DENSIDADE E FORÇA DE EMPUXO: IMAGINAÇÃO E PRODUÇÃO DE UM RECURSO DIDÁTICO

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.10235

Palavras-chave:

Imaginação, Recurso Didático, Ensino de Ciências

Resumo

Neste artigo, apresentamos uma pesquisa (auto)formativa biográfica sobre o papel da imaginação na atividade de uma professora, durante a produção de um recurso didático, para ensinar os conceitos de densidade e força de empuxo. A partir do texto de campo, descrevendo a motivação inicial e o processo de criação, realizamos o processo analítico-interpretativo, inspirados na pesquisa narrativa, para elaborar a biografia do percurso de produção do recurso. A biografia contém a interpretação do processo por meio da explicitação dos princípios orientadores do percurso de produção do recurso didático. Concluímos que a produção do recurso e, especialmente, a reflexão sobre o processo de sua produção, são momentos de aprendizagem e de formação para o professor, pelas possibilidades de teorizar sobre os problemas, equacioná-los e propor-lhes soluções práticas. Essa narrativa tem potencial de contribuir com a área de educação em ciências, inspirando a criação de novos materiais didáticos, de outras pesquisas sobre os percursos de produção, fortalecendo espaços de compartilhamento de biografias de professores que valorizam a personalização do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Andrela Garibaldi Loureiro Parente, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências: habilitação em Química pela Universidade Federal do Pará (1999); mestrado em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal do Pará (2004) e; doutorado em Educação para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012). Foi professora da Educação Básica (1999-2005) atuando nos níveis fundamental e médio pela Secretaria de Estado de Educação do Pará. Desde 2005 é professora do 3º grau na Universidade Federal do Pará. Atua no ensino de graduação, na Faculdade de Educação Matemática e Científica, e no ensino de pós-graduação, nos programas PPGECM e PPGDOC, do Instituto de Educação Matemática e Científica da UFPA.

José Moysés Alves, Universidade Federal do Pará

Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI)

Doutor em Psicologia, Universidade de São Paulo (USP) Professor Titular – Universidade Federal do Pará (UFPA)

Sérgio Henrique Oliveria Bezerra, Secretaria de Estado de Educação do Pará

Mestre em Ensino de Física, Universidade Federal do Pará (UFPA/MNPEF) – Discente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (IEMCI/UFPA).

Referências

ABIB, M. L. V. S. Por que os objetos flutuam? Três versões de diálogos entre as explicações das crianças e as explicações científicas. In: CARVALHO, A M. P. (Org.) Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. p 93-110.

ALVES, José Moysés; PARENTE, Andrela Garibaldi Loureiro. Linguagem e conhecimento, tema da formação inicial na Licenciatura Integrada em Ciências, Matemática e Linguagem. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática. v. 8, n. 1, p. 249-267. jan/abr, 2020. ISSN: 2318-6674 .Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/9861/pdf. Acesso em: 23 jul. 2020. Doi: http://dx.doi.org/10.26571/reamec.v8i1.9861.

ANDRÉ, A. Formar o professor pesquisador para um novo desenvolvimento profissional. In: ANDRÉ, M. (Org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas, SP: Papirus, 2016. p. 17-34.

ATKINS, Peter; JONES, Loretta. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Tradução Ricardo Bicca de Alencastro. 5. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHAVANNES, Isabelle. Aulas de Marie Curie. Tradução Waldyr Muniz Oliva. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007.

CONNELLY, F. Michael; CLANDININ, D. Jean. Pesquisa narrativa: Experiência e História em Pesquisa Qualitativa. Tradução Grupo de Pesquisa narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU, Uberlândia: EDUFU, 2011.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

CUNHA, M. I. Ensino com pesquisa: a prática do professor universitário. Cadernos de Pesquisa, n.97, p.31-46, maio, 1996. ISSN 0100-1574. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/802/813. Acesso em: 08 ago. 2020.

EGAN, K. Por que a imaginação é importante na educação. In: FRITZEN, C.; GLADIR, da S. C. (Orgs.). Infância e educação em debate. Campinas, SP: Papirus, 2007. p. 11-37.

FAGUNDES, T. B. Os conceitos de professor pesquisador e professor reflexivo: perspectivas do trabalho docente. Revista Brasileira de Educação. v. 21, n. 65, p. 281-298, abr/jun 2016. ISSN 1809-449X. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v21n65/1413-2478-rbedu-21-65-0281.pdf. Acesso em: 9 fev. 2019.

FARIAS, R. F. Utilizando uma luminária do tipo lava-luz para o ensino de densidade, dilatação térmica e transformações de energia. Química nova na escola, n.19, p. 43-45, maio 2004. ISSN 0104-8899. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc19/a13.pdf. Acesso em: 12 de nov. 2017.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de; ALMEIDA, André Patrícia Cristina Albieri de. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO, 2019.

GONZÁLEZ REY, F. A imaginação como produção subjetiva: as ideias e os modelos da produção intelectual. In: MITJÁNS MARTINEZ, A.; ÁLVAREZ, P. (Orgs.) O sujeito que aprende: diálogo entre a psicanálise e o enfoque histórico-cultural. Brasília: Liber Livro, 2014. p. 35-61

GURGEL, I.; PIETROCOLA, M. Uma discussão epistemológica sobre a imaginação científica: a construção do conhecimento através da visão de Albert Einstein. Revista Brasileira de Ensino de Física, v..33, n. 1, p. 1602-1-1602-12, jan/mar 2011. ISSN 1806-9126. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbef/v33n1/24.pdf. Acesso em: 23 de ago. 2020. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-11172011000100024

HEWITT, Paul G. Física conceitual. 9. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

LACERDA, M. P. Por uma formação repleta de sentido. In: ESTEBAN, M. T.; ZACCUR, E. Professora-pesquisadora: uma práxis em construção. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 71-85.

LÜDKE, Menga; PUGGIAN, Cleonice; CEPPAS, Filipe; CAVALCANTE, Rita Laura Avelino; COELHO, Suzana Lanna Burnier. O professor e a pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 2001.

MITJÁNS MARTÍNEZ, A. Criatividade no trabalho pedagógico e criatividade na aprendizagem: uma relação necessária? In: TACCA, M. C. V. R. (Org.) Aprendizagem e trabalho pedagógico. Campinas: Alínea, 2006, p. 69-94.

MITJÁNS MARTÍNEZ, A. O lugar da imaginação na aprendizagem escolar: suas implicações para o trabalho pedagógico. In: MARTÍNEZ, A.M.; ÁLVAREZ P. (Orgs.) O sujeito que aprende: diálogo entre a psicanálise e o enfoque histórico-cultural. Brasília: Liber Livro, 2014a, p. 63-97.

MITJÁNS MARTÍNEZ, A. Um dos desafios da Epistemologia Qualitativa: a criatividade do pesquisador. In: MITJÁNS MARTÍNEZ, A; NEUBERN, M.; MORI V. D. (Orgs.) Subjetividade Contemporânea: discussões epistemológicas e metodológicas. Campinas: Alínea, 2014b, p. 61-86.

NÓVOA, A. A formação tem que passar por aqui: as histórias de vida no Projeto Prosalus. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010. p. 155-188.

PARENTE, A. G. L. Atividades investigativas no ensino de ciências. In: Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetização (Caderno 08). Brasília: MEC, SEB, 2015. Disponível em: https://sgmd.nute.ufsc.br/content/pnaic-sgmd/caderno-8/aprofundando-o-tema-3.html Acesso em: 08 ago. 2020.

PARENTE, Andrela Garibaldi Loureiro; ALVES, José Moysés. A pesquisa da prática pedagógica em aulas de ciências por bolsistas do PIBID. Amaz RECM - Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática. v. 16, n. 36, p. 163-180, 2020. ISSN: 2317-5125. Disponível em: https:// periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/8264/6330. Acesso em: 23 jul. 2020. Doi: http://dx.doi.org/10.18542/amazrecm.v16i36.8264.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e imaginação – os caminhos do conhecimento nas ciências, nas artes e no ensino. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004, p. 119-133.

ROMANELLI, Lilavate Izapovitz; JUSTI, Rosália da Silva. Aprendendo química. Ijuí: Ed. Unijuí, 1997.

STENHOUSE, Lawrence. La investigación como base de la enseñanza. Madri: Ediciones Morata, 1987.

TUNES, E.; VILLELA, M. C. T. R.; MITJÁNS MARTINEZ, A. Uma crítica as teorias clássicas da aprendizagem e à sua expressão no campo educativo. Linhas críticas, v. 12, n. 22, p. 109-130, jan/jun, 2006. ISSN 1516-4896. Disponível em: http://www.redalyc.org/artículo.oa?id=193517395007. Acesso em: 18 jun. 2019.

VIGOTSKI, Lev Semyonovich. Imaginação e criatividade na infância. Tradução Solange Affeche. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.

WOODS, P. Aspectos sociais da criatividade do professor. In: NÓVOA, A. (Org.). Profissão professor. Portugal: Porto Editora, 1991, p. 125-153.

Downloads

Publicado

2020-08-30

Como Citar

PARENTE, A. G. L.; ALVES, J. M.; BEZERRA, S. H. O. DENSIDADE E FORÇA DE EMPUXO: IMAGINAÇÃO E PRODUÇÃO DE UM RECURSO DIDÁTICO. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 8, n. 2, p. 793–816, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.10235. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10235. Acesso em: 25 maio. 2024.