PERCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE SABERES E EXPLICAÇÕES CIENTÍFICOS DE ESTUDANTES EM CONSTRUÇÃO

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16494

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Educação científica, Explicações científicas, Professores de Ciências

Resumo

O presente artigo trata de um recorte de pesquisa que teve por objetivo analisar as percepções de um grupo de professores de ciências do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental da Rede Pública de Ensino de Codó – Maranhão, no que diz respeito ao acompanhamento da elaboração de explicações científicas construídas por seus alunos durante o processo da educação científica, com o intuito de compreender a dinâmica da prática docente sobre a mediação em cima dos argumentos científicos trabalhados no chão da escola. A pesquisa foi desenvolvida na perspectiva da abordagem qualitativa, por meio de um estudo de caso, utilizando-se do instrumento da entrevista para obtenção dos dados. Os resultados e discussões alcançados por meio análise de conteúdo revelaram que os professores compreendem a importância do preparo profissional e do planejamento do trabalho docente reflexivo em relação à elaboração e ajustes das explicações científicas construídas pelos alunos. A maioria deles destacou o conhecimento científico como ferramenta fundamental para as suas aulas e para o sucesso da aprendizagem de ciências. No entanto, ficou perceptível que a vivência do trabalho científico na dinâmica escolar ainda é superficial. Portanto, sugerimos que a formação docente e a dinâmica escolar ainda precisam ser melhoradas, principalmente para intensificar a possibilidade de assegurar linguagem e argumentação científica aos alunos dessa localidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elrilene da Cruz Pereira , Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Codó, Maranhão, Brasil,

Mestranda em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal do Maranhão, graduada em Licenciatura em Ciências Naturais, com habilitação em Biologia, pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA campus Codó. participante do grupo de pesquisa em ensino de ciências naturais (GPECN), realizou intercâmbio na Universidade Federal de Santa Catarina como mestrado Sanduíche. Atuou como monitora voluntária do clube de ciências. Atividades realizadas: fez parte da comissão organizadora do 6 ENAPHEM, comissão organizadora do IV Empecima, e comissao organizadora do III Workshop PPECEM, V Seminário PROCAD e Seminario Recima, Oficina (1); Trabalho apresentado em modalidade poster/banner (2); Publicados em anais de eventos (2); Tem experiência em projetos de pesquisa e ensino na área de ensino de ciências. No primeiro semestre de 2018, eu e uma equipe de quatro pessoas desenvolvemos um trabalho na disciplina Química Ambiental, o mesmo foi sobre descarte de lixo em terrenos baldios na Cidade de Codó, MA, onde abordamos os danos causado ao meio ambiente e a saúde pública, decorrente desse lixo. O trabalho virou repercussão nos principais meios de comunicação do Estado do Maranhão, tendo uma matéria exibida na TV Mirante afiliada da Rede Globo e também nos portais G1, UFMA e Blogs locais.

Clara Virgínia Vieira Carvalho Oliveira Marques , Universidade Federal do Maranhão - Campus de Codó (UFMA), Codó, Maranhão, Brasil.

Clara Virgínia Vieira Carvalho Oliveira Marques concluiu o doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos- SP em 2010, na linha de pesquisa de Ensino de Química com ênfase em Formação de Professores de Química e Reformulação de Projetos Políticos Pedagógicos de Licenciaturas em Química. Realizou estágio de doutorado na Universidade Autônoma de Barcelona-Espanha (2008), sob orientação da Prof Dr Neus Sanmartí Puig, onde desenvolveu estudos sobre Formação de Professores de Ciências. Participou da elaboração de Projetos Políticos Pedagógicos de escolas de tempo integral no Estado Maranhão. Atualmente é professora Associada I da Universidade Federal do Maranhão - Campus de Codó. É coordenadora do grupo de pesquisa em ensino de ciências naturais - GPECN e pesquisadora na linha de Educação, Ensino de Ciências e Ensino de Química, com ênfase na Formação de Professores de Ciências - Química e Ensino-Aprendizagem. É avaliadora no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes/INEP). Atualmente, é professora do quadro permanente do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPECEM) e do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Ensino na Educação Básica (PPGEEB). Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: ensino de ciências, ensino de química, formação de professores de ciências e química, trabalho docente, práticas pedagógicas, currículos de licenciaturas, história das disciplinas (ciências e química), experimentação e educação ambiental.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo: edição revista e ampliada. São Paulo: Edições, v. 70, p. 280, 2016.

BENTO, A. O fenómeno das explicações: políticas educativas, sucesso escolar e seus determinantes – um estudo exploratório na Região Autónoma da Madeira.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providencias. Diário Oficial da União, Brasília, 26 j un. 2014. Seção 1. p.1.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Brasília: Presidência da República do Brasil, 1971. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=5692&ano=1971&ato=f4ekXQU50MjRVT190. Acesso em: 24 dez. 2022.

BRASIL, S. D. E. F. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais1. 1997. Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/. Acesso em: 25 dez. 2022.

BAZZO, W. A. Ciência, Tecnologia e Sociedade: e o contexto da educação tecnológica. 4ª ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

CARVALHO, A. M. P de; GIL – PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2011. 127 p.

CARVALHO, F. B.; BELTRÃO, G. G. B.; FEIO, J. da S.; TERÁN, A. F. Possibilidades de alfabetização científica no bosque da ciência, Manaus, Am, Brasil. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 6, n. 2, p. 342–356, 2018. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p342-356.i7042

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Editora Unijuí. 2000.

COSTA, J. VENTURA, A. & NETO-M. A. As explicações no 12º ano: Contributos para o conhecimento de uma actividade na sombra. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, 2, 2003. p. 55-68. https://doi.org/10.34632/investigacaoeducacional.2003.3208

CRUZ, L. L. da; GÜLLICH, R. I. da C. O desenvolvimento do pensamento crítico em ciências por meio de estratégias de ensino em livros didáticos. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 10, n. 3, p. e22060, 2022. https://doi.org/10.26571/reamec.v10i3.13772

DA ROSA, L. S. Os desafios da formação dos professores de ciências para o ensino fundamental. 2015.

DA SILVA, A. F; FERREIRA, J. H; VIERA, C. A. O ensino de Ciências no ensino fundamental e médio: reflexões e perspectivas sobre a educação transformadora. Revista Exitus, v. 7, n. 2, 2017. p. 283-304. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2017v7n2id314

DA SILVA, W. A; KALHIL, J. B; NICOT, Y. E. Uma análise comparativa das abordagens metodológicas que podem sustentar a utilização das tecnologias no processo de ensino e aprendizagem de ciências. REAMEC-Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 3, n. 1, 2015. p. 5-24. https://doi.org/10.26571/2318-6674.a2015.v3.n1.p5-24.i5303

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J.A.P. Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 2000.

DEMO, P. Pesquisa: principio cientifico e educativo. São Paulo: Cortez, 1996

DICIONÁRIO Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013.

FERST, E. M. A abordagem CTS no ensino de Ciências Naturais: possibilidades de inserção nos anos iniciais do ensino fundamental. EDUCAmazônia, v. 11, n. 2, 2013. p. 276-299. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4711337. Acesso em: 20 out. 2023.

FILHO, J. F. C. Explicando Explicações na Educação Científica: Domínio Cognitivo, Status Afetivo e Sentimento de Entendimento, Florianópolis, 2007.

GASPARIN, J. L. A elaboração dos conceitos científicos em sala de aula. Temas de Educação Contemporânea. 1º ed. Cascavel: Edunioeste, 2008. Disponível em: https://www.cascavel.pr.gov.br/arquivos/06012014_joao_luiz_gasparin_-_a_elaboraacao_dos_conceitos_cienta_ficos_em_sala_de_aula.pdf. Acesso em: 20 out. 2023.

JIMÉNEZ ALEIXANDRE, DÍAZ DE BUSTAMANTE, J. Discurso de aula y argumentación en la clase de ciências: cuestiones teóricas y metodológicas. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 21, n. 3, 2003. p. 359-370. https://doi.org/10.5565/rev/ensciencias.3914

KONDER.L. O Ensino de Ciências no Brasil: um breve resgate histórico. Ed. unisinos, 1998,

KRASILCHICK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva. v. 14, n.1, 2000. p. 85-93.

LUDKE, M. ANDRÉ. MEDA de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2013.

LUIZ, W. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, v. 12, 2007. p. 474–550. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/C58ZMt5JwnNGr5dMkrDDPTN/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 19 out. 2023.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, 1990/1991. p. 149-158.

MANZINI, E.J. Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. In: MARQUEZINE: M. C.; ALMEIDA, M. A.; OMOTE; S. (Orgs.) Colóquios sobre pesquisa em Educação Especial. Londrina:eduel, 2003. p.11-25. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Instituicao/Docentes/EduardoManzini/Consideracoes_sobre_a_elaboracao_do_roteiro.pdf. Acesso em: 20 out. 2023.

MARQUES, C. V. V. C. O. Perfil dos Cursos de Formação de Professores dos Programas de Licenciatura em Química das Instituições Públicas de Ensino Superior da Região Nordeste do Brasil. 2010. 291flhs. Tese (Doutorado) -- Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

MARTINS, l. Retórica e ensino de ciências? Encontro de Pesquisa em Ensino de Física, 6, Florianópolis, SC: Atas do VI EPEF. 1998.

MARTINS, l.; OGBORN, J.; KLESS, G. Explicando uma explicação. Pesquisa em educação em ciências. vol. 01. 1999. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/ensaio/article/view/10077. Acesso em: 20 out. 2023.

MELO, L. E. Um gênero de discurso: a explicação. Em: Fernandes, Silvia Dinucci. (Org.). Aquisição da linguagem: conceito, definição e explicação na criança. Araraquara: FCL/Laboratório Editorial, 2003. p. 103-128.

MIRANDA, E. M. Tendências das perspectivas Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) nas áreas de Educação e Ensino de Ciências: uma análise a partir de teses e dissertações brasileiras e portuguesas. 2012.

MOIRAND, S. Les dimensions dialogiques d’une catégorie discursive: l’explication. Jalons, v.2, 1999. p. 71-87.

MONTEIRO, R. A. C; GONZÁLEZ, M. L; GARCIA, A. B. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: o porquê e seu contexto histórico. Revista Eletrônica de Educação, v. 5, n. 2, 2011. p. 82-95. Disponível em: file:///C:/Users/dails/Dropbox/My%20PC%20(DESKTOP-CMNIBVH)/Downloads/eder,+7Lei+de+diretrizes+e+bases+82+a+95.pdf. Acesso em: 20 out. 2023.

MONTEIRO, S. et al. Alfabetização cientifica e tecnológica como possibilidade de formação do cidadão a partir de uma abordagem da educação em saúde. Revista Caderno Pedagógico. Lajeado, v 14, n. 2, 2017. ISSN 1983-0882. Disponível em: https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/cadped/article/view/1339. Acesso em: 19 out. 2023.

MOUTINHO-N, M. A procura de explicações: as razões dos pais. Dissertação de mestrado inédita, Universidade de Aveiro, Departamento de Ciências da Educação. 2006.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa (concept maps and meaningful learning). Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, digramas V e Unidades de ensino potencialmente significativas, v. 41, 2012.

MORTIMER, E.F. Conceptual change or conceptual profile change? Science & Education, 4(3): 1995. p. 265-287.

NASCIMENTO, F. do; FERNANDES, H. L.; MENDONÇA, V. M. de. O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 39, p. 225–249, 2012. https://doi.org/10.20396/rho.v10i39.8639728

ORGBORN. J. et al. Explaining Scienci in the Classroom. Milton Keynes: Open University Press, 1996.

RANZONI, R. O. Novos desafios para o ensino de ciências. 2014.

RIBEIRO, K. D. F. Metodologia participativa na abordagem de questões sociocientíficas: considerações acerca do diálogo. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 2, p. 719–738, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i2.10219

RIBEIRO, R. M. L.; e MARTINS, l. Uma análise de narrativas relacionadas à natureza e à história da ciência. Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. 6, Florianópolis. Atas… 1998.

ROEHRIG, S. A. G; CAMARGO, S. A educação com enfoque CTS no quadro das tendências de pesquisa em ensino de ciências: algumas reflexões sobre o contexto brasileiro atual. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 6, n. 2, 2013. https://doi.org/10.1590/1516-73132014000400007

ROSA, C. W.; ROSA, Á. B. Discutindo as concepções epistemológicas a partir da metodologia utilizada no laboratório didático de Física. Revista Iberoamericana de Educación, n. 52/6, 2010. https://doi.org/10.35362/rie5261769

SANTANA, D. B. de et al. Construindo pontes entre a educação científica e a educação ambiental na prática docente. 2018.

SANTOS, C. P. dos; NICOT, Y. E. A interatividade no processo de ensino e aprendizagem de ciências. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 3, p. 98–112, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i3.10402

SANTOS, M. de F. de S. Representação social e a relação indivíduo-sociedade. Temas psicol. v. 2 n. 3 Ribeirão Preto, dez. 1994.

SASSERON, L. H. Alfabetização Cientifica, Ensino por Investigação e Argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Revista Ensaio. Belo Horizonte, v.17 n. especial, novembro, 2015. p. 49-67. Disponível em: https://www.scielo.br/j/epec/a/K556Lc5V7Lnh8QcckBTTMcq/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 20 out. 2023.

SARTORI, J.; LONGO, M. Práticas investigativas no ensino de ciências na educação básica. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 9, n. 3, p. e21075, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i3.11976

SCHNETZLER, R. P. Construção do conhecimento e Ensino de Ciências. Em aberto, Brasília, ano 11, n° 55, jul./set. 1992.

SILVA, Alexandre Fernando da; FERREIRA, José Heleno; VIERA, Carlos Alexandre. O ensino de Ciências no ensino fundamental e médio: reflexões e perspectivas sobre a educação transformadora. Rev. Exitus, Santarém, v. 7, n. 2, p. 283-304, maio, 2017. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2017v7n2id314

SILVA, F. S. Análise qualitativa dos enunciados de provas aplicadas em Ciências Naturais nos anos finais do Ensino Fundamental. 2017. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.

SOARES, M. H. F. B. Jogos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos - SP, 2004.

SOLIDADE, R. M.; HOGEMANN, E. R. R. S. Direito e Educação no Brasil desde as reformas pombalinas no período colonial até o Brasil Imperial: a imposição física e ideológica de uma ordem social. Quaestio Iuris, v. 8, nº 4, 2015. p. 2.361-2.381.

STRAUSS, A. E CORBIN, J. Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artemed, 2008.

STRIEDER, R. B. Abordagens CTS na educação científica no Brasil: sentidos e perspectivas. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. 2012.

SOUZA, J. C. S de; SANTOS, M. C. Contexto histórico da educação brasileira. Educação Pública, v. 19, n. 12, 2019. p. 25. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/19/12/contexto-historico-da-educacao-brasileira. Acesso em: 20 out. 2023.

VALÉRIO, M; BAZZO, W. A. O papel da divulgação científica em nossa sociedade de risco: em prol de uma nova ordem de relações entre ciência, tecnologia e sociedade. Revista de Ensino de Engenharia, v. 25, n. 1. 2006. p. 31-39. Disponível em: http://revista.educacao.ws/revista/index.php/abenge/article/view/34. Acesso em: 20 out. 2023.

VIDAL, D. G; FARIA FILHO, L. M de. História da educação no Brasil: a constituição histórica do campo (1880-1970). Revista Brasileira de História, v. 23, 2003. p. 37-70. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbh/a/tDdpKPbzPmprhd9Pz5VMQHH/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 20 out. 2023.

VILAS BOAS, T. de J. R.; KALHIL, J. B.; COELHO FILHO, M. de S.; COSTA, R. D. da S. O estado da arte de metodologias da produção científica sobre a formação do professor do ensino de ciências com enfoque CTS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 6, n. 1, p. 65–86, 2018. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2018.v6.n1.p65-86.i5958

VYGOTSKY, L. S. (1998). Pensamento e Linguagem. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

ZAMBON, L. B; TERRAZZAN, Eduardo Adolfo. Políticas de material didático no Brasil: organização dos processos de escolha de livros didáticos em escolas públicas de educação básica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 94, n. 237, 2013. p. 585-602.

Downloads

Publicado

2023-10-30

Como Citar

PEREIRA , E. da C.; MARQUES , C. V. V. C. O. PERCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE SABERES E EXPLICAÇÕES CIENTÍFICOS DE ESTUDANTES EM CONSTRUÇÃO. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23071, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16494. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16494. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Rede de Formação e Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática