O USO DE TÉCNICAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EM UMA ESCOLA DE PARINTINS/AM

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.10915

Palavras-chave:

Técnicas e Materiais. Ensino e Pesquisa. Escola de Ribeirinha.

Resumo

Quando se trata de fazer pesquisa, especialmente em Educação em Ciências, o uso de estratégias de coleta e análise de dados é essencial. Este artigo é resultado das ideias analíticas e reflexões de uma pesquisa de mestrado já concluída. Utilizamos a fenomenologia, uma vez que esta pesquisa é de natureza qualitativa. Um caderno de campo, desenhos infantis e o estudo com o solo foram articulados à Educação em Ciências, em uma escola da rede pública municipal de Parintins, no Amazonas, cujos sujeitos foram quatorze crianças. Não é objetivo deste trabalho criticar de forma alguma a prática docente da escola. Nosso propósito é contribuir com as discussões e reflexões sobre o ensino e a aprendizagem, apontando algumas estratégias que apresentam potencial pedagógico e realizável, e que podem ser encontradas na própria comunidade, como solo, pedra, argila, valorizando as produções dos alunos (desenho e diário de campo) e sua percepção do mundo e da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mateus de Souza Duarte, Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Mestre em Educação em Ciências na Amazônia- PPGEEC- UEA, ano de 2019. Graduado em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade do Estado do Amazonas- UEA, 2016. Especialista em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica pela Faculdade de Ciências de Wenceslau Braz-FACIBRA, 2016. Foi Bolsista da Fundação da Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas - FAPEAM, 2017/2019. Foi Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior- CAPES, 2012/2016. Atualmente é professor voluntário na Universidade do Estado do Amazonas-UEA. Participa do Grupo de Estudo e Pesquisa de Educação em Ciências em Espaços Não Formais (GEPENCEF). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Criança, Formação Docente, Ensino, Ensino de Ciências, Saberes Docentes e Tradicionais e Escola e Comunidade Ribeirinha. 

José Camilo Ramos de Souza, Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Possui graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal do Amazonas (1995), Bacharelado em Geografia pela Universidade Federal do Amazonas (1998), Especialização em Gestão em Etnodesenvolvimento pela Universidade Federal do Amazonas (2002 - 2003), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Amazonas - FACED (2004 - 2006) e doutorado em Ciências obtido no Programa de Geografia (Geografia Física) - Área de Concentração: Geografia Física, pela Universidade de São Paulo-USP, em 04/07/2013. Professor da Universidade do Estado do Amazonas. Tem experiência na área de Geografia e Educação. Geografia: Geografia Econômica, Geografia Agrária, Metodologia do Ensino em Geografia, Prática do Ensino em Geografia, Geografia do Turismo, Cartografia aplicada ao ensino de Geografia etc. Educação: Estágio Supervisionado, Currículo, Metodologia da Pesquisa e Estudos. Estudo sobre imigrantes japoneses na Amazônia, ribeirinhos da Amazônia e pensamento geográfico da Amazônia. Estudo sobre Gestão das águas e Governança e regulação de recursos hídricos. 

Referências

BACHELARD. G. Formação do espírito científico: contribuição para uma Psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BENTES, A. S.; DUTRA, G. Percepção ambiental de crianças ribeirinhas sobre a seca e a cheia amazônica na zona rural do município de Parintins /AM.. In: Anais do seminário internacional de ciências do ambiente e sustentabilidade na Amazônia. Anais. Manaus(AM) ufam, 2018. Disponível em: . Acesso em 05/04/2020.

BRUCE, M. V. S. COSTA, L. G. O ensino de Ciências: Tecendo saberes em uma comunidade ribeirinha no Amazonas. Curitiba: Appris, 2019.

CACHAPUZ A. et al. A necessária renovação do ensino de ciências. 3º ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

CAMPANARIO, J. M. La ciencia que no enseñamos. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, [en línea], 1999, v. 17, n. 3, p. 397-10. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21592

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Tradução: Newton Roberval Eichemberg. Editora Cultrix. São Paulo, 2003.

CAPRA, F. O Tão da Física: Uma exploração dos paralelos entre a física moderna e o misticismo oriental. Impressão e acabamento: Imprensa Portuguesa – Porto 1ª ed. Lisboa, 1989.

CARVALHO, A. M. GIL-PEREZ, D. Formação de professores de ciências. Tendências e inovação. 10º. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

DELIZOICOV, D. ANGOTTI, J. A. PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos métodos. 2º. Ed. São Paulo: Cortez, 2007.

DEMO, P. Professor do futuro e reconstrução do conhecimento. Petrópolis-RJ: Vozes, 2004.

DEMO, P. Educação e alfabetização científica. São Paulo: Papirus, 2010.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. São Paulo: Autores Associados, 2011.

DUARTE, M. S. AMOÊDO, F. K. F. As contribuições das discussões sobre a ciência frente à ideia de pesquisa como ensino. Revista REAMEC, Cuiabá (MT), v. 8, n. 1, p. 269-286, jan./-abr., 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC. Acesso em 06/04/2020.

DUARTE, M. S. SOUZA, J. C. R. Alfabetização ecológica e a percepção de estudantes de uma escola pública de Parintins – Amazonas. Perspectivas em diálogo: Revista de Educação e Sociedade, Naviraí, v. 7, n. 14, p. 396-415, jan./jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/persdia/index.

DUTRA, M. A. Entre grafismos e oralidades: uma interpretação do imaginário da criança ribeirinha amazônica. Dissertação (Mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia) – Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2013.

FAGUNDES, T. B. Os conceitos de professor pesquisador e professor reflexivo: perspectivas do trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, v. 21 n. 65 abr.-jun. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782016216516

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51°. ed.- São Paulo: Cortez, 2011.

GHEDIN, E. Demarcando linhas, percorrendo caminhos e situando horizontes. In: GHEDIN. E. (org.). Perspectivas em formação de professores. Manaus: Editora Valer, 2007.

GOLDBERG, L. G. YUNES, M. A. Mattar. FREITAS, J. V. O desenho infantil na ótica da ecologia do desenvolvimento humano. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 1, p. 97-106, jan./abr. 2005. Disponível em: DOI: http://10.1590/S1413-73722005000100012

GONZAGA, A. M. Reflexões sobre o ensino de Ciências. Curitiba-PR: CVR, 2013.

LEAL, G. K. S. A criança ribeirinha e sua relação com a ciência nos espaços não formais de Parintins-AM. Gráfica e Editora João XXIII, 2019.

LONGHINI, M. D. MORA, I. N. A natureza do conhecimento científico nas aulas de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental. In: FONSECA, S. G (org.). Ensino Fundamental: conteúdos, metodologias e práticas. Campinas, SP: Editora Aliena, 2009.

MACIEL, L. S. B. A formação do professor pela pesquisa: ações e reflexões. In: SHIGUNO-NETO, A.; MACIEL, L. S. B. Formação de professores: passado, presente e futuro. -2°. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MAIA, C. M. SCHEIBEL, M. F. Didática: Organização do trabalho pedagógico. Curitiba-PR, 2016.

MANSANO. C. N. A Escola e o Bairro: Percepção Ambiental e Interpretação do Espaço de Alunos do Ensino Fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática) - Universidade Estadual de Maringá, 2006.

MARANDINO, M. Tendências teóricas e metodológicas no Ensino de Ciências. São Paulo, USP, 2002.

MERLEAU-PONTY. M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MERLEAU-PONTY. Maurice. Conversas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

PRIGOGINE, I. A nova aliança: metamorfose da ciência. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1991.

PRIGOGINE, I. Carta às futuras gerações. In: ALMEIDA, Maria da Conceição de; CARVALHO, Edgard de Assis (Orgs.). Ciência, razão e paixão. Belém: EDUEPA, 2001.

PROFICE, C. C. Percepção Ambiental de Crianças em Ambientes Naturais Protegidos. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2010.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as Ciências. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, S. Estudo de caso: A interpretação do desenho infantil. Educareducere. Ano XV, n. 1-II Série, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2013.

SILVA, D. X. FACHÍN TERÁN, A. Educação cientifica utilizando o tema dos quelônios amazônicos. Jundiaí, Paco Editorial, 2015.

SOUZA, J. C. R. A geografia nas escolas das comunidades ribeirinhas de Parintins: entre o currículo, o cotidiano e os saberes tradicionais. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

TEIXEIRA, G. K. M. D. Ambiente Degradado e Infância Vulnerável: apropriação, uso e significação das crianças sobre a Lagoa da Francesa em Parintins/AM. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015.

Downloads

Publicado

2020-11-15

Como Citar

DUARTE, M. de S.; DE SOUZA, J. C. R. O USO DE TÉCNICAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EM UMA ESCOLA DE PARINTINS/AM. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 613-630, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.10915. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10915. Acesso em: 25 nov. 2020.