PROVA CUIABÁ COMO INSTRUMENTO AVALIATIVO NO PROCESSO DE ENSINO DE MATEMÁTICA NA EJA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.15880

Palavras-chave:

Ensino de Matemática, Educação de Jovens e Adultos, Prova Cuiabá

Resumo

O ensino de Matemática é uma preocupação constante na Educação Básica, especificamente, no contexto da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A pesquisa de Campo, de natureza qualitativa, objetivou analisar os resultados de uma intervenção pedagógica, utilizando, como fonte de análise, a Prova Cuiabá - Alfabetização Matemática/EJA. A intervenção contou com a participação de oito estudantes da primeira fase da EJA, pertencentes a uma escola pública estadual da capital mato-grossense. Com ênfase no erro, avaliações como a Prova Cuiabá podem desempenhar um papel relevante na identificação de lacunas de conhecimento entre os estudantes da EJA, possibilitando ao professor, adotar estratégias pedagógicas diferenciadas, visando melhorar o desempenho da turma. Fundamentados nas concepções de Cury (2007), Pinto (2000) e De La Torre (2007), os autores destacam a importância da utilização do erro como uma estratégia para novas aprendizagens e superação dos obstáculos cognitivos. Os dados apontam que o erro está associado a diversos fatores e, nesse contexto, torna-se essencial que o professor esteja preparado para identificá-los e orientar os estudantes da EJA, considerando sempre o nível de desenvolvimento de cada estudante, bem como as habilidades individuais, com o entendimento de que cada um possui um grau de conhecimento dos conceitos matemáticos abordados em sala de aula. A partir dos resultados, os professores podem planejar as aulas, de forma direcionada, adaptando o ensino às necessidades específicas ao público da EJA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Laura Emanuele Da Cruz Miranda, Universidade de Cuiabá (UNIC), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ensino em associação ampla entre UNIC/IFMT; Graduada em Química Licenciatura pela UFMT; Acadêmica de Licenciatura em Matemática; Professora na Rede Estadual de Educação Básica de MT.

Laura Isabel Marques Vasconcelos de Almeida, Universidade de Cuiabá (UNIC), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Graduada em Pedagogia pela Universidade de Cuiabá (1994). Pós Doutora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da UNOPAR. Doutora em Educação pelo Programa de Pós Graduação da PUCPR, na linha de pesquisa: História e Políticas da Educação, concluído no ano de 2010 e Mestre em Educação pela UFMT, na linha de pesquisa em Educação em Ciências (2006). Vinculada ao Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática (GHEMAT), desde 2007. Especialista em Didática e Avaliação Educacional / UFMT (2000). Professora aposentada da Educação Básica em 2019, com vasta experiência na docência nos Anos Iniciais e na área de Gestão Escolar como Coordenadora Pedagógica. Atualmente é docente permanente do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu - Mestrado em Ensino da Universidade de Cuiabá e do Programa de Pós-Graduação Doutorado em Educação em Ciência e Matemática - PPGECEM da Rede Amazônica de Educação em Ciências REAMEC/UFMT, na Linha de pesquisa Formação de Professores e vice coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da UNIC.

Referências

ARROYO, Miguel G. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BELMAR, C. C.; WIELEWSKI, G. D. Estágio supervisionado: espaço de aprendizagem de saberes para a docência em matemática na EJA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. e21066, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i2.12875

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 02 maio 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução Nº 1, de 28 de maio de 2021. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília, DF, 2021. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=87442. Acesso em: 02 maio 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

CUIABÁ. Secretaria Municipal de Educação. Plano Municipal de Educação de Cuiabá, segundo disposto na Lei nº 5949/2015.

CUIABÁ. Prefeitura Municipal de Cuiabá. Secretaria Municipal de Educação. A Rede pública municipal de educação avança no resultado da prova Cuiabá. Disponível em: https://www.cuiaba.mt.gov.br/educacao/rede-publica-municipal-de-educacao-avanca-no-resultado-da-prova-cuiaba/29094. Acesso em: 02 maio 2023.

CURY, Helena Noronha. Retrospectiva histórica e perspectivas atuais da análise de erros em Educação Matemática. Revista Zetetiké, 1995.

CURY, Helena Noronha. Análise de conteúdo das Respostas: uma visão da metodologia empregada. In. Análise de Erros: o que podemos aprender com as respostas dos alunos. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 61-78.

D'AMBROSIO, Ubiratan. Educação matemática: da teoria à prática. Papirus Editora, 1996.

DE LA TORRE, S. Aprender com os erros: o erro como estratégia de mudança. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sergio. Investigações em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 6ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

LEITE, E. A. P.; DARSIE, M. M. P. . RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS E ESPECIFICIDADES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 21065, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i2.12814

LÜDKE, Menga.; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris, 1948. Disponível em: https://www.un.org/pt-br/universal-declaration-human-rights/. Acesso em: 02 maio 2023.

PARRA, Cecília. Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

PINTO, Neuza Bertoni. O erro como estratégia didática. São Paulo: Papirus, 2000.

RIBEIRO, B. T. de O.; GROENWALD, C. L. O. O ensino da matemática na educação de jovens e adultos: uma análise da avaliação do desempenho do estudante na rede municipal de Manaus. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 11, n. 1, p. e23019, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.14849

RIBEIRO, E. da S.; MARIA PONTIN DARSIE, M. Da educação matemática à educação matemática de jovens e adultos. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. e21063, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i2.12796

Downloads

Publicado

2023-12-10

Como Citar

MIRANDA, L. E. D. C.; ALMEIDA, L. I. M. V. de . PROVA CUIABÁ COMO INSTRUMENTO AVALIATIVO NO PROCESSO DE ENSINO DE MATEMÁTICA NA EJA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23110, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.15880. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/15880. Acesso em: 19 jun. 2024.