MATEMÁTICA NAS FAKE NEWS: O CORRIQUEIRO, O FALSO E O ARTÍSTICO

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16746

Palavras-chave:

Educação Matemática, História, Estética, Filosofia

Resumo

Esse artigo objetiva elucidar como algoritmos de redes sociais atuam de modo a potencializar a viralização de fake news, aproximando a confecção dessas notícias falsas de uma elaboração estética. Nossa opção de análise fundamenta-se nos conceitos de estetização da política, do autor Walter Benjamin, e na sua releitura feita por Rancière. Para tanto, abordaremos o assunto a partir de uma elaboração textual que replica o modo da escrita ficcional. Criaremos uma situação corriqueira de conversa entre professor e aluno, na qual essas diferentes forças duais, como verdade ou mentira, fato ou fake, bem ou mal atuarão sobre um indivíduo, que refletirá sobre esses acontecimentos, a partir da trama vivida, desconstruindo algumas notícias falsas com base em conhecimento de matemática, bem como o caráter binário desses dilemas. Esperamos, com isso, refletir sobre temas como História da Educação Matemática, o uso de tecnologia e a importância das artes nesse processo formativo. Essa maneira de escrita que foge aos moldes acadêmicos amplifica a dimensão dialética do conhecimento, realçando a construção do conhecimento colocada em diálogo com diversos textos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adriel Gonçalves Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Doutor em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP, 2015). Possui Pós-Doutorado pela Universidade São Francisco (2017), Itatiba-SP, na área de Educação. Possui graduação em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) "Júlio de Mesquita Filho" (2010). Membro do Grupos de Pesquisa: História, Filosofia e Educação Matemática (HIFEM/ UNESP-UNICAMP); e do Grupo de Estudos Estética, Formação Superior e Infância (USF/CNPq), bem como do Grupo Potiguar de Estudos e Pesquisa em História da Educação Matemática (GPEP/UFRN). Atualmente, é docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM/UFRN) e professor do Departamento de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Norte -DMAT/UFRN.

Ronildo Nicodemos da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Catolé do Rocha, Paraíba, Brasil.

Mestre em Ensino de Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2022), possui Especialização em Ensino de Matemática (2020) e Licenciatura em Matemática (2021) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e graduação em Ciência e Tecnologia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (2014). Atua como professor EBTT no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) e como docente externo do Núcleo de Ensino à Distância (NEAD/UFERSA). Tem interesses na área de Educação Matemática, com ênfase em História e Filosofia da Educação Matemática.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8° ed. Revista - São Paulo: Brasiliense, 2012.

BENJAMIN, W. A origem do drama barroco alemão. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984.

BRITO, A. J & OLIVEIRA, A. G. Utopias e Ensino de Matemática: uma história. RIPEM - Revista Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, v.10, n.2, 2020, p. 107. https://doi.org/10.37001/ripem.v10i2.2168

BRITO, A, J. A matemática e seu ensino no século XVII: dois ensaios. Tese (Livre Docência). Rio Claro: IB UNESP, 2011.

COHEN, Stanley. Whose side were we on? The undeclared politics of moral panic theory. Crime Media Culture, v. 7, p. 237, 2011. DOI: 10.1177/1741659011417603.

GINZBURG, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso e fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 454p.

GINZBURG, C. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Cia das Letras, 2002, 192p.

HOBSBAWM, E. J. Sobre História. São Paulo. Companhia das Letras, 2013.

HOBSBAWM, E. J. A era dos Extremos: o breve século XX. 2 ed. - São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MIGUEL, A. Percursos indisciplinares e mobilização cultural na atividade situada de investigação acadêmica em educação. Texto apresentado na mesa redonda “Cooperação interdisciplinar e produção do conhecimento em educação”. 30ª. Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), ocorrida de 07 a 10 de outubro de 2007. Caxambu (MG).

MIGUEL, Antonio. Percursos Indisciplinares na Atividade de Pesquisa em História (da Educação Matemática): entre jogos discursivos como práticas e práticas como jogos discursivos. Bolema, Rio Claro – SP, v. 23, n. 35A, abr. 2010.

O'NEIL, C. Algoritmos de destruição em massa. Editora Rua do Sabão, 2021.

LOPES, G. Boletim de urna mostra 777 votos e 9909 só pro Haddad! Será? ln: Gilmar Lopes. E-Farsas. [S.l.]. 08 out. 2018. Disponível em: https://www.e-farsas.com/boletim-de-urna-mostra-777-votos-e-9909-so-pro-haddad-sera.html. Acesso em: 21 set. 2023.

RAJU, C. K. Euclid and Jesus: How and why the church changed mathematics and Christianity across two religious wars. Multiversity and Citizens International, 220 p. 2013.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: Estética e Política. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 72 p. 2012.

SILVA, R. N. Matemática e fake news: reflexões da educação matemática sobre consumo de notícias. Natal: UFRN, 2022. 81 p. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas e Naturais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2022. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/50895 . Acesso em: 18 set. 2023.

SILVA, R. N. da; OLIVEIRA, A. G.. Reflexões sobre o papel da matemática na construção e propagação de desinformação. In: GUTIERRE, L. de S.; MORAIS, M. B. de (Orgs.). Educação Matemática no Nordeste Brasileiro: Entre Histórias, Compreensões e Proposições. Editora Fi, pp. 21-42. 2023. Disponível em: editorafi.org/ebook/a005-educacao-matematica-nordeste-brasileiro. Acesso em: 16 set. 2023.

SONTAG, S. Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM. 1987.

SUTHERLAND. J. Uma breve história da literatura. Porto Alegre-RS: L&PM. 2017.

Downloads

Publicado

2023-12-09

Como Citar

OLIVEIRA, A. G.; SILVA, R. N. da. MATEMÁTICA NAS FAKE NEWS: O CORRIQUEIRO, O FALSO E O ARTÍSTICO. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23103, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16746. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16746. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Mat(h)Ifem: diálogos entre Matemática, Arte, Tecnologias e História