A PRÁTICA DE ATIVIDADES E EXERCÍCIOS FÍSICOS REALIZADOS POR IDOSOS QUE FREQUENTAM UM PROGRAMA MUNICIPAL DE CONVIVÊNCIA E O PAPEL DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NESSE CONTEXTO

RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores

  • Walkiria Gomes de Moraes Prefeitura de Praia Grande, Praia Grande, São Paulo, Brasil
  • Lucas Zanon Pina Prefeitura de Praia Grande, Praia Grande, São Paulo, Brasil
  • Waldecir Paula Lima Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, São Paulo, Brasil

Palavras-chave:

terceira idade, envelhecimento, saúde

Resumo

Dentre os diversos projetos desenvolvidos pela Prefeitura do Município da Estância Balneária de Praia Grande – São Paulo, destaca-se o Programa Conviver, proposto pela Secretaria de Assistência Social, que atende mais de 5.200 munícipes acima dos 60 anos de idade e oferece, aos frequentadores, várias opções de atividades, incluindo a prática de atividades e exercícios físicos. Posto isso, esse estudo tem por objetivo relatar experiências relacionadas a inserção e execução da prática das atividades e exercícios físicos no desenvolvimento do Programa Conviver, além de elucidar o papel protagonista do Profissional de Educação Física nesse campo de atuação e como integrante da equipe multiprofissional, necessária para o desenvolvimento desse projeto.

Referências

ANTONIO, José Gallego e colaboradores. Programa de natación adaptada para personas mayores dependientes: benefícios psicológicos, físicos y fisiológicos. Revista de psicologíadel deporte, v. 21, n. 1, p. 125-133, 2012.

BRASIL. Lei n. 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Política Nacional do Idoso. Diário Oficial da União, v.1, n.1, 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8842.htm> Acesso em: 20 out., 2020.

______. Ministério da Saúde. Sistema de Legislação da Saúde. 2006. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006.html#:~:text=No%20Brasil%2C%20%C3%A9%20definida%20como,Camarano%20e%20Kanso%2C%202004> Acesso em: 02 ago., 2020

______. Ministério do Desenvolvimento Social. SUAS: perguntas frequentes. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Brasília, DF: MDS, Secretaria Nacional de Assistência Social, Departamento de Proteção Social Básica, 2017.

CLARK, Bruce A. Tests for fitness in older adults: AAHPERD Fitness Task Force. Journal of physical education recreation and dance, v. 60, n. 3, p. 66-71, 1989.

CNAS. Conselho Nacional de Assistência Social. Ratifica a equipe de referência definida pela Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do Sistema Único de Assistência Social - NOB-RH/SUAS e reconhece as categorias profissionais de nível superior para atender as especificidades dos serviços socioassistenciais e das funções essenciais de gestão do Sistema Único de Assistência Social – SUAS. Resolução nº 17 de 20 de junho de 2011. Diário Oficial da União – DOU, de 21 de junho de 2011. Brasília, DF, 2011.

COSTA, Lucas da Silva Vaz da e colaboradores. Análise comparativa da qualidade de vida, equilíbrio e força muscular em idosos praticantes de exercício físico e sedentários. Revista eletrônica Faculdade Montes Belos, v. 8, n. 3, p.1-5, 2016.

DEBERT, Guita Grin. A invenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista brasileira de ciências sociais, v. 12, n. 34, p. 39-56, 2007.

ELLEN, Moriah E. e colaboradores. Knowledge translation framework on ageing and health. Health policy, v. 121, n. 1, p. 2820-291, 2017.

FREITAS, Vinícius e colaboradores. Influência do nível de atividade física da mobilidade sobre o estresse emocional e idosos comunitários. Revista de psicologia del deporte, v. 27, n.1, p. 75-81, 2017.

FUKUI Sakiko e colaboradores. Effect of a multidisciplinary end-of-life educational intervention on health and social care professionals: A cluster randomized controlled trial. PLoS ONE, v. 14, n. 8, p. 1-12, 2019.

GOBBO, Luís Alberto. Transição demográfica e epidemiológica no Brasil. In: Conselho Regional de Educação Física 4ª Região. Envelhecimento e exercício. São Paulo: CREF4/SP, 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da População 2018: número de habitantes do paísdee parar de crescer em 2047. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21837-projecao-da-populacao-2018-numero-de-habitantes-do-pais-deve-parar-de-crescer-em-2047>. Acesso em: 12 ago., 2020.

______. IBGE divulga estimativa da população dos municípios para 2020. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/28668-ibge-divulga-estimativa-da-populacao-dos-municipios-para-2020> Acesso em: 16 out., 2020.

LEMKE. Ruben Artur; SILVA, Rosane Azevedo Neves da. Um estudo sobre a inerência como estratégia de cuidado no contexto das políticas públicas de saúde no Brasil. Revista de saúde coletiva, v. 21, n. 3, p. 979-1004, 2011.

LIMA, Alisson Padilha de e colaboradores. Grupo de convivência para idosos: o papel do profissional de educação física e as motivações para adesão à prática de atividade física. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 1, n. 1, p. 1-7, 2019.

LOTTI, Alessandro Demel; NAKAMURA, Eunice. Significados da prática profissional em educação física na área da saúde. Revista pensar na prática, v. 23, n. 1, p. 1-23, 2020.

MENDES, Alessandra Gomes. Residência multiprofissional em saúde e serviço social. In: SILVA, Letícia Batista; RAMOS, Adriana. Serviço social, saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional. São Paulo: Papel Social, 2013.

NASCIMENTO, Bianca Stéfany Aguiar e colaboradores. O envelhecimento sob a ótica do ser idoso: uma abordagem fenomenológica. Research, Society and Development, v. 9, n. 1, 2020.

NASCIMENTO, Carla Manuela Crispim e colaboradores. Nível de atividade física e as principais barreiras percebidas por idosos de Rio Claro. Revista da Educação Física, v. 19, n. 1, p. 109-118, 2008.

OLIVEIRA, Adilson Ribeiro. Do relato de experiência ao artigo científico: questões sobre gênero representações e letramento na formação de professores a distância. SCRIPTA, v. 16, n. 30, p. 307-320, jan./ jun., 2012.

PAPALÉO NETTO, Matheus. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu, 1996.

______. O estudo da velhice no século XX: histórico, definição do campo e termos básicos. In: FREITAS, Elizabete Viana de e colaboradores (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de janeiro: Guanabara Kroogan, 2002.

PAPALIA, Diane E; FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento Humano. 10. ed. Porto Alegre, RS: AMGH, 2010.

PAULI, José Rodrigo e colaboradores. Influência de 12 anos de prática e atividade física regular em programa supervisionado para idosos. Revista brasileira de cineantropometria e desempenho humano, v. 11, n. 3, p. 255-260, 2009.

PEREIRA, Renata Cristina Arthou; RIVERA, Francisco Javier Uribe; ARTMANN, Elizabeth. O trabalho multiprofissional na estratégia saúde da família: estudo sobre modalidades de equipes. Interface, v. 17, n. 45, p. 327-340, 2013.

PNAS - Política Nacional de Assistência Social, aprovada pelo Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS. Resolução nº 145, de 15 de outubro de 2004. Diário Oficial da União – DOU, de 28 de outubro de 2004, p. 81-82.

SANTANA, Maria Silva. Significado da atividade física para práticas de saúde na terceira idade. Estudos interdisciplinares no envelhecimento, v. 15, n. 2, p. 239-254, 2010.

SEADE. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Banco de dados de informações dos municípios paulistas. 2020. Praia Grande: Departamento Gráfico da Fundação Seade. SEADE, 2019. Disponível em: <http://www.perfil.seade.gov.br/>. Acesso em: 20 ago., 2020.

WHO – World Health Organization. World report on ageing and health. Luxembourg, 2015.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

Moraes, W. G. de ., Pina, L. Z. ., & Lima, W. P. . (2020). A PRÁTICA DE ATIVIDADES E EXERCÍCIOS FÍSICOS REALIZADOS POR IDOSOS QUE FREQUENTAM UM PROGRAMA MUNICIPAL DE CONVIVÊNCIA E O PAPEL DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NESSE CONTEXTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA. Corpoconsciência, 24(3), 121-130. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/11369

Edição

Seção

Seção Temática - ENVELHECIMENTO E LONGEVIDADE: COMO MANTER A AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA DE PESSOAS IDOSAS