UM OLHAR SOBRE A INTERDISCIPLINARIDADE NAS LICENCIATURAS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E QUÍMICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.16190

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Formação de professores, Ciências da natureza, Biologia, Química

Resumo

O movimento interdisciplinar tem seus primórdios na Europa, na década de 1960. A década de 1990 é marcada pela massiva introdução do termo no cenário educacional brasileiro. Nos documentos orientadores da formação de professores de Ciências da Natureza, o uso reiterado do vocábulo interdisciplinaridade sem um tratamento conceitual adequado remete ao entendimento de que este se dá por mero modismo. Ante o exposto, o presente trabalho tem como objetivo compreender quais os sentidos atribuídos à interdisciplinaridade e se são apresentadas vias para sua implementação nos textos dos Projetos Pedagógicos de Cursos das Licenciaturas em Ciências Biológicas e em Química ofertados pela Universidade Federal de Goiás. Foi realizada uma pesquisa documental pautada nos princípios analíticos da Análise de Conteúdo. As categorias conceituais e analíticas utilizadas neste trabalho foram: 1. Concepção Hegemônica; 2. Concepção Crítica Instrumental; 3. Concepção Crítica. Apesar do modo multifacetado como o objeto interdisciplinaridade é depreendido nos documentos, a concepção que sobressai da análise é a crítica instrumental. Por conseguinte, a interdisciplinaridade é apresentada, de modo geral, como uma necessidade imposta pelos documentos orientadores oficiais, com o intuito de promover a contextualização dos conteúdos a partir de questões sociais complexas. Todavia, apesar do uso reiterado deste vocábulo nos documentos analisados, o tratamento teórico dado ao termo é deficitário e, além disso, não são apresentadas vias de implementação da interdisciplinaridade na formação de professores de Ciências/Biologia e Química.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luri Braga Alonso, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil.

Acadêmica em Ciências Biológicas Licenciatura pela Universidade Federal de Goiás. Técnica em Análises Clínicas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (2018). Bolsista de Iniciação Científica (PIBIC/CNPQ) na área de formação de professores. Foi voluntária do Programa Bolsas de Licenciatura da Universidade Federal de Goiás (PROLICEN- UFG), na área de Feminismo e Educação, 2020. Foi bolsista do Programa Bolsas de Licenciatura da Universidade Federal de Goiás (PROLICEN- UFG), na área de formação de professores, 2021. Foi voluntária do Programa de Iniciação à Docência (PIBID-UFG), 2020/2022. Atuou como monitora da disciplina de Morfologia e Taxonomia Vegetal e Morfologia e Taxonomia de Espermatófitas, 2021.2.

Marcos Vinícius Ferreira Vilela, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil.

Doutor em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT/REAMEC), linha de pesquisa formação de professores de ciências e matemática. Mestre em Ecologia e Evolução pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Graduado em Ciências Biológicas (licenciatura), pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e graduado em Direito, pela Faculdade Anhanguera de Rondonópolis (FAR). Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM UFG) e do Departamento de Educação em Ciências do Instituto de Ciências Biológicas (DEC ICB) - UFG. Avaliador do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - BASis e do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Membro do grupo de pesquisa KADJÓT (Grupo interinstitucional de estudos e pesquisas sobre as relações entre as Tecnologias e a Educação) e membro do Laboratório de Pesquisa e Ensino de Ciências (LAPENCI). Tem experiência na área de educação em Ciências, com ênfase nos estudos sobre interdisciplinaridade, formação de professores de Ciências da Natureza, abordagem CTS e relações entre tecnologias e educação.

Referências

AIRES, J. A. Integração curricular e interdisciplinaridade: Sinônimos? Educação e Realidade, v. 36, n. 1, p. 215-230, jan./abr. 2011. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/9930. Acesso em: 13 jan. 2023.

ALONSO, L. B.; SOUZA, C. F.; VILELA, M. V. F. Resenha - Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 11, n. 1, p. 494-501, jan./abr. 2022b. DOI: 10.14393/REPOD-v11n1a2022-63479. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/63479. Acesso em: 13 jan. 2023.

ALONSO, L. B.; SOUZA, C. F.; VILELA, M. V. F. A interdisciplinaridade nos documentos oficiais que orientam a formação inicial docente em Ciências da Natureza na Universidade Federal de Goiás. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 13, n. 4, p. 1-23, jul./set. 2022a. DOI: 10.26843/rencima.v13n4a27. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/3818. Acesso em: 13 jan. 2023.

ALVES, F. R.; BRASILEIRO, M. D. E.; BRITO, S. M. D. O. Interdisciplinaridade: um conceito em construção. Episteme, n. 19, p. 139-148, jul./dez. 2004. Disponível em: https://arq510002.paginas.ufsc.br/files/2011/04/Alves-Brasileiro-Brito-2004.pdf. Acesso em: 13 jan. 2023.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BIANCHETTI, L.; JANTSCH, A. Interdisciplinaridade e práxis pedagógicas: tópicos para

discussão sobre possibilidades, limites, tendências e alguns elementos históricos e conceituais. Ensino em Revista, v. 10, n.1, p. 7-25, jun. 01/jul. 2002. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/7884. Acesso em: 25 jul. 2023.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1997.

BRASIL, Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002 - Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf. Acesso em: 25 jul. 2023.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12907:legislacoes&catid=70:legislacoes. Acesso em: 25 jul. 2023.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, n. 2, p. 177-229, 1990.

DAMEÃO, A. P.; FARIAS, G. S.; PEREIRA, P. S. Discussões sobre formação de professores e interdisciplinaridade: o que dizem as resoluções CNE/CP 2/2015 e CNE/CP 2/2019. Revista da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, 2023. http://dx.doi.org/10.26571/reamec.v11i1.14343

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 18. ed. São Paulo: Papirus, 1994.

FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia? 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

FEITOSA, R. A. Uma crítica marxista à interdisciplinaridade. Acta Educ., v. 41, e37750, jan. 2019. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2178-52012019000100114&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 12 jun. 2023.

JANTSCH, A. P.; BIANCHETTI, L. (Orgs.). Interdisciplinaridade para além da filosofia do sujeito. 9.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Imago editora, 1976.

MARTINES, E. A. L. de M.; DUTRA, L. B.; BORGES, P. R. de O. Educiência: da interdisciplinaridade ao STEAM. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 92–110, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v7i3.9274

MESQUITA, N. A. da. S.; SOARES, M. H. F. B. Tendências para o ensino de química: o caso da interdisciplinaridade nos projetos pedagógicos das licenciaturas em Química em Goiás. Ensaio Pesquisa em Educação e Ciências, v. 14, n. 1, p. 241-255, jan./abr. 2012. DOI: 10.1590/1983-21172012140116. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/ensaio/article/view/34717. Acesso em: 13 jan. 2023.

MOZENA, E. R.; OSTERMANN, F. A interdisciplinaridade na legislação educacional, no discurso acadêmico e na prática escolar do Ensino Médio: panaceia ou falácia educacional? Caderno Brasileiro de Ensino em Física, v. 33, n. 1, p. 92-110, jan./abr. 2016. DOI: 10.5007/2175-7941.2016v33n1p92. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2016v33n1p92. Acesso em: 13 jan. 2022.

OLIVEIRA, E. B.; SANTOS, F. N. Pressupostos e definições em interdisciplinaridade: diálogo com alguns autores. Interdisciplinaridade, n. 11, p. 1-151, jul./dez. 2017.

Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/interdisciplinaridade/article/view/34709. Acesso em: 13 jan. 2023.

OLIVEIRA, E.; ENS, R. T.; ANDRADE, D. B. S. F.; MUSSIS, C. R. Análise de conteúdo e pesquisa na área da educação. Revista Diálogo Educacional, v. 4, n. 9, p. 11-27, mai./ago. 2003. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1891/189118067002.pdf. Acesso em: 25 jul 2023.

OLIVEIRA, E. do N. S. de; TERÁN, A. F. Práticas educativas interdisciplinares no ensino médio usando elementos da natureza. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 193–205, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v7i3.9327

OLIVEIRA, D. F. de .; MELLO, I. C. de; SOARES, E. C. Ciências da natureza na base nacional comum curricular do ensino médio: uma análise dos pressupostos interdisciplinares. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 11, n. 1, p. e23044, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.15052

SÁ-SILVA, R. J.; ALMEIDA, C.D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, v. 1, n. 1, p. 1-15, jan./jun. 2009. Disponível em: https://periodicos.furg.br/rbhcs/article/view/10351/pdf. Acesso em: 25 jul. 2023.

SANTOMÉ, J.T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SOUZA, C. F. S.; CORTES, L. E. M.; ALONSO, L. B.; VILELA, M. V. F. Interdisciplinaridade em foco: reflexões sobre o seu histórico, concepções e sentidos atribuídos no contexto universitário e nas licenciaturas. Vitruvian Cogitationes, v. 3, n. 1, p. 165-176, 2022. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/revisvitruscogitationes/article/view/63994. Acesso em: 13 jan. 2023.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Projeto pedagógico de curso - Licenciatura em Ciências Biológicas. Goiânia: UFG, 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Projeto pedagógico do curso de Licenciatura em Química. Goiânia: UFG, 2020.

VILELA, M. V. F. A interdisciplinaridade e a abordagem Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente (CTSA), em três cursos de licenciatura em Ciências Naturais/da Natureza ofertadas por instituições sediadas na Amazônia Legal. 2018. 379 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2018.

Downloads

Publicado

2023-11-27

Como Citar

ALONSO, L. B.; VILELA, M. V. F. UM OLHAR SOBRE A INTERDISCIPLINARIDADE NAS LICENCIATURAS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E QUÍMICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23089, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.16190. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16190. Acesso em: 16 jun. 2024.