O ENSINO DA BIOENERGÉTICA NA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16652

Palavras-chave:

Fisiologia, Educação Física, Ciências, Interdisciplinaridade, Cultura

Resumo

A educação superior requer inovações e um esforço dos docentes responsáveis pelas disciplinas para que os novos conhecimentos sejam acessíveis aos graduandos, para que consigam produzir múltiplos sentidos aos temas trabalhados. A interdisciplinaridade é também fundamental nesse contexto e sua correspondência na Educação Básica, já que tradicionalmente há uma divisão entre as ciências e os conhecimentos produzidos. Assim, este trabalho, a partir dos pressupostos qualitativos, apresenta uma investigação baseada em experiência pedagógica e tem como objetivos: (i) viabilizar aos futuros professores de Educação Física de uma instituição pública do sul do Brasil, o acesso ao conhecimento interdisciplinar no ensino do conteúdo bioenergética, e (ii) analisar a experiência realizada. A experiência pedagógica é guiada pelas diferentes linguagens relacionadas à arte e ao corpo, resultando na produção de planos de ensino voltados ao Ensino Fundamental da Educação Básica. Como resultados, verificamos que a busca pelo conhecimento interdisciplinar, aliada à mobilização das emoções, é uma abordagem pedagógica poderosa que não apenas enriquece a jornada de aprendizado dos estudantes, mas também, capacita-os a responder às demandas da vida contemporânea a partir de um horizonte teórico ampliado e potencializado holisticamente. Tal abordagem é um investimento valioso no desenvolvimento de futuros professores que serão agentes de transformação na sociedade e terão expertise para mediar conhecimentos relacionados ao corpo e às manifestações corporais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Gisele dos Santos, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Maria Gisele dos Santos graduada em Educacao Fisica pela Universidade Federal de Santa Maria (1987), mestrado em Ciencia do Movimento Humano Fisiologia do Exercicio pela Universidade Federal de Santa Maria (1992), mestrado em Bioquimica e Biologia Molecular Bionergetica Muscular - Universidad Autonoma de Barcelona (1999) , doutorado em Bioquimica e Biologia Molecular Bioenergetica Muscular - Universidad Autonoma de Barcelona (2001). E pós doutorado em Nutriçao do exercício e esporte na Universidade de Baylor (USA) (2006). Atualmente sou professora Titular da Universidade Federal do Paraná. Tenho experiência na área de Educação Física, com ênfase em Fisiologia do Exercicio, bioquímica do exercício e nutrição desportiva, atuando principalmente nos seguintes temas: escolares, suplementação nutricional, efeitos fisiológicos, performance atividade física e aptidão física. Membro International of Society Sports Nutrition. Membro do CELAFISCS - Centro de Estudo e Laboratório de Aptidão Física São Caetano do Sul.. Membro da Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde.Membro da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular.

Cinthia Lopes da Silva, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Possui graduação em Bacharelado (1997) e Licenciatura (2002) em Educação Física; Mestrado em Educação Física - área Estudos do Lazer (2003) e Doutorado em Educação Física - área Educação Física e Sociedade (2008). Todos esses graus foram obtidos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). No doutorado realizou estágio no exterior (Doutorado Sanduíche) na Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa (2007), teve bolsa CAPES no Mestrado e no Doutorado (incluíndo o período de estágio no exterior). Em 2018 realizou pós-doutorado na área de Comunicação (com fundamentação na neurociência) e aplicação no campo da Educação - processos de ensino e aprendizagem, na Universitat Pompeu Fabra/Barcelona-Espanha. Atualmente faz o curso de Pedagogia pelo Centro Universitário SENAC. Foi professora da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) de 2008-2021. Atuou em cursos de Graduação em Educação Física e nos Programas de Pós-Graduação: Ciências do Movimento Humano e Educação (Mestrado e Doutorado). Foi professora pesquisadora na Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC) no Programa de Pós-graduação Mestrado em Educação de setembro/2022 a fevereiro/2023. De 2021 a 2022 atuou como professora de contrato temporário na Educação Básica - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. É professora efetiva da Universidade Federal do Paraná (UFPR) desde março de 2023, atuante em cursos de Educação Física - Bacharelado e Licenciatura e com disciplinas na área de conhecimento Lazer. Também é atuante no Programa de Pós-graduação em Educação da UFPR desde maio de 2023, sendo membro da linha de pesquisa Liguagem, Corpo e Estética na Educação (LiCorEs). Suas pesquisas recentes estão relacionadas aos temas lazer, tecnologia, educação e educação física escolar, tendo como base um referencial sociocultural. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em estudos do lazer (ANPEL), da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) e do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE), sendo neste último coordenadora adjunta do GTT Lazer e Sociedade na gestão 2023-2025. Também faz parte do corpo de diretores do Conselho Internacional de Exercício e Ciências do Esporte dos países Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICSCESS) e da rede internacional de acadêmicos e universitários - Eurosci Network.

Lilia Aparecida Kanan, Universidade do Planalto Catarinense, Lages, Santa Catarina. Brasil.

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Tuiuti do Paraná (1983), Mestrado em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000), Doutorado em Psicologia pela Universidade Federal de SC (2008), sob orientação do Prof. Dr. José Carlos Zanelli e Pós Doutorado também sob o acompanhamento do Prof. Dr. José Carlos Zanelli. É psicóloga, professora de cursos de Graduação, Especialização Lato Sensu, MBA, do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu Mestrado em Educação e do do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu Mestrado Ambiente e Saúde da UNIPLAC (SC). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Saúde do Trabalhador e Psicologia Organizacional e do Trabalho. Atua principalmente nos seguintes temas: bem-estar no trabalho, riscos psicossocias, organizações saudáveis, vínculos nas organizações, comportamento humano nas organizações, psicologia do trabalho, saúde do trabalhador, Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), formação em PO&T, entre outros. Ocupou a coordenação do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu Mestrado em Ambiente e Saúde da UNIPLAC (SC) e a Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós Graduação da UNIPLAC (SC). Profesora invitada en la maestría en Psicología de la Salud de la Universidad Cooperativa de Colombia. (

Emerson Luís Velozo, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Irati, Paraná, Brasil.

Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas, com período como bolsista na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa - Departamento de Antropologia. Mestre em Educação Fisica pela Universidade Estadual de Campinas. Especialista em Pedagogia da Educação Física / Esportes pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. É professor Associado da Universidade Estadual do Centro-Oeste, atuando no curso de Graduação em Educação Física e nos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e em Desenvolvimento Comunitário (PPIDC). Foi Coordenador do Grupo de Trabalho Temático Epistemologia do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE) na gestão 2011-2013. Foi Vice-Coordenador do PPGE/UNICENTRO entre 2013 e 2015. Foi Chefe do Departamento de Educação Física (DEDUF/I) da UNICENTRO, Campus Irati (2019-2020) e também atuou como Vice-chefe do mesmo departamento (2021-2022). Tem experiência nas áreas de Educação Física e de Educação, com ênfase nas dimensões sócio-antropológicas e epistemológicas da educação do corpo e das práticas corporais.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ALMEIDA, A.; GONÇALVES, C. Conceções de estudantes do ensino superior acerca das potencialidades da interdisciplinaridade e integração curricular: o caso específico da articulação língua–ciência. Educação e idades da vida, p. 36, 2022. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/358005681_Concecoes_de_Estudantes_do_Ensino_Superior_acerca_das_Potencialidades_da_Interdisciplinaridade_e_Integracao_Curricular_O_Caso_Especifico_da_Articulacao_Lingua-Ciencia. Acesso em: 15 nov. 2023.

ALTH, M. A. Interdisciplinaridade. In: Gonzalez, F. J, Fenterseifer, P. E. (orgs) Dicionário crítico de Educação Física. Ijuí: Ed. Unijuí, 2005.

BRACHT, V. Educação física e ciência: cenas de um casamento (in)feliz. 2. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

CANTANHEDE, S. C. da S. .; SILVA, A. F. G.; SILVA, F. H. S. da .; SILVA, M. de F. V. da . Interdisciplinaridade: características e possibilidades para o ensino de Física e Química. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21019, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i1.11243

CAMARGO, C. A. C. M.; CAMARGO, M. A. F.; SOUZA, V. O. A importância da motivação no processo ensino-aprendizagem. Revista Thema, v. 16, n. 3, p. 598-606, 2019. https://doi.org/10.15536/thema.V16.2019.598-606.1284

CARVALHO, N. R. Neurociência e os aspectos emocionais no processo de ensino e aprendizagem. Revista Científica FESA, v. 1, n. 5, p. 109-115, 2021. https://doi.org/10.29327/232022.1.5-8

COSTA, R. L. S. Neurociência e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 28, 2023. https://doi.org/10.1590/S1413-24782023280010

COTTA, D.; MOURA, J. H. C. Como a interdisciplinaridade é pensada por estagiários de cursos de Ciências da Natureza? [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2021 [02 Novembro 2023]. Disponível em: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2021/08/10/como-a-interdisciplinaridade-e-pensada-por-estagiarios-de-cursos-de-ciencias-da-natureza/

DAMEÃO, A. P.; FARIAS, G. dos S.; PEREIRA, P. S. Discussões sobre formação de professores e interdisciplinaridade: o que dizem as resoluções CNE/CP 2/2015 e CNE/CP 2/2019. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 11, n. 1, p. e23020, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.14343

FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011. 173 p. Disponível em: https://www.pucsp.br/gepi/downloads/PDF_LIVROS_INTEGRANTES_GEPI/livro_integracao_interdisciplinaridade.pdf. Acesso em: 11 set. 2020.

FÉRRES PRATS, J. Las pantallas y el cerebro emocional. Barcelona: Editorial Gedisa, 2014.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEPEFIC. A aula de Educação Física como fato social total. In: VII Congresso Internacional sobre la enseñanza de la Educación Física y del Deporte Escolar, 2007, Badajoz. Libro de Comunicaciones y Talleres. Badajoz: FEADEF y AMEFEX, 2007. v. II. p. 542-548.

GIL, A. C.; REIS NETO, A. C. Survey de experiência como pesquisa qualitativa básica em administração. Ciencias da Administraçao, v. 22, n. 56, p. 125-137, 2020. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e74026

JAPIASSU, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1996.

KARADEMIR, E. Criatividade como habilidade interdisciplinar. Educar em Revista, v. 37, p. e81546, 2021. https://doi.org/10.1590/0104-4060.81546

LOWEN, A. Bioenergética. São Paulo: Summus Editorial, 2017. 296p.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac-Naify, 2003.

MIRANDA, D. História da arte II-do romantismo à contemporaneidade. UECE/UAB. Fortaleza, 2010.

MORAES, N. R. et al. Interdisciplinaridade, criticidade e formação socioambiental na universidade. Revista Observatório, v. 5, n. 5, p. 890-905, 2019. https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2019v5n5p890

MUSSI, R. F. F.; FLORES, F. F.; ALMEIDA, C. B. Pressupostos para a elaboração de relato de experiência como conhecimento científico. Práx. Educ., Vitória da Conquista , v. 17, n. 48, p. 60-77, out. 2021. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i48.9010

NASCIMENTO, M. M. Dança Criativa e Improvisação: benefícios para cognição de crianças e adolescentes. Educação, p. e54/1-20, 2022. https://doi.org/10.5902/1984644442085

OLIVEIRA, E. do N. S. de; TERÁN, A. F. Práticas educativas interdisciplinares no ensino médio usando elementos da natureza. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 193–205, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v7i3.9327

OLIVEIRA, M. E.; STOLTZ, T. Teatro na escola: considerações a partir de Vygotsky. Educar em Revista, Curitiba, n. 36, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602010000100007

SILVA, C. L.; SANTOS, M. G. dos. A aula de bioenergética em teatro: sentidos compartilhados entre professora e estudantes. Revista Transmutare, v. 8, e17310, p. 1-15, 2023. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rtr/article/view/17310. Acesso em: 15 nov. 2023.

SILVA JUNIOR, G. B. Biologia e Matemática: Diálogos Possíveis no Ensino Médio. Disponível em: http://www2.rc.unesp.br/eventos/matematica/ebrapem2008/upload/2- 81-1-Agt2_silva%20j%-C3%BAnior_tc.pdf. Acesso em: 11 set. 2020.

SILVA, R. F.; SHAW, G. S. L. Interdiciplinariedade no ensino de ciências: Reflexões e desafios de licenciandos em Ciências da Natureza . Educação, [S. l.], v. 48, n. 1, p. e7/1–30, 2023. https://doi.org/10.5902/1984644466478

SOARES, R. A. S. et al. Dança, psicomotricidade e educação infantil: revisão de literatura e considerações para uma educação física escolar significativa. Research, Society and Development, v. 10, n. 12, p. e530101220718-e530101220718, 2021.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais - A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VILLELA, A. B. A. G; MOREIRA, L. C. M.; Brincar e tecnologia: reflexões sobre a segunda infância na era da cibercultura. Cadernos de Psicologia, v. 5, n. 9, 2023.

WHO. Life skills education for children and adolescents in schools. Retrieved from, 1997. Disponível em: https://www.orientamentoirreer.it/sites/default/files/materiali/1994%20OMS%20lifeskills%20edizione%201994.pdf. Acesso em: 15 nov. 2023.

Downloads

Publicado

2023-11-15

Como Citar

SANTOS, M. G. dos; SILVA, C. L. da; KANAN, L. A. .; VELOZO, E. L. O ENSINO DA BIOENERGÉTICA NA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA . REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23078, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16652. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16652. Acesso em: 25 fev. 2024.