OLHARES DE PROFESSORES DE QUÍMICA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA SOBRE AS METODOLOGIAS ATIVAS E TECNOLOGIAS DIGITAIS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16293

Palavras-chave:

Ensino de Química, TDIC, Formação de professores, Ensino remoto, Pandemia

Resumo

Durante a pandemia, os professores de todas as instituições, públicas ou privadas, se viram desafiados frente à necessidade de utilizarem recursos tecnológicos e estratégias de ensino que se opusessem às tradicionais. Dentre as possibilidades, estão as chamadas metodologias ativas (MA), que visam uma participação ativa dos alunos durante todo o processo de ensino e aprendizagem. Sendo assim, esse estudo objetivou compreender quais concepções de professores de Química atuantes em escolas públicas e privadas acerca das MA e tecnologias digitais (TD) e se existem semelhanças e/ou diferenças entre elas, bem como se os docentes receberam formações para utilizarem essas estratégias metodológicas e recursos pedagógicos durante o Ensino Remoto Emergencial. Para tanto, adotou-se como referencial teórico as ideias de Moran e Valente sobre as MA e TD e a abordagem adotada foi qualitativa. Entrevistou-se dez professores de Química (cinco da rede pública e cinco da rede privada) atuantes em escolas localizadas no interior do Estado de São Paulo. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo de Bardin, optando-se pela análise lexical no software Iramuteq e os resultados evidenciaram que os docentes possuem concepções semelhantes quanto às MA e TD, todavia, não receberam formação para atuarem nas aulas remotas. Ressalta-se que, este artigo apresenta aspectos importantes, como as concepções desses professores sobre MA e TD e algumas dificuldades que enfrentaram durante a pandemia, que podem ser levados em consideração na elaboração de cursos de formação docente sobre estratégias metodológicas ativas e tecnologias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leonardo Augusto Natércio da Silva, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Presidente Prudente, São Paulo, Brasil.

É licenciado em Química pela Faculdade de Ciências e Tecnologia/Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (2022), campus de Presidente Prudente/SP. Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial PET/UNESP Química e Física (2019-2021), bem como bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (2021-2022), desenvolvendo pesquisa na área de Ensino de Química sob orientação do Prof. Dr. Gustavo Bizarria Gibin e financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Atualmente é aluno de mestrado no Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino e Processos Formativos da UNESP. Também é pesquisador do Grupo de Pesquisa em Metodologias para o Ensino de Ciências (GPMEC) e Editor de Layout do Caderno Amazonense de Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática (CECi). Tem como foco em sua pesquisa: Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC), Metodologias ativas, Aprendizagem Significativa e Mapas conceituais.

 

Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor associado do departamento de Química e Bioquímica da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (FCT/UNESP), Presidente Prudente, São Paulo, Brasil. Endereço para correspondência: Rua Roberto Símonsen, 305, Centro Educacional, Presidente Prudente, São Paulo, Brasil, CEP: 19060-900. E-mail: gustavo.gibin@unesp.br. Link do Lattes: http://lattes.cnpq.br/4695253173194100.

Gustavo Bizarria Gibin, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Presidente Prudente, São Paulo, Brasil.

É licenciado em Química pela Universidade Federal de São Carlos (2006), mestre em Química pelo Programa de Pós-Graduação em Química-UFSCar (2009), doutor em Ciências também pelo Programa de Pós-Graduação em Química-UFSCar (2013) e livre-docente em Educação Química pela UNESP (2023). Tem experiência na área de Educação Química e atua principalmente nos seguintes temas: experimentação e abordagem experimental investigativa; análise e produção de materiais didáticos, livros didáticos, imagens e investigações sobre modelos mentais. Atualmente é professor associado da UNESP Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Campus Presidente Prudente (http://www.fct.unesp.br/). Atuou no Subprojeto PIBID Química como colaborador (edital 2014-2018) e como coordenador (edital 2018-2020). Também é coordenador do Programa Residência Pedagógica - Subprojeto Química (edital 2018-2022; edital 2022-2024). É docente credenciado permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino e Processos Formativos.

Referências

ALEXANDRE, N. M. C.; COLUCI, M. Z. O. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 7, p. 3061-3068, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. São Paulo: Edições 70, 2016.

CAMARGO, F. Por que usar metodologias ativas de aprendizagem? In: CAMARGO, Fausto; DAROS, Thuinie. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

DARUB, A. K. G. S.; SILVA, O. R. Formação de professores em metodologias ativas. In: Congresso internacional de educação e tecnologias | Encontro de pesquisadores em educação a distância (CIET:EnPED), 2020, São Carlos. Anais [...]: São Carlos, UFSCar, 2020. p. 01-13.

FIELD’S, K. A. P.; RIBEIRO, K. D. F.; SOUZA, R. A. Utilização de metodologias ativas apoiadas em tecnologias digitais para o ensino de química: um relato de experiência. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 9, n. 2, e21052, 2021. https://dx.doi.org/10.26571/reamec.v9i2.11890.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

LEITE, B. S. Aprendizagem tecnológica ativa. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 4, n. 3, p. 580-609, 2018.

LUCENA, J. M.; CAMAROTTI, M. F. Concepções metodológicas e a prática educativa dos professores de ciências do ensino fundamental II de três escolas da rede pública. In: IV Congresso Nacional de Educação (IV CONEDU), 2017, João Pessoa. Anais [...]: João Pessoa, UEPB, 2017. p. 01-08.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U., 2018.

MARTINS, A. M. As metodologias ativas na perspectiva dos professores formadores e tecnologias digitais: diálogos possíveis? 2019. 96 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2019.

MORAN, J. M. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5. ed. Campinas: Papirus, 2012.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, Lilian; MORAN, José (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso Editora, 2018.

MORAN, J. Metodologias ativas de bolso: como os alunos podem aprender de forma ativa, simplificada e profunda. São Paulo: Editora do Brasil, 2019.

NEGRÃO, F. da C. et al. O ensino remoto emergencial em tempos de pandemia no amazonas. REAMEC – Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 10, n. 1, e22015, 2022. https://doi.org/10.26571/reamec.v10i1.13035.

OLIVEIRA, D. C. Metodologias ativas no Ensino Médio: um olhar dos docentes das Ciências da Natureza no município de Iguatu, Ceará. 2020. 107 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

PIVA, G. M. Diferentes olhares sobre as contribuições da Psicologia da Educação na formação inicial de professores de Química. 2022. 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru, 2022.

SANTANA, D. A. S.; WARTHA, E. J. Construção e validação de instrumento de coleta de dados na pesquisa em Ensino de Ciências. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, v. 16, n. 36, p. 39-52, 2020.

SOUZA, M. A. R. et al. O uso do software IRAMUTEQ na análise de dados em pesquisas qualitativas. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v. 52, p. 01-07, 2018.

VALENTE, J. A. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia. In: BACICH, Lilian; MORAN, José (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso Editora, 2018.

VENTURA, P. P. B.; CASTRO FILHO, J. A. Indicadores de metodologias ativas com suporte das tecnologias digitais. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 15, e4600068, p. 01-23, 2021.

WATANABE, F. Y. et al. Formação docente em metodologias ativas e o uso de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) no ensino remoto emergencial. In: Congresso internacional de educação e tecnologias | Encontro de pesquisadores em educação a distância (CIET:EnPED), 2020, São Carlos. Anais [...]: São Carlos, UFSCar, 2020. p. 01-12.

Downloads

Publicado

2023-11-29

Como Citar

SILVA, L. A. N. da; GIBIN, G. B. OLHARES DE PROFESSORES DE QUÍMICA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA SOBRE AS METODOLOGIAS ATIVAS E TECNOLOGIAS DIGITAIS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23093, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16293. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16293. Acesso em: 16 jun. 2024.