ESTUDO FITOQUÍMICO DA MAMONA: USO DA TÉCNICA DO LABORATÓRIO ROTACIONAL ADAPTADO

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i1.12916

Palavras-chave:

Ricinus communis L., Laboratório Rotacional, Ensino Híbrido

Resumo

Este trabalho propõe uma adaptação à metodologia ativa chamada "Laboratório Rotacional" e suas práticas na educação básica (Ensino Híbrido). Partimos de um questionamento inicial dos alunos sobre a toxicidade da espécie vegetal Ricinus communis L., conhecida popularmente como mamona. Esse questionamento se constituiu num Tema Gerador de aprendizagem com o objetivo principal de identificar no pó das folhas da espécie vegetal, os princípios ativos responsáveis pela toxicidade e aprender a partir da abordagem experimental, conceitos de Química Orgânica. A fim de buscar resposta ao questionamento inicial, os alunos rotacionavam entre a sala de aula tradicional e os laboratórios de informática e de Ciências.  Dessa forma, os alunos pesquisaram sobre a espécie e realizaram testes químicos para verificar a presença de constituintes químicos no pó das folhas. Ao se pensar no Laboratório Rotacional como uma prática, devemos considerar o papel fundamental da tecnologia, bem como a mudança de papel do professor que se torna o mediador do processo. Observou-se engajamento durante a execução das atividades, a autonomia, a criatividade, a motivação na participação das aulas e o aprender de forma colaborativa. Verificou-se que a metodologia ativa Laboratório Rotacional foi importante para a aprendizagem de conceitos químicos e permitiu que os alunos respondessem ao questionamento inicial sobre a toxicidade da espécie vegetal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco José Mininel, Universidade Brasil, Fernandópolis, São Paulo, Brasil.

Possui graduação em Ciências com Habilitação em (Química e Biologia) - Faculdades de Ciências e Letras de Votuporanga (1987), mestrado em Ciências Farmacêuticas: Insumos e Medicamentos pela Universidade São Francisco (2003) e mestrado em Química com ênfase em Ensino de Química pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - IQ - UNESP (2009). Possui Doutorado em Química de Produtos Naturais pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - IQ - UNESP- Campus de Araraquara. É coordenador/professor da Universidade Brasil. É supervisor do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Brasil. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química de Produtos Naturais e Educação Química.

Referências

AUSUBEL, David P.; NOVAK, Joseph D.; HANESIAN, Helen. Psicologia Educacional. 2 ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

AUSUBEL, David. P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma Perspectiva Cognitiva. 1 ed. Lisboa: Plátano, 2003.

BACICH, Lilian; NETO, Adolfo Tanzi; TREVISANI, Fernando de Melo (Org.). Ensino híbrido: Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p.272.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Acesso em: 21 fev. 2020. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5437015/mod_resource/content/1/As%20metodologias%20ativas%20e%20a%20promoc%CC%A7a%CC%83o%20da%20autonomia%20de%20estudantes%20-%20Berbel.pdf

CHRISTENSEN, Clayton.; HORN, Michael; STAKER, Heather. Ensino híbrido: uma inovação disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Maio de 2013.

DUKE JA. Handbook of medicinal herbs. Florida: CRC Press., 1987. p. 677.

FARMACOPEIA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL. 2.ed. São Paulo: Indústria Gráfica Siqueira, 1959.

FILHO, Ângelo Savy. BANZATTO, Nicolau.; PETTINELLI, Júnior. A. Potencial dos Resíduos Vegetais da Cultura da Mamoneira (Ricinus communis L.), na Substituição de Insumos Agrícolas. Revista de Agricultura, Piracicaba, 64(2): 241-254, 1989. Disponível em: https://www.pucpr.br/wp-content/uploads/2017/10/ensino-hibrido_uma-inovacao-disruptiva.pdf. Acesso em: 31 de mar. 2021.

HARASIM, Linda et al. Redes de Aprendizagem: Um Guia para o ensino e aprendizagem online. São Paulo: Editora SENAC, 2005. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1935/193517360011.pdf. Acesso em: 12 de jun. 2020.

HORN, Michael B.; STAKER, Heather; CHRISTENSEN, Clayton. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Penso Editora, 2015.

KANG S. San.; CORDELL Geoffrey., SOEJARTO Dijaja., FONG Harry. Alkaloids and flavonoids from Ricinus communis. J. Nat.Prod, 1985. p.48(1): 155-156. Disponível em: https://pubs.acs.org/doi/abs/10.1021/np50037a041. Acesso em: 22 de jul. 2020.

LOCATELLI, Tamiris. A Utilização de Tecnologias no Ensino da Química. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 08, Vol. 04, pp. 5-33, 2018. Disponível em: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/tecnologias-no-ensino. Acesso em: 10 de jan. 2022.

MASETTO, Marcos T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: Moran, José Manuel (org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000.

MATOS, J. M. D. MATOS, M.E.O. Farmacognosia: curso teórico-prático. Fortaleza: UFC, 1989.

MORAN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Carlos Alberto de Souza e Ofelia Elisa Torres Morales (orgs.). Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. PG: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015.

MOURA, D. H. A formação de docentes para a educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, MEC, Setec, v. 1, n. 1, p. 23- 37, jun. 2008. Disponível em: https://home.unicruz.edu.br/mercosul/pagina/anais/2018/. Acesso em: 10 de jan. 2022.

PINTO, Antônio Sávio da Silva et al. O Laboratório de Metodologias Inovadoras e sua pesquisa sobre o uso de metodologias ativas pelos cursos de licenciatura do UNISAL, Lorena: estendendo o conhecimento para além da sala de aula. Revista de Ciências da Educação, São Paulo, v. 2, n. 29, p. 67-79, jun./dez. 2013. Disponível em: http://revista.unisal.br/ojs/index.php/educacao/article/view/288. Acesso em: 02 de ago. 2020.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Pesquisa Científica. In: ______. Método do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, cap. 3, p. 42-118, 2013. Disponível em: https://aedmoodle.ufpa.br/pluginfile.php/291348/mod_resource/content/3/2.1-E-book-Metodologia-do-Trabalho-Cientifico-2.pdf. Acesso em: 08 de ago. de 2020.

RIZZO, M.R., 2005 [online]. O biodiesel a partir da mamona é viável? Disponível em: https://www.biodieselbr.com/artigos/mamona/ga-biodiesel-base-mamona. Acesso em: 19 abr. 2021.

SARTORI, J.; LONGO, M. PRÁTICAS INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 3, p. e21075, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i3.11976. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11976. Acesso em: 10 jan. 2022.

SOUZA, Felipe Vieira de. Expressão de genes em resposta a estresse por restrição hídrica em sementes de Ricinus communis L. (Euphorbiaceae). 2012. 76f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Biotecnologia. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/11906/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o_ICS_Felipe%20Souza.pdf. Acesso em: set. de 2020.

TOKARNIA Carlos.Hubinger; BRITO Marilene de Farias; BARBOSA José Diomedes; PEIXOTO Paulo Vargas; DOBEREINER Jurgen. Plantas tóxicas do Brasil para animais de produção. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora Helianthus, p.119-124 & 284-285, 2012. Disponível em: https://www.worldcat.org/title/plantas-toxicas-do-brasil-para-animais-de-producao/oclc/881371461. Acesso em: 21 de out. 2020.

VALENTE, José Armando. A Comunicação e a Educação baseada no uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação. Revista UNIFESO – Humanas e Sociais, vol. 1, n. 1, 2014, pp. 141-166. Disponível em: https://www.unifeso.edu.br. Acesso em: 10 de jan. 2022.

Publicado

2022-01-19

Como Citar

MININEL, F. J. ESTUDO FITOQUÍMICO DA MAMONA: USO DA TÉCNICA DO LABORATÓRIO ROTACIONAL ADAPTADO. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 1, p. e22006, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i1.12916. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12916. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências