USO DE ANIMAÇÕES DE GENÉTICA MOLECULAR NAS AULAS INICIAIS DE GENÉTICA MENDELIANA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i1.12979

Palavras-chave:

Material genético, Expressão gênica, Livros didáticos, Animações

Resumo

O sucesso do estudo de Genética Mendeliana no ensino médio depende necessariamente de uma boa fundamentação dos seus conceitos iniciais. Por sua vez, para ocorrer a compreensão significativa desses conceitos, faz-se necessário atrelá-los aos assuntos relacionados à Genética Molecular, como a estrutura do material genético e sua expressão. O estudo compartilhado das duas áreas, e com o uso de animações de Genética Molecular, representa uma importante estratégia de intervenção pedagógica, no sentido de tornar esses conceitos menos abstratos e mais palpáveis aos alunos. Este trabalho objetiva analisar a eficiência do estudo compartilhado, assim como testar a eficácia do uso de animações de replicação e tradução gênica para melhor entendimento de conceitos como gene, genótipo e fenótipo. Foi elaborado como produto educacional, um catálogo contendo animações e sugestões de como promover o atrelamento entre os conceitos das duas áreas. O trabalho teve abordagem qualitativa e quantitativa e foi desenvolvido em uma escola pública de Primavera do Leste - MT, com 98 alunos das 3ª séries do EM. Por meio de três testes de desempenho acerca dos conceitos básicos de Genética, após o seu estudo isolado, estudo compartilhado e esse com o uso de animações, notou-se ganho gradativo na assimilação dos conceitos básicos da Genética Mendeliana. Os dados obtidos mostram a importância da estruturação dos pré-requisitos para a ancoragem dos novos conhecimentos, no caso, os conceitos genéticos, tornando-os mais compreensíveis e, por conseguinte, atenuando o insucesso observado nas escolas públicas no ensino de Genética Mendeliana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marivalter Gomes Costa, Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Pontal do Araguaia, Mato Grosso, Brasil.

Biólogo, licenciado pela Universidade Federal de Moto grosso (campus do Pontal do Araguaia), especialista em Biotecnologia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Atuo na docência como efetivo desde o ano 2000, ministrando aulas de Biologia na escola Estadual Alda G. Scopel (SEDUC -MT), em Primavera do Leste MT. 

Daniela Cristina Ferreira, Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Bióloga, graduada pelo Centro Universitário de Rio Preto (2001), mestrado (2005) e doutorado (2009) em Ciências Biológicas (Genética) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, Botucatu/SP. Em 2012, iniciou sua carreira de docente no ensino superior na Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Campus de Cuiabá. É credenciada, nos Programas de Pós-Graduação em Zoologia e Mestrado Profissional em Ensino de Biologia, ProfBio, UFMT. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética animal, atuando principalmente nos seguintes temas: marcadores cromossômicos e moleculares em peixes de água doce, organização do genoma, elementos transponíveis, taxonomia integrativa.

Referências

ALTENFELDER, Anna Helena et. al. Ensinar e aprender no mundo digital: fundamentos para a prática pedagógica na cultura digital. CENPEC: São Paulo. v.1, p. 17-24, 2011.

AUSUBEL, D.P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. 1a. Ed. PT-467-Janeiro de 2003. ISBN 972-707-364-6.

BACICH, Lilian; MORAN, José. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. 238p.

DIAS, Carla Pacifico; CHAGAS, Isabel. Animações como Recurso Didático no Ensino da Biologia. Externato Cooperativo da Benedita. Instituto de Educação de Lisboa. No documento III, Conferência Internacional Investigação, Práticas e Contextos em Educação (páginas 97-105), 2014. Disponível em: https://1library.org/article/anima%C3%A7%C3%B5es-recurso-did%C3%A1tico-biologia-pac%C3%ADfico-externato-cooperativo-benedita.zp0lxm0q Acesso em: 10 Nov.2021.

DIESEL, Aline; BALDES, Alda Leila Santos; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017. Disponível em: http://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/404/295. doi 14.2017.268-288.404. Acesso em: 08 abr. 2020.

FERRETTI, C. J. Mudanças em sistemas estaduais de ensino em face das reformas no Ensino Médio e no Ensino Técnico. Revista Educação & Sociedade. Campinas, ano XXI, nº 70, v. 21, n. 70, p. 80-99 Abril/2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v21n70/a06v2170.pdf. Acesso em: 01 ago. 2020

GRIFFITHS, Anthony; WESSLER, Susan R.; CARROLL, Sean B.; DOEBLEY, John. Introdução à genética. Tradução Sylvia Werdmüller von Elgg Roberto.

ed. – Rio de Janeiro: Guanabarra Koogan, 2016. 2036p. ISBN 978-85-277-2995-6.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo, SP: EDUSP, 2008. 200p. ISBN 10: 85-31407772

LIMA, S. M. P.; NUÑEZ, I. B. Iniciação científica e pesquisa no ensino médio: concepções e práticas docentes. In: Ensino médio: sujeitos, políticas e práticas em discussão. Rio de Janeiro: Dictio Brasil, 2017.

MARQUES, Joana Brás Varanda; FREITAS, Denise. Método DELPHI: caracterização e potencialidades na pesquisa em Educação1. Proposições; V.29, N. 2 (87); maio/ago. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1980624820150140 Acesso em: 10 Nov. 2021.

MOREIRA, Marco Antonio. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Textos de Apoio ao Professor de Física - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física. v. 24. n. 6. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Física, 2013. 55 p. ISSN 180-2763. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/public/tapf/v24_n6_moreira_.pdf. Acesso em: 11 abr. 2020.

MOREIRA. M. A. Aprendizagem Significativa Crítica. Publicada também em Indivisa, Boletín de Estúdios e Investigación, nº 6, pp. 83-101, 2005, com o título Aprendizaje Significativo crítico. 1ª edição, em formato de livro, 2005. ISSN: 1579-3141. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/ejemplar/122155. Acesso em: 08 ago. 2020.

RIBAS, J. E.; PINTO, G. S.; STURZA, R. B.; TOMAZETTI, E. M. Formação integral, interdisciplinaridade e contextualização nas políticas curriculares para o ensino médio. In: Ensino médio: sujeitos, políticas e práticas em discussão. 2017, 157-187 p. Organizador: Lucas da Silva Martinez. – Rio de Janeiro: Dictio Brasil, 2017. 365 p. ISBN 978-85-92921-24-8.

ROZADOS, H. B. F. O uso da técnica Delphi como alternativa metodológica para a área da ciência da informação. Em Questão. PPGCOM - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informática - 20 anos. v. 21, n. 3, set/dez. 2015, p. 64-86,. ISSN 1808-5245. Porto Alegre: UFRGS, 2015. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/issue/view/2729/showToc. Acesso em: 15 mar. de 2020.

Publicado

2022-01-13

Como Citar

COSTA, M. G.; FERREIRA, D. C. USO DE ANIMAÇÕES DE GENÉTICA MOLECULAR NAS AULAS INICIAIS DE GENÉTICA MENDELIANA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 1, p. e22003, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i1.12979. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12979. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências