na aprendizagem de Ciências e Biologia: concepções e práticas docentes. Research, Society and Development, v. 9, n. 5, p. e165953290–e165953290, 2020. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3290

COSTA, L. M. DO C.; HARDOIM, E. L. Jogos didáticos: uma análise de pesquisas produzidas sobre métodos ativos com foco nos conhecimentos de Genética / Educational games: an analysis of research produced on active methods with a focus on knowledge of Genetics. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 5, p. 48294–48307, 2021. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BRJD/article/view/29750. Acesso em 04 ago. 2022. Doi: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29750.

COSTA, M. G.; FERREIRA, D. C. USO DE ANIMAÇÕES DE GENÉTICA MOLECULAR NAS AULAS INICIAIS DE GENÉTICA MENDELIANA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e22003, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i1.12979. https://doi.org/10.26571/reamec.v10i1.12979

DIAS, M. A. D.S; NÚÑEZ, I. B.; RAMOS, I. C. D. O. Dificuldades na aprendizagem dos conteúdos: uma leitura a partir dos resultados das provas de Biologia do vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2001 a 2008). Revista Educação em Questão, v. 37, n. 23, p. 219-243, 2010. Disponível em: file:///C:/Users/vinyb/Downloads/mmaeditora,+660-1883-1-CE.pdf. Acesso em 20 nov. 2021.

DOURADO, I. DE F. et al. Uso das TIC no Ensino de Ciências na Educação Básica: uma Experiência Didática. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 15, 2014. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/ensino/article/view/438. Acesso em 01 jun. 2022. Doi: https://doi.org/10.17921/2447-8733.2014v15n0p%25p.

FRANZOLIN, F. et al. Complexidade genética e a expressão da cor da pele, cor dos olhos e estatura humana: transposição didática. Investigação no ensino de ciências, v.25, n. 1, p. 239-261, 2020. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n1p239.

GIL, A. C. Como Elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

JANN, P. N.; LEITE, M. DE F. JOGO DO DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de ciências e biologia. Ciências & Cognição, v. 15, n. 1, p. 282–293, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212010000100022. Acesso em: 08 jun. 2022.

JÚNIOR, J. A. D. O papel do erro no processo de ensino e aprendizagem de ciências e matemática: contributos da neurociência. Revista Prática Docente, v. 5, n. 2, p. 1171– 1190, ago. 2020. https://doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n2.p1171-1190.id759

MELONI, J. S.; SPIEGEL, C. N.; GOMES, S. A. O. Biotecnologia em Jogo: estratégia lúdica para o ensino médio. Genética na Escola, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p. 154-183, 2018. Semestral. https://doi.org/10.55838/1980-3540.ge.2018.299.

MENDES, A. C. de O.; SILVA, A. P. da; BARBOSA, L. M. V.; OLIVEIRA, M. de F. A. de . OLATCG: FERRAMENTA DE BIOINFORMÁTICA PARA O ENSINO DE GENÉTICA NO ENSINO MÉDIO. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e22061, 2022. https://doi.org/10.26571/reamec.v10i3.13954

MOTA, L. B.; ZANOTTI, R. F. Tecnologias digitais de informação e comunicação aplicadas ao ensino de biologia Information and communication digital technologies applied to the biology teaching. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 6, p. 64341-64353, 2021. https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-695.

OLIVEIRA, L. F. DE; ANGELO, E. A.; BARBOSA, D. S. S. Unidade de ensino potencialmente significativa, com elementos lúdicos, como estratégia de ensino de genética. Revista Ciências & Ideias, v. 12, n. 2, p. 159–175, jul. 2021. Disponível em: https://revistascientificas.ifrj.edu.br/index.php/reci/article/view/1586. Acesso em: 27 ago. 2023.

PRENSKY, M. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: Senac, 2012.

SANCHES, M. H. B. Jogos digitais. gamificação. São Paulo: Senac, 2021.

SANTOS, I. A.; FERRERA, T. S.; WENZEL, J. S. Recursos didáticos tecnológicos como instrumentos auxiliares de aprendizagem para o ensino de química. Encontro sobre Investigação na Escola, v. 17, n. 1, 16 dez. 2021. Disponível em: https://portaleventos.uffs.edu.br/index.php/EIE/article/view/15756. Acesso: 28 jun. 2022.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 17, p. 49–67, 2015. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s04.

SILVA, A.; METTRAU, M.; BARRETO, M. O lúdico no processo de ensino-aprendizagem das ciências. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 88, n. 220, 2007. Disponível em: http://www.rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/rbep/article/view/1478. Acesso em: 08 mai. 2022. Doi: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.88i220.733.

SILVA, J. M.; PIATTI, C. B. Formação e ensino remoto no “novo normal”. Revelli - Revista de educação, linguagem e literatura, 2021. https://doi.org/10.51913/revelli.v13i0.12101.

SILVA, M. B. E; GEROLIN, E. C.; TRIVELATO, S. L. F. A Importância da Autonomia dos Estudantes para a Ocorrência de Práticas Epistêmicas no Ensino por Investigação. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, p. 905–933, 2018. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183905.

SOLINO, A. P.; FERRAZ, A.T.; SASSERON, L.H. Ensino por investigação como abordagem didática: desenvolvimento de práticas científicas escolares. XXI Simpósio Nacional de Ensino de Física, p. 1-6, 2015. Disponível em: https://www.cecimig.fae.ufmg.br/images/SolinoFerrazeSasseron2015.pdf. Acesso em: 10 mai 2022.

VALENTE, J. A. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. UNIFESO - Humanas e Sociais, v. 1, n. 01, p. 141–166, 2014. Disponível em: https://www.unifeso.edu.br/revista/index.php/revistaunifesohumanasesociais/article/view/17. Acesso em: 22 jun. 2022.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

WEYH, A.; BARBOSA CARVALHO, I. G.; DEL VALLE GARNERO, A. Twister Proteico: uma ferramenta lúdica envolvendo a síntese de proteínas. Revista de Ensino de Bioquímica, v. 13, n. 1, p. 58, 2 jul. 2015. http://dx.doi.org/10.16923/reb.v13i1.540.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ARTMED, 1998.

Downloads

Publicado

2023-08-30

Como Citar

PAULA, V. S. de; FERREIRA, D. C. JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTA PARA ELUCIDAR AS PROPRIEDADES BÁSICAS DA MOLÉCULA DE DNA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23051, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.14804. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14804. Acesso em: 15 abr. 2024.