AS PESQUISAS SOBRE O USO DE SOFTWARES DE GEOMETRIA DINÂMICA NO BRASIL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i1.11147

Palavras-chave:

Ensino de Matemática e tecnologias, Estado do conhecimento, Geometria Plana, Ensino Médio, Geogebra

Resumo

Este trabalho é um recorte de uma pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de Goiás (UFG). Foram realizados o mapeamento e a análise das pesquisas publicadas entre 1987 e 2017, que abordam o ensino de geometria plana no ensino médio com o uso de softwares de geometria dinâmica como recurso didático. Para tanto, os procedimentos metodológicos do Estado do Conhecimento nos guiaram no planejamento, na organização, análise e apresentação dos dados encontrados. O campo empírico baseou-se nos bancos de dados das bibliotecas de instituições que possuem mestrado e doutorado relacionados à Educação Matemática e no Banco de Teses e Dissertações (BDTD) da CAPES. Definiu-se como marco inicial o ano de 1987, por ser o ano de criação do 1º software de geometria dinâmica e 2017 como marco final devido ao de que o levantamento foi realizado em 2018. Os resultados indicam o Geogebra como o software mais utilizado nas experiências com o ambiente dinâmico. Outro aspecto que emerge dos dados coletados são influências da teoria dos registros de representação semiótica e da didática francesa. As perspectivas são permeadas por uma discussão que valoriza o “aprender a aprender” e a formação para o mercado de trabalho, focando nos aspectos técnicos em detrimento da construção de conceitos geométricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliane da Cruz Oliveira, Universidade Federal de Goiás

Mestra em Educação em Ciências e Matemática, pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia/GO. Especialista em Educação Matemática, pela Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Arraias. Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Arraias. Atuou como professora no Programa de Acesso ao Ensino Técnico e emprego (PRONATEC), ministrando a disciplina de Estatística I, bem como atuando como professora do curso FIC Auxiliar Administrativo nas cidades de Arraias/TO e Combinado/TO, respectivamente. Atua como tutora do curso de Matemática EAD, pela UFT- UAB/Capes há cinco anos. Professora de Matemática no Colégio Sesi/Goiânia. Desenvolve estudos relacionados a relação entre educação e tecnologias desde a graduação, bem como sobre políticas públicas educacionais e a utilização de softwares de geometria dinâmica no ensino de geometria.

Moema Gomes Moraes, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Católica de Goiás (UCG) , mestre em Ciências da Educação Superior pela Universidade de La Havana e doutora em Educação pela PUC-GO. É lotada no Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação (CEPAE) da Universidade Federal de Goiás (UFG). Pesquisadora na área de Educação e Tecnologias, Educação Matemática, Educação a Distância. Professora dos Programas de Pós-Graduação: Ensino na Educação Básica (CEPAE) e Educação e Ciências e Matemática (Planetário). Professora pesquisadora do grupo de pesquisa KADJÓT "Kadjót- Grupo Interinstitucional de Estudos e Pesquisas sobre as relações entre as tecnologias e a educação". Atualmente faz parte da equipe gestora, Pró-Reitoria de Graduação da UFG, exercendo o cargo de Diretora de Ensino da UFG. (Texto informado pelo autor)

Referências

ALMOULOUD, Saddo Ag; COUTINHO, Cileda de Queiroz e Silva. Engenharia Didática: características e seus usos em trabalhos apresentados no GT-19/ANPEd. Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v.3, n. 6, p. 62-77. 2008.

ARTIGUE, Michèle. Ingénierie Didactique. Recherches en Didactique des Mathématiques. Grenoble: La Pensée Sauvage-Éditions, v. 9.3, p. 281-308. 1988.

BALDINI, Lorena Aparecida Ferreira. Construção do conceito de área e perímetro: uma sequência didática com auxílio de software de Geometria Dinâmica. 2004. 179f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2004.

BORBA, Marcelo de Carvalho.; PENTEADO, Miriam Godoy. Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

BRASIL. Decreto n. 6.300, de 12 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa Nacional de Tecnologia Educacional - ProInfo. Brasília, dez. 2007.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES. Documento de área: área 46, ensino. 2016. Disponível em: https://pos.cepae.ufg.br/up/480/o/DOCUMENTO_DE_AREA_ENSINO_2016_final.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES. Documento de área: área 46, ensino. 2019. Disponível em: http://capes.gov.br/images/Documento_de_%C3%A1rea_2019/ENSINO.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

CHAUÍ, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista brasileira de educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, set./out./nov./dez. 2003.

DIAS, Ana Maria Iório; THERRIEN, Jacques; FARIAS, Isabel Maria Sabino de. As áreas de educação e ensino da CAPES: identidade, tensões e diálogos. Revista Educação e Emancipação, São Luís, v. 10, n. 1, jan./abr. 2017.

DUARTE, Newton. Vygotsky e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

DUARTE, Newton. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões?: Quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. 1 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Polêmicas do nosso tempo, 86).

DUVAL, Raymond. Ver e ensinar a matemática de outra forma: Entrar no modo matemático de pensar: os registros de representações semióticas. 1.ed. São Paulo: PROEM, 2011.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “Estado da arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002.

FIGUEIRA, Jalves. S. Easy java simulations: modelagem computacional para o ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 613-618. 2005.

FREITAS, José Luiz Magalhães de; REZENDE, Veridiana. Entrevista: Raymond Duval e a Teoria dos Registros de Representação Semiótica. Revista paranaense de educação matemática, Campo Mourão, v. 2, n. 2, p. 10-34. 2013.

GUIMARÃES, Luiz Carlos. Ferramentas Computacionais para o Ensino de Matemática à Distância. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA - ENEM, 7. 2001, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro (RJ), UFRJ, 2001.

GRAVINA, Maria Alice. Os ambientes de Geometria Dinâmica e o pensamento lógico-dedutivo. 2001. 277f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2001.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e ensino presencial e a distância. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 7. ed. Campinas, SP: Papirus, 2007.

LEFEBVRE, Henri. Lógica formal Lógica dialética. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

MACÊDO, Josué Antunes de; ALMEIDA, Samara Neves de; VOELZKE, Marcos Rincon. Descrições de programas livres e gratuitos para o ensino de Matemática. Abakós, Belo Horizonte, v. 4, n. 2, p. 3-19, mai. 2016.

MELO, Marisol Vieira. Três décadas de pesquisas em Educação Matemática na UNICAMP: um estudo histórico a partir de teses e dissertações. 2006. 288 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas-SP, 2006.

MORAES, Moema Gomes. Pesquisas sobre educação e tecnologias: questões emergentes e configuração de uma temática. 2016. 159f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2016.

MORAES, Moema Gomes; PEIXOTO, Joana. Estado do Conhecimento como perspectiva crítica para as pesquisas em educação: “educação e tecnologias” em questão. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 25, n. 3, p. 321-338, 2017.

OLIVEIRA, Juliane da Cruz. O estado do conhecimento sobre a Geometria Plana no ensino médio utilizando softwares de Geometria Dinâmica (1987 a 2017). 2020. 182f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática). Universidade Federal de Goiás, Goiânia-GO, 2020.

PAPERT, Seymour. LOGO: computadores e educação. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985. Tradução e prefácio de José Armando Valente, da UNICAMP, SP.

PEIXOTO, Joana. Alguns mitos sobre a tecnologia e a inovação pedagógica. In: JORNADAS LATINOAMEIRANAS DE ESTUDIOS SOCIALES DE LA CIENCIA Y LA TECNOLOGIA, 9. 2012, Cidade do México. Balance del campo ESOCITE en América Latina y desafios. Cidade do México: Univesidad Nacional Autónoma de México, v. 1, 2012.

PEREIRA, Thales de Lelis Martins. O uso do software geogebra em uma escola pública: interações entre alunos e professor em atividades e tarefas de geometria para o ensino fundamental e médio. 2012. 122f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2012.

PRETTO, Nelson de Luca.; PASSOS, Maria Sigmar Coutinho. Formação ou capacitação em TIC? Reflexões sobre as diretrizes da UNESCO. Revista Docência e Cibercultura, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 9-31, set. 2017.

ROMANOWSKI, Joana Paulin; ENS, Romilda Teodora. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n.19, p.37-50, set./dez. 2006.

ROSA, Kelly Cristina. Ambientes computacionais no contexto da geometria: Panorama das teses e dissertações do Programa de Educação Matemática da PUC-SP de 1994 a 2007. 2009. 106f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

TEIXEIRA, Alcinda Souza Muniz; MUSSATO, Solange. Contribuições do software Geogebra nas aulas com sólidos geométricos de faces planas nos anos iniciais do ensino fundamental. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 449-466, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.10835. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10835. Acesso em: 19 dez. 2020.

VALENTE, José Armando. O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP/NIED, 1999.

VALENTE, José Armando. A espiral da aprendizagem: o processo de compreensão do papel das tecnologias de informação e comunicação na educação. 2005. [s.n.]. Tese (Livre Docência) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas. 2005.

VIEIRA PINTO, Álvaro Vieira. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

VOSGERAU, Dilmeire Sant'Anna Ramos; ROMANOWSKI, Joana Paulin. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 165-189, 2014.

Downloads

Publicado

2021-01-13

Como Citar

OLIVEIRA, J. da C.; GOMES MORAES, M. . AS PESQUISAS SOBRE O USO DE SOFTWARES DE GEOMETRIA DINÂMICA NO BRASIL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21002, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i1.11147. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11147. Acesso em: 19 abr. 2021.

Edição

Seção

Educação Matemática