RESISTÊNCIA E CRENÇAS DOS PROFESSORES SOBRE O ENSINO DE MATEMÁTICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16742

Palavras-chave:

Professores de Matemática, Educação Matemática, Resistência, Crenças sobre o Ensino de Matemática

Resumo

Nesse artigo, apresentam-se resultados parciais de uma pesquisa de doutorado que em parte investigou as crenças dos professores sobre o ensino de Matemática e sua relação com a resistência ao campo da Educação Matemática. Em uma abordagem qualitativa de pesquisa, estudam-se acontecimentos históricos que revelam dispositivos de resistência com efeitos de relação poder-saber ao campo da Educação Matemática. Conclui-se que, historicamente, os acontecimentos revelam divergências quanto ao ensino de Matemática, conforme a Educação Matemática foi se estabelecendo como campo acadêmico e de pesquisa e, em relação às crenças dos professores, ainda perduram práticas de ensino sem diferenças na formação inicial tanto do licenciando quanto do futuro bacharel em Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Wguineuma Pereira Avelino Cardoso, Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy (IFESP), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Possui graduação em Pedagogia (2016) e em Matemática (2005), ambas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atualmente é professora efetiva na Secretaria de Estado da Educação e da Cultura (SEEC/RN), sendo professora formadora e Coordenadora de Extensão no Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy (IFESP) e professora da Educação Básica na Escola Edgar Barbosa. Atua como Supervisora do PIBID de Matemática da UFRN. Tem experiência na área de Educação com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: História da Educação Matemática e Formação de Professores. Foi Coordenadora do Curso de Especialização em Matemática do IFESP. É presidente do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso de Licenciatura em Matemática no IFESP.

Liliane dos Santos Gutierre, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Pós-doutora pela UNESP/Rio Claro/PPGE (2015). Possui Doutorado (2008) e Mestrado (2003) em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGED/UFRN); possui graduação em Matemática Licenciatura Plena (1992) e Pedagogia (2016) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atualmente é professora associada D do Departamento de Matemática da UFRN, professora do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática (PPGECNM) e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM), ambos da UFRN, líder do Grupo Potiguar de Estudos e Pesquisas em História da Educação Matemática da UFRN (GPEP), Coordenadora de Formação para Docentes da Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UFRN (PPG/UFRN). Foi diretora da Sociedade Brasileira de Educação Matemática do RN (SBEM-RN/gestão 2009-2012). Atuou como Professora da EAD/SEDIS/UFRN. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: História da Educação Matemática e Formação de Professores. Foi coordenadora do Curso de Licenciatura Plena em Ciências - Habilitação Matemática do Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy(2005-2006). Foi Coordenadora da Especialização (Pós-Graduação Lato Sensu) em Educação Matemática para o Ensino Fundamental (anos finais) e Ensino Médio do Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy ( IFESP) (2007-2008).

Referências

BANDURA, A.; AZZI, R. G.; POLYDORO, S. Teoria social cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BOURDIEU, Pierre. Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BURKE, Peter. O que é história cultural. São Paulo: Jorge Zahar, 2015.

COSTA, Ângelo Brandelli; NARDI, Henrique Caetano. Homofobia e preconceito contra diversidade sexual: debate conceitual. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 23, n. 3, p. 715-726, set. 2015. ISSN 1413-389X. http://dx.doi.org/10.9788/TP2015.3-15 .

DAVID, M. M.; MOREIRA, P. C.; TOMAZ, V. S. Matemática escolar, matemática acadêmica e matemática do cotidiano: uma teia de relações sob investigação. Acta Scientiae, Canoas, v. 15, n. 1, p. 42-60, jan./abr. 2013. Disponível em: https://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/4785. Acesso em: 7 out. 2023.

FIORENTINI, Dario; OLIVEIRA, Ana Teresa de Carvalho Correa de. O lugar das matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas? Bolema: Boletim de Educação Matemática. v. 27, n. 47 p. 917-938, 2013. ISSN 1980-4415. https://doi.org/10.1590/S0103-636X2013000400011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes, 1987.

FREIRE, Paulo. Conscientização: Teoria e prática da libertação: Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra LTDA, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra LTDA, 1987.

GÓMEZ-CHACÓN, Inês Maria. Matemática Emocional: Os Afetos na Aprendizagem Matemática. Porto Alegre: Artmed, 2003.

KILPATRICK, Jeremy. Ficando estacas: uma tentativa de demarcar a educação matemática como campo profissional científico. p.99-120. Zetetiké Campinas, SP, v. 4, n. 1, 2009. ISSN 2176-1744. https://doi.org/10.20396/zet.v4i5.8646867 .

LLINARES, Salvador. El desarrollo de la competencia docente" mirar profesionalmente" la enseñanza-aprendizaje de las matemáticas. Educar em Revista, v. 20, p. 117-133.

NUÑEZ, Isauro Beltrán; MELO, Magda Maria Pinheiro de. Crenças De Professores Sobre As Habilidades No Contexto Escolar e a Teoria Histórico Cultural. Práxis Educacional, v. 16, n. 39, p. 395-420, 2020. ISSN 2178-2679. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i39.5129

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009. 100p.

PAJARES, M. Frank. Teachers’ beliefs and educational research: cleaning up a messy construct. Educational Research. vol. 62, n. 3, p. 307-332, 1992.

PAULA, Enio Freire de. Professor de Matemática, Matemático e Educador Matemático: Alguns Apontamentos sobre os Profissionais que Ensinam Matemática. Revista da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), p. 159-167, jul./dez. 2014. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/humanas. Acesso em: 22 nov. 2022.

RODRIGO, Maria José. Representaciones y Procesos em las Teorias Implícitas. In.: RODRIGO, Maria José; RODRIGUEZ, Armando; MARRERO, Javier. Las teorías implícitas: Uma aproximación al conocimiento cotidiano. Madrid: Visor Distribuciones, 1993. Cap. 3.

STAKE, R. E. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Tradução Karla Reis. Porto Alegre: Penso, 2011. E-book.

THOMPSON, Alba G. Teachers' beliefs and conceptions: a synthesis of the research. In:

GROUWS, D.A. (ed.). Handbook of research on mathematics teaching and learning. New York: Macmillan, 1992. p. 127-146.

VALENTE, Wagner Rodrigues. História da Educação Matemática. Cadernos CEDES, 2021, v. 41, n. 115. Acesso em 26 mai 2022. p. 164-167. ISSN: 0101-3262. Disponível em: https://doi.org/10.1590/CC245614 .

VIANNA, Carlos Roberto. Vidas e circunstâncias na educação matemática. 2000. Tese (Doutorado em Matemática) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

Downloads

Publicado

2023-12-09

Como Citar

CARDOSO, W. P. A.; GUTIERRE, L. dos S. RESISTÊNCIA E CRENÇAS DOS PROFESSORES SOBRE O ENSINO DE MATEMÁTICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23099, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16742. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16742. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Mat(h)Ifem: diálogos entre Matemática, Arte, Tecnologias e História