MEDIAÇÃO DOCENTE NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS DE ESTUDANTES DO 5º ANO DE UMA ESCOLA DO CAMPO

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.10128

Palavras-chave:

Ensino de matemática. Problemas aditivos. Pesquisa da Própria Prática. Educação do Campo.

Resumo

Este estudo teve o objetivo investigar de que maneira a prática do professor pode contribuir para que estudantes do 5º ano de uma escola do campo construam estratégias para resolver problemas aditivos. Trata-se de uma pesquisa da própria prática enquanto metodologia de investigação qualitativa em Educação Matemática. A pesquisa ocorreu de abril a junho de 2019, totalizando 10 encontros, em uma escola do campo localizada em uma comunidade rural do município Marabá - Pará. Os instrumentos empregados na produção dos dados foram: o diário de campo do pesquisador, os documentos (cadernos) dos estudantes e as transcrições dos áudios gravados das aulas. Os resultados evidenciam que o diálogo entre o professor e os estudantes, bem como os questionamentos que o professor faz, provocando os estudantes a pensar sobre o que estão produzindo, é uma maneira de a prática do professor contribuir para que estudantes do 5º ano de uma escola do campo construam estratégias para resolver problemas aditivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jonas Souza Barreira, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutorando do Programa de Pós-Graducação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM) - do Instituto de Educação Matemática e Cientifica (IEMCI), da Universidade Federal do Pará ? UFPA. Na Linha de Pesquisa: Formação de Professores. Mestre em Docência em Educação em Ciências e Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Docência em Educação em Ciências e Matemática (PPGDOC) do Instituto de Educação Matemática e Cientifica (IEMCI), da Universidade Federal do Pará ? UFPA. Na Linha de Pesquisa: Formação de Professores para o Ensino de Ciências e Matemática. Possui graduação em Educação do Campo - ênfase em Matemática e Sistema de Informação pela Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA (2017) e graduação em Pedagogia - Faculdade Regional de Filosofia, Ciências e Letras de Candeias (2014). Atualmente é professor na Secretaria Municipal de Educação (SEMED) - Marabá, Técnico Pedagógico e Formador de Professores (SEMED) Itupiranga. Tem experiência na área de Educação do Campo com ênfase em Matemática, atuando principalmente no seguinte tema: Educação Matemática. Ensino de Matemática e Formação de Professores que ensinam Matemática. Atualmente Participa do Projeto: Letramentos Matemático e Científico na Formação e na Prática de Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental IEMCI/UFPA(2019). Também do Projeto: Laboratório Itinerante de Ensino e Experimentação em Ciências e Matemáticas (LABICIM) para as escolas do campo da microrregião de Marabá (2016). É membro do Grupo de Estudos em Educação Matemática e Práticas Socioculturais na Amazônia (GPEMAZON) .e do Grupo de Estudos e Pesquisas CNPq: Alfabetização, Letramento e Práticas em Linguagens Docentes na Amazônia (ALLEPLIDA)

Elizabeth Cardoso Gerhardt Manfredo, Universidade Federal do Pará (UFPA)

É Doutora (2013) e Mestre (2004) em Educação em Ciências e Matemáticas - PPGECM/UFPA; especialista em Educação e Problemas Regionais (2000)-PPGED/UFPA; Graduada em Pedagogia(1998) pela UFPA; é professora de ensino superior, Adjunto IV, do Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI-UFPA) onde atua no ensino de graduação nos temas Teoria e Prática da Alfabetização I e II e Estudos Teórico-Práticos da Alfabetização em Língua Materna I, II, III, IV, V e VI; Abordagens Curriculares para a educação em Ciências e Matemática e Linguagens (I, II e III); e no ensino de pós-graduação no Programa de Pós-graduação em Docência em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGDOC)-IEMCI-UFPA. Vice líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Cnpq: Alfabetização, Letramento e Práticas em Linguagens Docentes na Amazônia (ALLEPLIDA). Coordena o projeto de pesquisa: Letramentos matemático e científico na formação e na prática de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental (2019-2020), vinculado ao PPGDOC-IEMCI. Tem experiência e estudos no campo da formação e saberes de professores para a docência na Educação Básica e Superior com temas que incluem a perspectiva do professor-pesquisador reflexivo da própria prática; processos de aprendizagens envolvendo a alfabetização e o letramento em termos de ciências, matemática, linguagem de alunos do primeiro ao quinto ano e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Ensino Fundamental anos iniciais; abordagens em estudos que consideram histórias de vida; pesquisa narrativa; biografia e autobiografia; memorial de formação; projetos de trabalho; currículo; planejamento de ensino e de pesquisa; gêneros textuais na docência; leitura e produção de gêneros textuais acadêmicos. 

José Sávio Bicho, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), Marabá, Pará

Professor da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), atuando na Licenciatura em Educação do Campo (LPEC). Doutor em Educação em Ciências e Matemática pela Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC/UFMT/UFPA/UEA), mestre em Educação em Ciências e Matemáticas (Área de concentração: Educação Matemática) pela Universidade Federal do Pará (UFPA), licenciado em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), especialista em EAD e Novas Tecnologias pela Faculdade Educacional da Lapa (FAEL). É vice-lider do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática e Práticas Socioculturais da Amazônia (GPEMAZON/UNIFESSPA). Participa do Grupo de Pesquisa Educação em Fronteiras (EmF/UFF) e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Cultura (GEPEC/UFF). Participa do Núcleo de Pesquisa História da Ciência e Ensino (NUPHCE/UNIFAP). Tem interesse na área da Educação Matemática com ênfase em Etnomatemática e saberes da tradição, tecnologias e mídias digitais no ensino, aprendizagem e formação de professores.

Referências

ARAGÃO, R. M. R.; GONÇALVES, T. O. Vamos introduzir práticas de investigação narrativa no ensino de matemática?! AMAZÔNIA: Revista de Educação em Ciências e Matemática, v. 1, n. 1, jul./dez. 2014.

ARROYO, M. A. Educação Básica e o movimento social do campo. In: ARROYO, M. G; CALDART, R. S; MOLINA, M.C. (Orgs.). Por uma Educação do Campo. 5. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2017.

BARREIRA, J. S.; MANFREDO, E. C. G; BICHO, J. S. Contribuições de pesquisas sobre ensino de matemática nos anos iniciais com enfoque no professor pesquisador da própria prática (2013-2017). VIDYA, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 215-232, jan./jun., 2019.

BARREIRA, J. S. Pesquisa da própria prática ao ensinar matemática: uma análise de estratégias de resolução de problemas com estudantes do 5º ano de uma escola do campo. 2020. 136f. Dissertação (Mestrado em Docência em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2020.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto – Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa: Educação Matemática do Campo. Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica; Diretoria de Apoio à Gestão Educacional; Diretoria de Apoio à Gestão Educacional, 2014.

CARVALHO, S. F. de. Formação continuada em serviço e o uso da lousa digital em aulas de matemática: ações e reflexões de um grupo de professores. 2014. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. Tradução de Sandra Trabuco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002.

D’AMBROSIO, B. S. O Professor-pesquisador diante da produção escrita de alunos. In: ONUCHIC, L. R.; LEAL JUNIOR, L. C.; PIRONEL, M. (Orgs.). Perspectivas para resolução de problemas. São Paulo: Editorial, 2017.

DANTE, L. R. Didática da resolução de problemas de matemática. São Paulo: Ática, 1989.

DANTE, L. R. Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. São Paulo: Ática, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 49. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GALVÃO, E. S. da. Interagir, comunicar, refletir: ambiente de aprendizagem matemática numa perspectiva de resolução de problemas. 2014. 191f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade São Francisco, Itatiba, São Paulo.

GHEDIN, E. Perspectivas sobre a identidade do educador do campo. In: GHEDIN, E. (Org.). Educação do Campo: epistemologia e prática. São Paulo: Cortez, 2012.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2013.

ITACARAMBI, R. R. Resolução de problemas nos anos iniciais do ensino fundamental. São Paulo: Livraria da Física, 2010.

KILPATRICK, J. Variáveis e metodologias em pesquisa sobre resolução de problemas. In: ONUCHIC, L. R.; LEAL JUNIOR, L. C.; PIRONEL, M. (Orgs.). Perspectivas para resolução de problemas. São Paulo: Editorial, 2017.

LIMA, C. N. M. F.; NACARATO, A. M. A investigação da própria prática: mobilização e apropriação de saberes profissionais em matemática. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, p. 241-266, ago. 2009.

MORAIS, R. S.; ONUCHIC, L. R.; LEAL JUNIOR, L. C. Resolução de problemas, uma matemática para ensinar? In: ONUCHIC, L. R.; LEAL JUNIOR, L. C.; PIRONEL, M. (Orgs.). Perspectivas para resolução de problemas. São Paulo: Editorial, 2017.

MUNIZ, C. A. A criança das séries iniciais faz matemática? In: PAVANELLO, R. M. (Org.). Matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: a pesquisa e a sala de aula. São Paulo: Ed. SBEM, 2004 (v. 2).

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2013.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Novas Reflexões sobre o ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A.V.; BORBA, M. C. (Orgs.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

POLYA, G. A arte de resolver problemas. Tradução e adaptação de Heitor Lisboa de Araujo. 2. reimp. Rio de Janeiro: Interciência, 1995.

ROSA, C. C. da. A Formação do Professor Reflexivo no Contexto da Modelagem Matemática. 2013. 263 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA. A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 77-91.

SILVA JUNIOR, F. J. S. Intervenções didáticas no ensino de frações e a formação de professores. 2015. 147f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo.

SPINILLO, A. G.; MAGINA, S. Alguns “mitos” sobre a educação matemática e suas consequências para o ensino fundamental. In: PAVANELLO, R. M. (Org.). Matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: a pesquisa e a sala de aula. São Paulo: Ed. SBEM, 2004 (v. 2).

STENHOUSE, L. La investigación como base da la enseñanza. 6. ed. Madrid, España: Morata, 2007.

ZEICHNER, K. M. Formando professores reflexivos para a educação centrada no aluno: possibilidades e contradições. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: UNESP, 2003. p. 35-55.

Downloads

Publicado

2020-06-05

Como Citar

BARREIRA, J. S.; MANFREDO, E. C. G.; BICHO, J. S. MEDIAÇÃO DOCENTE NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS DE ESTUDANTES DO 5º ANO DE UMA ESCOLA DO CAMPO. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 392-414, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.10128. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10128. Acesso em: 25 set. 2020.