CONEXÕES ENTRE O MÉTODO MONTESSORIANO E A TEORIA DE APRENDIZAGEM DE BRUNER: NOVAS PERSPECTIVAS À EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16501

Palavras-chave:

Aprendizagem inclusiva, Teoria de aprendizagem, Educação inclusiva, Construção social

Resumo

A educação inclusiva, apesar de leis próprias à sua implantação em escolas de ensino regular, ainda não está consolidada, sendo muitas vezes as pessoas com deficiência inseridas de uma maneira não sistemática nas escolas, sem suporte adequado. Com o intuito de levantar reflexões e propor um caminho para o processo de aprendizagem de alunos surdos no contexto da educação inclusiva, este artigo apresenta conexões possíveis entre o método pedagógico proposto por Maria Montessori e a teoria de aprendizagem proposta por Bruner, com o foco em alunos surdos cursando o Ensino Médio. Para isso, revisita-se as propostas dos dois teóricos e as relaciona com um ideal de educação inclusiva. Como resultado dessa reflexão, propõe-se rudimentos de uma proposta de processo de ensino e aprendizagem de alunos surdos no âmbito da escola de ensino regular inclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Giselly de Moura Maciel, Secretaria de Educação do Amazonas (SEDUC/AM), Manaus, Amazonas, Brasil

Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2020), graduada em Licenciatura em Ciências Habilitação em Química (2007). Atualmente é Professora na rede estadual de ensino, lecionando a Disciplina Química para as séries do Ensino Médio. Tem experiência em Sub-gerência de Gestão da Qualidade na Coordenação de Produtos Naturais em Laboratórios de Cromatografia e Produtos Naturais. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química dos Produtos Naturais, Análises de Alimentos (Físico-químicas e Microbiológicas), Análises de Águas e Efluentes.

Thais Helena Chaves de Castro, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil

Dra. Thais Castro é professora associada da Universidade Federal do Amazonas, onde orienta alunos de graduação, mestrado e doutorado. Concluiu seu Estágio Pós-Doutoral no Programa de Educação Científica e Tecnológica da UFSC (2021) e realizou o Doutorado em Informática na PUC-Rio (2011), durante o qual fez o programa Doutorado Sanduiche na University of Edinburgh (2009-2010). Seu foco de pesquisa é em acessibilidade, aprendizagem inclusiva e acessibilidade em entretenimento através de tecnologia, onde possui interesse especial em processos de design inclusivo, processo ensino-aprendizagem inclusivo através de tecnologias assistivas, métodos de design com foco no usuário e avaliação de artefatos computacionais interativos. Para isso, utiliza técnicas de Informática na Educação e Interação Humano-Computador, com ênfase em Acessibilidade e Inclusão e investiga metodologias de representação de conhecimento e aprendizagem para promover educação mais democrática. Dessa forma, na medida em que busca técnicas inovadoras em computação para a inclusão de pessoas com deficiência, o foco de pesquisa também permeia a área de Ensino de Ciências e Matemática. Tem coordenado e participado de vários projetos financiados pela FAPEAM (Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas), CNPq e Capes. Atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação em Informática da UFAM e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática também da UFAM, onde já foi coordenadora. Além disso, participou da Comissão Especial de Informática na Educação da Sociedade Brasileira de Computação, é revisora das revistas RBIE, JIS, TACCESS, Diálogo Educacional e membro do comitê de programa de diversos eventos em nível internacional, como: IHC, SBIE, ICALT e FIE.

Referências

BARBOSA, Edite. Montessori no Ensino Médio: uma experiência chilena. Revista Direcional Educador, São Paulo, ano 10, n. 113, p. 12-13, jun. 2014.

BESSA, Valéria da Hora. Teorias de Aprendizagem. – Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2008.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, 23 dez. 2005.

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de ABRIL DE 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm . Acesso em 24 jul. de 2018.

DATTKE, Joachim. A Montessori Model for Inclusion. NAMTA Journal, v. 39, n. 3, p. 107-119, 2014.

FARIAS, Raysa Serafim. Educação, arte e inclusão na perspectiva Montessoriana. Revista Educação, Artes e Inclusão, v. 11, n. 2, p. 29-47, 2015. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/7299. Acesso em: 20 out. 2023.

FLECHA GARCÍA, Ramón et al. Actuaciones educativas de éxito como base de una política educativa basada en evidencias. Avances en supervisión educativa, 2015.

FORMOSINHO, J. O.; KISHIMOTO, T. M.; PINAZZA, M. A. (Orgs). Pedagogia(s) da Infância: dialogando com o passado, construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ILLERIS, Knud. (Org). Teorias Contemporâneas da Aprendizagem. São Paulo: PENSO, 2013. 278 p.

KRISTIYANI, Christina. Materials and (language) learning environment based on Montessori concepts. LLT Journal: A Journal on Language and Language Teaching, v. 21, n. 1, p. 46-54, 2018. https://doi.org/10.24071/llt.v21i1.1041

LEFRANÇOIS, Guy R. Teorias da Aprendizagem. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 500 p.

LIMA, E. O exercício da autonomia. In: Coleção Memória da Pedagogia, Rio de Janeiro: Ediouro; São Paulo: Segmento-Duetto, v, 3, n.3, p. 70, 2005.

MAVRIC, Maruša. The Montessori Approach as a Model of Personalized Instruction. Journal of Montessori Research, v. 6, n. 2, p. 13-25, 2020. https://doi.org/10.17161/jomr.v6i2.13882

MOLINA ROLDÁN, Silvia et al. How inclusive interactive learning environments benefit students without special needs. Frontiers in Psychology, v. 12, p. 1510, 2021. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2021.661427

MONTESSORI, Maria. Pedagogia Científica: A Descoberta da Criança. Tradução de Aury Azélio Brunetti. São Paulo: Flamboyant, 1965.

MOREIRA, Marco Antonio. Teorias de Aprendizagem. – São Paulo: EPU, 1999. 201 p.

OCAMPO, JR, Jose M.; RAZALLI, Abdul Rahim; AHMAD, Noor Aini. Conventional Theories that Also Apply for the Inclusion of Deaf Learners. INTERNATIONAL JOURNAL OF ACADEMIC RESEARCH IN BUSINESS AND SOCIAL SCIENCES, v. 9, n. 5, 2019. Disponível em: https://hrmars.com/papers_submitted/5994/Conventional_Theories_that_Also_Apply_for_the_Inclusion_of_Deaf_Learners.pdf. Acesso em: 20 out. 2023.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: efeitos de modalidade e práticas pedagógicas. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.; WILLIAMS, L. C. de A. (Org.). Temas em educação especial IV. São Carlos: EdUFSCar, 2004. p. 55-61. Disponível em: https://docplayer.com.br/13359341-Educacao-de-surdos-efeitos-de-modalidade-e-praticas-pedagogicas-dra-ronice-muller-de-quadros-ufsc-1.html. Acesso em: 24 dez. 2018.

RODRIGUES, J. de M.; SALES, E. R. de. Os desafios no ensino de matemática para uma aluna com deficiência visual em uma escola inclusiva. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 1, p. 139–151, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i1.9722

RODRIGUES, Ubiratane de Morais. Surdez e Alteridade: políticas públicas como acesso ético de inclusão. III Jornada Internacional de Politicas Públicas. São Luiz – MA, 28 a 30 de agosto de 2017. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinppIII/html/Trabalhos/EixoTematicoA/d24913dd7819bd2f98e3Ubitatane.pdf. Acesso em: 19 out. 2018.

SACKS, Oliver. Vendo Vozes: Uma Viagem ao Mundo dos Surdos. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010. 1 ed. 216 p.

SAHA, Birbal; ADHIKARI, Anasuya. The Montessori Method: A Constructivist Approach?. In International Journal of Scientific Research and Engineering Development-– Volume 6 Issue 3, May-June 2023. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/371470966_The_Montessori_Method_A_Constructivist_Approach. Acesso em: 20 out. 2023.

SANTOS, J. S. dos; HARDOIM, E. L. Protozoários, “vilões ou mocinhos”? Uma proposta integrativa e inclusiva para aulas de ciências. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 9, n. 2, p. e21050, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i2.11493

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

ULIANA, M. R.; MÓL, G. de S. Formação de professores de matemática na perspectiva da inclusão de estudantes com deficiência visual: análise de uma experiência realizada em Rondônia. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 7, n. 2, p. 127–145, 2019. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p127-145.i8511

Downloads

Publicado

2023-10-30

Como Citar

MACIEL, G. de M. .; CASTRO, T. H. C. de . CONEXÕES ENTRE O MÉTODO MONTESSORIANO E A TEORIA DE APRENDIZAGEM DE BRUNER: NOVAS PERSPECTIVAS À EDUCAÇÃO INCLUSIVA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23075, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16501. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16501. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

Rede de Formação e Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática