OS ASPECTOS TECNICISTAS DO CURRÍCULO DO PROJETO LOGOS II

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16745

Palavras-chave:

História, Formação docente, Tecnicismo

Resumo

Este é um artigo resultante de uma tese de doutoramento, que tinha como objetivo estudar os módulos do Projeto Logos II, o qual foi um programa desenvolvido entre as décadas de 1970 e 1990 em algumas unidades da federação, com os princípios da instrução programada que consistia em fracionar o material em pequenas sequências lógicas, sendo utilizada no Logos II no formato de módulos. Portanto, este artigo tem por objetivo analisar os aspectos tecnicistas na formação a distância de professores mediante o currículo do Logos II. Desse modo, cabe as interrogações: como os aspectos tecnicistas permearam a elaboração do currículo do Projeto Logos II? E, como este currículo influenciou a formação docente de professores? Para responder esse e outros questionamentos, foi analisado o currículo do Projeto Logos II e o contexto educacional da época por meio das legislações e do material bibliográfico publicado, relacionado com a temática. Como um dos principais resultados, nota-se que o currículo do Logos II era pautado numa ferramenta de trabalho para aplicação educacional, a instrução programada, que era considerada na época uma tecnologia educacional, sendo uma tendência do ensino tecnicista. Tanto a educação a distância como a instrução programada, em suas origens, tiveram inspiração da teoria Behaviorista de estímulo-resposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cristiane Talita Gromann de Gouveia, Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Vilhena, Rondônia, Brasil.

Professora Adjunta na Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) (2019). Mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) (2016). Possui Especialização em Metodologia e Didática do Ensino Superior pela Faculdades Integradas de Ariquemes (2011), Graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Faculdades Integradas de Ariquemes (2011) e Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa (2020), atuando principalmente nos seguintes temas: Matemática, História da formação docente, Formação Docente, Professores Leigos, Métodos e Técnicas de Ensino, Ensino-Aprendizagem.

Sérgio Candido de Gouveia Neto, Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Vilhena, Rondônia, Brasil.

Licenciado em Matemática - Universidade Federal de Rondônia (2002), Mestre em Ciências (Energia Nuclear na Agricultura) - Universidade de São Paulo (2006); Doutor em Educação Matemática - Universidade Estadual Paulista (UNESP-Rio Claro) (2015); Pós-doutorado em Educação Matemática. Professor Associado I na Fundação Universidade Federal de Rondônia - Campus de Vilhena. Tem experiência na área de Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: História da Educação Matemática; História da Matemática; Formação docente, Culturas, Saberes, Práticas e Diversidade da Amazônia.

Referências

AMARAL, M.T.M. Políticas de habilitação de professores leigos: a dissimulação da inocuidade. In: GARCIA et al. Professor Leigo: Institucionalizar ou erradicar? São Paulo: Cortez; Brasília: SENEB, 1991. p. 37-83.

AVÍZ, F. S.; SILVA, V. M. A. Educação a Distância: Uma Abordagem de Ensino e Aprendizagem, referenciando o SENAC no Pará. Belém-PA, 2001. TCC (Licenciatura em Pedagogia) - Centro de Ciências Humanas e Educação da (UNAMA), 2001. Disponível em: <http://www.nead.unama.br/bibliotecavirtual/monografias/EDUCACAO_DISTANCIA.pdf> Acesso em: 26 ago. 2023.

BARALDI, I.M.; GAERTNER, R. Contribuições da CADES para a Educação (Matemática). Secundária no Brasil: uma Descrição da Produção Bibliográfica (1953-1971). Revista Bolema. Rio Claro (SP), v.23, nº 35A, p. 159-183. 2010. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/2912/291221892009.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2023.

BEM, L. Y. do N. .; CARVALHO , S. M. P. de .; OLIVEIRA , C. A. de .; SANTOS , M. A. B. dos . A teoria behaviorista e suas implicações na concepção e prática no contexto escolar. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 166–178, 2019. DOI: 10.31416/rsdv.v7i2.91. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/91 . Acesso em: 25 out. 2023.

BLOCH, M. Apologia da história ou o ofício do Historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 ago. 1971a.

BRASIL. Parecer nº 853 de 12 de novembro de 1971. Núcleo comum para os currículos do ensino de 1º e 2º graus. A doutrina do currículo na Lei n. 5.692. In: Documenta nº 132, Rio de Janeiro, nov. 1971b.

BRASIL/MEC/CFE. Parecer 349 de 06 de abril de 1972. Organiza a habilitação para o magistério. In.: Documenta, n. 137, p. 155173, abr. 1972.

BRASIL. Ministério da Educação e cultura; Departamento de Ensino Supletivo. Projeto

Logos I: O desafio da experimentação o resultado, Brasília, 1974.

BRASIL. Ministério da Educação e cultura; Departamento de Ensino Supletivo. Projeto Logos II, Brasília, 1975.

BRITO, A. J. A USAID e o Ensino de Matemática no Rio Grande do Norte. Revista Bolema, Rio Claro (SP), Ano 21, n. 30, p. 1-25, 2008. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/1778 . Acesso em: 22 out. 2023.

CARPI, A. C. M. S.; MORAES, J. F. S. Centro Educacional de Niterói: percursos, trajetórias e histórias. 11º Encontro de Pesquisa em Educação da Região Sudeste (ANPEDSUDESTE), João Del Rei, Minas Gerais, 2014. Disponível em: https://anpedsudeste2014.files.wordpress.com/2015/07/ana-cristina-menegaz-dos-santos-carpi-jacqueline-de-fatima-dos-santos-morais.pdf . Acesso em: 10 de ago. 2023.

CETEB. Logos II: Registro de uma experiência. Brasília: CETEB, 1984.

CETEB. Logos II: Série 01 – Informações Pedagógicas. Módulo 1 ao Módulo 06. 5.ed. Brasília, 1987.

CETEB. Relatório interno: desenvolvimento de recursos humano via educação a distância.1990. [Mímeo].

COSTA, R.R. A capacitação e aperfeiçoamento dos professores que ensinavam matemática no Estado do Paraná ao tempo do Movimento de Matemática Moderna – (1961 a 1982). Curitiba, 2013, Tese (Doutorado em Educação) – Pontifica Universidade católica do Paraná (PUC), 2013.

EVANGELISTA, C. J. ; GROMANN DE GOUVEIA, C. T. . A formação de Professores

Leigos: Um olhar para os periódicos. In: Pesquisas Históricas em Jornais e Revistas:

Produções do HIFEM. 1.ed.São Paulo: Editora Livraria da Física, 2014, v. 1, p. 217-242

FARIAS, S. A. D. Uma análise da produção didática da matemática a distância: o caso da UFPB. João Pessoa-PB, 2009, Dissertação (Mestre em Educação Matemática) – Universidade Federal da Paraíba (UFPB), 2009.

FONTOURA, A. A Reforma do Ensino: (Diretrizes e Bases para o estudo de 1º e 2º Graus). Rio de Janeiro: Aurora, 1972.

GERMANO, J. W. Estado Militar e Educação no Brasil: 1964/1985 um estudo sobre a política educacional. Campinas, 1990, Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 1990.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Trad. Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GHIRALDELLI JR, P. História da Educação Brasileira. São Paulo: Cortez, 1994.

GONDIM, M. A. D. R. O Projeto LOGOS II no Piauí: uma análise de programas para formação do professor leigo de zona rural. 1982. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1982.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história 13ª ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2012.

GROMANN DE GOUVEIA, C.T. O Projeto Logos II em Rondônia: a implantação do projeto-piloto e as mudanças em sua organização político-pedagógica. 2016. Dissertação (mestrado em educação) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2016.

HILA, C. V. D. O microensino como instrumento de formação do professor de língua portuguesa. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, vol. 31, núm. 1, 2009, pp. 33-41 Universidade Estadual de Maringá Maringá, Brasil.

KRASILCHIK, M. O Professor e currículo de Ciências. São Paulo: EPU: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.

LE GOFF, J. História e Memória. Trad. Bernardo Leitão ... [et al]. 5.ed. Campinas: UNICAMP, 2003.

LIBÂNEO, José Carlos. Tendências pedagógicas na prática escolar. In: ________ .

Democratização da Escola Pública – a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1992.

MATHISON, Sandra. Why Triangulate? Educational Researcher, v.17, n.2, p. 13-17, mar. 1988.

MOREIRA, A. F. B. Currículos e Programas no Brasil. 18. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

OKANE. E. S. H.; TAKAHASHI, R. T. O estudo dirigido como estratégia de O estudo dirigido como estratégia de ensino na educação profissional ensino na educação profissional em enfer em enfermagem. Rev Esc Enferm USP, 2006; 40(2):160-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v40n2/02.pdf . Acesso em: 01 set. 2023.

OLIVEIRA, S. C. B. A formação dos professores em Guaraniaçu: A capacitação em serviço, Logos I, Logos II e HAPRONT. Paraná, 2010, Monografia (Especialização em História da Educação Brasileira) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), 2010.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes curriculares da educação básica: Ciências. 2008. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_cien.pdf Acesso em: 14 nov. 2017.

PERONI, V.; ADRIÃO, T. Público não-estatal: Estratégias para o setor educacional brasileiro. In: ___(Orgs.) O público e o privado na educação: interfaces entre estado e sociedade. São Paulo: Xamã, 2005.

PEREIRA, A. M. A disciplina de História da Educação e sua apresentação nos módulos de ensino do Projeto Logos II: uma história a ser contada (1970 a 1980). 2015. Dissertação (mestrado em educação) - Universidade Estadual de Maringá (UEM), 2015.

PESAVENTO, S.J. História e História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

PINTO, T. P.; GARNICA, A. V. M. O Rádio e as Matemáticas: um estudo sobre o Projeto Minerva. Perspectivas da Educação Matemática, v. 7, n. 13, 1 jun. 2014.

SANTOS, P.S. M. B. A construção da Educação Fluminense e o Centro Educacional de Niterói (CEN) dos anos de 1960-1970: o Papel de Armando Hildebrand e Myrthes Wenzell. Revista Contemporânea de Educação, vol. 8, n. 15, janeiro/julho de 2013. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/viewFile/1694/1543 Acesso em: 01 ago. 2018.

SANTOS, B. B. M. O currículo das escolas brasileiras na década de 1970: novas perspectivas historiográficas. Revista Ensaio: aval. pol. públ. Educ., [online] Rio de Janeiro, v.22, n. 82, p. 149-170, jan./mar. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v22n82/a08v22n82.pdf. Acesso em: 20 ago. 2023.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SCHERCH, V. A. A terceirização no serviço público: aspectos gerais, limites e vedações. In: Revista Âmbito Jurídico, on-line, Rio Grande, XIX, n. 146, mar 2016. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=16979&revista_caderno=4 . Acesso em: 15 dez. 2017.

SEVERINO, A. J. O público e o privado como categoria de análise da educação. In.: LOMBARDI, J. C.; JACOMELI, M. R.; SILVA, T. M. T. (orgs.). O Público e o privado na história da Educação Brasileira: concepções e práticas educativas. Campinas-SP: Autores associados; HISTEDBR; UNISAL, 2005.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política Educacional. 4.ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SILVA, R.C.S.; PEREIRA, E.C. Currículos de ciências: uma abordagem histórico-cultural. 2011. VIII Encontro nacional de pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). 2011. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0836-1.pdf Acesso em: 31 ago. 2023.

SILVA, E. M. Instrução programada: tecnologia educacional aplicada ao EAD. Revista de Tecnologia Aplicada (RTA). v.4, n.3, Set-Dez. 2015, p. 32-52. Disponível em: http://faccamp.br/ojs-2.4.8-2/index.php/RTA/article/view/901. Acesso em: 01 ago. 2013.

STAHL, M. M. Os módulos do Projeto Logos II: um estudo avaliativo dos elementos e conteúdo. 1981. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Educação, 1981.

TESSER, O. et.al. Avaliação de Programas de Formação da Professora “leiga” no Ceará. In.: THERRIEN, J.; Educação e Escola no Campo. p. 235-251. São Paulo: Editora Papirus, 1993.

VEIGA-NETO, A. Conexões... In.: OLIVEIRA, M.R.N.S. (orgs.). Confluências e Divergências entre didática e currículo. 2.ed. Campinas-SP: Papirus, 2012.

Downloads

Publicado

2023-12-09

Como Citar

GOUVEIA, C. T. G. de; GOUVEIA NETO, S. C. de. OS ASPECTOS TECNICISTAS DO CURRÍCULO DO PROJETO LOGOS II. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23102, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16745. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16745. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Mat(h)Ifem: diálogos entre Matemática, Arte, Tecnologias e História