OS ASPECTOS HISTÓRICOS DO ENSINO DA ARITMÉTICA NO CONTEXTO DE GRUPOS ESCOLARES MATO-GROSSENSES (1910 – 1930)

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i3.12867

Palavras-chave:

Disciplinas escolares, Ensino de aritmética, Aritmética escolar, Método intuitivo

Resumo

Neste artigo, apresentamos os resultados de pesquisa de uma dissertação na temática da História da Educação Matemática, a qual teve por objetivo o estudo dos aspectos históricos do ensino de aritmética no contexto de Grupos Escolares, no período da pedagogia intuitiva em Mato Grosso. A abordagem metodológica considerou os tratados da operação historiográfica de Michel de Certeau, com o ensinamento dos movimentos do ofício do historiador em termos das práticas científicas para constituir uma história. O conjunto documental analisado trata das narrativas produzidas pelas instituições escolares depositadas no Arquivo Público do Mato Grosso. Muitas destas fontes foram elaboradas em relatórios por personagens históricos da instrução mato-grossense, configurados pelo representante institucional, ou seja, o diretor escolar, que desta forma nos possibilitou a análise para compreensão dos significados históricos sobre o ensino de aritmética do período em destaque. Por meio das análises, identificamos uma implementação consolidada do método intuitivo para ensinar os conteúdos disciplinares de aritmética, preconizando assim a modernização das formas de ensinar, mediante a circulação e apropriação de livros, materiais didáticos, normativas e ideias pedagógicas atreladas ao ensino intuitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leandro Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Possui graduação em Matemática Licenciatura Plena pela Universidade Anhanguera - Uniderp (2008), Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e graduação em Tecnologia em Gestão Financeira pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Pesquisador na área de Educação, Educação Matemática, História da Educação e História da Educação Matemática. Pesquisador vinculado ao GEPHEME, COMPASSOMS e Ghemat. 

Edilene Simões Costa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Possui doutorado em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade de Brasília, mestrado na área de Educação/ Ensino e Aprendizagem pela Universidade Católica de Brasília ,especialização em Manejo de recursos ambientais pela Universidade Federal de MS e graduação em Ciências Habilitação Em Matemática pelo UniCeub/D.F Professora do Instituto de Matemática da UFMS - Programa de Pós-graduação em Educação Matemática da UFMS a partir de 2015. Faz parte dos grupos de pesquisa: Compasso-DF, GPHEME, GHEMAT.

Referências

AMÂNCIO, Lázara Nanci de Barros. Ensino de leitura e Grupos Escolares: Mato Grosso 1910 – 1930. Cuiabá: EdUFMT, 2008.

CARVALHO, R. Relatório enviado a Secretária de Estado pelo professor Rubens de Carvalho (Escola Normal e Modelo anexa). Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá-MT, 1923.

CERTEAU, M. A operação historiográfica. In: A escrita da história. Tradução: Maria de Lourdes Menezes. Forense Universitária. Rio de Janeiro – RJ, 1982.

CHARTIER, Roger. A História Cultural – entre práticas e representações. 2º edição. Tradução: Maria Manuela Galhardo. Difel – Difusão Editorial – Portugal, 2002.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Revista Teoria & Educação, n. 2, p. 177-229, 1990.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Tradução: Gizele de Souza. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, p. 9-38, 2001.

MARCÍLIO, Humberto. História do ensino em Mato Grosso. Publicação da secretaria de educação, cultura e saúde. Cuiabá, 1963.

MATO GROSSO. Decreto n. 265: Regulamento da Instrução Pública do Estado do Mato Grosso. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá, MT, 1910.

MATO GROSSO. Decreto n. 759: Regulamento da Instrução Pública do Estado do Mato Grosso. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá, MT, 1927b.

MATO GROSSO. Livro do movimento de entrada e saída de materiais do almoxarifado da instrução pública do Mato Grosso. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá, MT, 1921.

MATO GROSSO. Mensagem apresentada ao Exmº Sr. Major João Cunha, D. D. Secretário do Interior, Justiça e Finanças pelo Dr. Cesário Alves Corrêa, Diretor Geral da Instrução Pública do Estado. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá: APMT, 1927.

MATO GROSSO. Mensagem do Presidente do Estado de Mato Grosso, Dr. Annibal Toledo, apresentada a Assembleia Legislativa e lida na abertura da 1ª Sessão Ordinária de sua 15ª Legislatura. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá, 1930.

MATO GROSSO. Programa de Ensino. Typografia Oficial do Estado do Mato Grosso. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá, MT, 1924.

MATO GROSSO. Regulamento da Instrução Pública do Estado do Mato Grosso. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá, MT, 1910.

MATO GROSSO. Regulamento do Almoxarifado da Instrução Pública do Estado de Mato Grosso: decreto n. 420 de fevereiro. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá: Typographia Official, 1916.

MELLO, L. M. Relatório do Movimento anual das Escolas Normal e Modelo anexa. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá – MT, 1911.

MELLO, L. M. Relatório do Movimento anual das Escolas Normal e Modelo anexa. Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá – MT, 1912.

MENDES, F. A. F. Relatório enviado a Secretária de Estado pelo professor Francisco A. Ferreira Mendes (Grupo Escolar Presidente Marques). Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá-MT, 1927.

PÓVOAS PINHEIRO. Tabuada e Elementos de Aritmética Póvoas Pinheiro. 97ªed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1939.

RODRIGUES. D. L. P. A tabuada em diferentes tempos pedagógicos: do ensino ativo para a escola ativa. 2015. 83 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. Guarulhos, 2015. Disponível em: disciplinas escolares; ensino de matemática; aritmética escolar; método intuitivo. Acesso em 1 nov. 2020.

SANTOS, B. L. Relatório enviado a Secretária de Estado pelo professor Bartholomeu Lopes dos Santos (Grupo Escolar Joaquim Murtinho). Arquivo Público do Mato Grosso (APMT). Cuiabá-MT, 1923.

VADEMARIN, Vera Tereza. Estudando as Lições de Coisas: análise dos fundamentos filosóficos do Método Intuitivo. Campinas: Autores Associados, 2004.

VALENTE, W. R; PINHEIRO, N. V. P. Chega de decorar tabuada! – As cartas de Parker e a Árvore do cálculo na ruptura de uma tradição. Educação Matemática em Revista, Brasília, n. 16, v.1, p. 22-37. Brasília, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/160388. Acesso em 30 de out. 2020.

VIDAL, D. G. (org.). Grupos escolares: Cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971). Campinas: Mercado das Letras, 2006.

Publicado

2021-12-29

Como Citar

OLIVEIRA, L.; SIMÕES COSTA, E. OS ASPECTOS HISTÓRICOS DO ENSINO DA ARITMÉTICA NO CONTEXTO DE GRUPOS ESCOLARES MATO-GROSSENSES (1910 – 1930). REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 9, n. 3, p. e21102, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i3.12867. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12867. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação Matemática