O USO DA SALA DE AULA INVERTIDA COMO METODOLOGIA NO ENSINO DE BIOLOGIA PARA O 3º ANO DO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE MANAUS/AM

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.13963

Palavras-chave:

Sala de aula invertida, Ensino de Biologia, Google Classroom

Resumo

O presente artigo é uma síntese de dissertação do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia (PPGEE), pela Universidade do Estadual do Amazonas (UEA), a qual  versou sobre o uso da Sala de aula invertida com o apoio da plataforma educacional Google Classroom, como uma metodologia ativa para colocar o aluno no centro do processo de ensino e aprendizagem, considerando que os estudantes atuais são ditos nativos digitais, com habilidades de interagir em atividades que envolvam as tecnologias. Assim, justifica-se esta proposta por considerar que as Tecnologias Digitais de Comunicação e Informação adentraram na escola como recurso pedagógico de suporte para contribuir no processo de aprendizagem dos estudantes. O estudo teve como objetivo analisar a eficácia da metodologia da sala de aula invertida, com o auxílio do Google Classroom, nas aulas de Biologia em uma turma da 3ª série do Ensino Médio, na cidade de Manaus/AM.  Esta investigação, quanto ao método de abordagem, caracterizou-se como pesquisa de método misto, que conjuga as abordagens qualitativa e quantitativa; quanto aos objetivos, como pesquisa exploratória, e quanto aos procedimentos técnicos, trata-se de uma pesquisa de campo, com observação participativa, caracterizada como uma pesquisa-ação. Os resultados da pesquisa permitiram concluir que a metodologia da sala de aula invertida foi eficaz no ensino de Biologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Viviane de Lima Benevides, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (IMPA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Possui graduação em Ciências - Biologia pela Universidade Federal do Amazonas (2008). Professora - SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E QUALIDADE DO ENSINO. Especialista em Metodologia de Ensino em Biologia (2015). Mestra em Ensino de Ciências na Amazônia (UEA).

Alcides de Castro Amorim Neto, Universidade do Estado do Amazônas (UEA), Manaus, Amazônas, Brasil.

Graduado em Tecnologia Elétrica pelo UTAM (UEA) (1998) e em Matemática pela UFAM (2000), Especialista em Metodologia do Ensino Superior pelo UNINORTE (2004), Mestre em Matemática Pura com ênfase em Geometria Diferencial pela UFAM (2007) e Doutor em Clima e Ambiente com ênfase em Interações Biosfera-Atmosfera da Amazônia pela UEA/INPA (2013). Tem experiência no Ensino Superior em Matemática Pura, Aplicada e Educação Matemática. Atualmente, Professor Associado e Coordenador do curso de Licenciatura em Matemática Mediado Tecnológico e Professor do Curso de Mestrado Acadêmico em Educação e Ciências na Amazônia e do Mestrado Profissionalizante em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT, ambos da Universidade do Estado do Amazonas - UEA. 

Referências

AUSUBEL. David Paul. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma Perspectiva Cognitiva. 1ª ed. Lisboa: Paralelo Editora. 2000.

BACICH, L.; NETO, A. T.; DE MELLO TREVISANI, F. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Penso Editora, 2015.

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Tradução Lucie Didio. Brasília: Plano, 2002. Disponível em: https://www.academia.edu/9610023/BARBIER_Rene_A_Pesquisa_Acao. Acesso em 23 jan. 2023.

BERGMANN, J. SAMS, A. Sala de aula Invertida: Uma metodologia Ativa de Aprendizagem. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. 1. Ed. – Rio de Janeiro: LTC, 2019.

BOGDAN, R; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. 10 ed. Porto Editora, 1991.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: proposta preliminar revisada. Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, 2018. Disponível: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 23 jan. 2023.

BRITO SILVA, J. M.; DE MIRANDA CERQUEIRA, L. L. Plataforma Youtube® como ferramenta para o ensino de Biologia. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática. Cuiabá, v. 8, n. 2, p. 774-792, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i2.10191

CRESWELL, J. W. CLARCK, V.L. P. Pesquisa de Métodos mistos. Tradução: Magna França Lopes. -2. Ed. – Porto Alegre: Penso, 2013. 288p.

CHRISTENSEN, C.; HORN, M. B.; STAKER, H. Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. 2013. Disponível em: https://www.pucpr.br/wp-content/uploads/2017/10/ensino-hibrido_uma-inovacao-disruptiva.pdf. Acesso em: 09 jun. 2019.

DANTAS, A. T. S.; OLIVEIRA, M. T. Construção e aplicação de uma sequência didática utilizando o smartphone como recurso tecnológico para o ensino de Biologia. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática. Cuiabá, v. 8, n. 1, p. 194-210, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i1.9483

DEWEY, John. Democracia e Educação. 3 ed. S. Paulo: Nacional, 1959.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LÈVY, Pierre. A Máquina universo: criação, cognição e cultura informática. Tradução de Maria Manuela Guimarães. Lisboa: Instituto Piaget, 1995. 245p

MARCONI, Maria de Andrade. LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. – São Paulo: Atlas, 2010

MORAN. Metodologias ativas para uma educação inovadora. Porto Alegre: Penso, 2012.

MORAN. Metodologia ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática [recurso eletrônico] / Organizadores, Lilian Bacich, José Moran. – Porto Alegre: Penso, 2018

MOREIRA, M.A. MASINI, E.F.S. Aprendizagem Significativa: A teoria de David Ausubel. Editora Moraes: São Paulo, 2001.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, diagramas V e unidades de ensino potencialmente significativas. 2013. Tese (doutorado) – Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

MORIN, E. Os setes saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonara F. da Silva e Jeanne Sawaya. 2. Ed. Ver. – São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. NCB University Press, Vol. 9 No. 5, October, 2001. Disponível em: https://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf. Acesso 23 jan. 2023.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SILVA, L. D. A Videoaula no Ensino Médio como Recurso Didático Pedagógico no Contexto da Sala de Aula Invertida. 2017. 124 f. Dissertação (Mestrado). UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU – FURB/ SC. Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemáticas. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/FURB_099abe5c1a036a25b2d9cf85c0188924. Acesso 23 jan. 2023.

SILVA, W. A. da; KALHIL, J. B. Um estudo sobre as habilidades necessárias para utilização das tecnologias digitais como recurso metodológico. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática. Cuiabá, v. 5, n. 1, p. 62-77, 2017. https://doi.org/10.26571/2318-6674.a2017.v5.n1.p62-77.i5343

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2009.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: Introdução a Metodologia. Educação Universidade de Murdoch. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, nº 3, p. 443-466, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf Acesso em: 06 jan. 2020.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista. Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014.

WITT, Dan. Accelerate Learning with Google Apps for Education. [2015]. Disponível em: https://danwittwcdsbca.wordpress.com/2015/08/16/accelerate-learning-with-google-apps-for-education/. Acesso em: 23 out. 2019.

Downloads

Publicado

2023-02-05

Como Citar

BENEVIDES, V. de L.; AMORIM NETO, A. de C. O USO DA SALA DE AULA INVERTIDA COMO METODOLOGIA NO ENSINO DE BIOLOGIA PARA O 3º ANO DO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE MANAUS/AM. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23005, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.13963. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/13963. Acesso em: 25 fev. 2024.