COMPREENSÕES SOBRE A NATUREZA DA CIÊNCIA NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.14826

Palavras-chave:

Parecer 1301, Natureza da Ciência, Biologia

Resumo

Nota-se a escassez de pesquisas que indagam que concepções acerca da atividade científica são difundidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) para os cursos de Ciências Biológicas, ainda que essas diretrizes balizem a estrutura e os objetivos de tais cursos e, consequentemente, a formação de graduandos. Neste sentido, esta investigação objetiva identificar e analisar compreensões que as DCNs para os cursos de Biologia, detalhadas pelo Parecer 1.301/2001, detêm sobre a Natureza da Ciência. Como resultado, obtido através de uma análise de conteúdo, emergiram quatro categorias. Duas delas correspondem a compreensões mais deformadas sobre a prática científica, sendo elas: algo de uma visão empírico-indutivista, ao passo que o documento não alude à importância de hipóteses/teorias apriorísticas de pesquisadores e a relação dessas com processos experimentais; e, algo de um método científico, uma vez que o documento dá a entender que a Ciência é construída por meio de uma sequência linear de etapas a serem seguidas rigidamente. As outras duas categorias, por sua vez, refletem sobre aspectos consensuais acerca do que seriam compreensões mais adequadas da atividade científica, sendo elas: a que envolve a necessidade indicada pelo parecer de se abordar questões históricas e epistemológicas das Ciências Biológicas quando em seus cursos de graduação; e, a que apresenta a importância de se estreitar a relação entre Biologia e processos educativos. Por fim, destaca-se a importância da análise de compreensões sobre a Natureza da Ciência, exteriorizadas por legislações que orientam processos formativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Otávio da Silva Custódio, Professor efetivo de Biologia do Magistério Público Estadual de Santa Catarina. Rod. Baldicero Filomeno, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Professor efetivo de Biologia do Magistério Público Estadual de Santa Catarina, lecionando para o nível médio no município de Florianópolis/SC. Doutorando em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na linha de pesquisa Formação de Professores. Mestre em Educação Científica e Tecnológica pela UFSC, na linha de pesquisa Formação de Professores. Possui graduação em Ciências Biológicas pela UFSC, sendo detentor dos títulos de Licenciado e de Bacharel em Ciências Biológicas. Faz parte do Grupo de Pesquisa Casulo da UFSC, grupo o qual atua em ensino, pesquisa e extensão na área de Educação em Ciências e Biologia. Trabalhou na Fundação do Meio Ambiente do Município de Laguna/SC, no cargo de biólogo, como efetivo. 

Renato da Silva Custódio, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Doutor (2022) e Mestre (2017) em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Orientação Educacional (2020) pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci. Graduado em Química (2015) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduado em Pedagogia (2022) pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci. Faz parte do Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação e Instituições Escolares de Santa Catarina - GEPHIESC. Foi professor substituto do curso de Licenciatura em Educação do Campo (EduCampo) - Ciências da Natureza e Matemática da Universidade Federal de Santa Catarina (2018-2019). Foi professor substituto do curso de Química da Universidade Federal de Santa Catarina (2017-2018). Atua como pesquisador da História da Educação Brasileira. Tem como foco a História da Disciplina de Química no Brasil e suas relações com a Educação Química, o Ensino de Química e a Formação de Professores de Química.

Referências

ACEVEDO, J. A.; VÁZQUEZ, A.; MANASSERO, M. A.; ACEVEDO, P. Consensos sobre la naturaleza de la Ciência: fundamentos de uma investigación empírica. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias. Vol. 4, n. 1, p. 42-66, 2007. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=92040104. Acesso em: 24 maio 2023.

ANDRADE, M. A.; BRANDO, F. R.; MEGLHIORATTI, F. A.; JUSTINA, L. A. D.; CALDEIRA, A. M. A. Epistemologia da Biologia: uma proposta didática para o Ensino de Biologia. In: ARAÚJO, E. S. N. N.; CALUZI, J. J.; CALDEIRA, A. M. A. (Org). Práticas integradas para o ensino de biologia. São Paulo: Escrituras, p. 13-36, 2008.

AYRES, A.C.M. As tensões entre a licenciatura e o bacharelado: a formação dos professores de biologia como território contestado. In: MARANDINO, M.; SELLES, S; FERREIRA, M.; AMORIM, A.C. (Orgs.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: Editora Eduff, p. 182-192, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Parecer CNE/CES n. 1.301, de 06 de novembro de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Ciências Biológicas. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior. Diário Oficial da União, Brasília/DF, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES1301.pdf. Acesso em: 24 maio 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CES n. 07, de 11 de março de 2002. Estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Ciências Biológicas. Diário Oficial da União, Brasília/DF, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces07_02.pdf. Acesso em: 24 maio 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CES n. 04, de 07 de abril de 2009. Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação em Biomedicina, Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição e Terapia Ocupacional, bacharelados, na modalidade presencial. Diário Oficial da União, Brasília/DF, 2009.

CALDEIRA, A.M.A. Didática e epistemologia da Biologia. In: CALDEIRA, A.M.A.; ARAÚJO, E.S.N.N. (Orgs). Introdução à Didática da Biologia. São Paulo: Escrituras, 2009.

CFBio. Conselho Federal de Biologia. Parecer CFBio n. 01, de março de 2010. GT revisão das áreas de atuação – Proposta de requisitos mínimos para o biólogo atuar em pesquisa, projetos, análises, perícias, fiscalização, emissão de laudos, pareceres e outros serviços nas áreas de meio ambiente, saúde e biotecnologia. Brasília-DF, 2010.

CHALMERS, A. F. O que é Ciência, afinal? São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

COSTA, C.F.; FLORES, J.A.; SCHWANTES, L. Entendimentos sobre a Ciência e sua produção de biólogos em formação. In: Anais do XI ENPEC. Florianópolis/SC, 2017.

DELIZOICOV, N. C.; SLONGO, I. P.; HOFFMANN, M. B. História e Filosofia da Ciência e Formação de Professores: a proposição dos cursos de licenciatura em Ciências Biológicas do Sul do Brasil. Curitiba/PR. Anais do X Congresso Internacional em Educação. EDUCERE, 2011.

DURBANO, J.P.M. Investigação da Concepção de Graduandos de Ciências Biológicas Sobre Lei e Teoria Científicas. 203 f. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas) – Instituto de BioCiências, Universidade de São Paulo, 2012.

DURBANO, J.P.M.; PRESTES, M.E.B. Investigação da Concepção de Graduandos de Ciências Biológicas Sobre Lei e Teoria Científicas. In: Anais do VIII ENPEC. Campinas-SP, 2011.

EL-HANI, C. N. Notas sobre o ensino de história e filosofia das Ciências na educação científica de nível superior. In: SILVA, C. C. (Org.). História e Filosofia da Ciência no Ensino de Ciências: da Teoria à Sala de Aula. São Paulo: Ed. Livraria da Física, p. 3-21, 2006.

GIL-PÉREZ, D. Contribuición de la Historia y de la Filosofía de las Ciencias al desarrollo de un modelo de enseñanza/aprendizaje como investigación. Enseñanza de las Ciencias, v. 11, n. 2, p. 197-212, 1993. Disponível em: http://envia3.xoc.uam.mx/site/uploads/lecturas_TID/unidad1/Gil%20Perez.pdf. Acesso em 24 maio 2023.

GIL-PERÉZ, D.; MONTORO, I. F.; ALÍS, J.; CACHAPUZ, A.; PRAIA, J. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação. V. 7, n. 2, p. 125-153, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/DyqhTY3fY5wKhzFw6jD6HFJ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 24 maio 2023.

HACKING, I. Representar e Intervir: tópicos introdutórios de filosofia da Ciência natural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

LEDERMAN, N. G. Students' and teachers' conceptions of the nature of science: a review of the research. Journal of Research in Science Teaching, v. 29, p. 331-359, 1992. https://doi.org/10.1002/tea.3660290404

LEDERMAN, N. G. Teachers' understanding of nature of science and classroom practice: factors that facilitate or impede the relatioship. Journal of Research in Science Teaching, v. 36, n. 8, p. 916-929, 1999.

MARQUES, M.; MORIEL JUNIOR, J. G. Conhecimentos especializados de professor de biologia mobilizados em uma aula prática sobre interações ecológicas. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 2, p. 253-271, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i2.9747

MARTINS, A. F. P. História e filosofia da Ciência no ensino: há muitas pedras nesse caminho. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 24, n. 1, p. 112-131, 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6056. Acesso em: 24 maio 2023.

MATTHEWS, M. R. História, Filosofia e Ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, p. 164-214, 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/7084. Acesso em: 24 maio 2023.

MAYR, E. O desenvolvimento do pensamento biológico. Editora Universidade de Brasília, 1998.

McCOMAS, W. F. The principal elements of the nature of science: dispelling the myths. Adapted from the chapter. In: McCOMAS, W.F. (Ed.). The nature of science in science education. New York: Kluver Academic Publishers, p. 53-70, 2002.

McCOMAS, W. F. Keys to teaching the nature of science. Science Teacher, v. 71, n. 9, p. 24-27, 2004.

McCOMAS, W. F. Seeking historical examples to illustrate key aspects of the nature of science. Science & Education, v. 17, p. 249-263, 2008. https://doi.org/10.1007/s11191-007-9081-y

MEGLHIORATTI, F. A. O conceito de organismo: uma introdução à epistemologia do conhecimento biológico na formação de graduandos de biologia. 2009. 254 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – UNESP, Faculdade de Ciências, Bauru/SP, 2009.

MINAYO, M. C. S. (Org.); DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 31 Ed. Petrópolis/RJ: Editora Vozes, 2012.

MOHR, A.; FERREIRA, R.Y. Atitudes de prática pedagógica como componente curricular no currículo do curso de Ciências Biológicas da UFSC. Anais do 2º Encontro Regional Sul de Ensino de Biologia, Florianópolis/SC, 2006.

MOREIRA, M. A; OSTERMANN, F. Sobre o ensino do método científico. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 10, n. 2, p. 108-117, 1993.

NUNES, L.B.; PECHLIYE. M.M. História da Ciência e aplicações no ensino básico de Biologia: uma investigação dos anais dos ENPECs de 2007 a 2015. In: Anais do XI ENPEC. Florianópolis/SC, 2017.

OLEQUES, L.; BOER, N.; BARTHOLOMEI-SANTOS, M. Reflexões acerca das diferentes visões sobre a natureza da Ciência e crenças de alunos de um curso de Ciências Biológicas. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. V. 12, n. 1, p. 110-125, 2013. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen12/REEC_12_1_6_ex686.pdf. Acesso em: 24 maio 2023.

PEDUZZI, L.O.Q.; RAICIK, A. Sobre a natureza da Ciência: asserções comentadas para uma articulação com a história da Ciência. Investigações em Ensino de Ciências. V. 25, n. 2, p. 19-55, 2020. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n2p19

PEREIRA, M.G.; TRIVELATO, S.L.F. Natureza da Ciência (NdC) em produções acadêmicas: investigando os anais dos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (2005 – 2014). In: Anais do X ENPEC. Águas de Lindóia/SP, 2015.

PRAIA, J.; CACHAPUZ, A.; GIL PEREZ, D. A hipótese e a experiência científica em educação em Ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação. V. 8, n. 2, p. 253-262, 2002. https://doi.org/10.1590/S1516-73132002000200009

SCHEID, N.M. FERRARI, N.; DELIZOICOV, D. Concepções sobre a natureza da Ciência num curso de Ciências biológicas: imagens que dificultam a educação científica. Investigações em Ensino de Ciências. V. 12, n. 2, p. 157-181, 2007. Disponível em: https://ienci.if.ufrgs.br/index.php/ienci/article/view/470. Acesso em: 24 maio 2023.

SILVA, T.T. História e Filosofia da Ciência na formação de professores de Biologia: educação reflexiva e a replicação de experimentos históricos. 2019. 227 f. Tese (Doutorado em Educação Científica, Matemática e Tecnológica) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2019.

SILVA, J. R. Documentos legais para a formação profissional: é possível fazer emergir o professor de Ciências e Biologia? Revista de Ensino de Biologia, n. 8, p. 4-14, 2015. Disponível em: https://sbenbio.org.br/wp-content/uploads/edicoes/revista_Renbio-n8.pdf. Acesso em: 24 maio 2023.

SILVEIRA, M.; SILVA, P.; SCHAWANTS, L. O que pensam futuros professores de Biologia sobre a Ciência? In: Anais do XI ENPEC. Florianópolis-SC, 2017.

TOBALDINI, B.G.; CASTRO, L.P.V.; JUSTINA, L.A. MEGLHIORATTI, F. A. Aspectos sobre a natureza da Ciência apresentados por alunos e professores de licenciatura em Ciências biológicas. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciencias. V. 10, n. 3, p. 457-480, 2011. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen10/REEC_10_3_4.pdf. Acesso em: 24 maio 2023.

Downloads

Publicado

2023-06-01

Como Citar

CUSTÓDIO, O. da S. .; CUSTÓDIO, R. da S. . COMPREENSÕES SOBRE A NATUREZA DA CIÊNCIA NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23030, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.14826. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14826. Acesso em: 16 jun. 2024.