O ENSINO DE CIÊNCIAS E AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS EM DISSERTAÇÕES E TESES (2009-2021): ENTRE AUSÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.14803

Palavras-chave:

Ensino de ciências, Relações Étnico-Raciais, Epistemologias do sul

Resumo

Este artigo apresenta os resultados parciais de pesquisa em andamento, acerca das Relações Étnico-Raciais no Ensino de Ciências. O texto objetiva analisar de que maneira as dissertações e teses defendidas no Brasil, nos programas das áreas de Ensino e de Educação no período de 2009 a 2021, abordam a temática das Relações Étnico-Raciais no Ensino de Ciências. A pesquisa se configura como de Revisão Sistemática de Literatura (RSL) de caráter qualitativo. No processo de busca utilizou-se os descritores Relações Étnico-Raciais, Relações Raciais e Ensino de Ciências com o operador booleano AND. Tendo como aporte teórico os estudos decoloniais e as Epistemologias do sul, de Boaventura de Souza Santos, as análises foram realizadas em aproximação epistêmica com a Sociologia das ausências.  Os resultados apontam que as pesquisas sobre as Relações Étnico-Raciais no Ensino de Ciências são um campo em consolidação, permitindo evidenciar que no espaço da sala de aula faz-se necessário construir pedagogias engajadas, que tragam para o debate a expressiva contribuição dos povos subalternizados, a exemplo de negros e indígenas, para a construção do conhecimento científico, a fim de retirar da centralidade dos currículos a hegemonia brancocêntrica no Ensino de Ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael Casaes de Brito, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Doutorando em Ensino com ênfase em ensino de ciências pelo Programa de Pós Graduação em Ensino (Rede Nordeste de Ensino - RENOEN) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGEN/UESB), Mestre em Relações Étnicas e Contemporaneidade (2022) pelo Programa de Pós Graduação em Relações e Contemporaneidade (PPGREC - UESB/ODEERE) a nível de Mestrado Acadêmico com área de concentração em Relações Étnicas, Gênero e Sociedade. Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2017). Membro do Grupo de Pesquisa Currículo, Gênero e Relações étnico-raciais (CNPq- http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7890794917130250). Professor de Ciências e Biologia da educação básica da rede pública e privada. Desenvolvo pesquisas no campo da Educação Decolonial e intercultural, onde pretendo discutir as Relações Étnico-Raciais no Ensino de Ciências e consequentemente no seu Currículo, contribuindo assim para o desenvolvimento de pesquisas sobre formação inicial e continuada de professores para as Relações Étnico-Raciais e de Práticas curriculares decoloniais, Interculturais e antirracistas.

Benedito Gonçalves Eugênio, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Possui graduação em licenciatura em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia (2002), mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2004) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2009). Atualmente é professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, atuando na graduação, no Programa de Pós-Graduação-Mestrado Acadêmico em Relações Étnicas e Contemporaneidade e Programa de Pós-Graduação em Ensino-mestrado e doutorado (PPGEN). Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGEN- 2018). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Currículos Específicos para Níveis e Tipos de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo (políticas e práticas pedagógicas para a educação básica), políticas curriculares para o ensino médio, educação das relações étnico-raciais e educação escolar quilombola.

Referências

BEZERRA, D. B. SANTOS, A. C. O ensino de ciências e a educação de jovens e adultos: diálogos e pressupostos epistemológicos. Educon, Aracaju, Volume 10, n. 01, p.1-11, set/2016. Disponível em:< https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/8918/20/o_ensino_de_ciencias_e_a_educacao_de_jovens_e_adultos_dialogos.pdf> Acesso em:

BISPO, A. G. P. Contextualização, escola quilombola, relações étnico-raciais: aproximações e distanciamentos no livro didático de ciências. 121f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Programa de Pós graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018. Disponível em:< https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/9122> Acesso em: 15 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Mec, 2004. Disponível em:< https://www.gov.br/inep/pt-br/centrais-de-conteudo/acervo-linha-editorial/publicacoes-diversas/temas-interdisciplinares/diretrizes-curriculares-nacionais-para-a-educacao-das-relacoes-etnico-raciais-e-para-o-ensino-de-historia-e-cultura-afro-brasileira-e-africana> Acesso em: 15 maio de 2021.

BRITO, M. C. L. A educação das relações étnico-raciais: olhares na formação docente em /química. 113f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Núcleo de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017. Disponível em: https://ri.ufs.br/handle/riufs/5108 Acesso em: 14 maio 2021.

CARDOSO, S. M. B. Indícios de uma perspectiva (de)colonial no discurso de professores (as) de química: desafios e contribuições para a educação das relações étnico-raciais. 105f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/30637> Acesso em: 18 jun. 2021.

CASTRO, M. A. T. A evolução humana na disciplina de biologia e as relações étnico-raciais: aprendizagens a partir de uma intervenção educativa. 128f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2018. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/10063 > Acesso em: 14 maio 2021.

DIAS, T. L. S. Ciência, raça e literatura: as contribuições de uma exposição itinerante para educação das relações étnico-raciais. 125f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017. Disponível em:< https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31287> Acesso em: 18 maio 2021.

DUTRA, D. S. A. CASTRO, D. J. F. A. MONTEIRO, B. A. P. Educação em Ciências e decolonialidades: em busca de caminhos outros. In: MONTEIRO, Bruno A. P; DUTRA, Débora S. A; CASSIANI, Suzani; SANCHEZ, Celso; OLIVEIRA, Roberto D. V. L (Org.). Decolonialidades na Educação em Ciências. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física. 2019. p. 1-17.

GALVÃO, M. C. B.; RICARTE, I. L. M. Revisão Sistemática da Literatura: conceituação, produção e publicação. Logeion: Filosofia da Informação, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 57–73, 2019. https://doi.org/10.21728/logeion.2019v6n1.p57-73

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017. 154 p.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 7.ed. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2003. 102p.

JESUS, J. As relações étnico-raciais na formação inicial dos licenciandos de ciências biológicas, química e física da Universidade Estadual de Santa Cruz – Bahia. 91f Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Departamento de Ciências Exatas e Tecnologias, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2017. Disponível em: <http://www.biblioteca.uesc.br/biblioteca/bdtd/201610057D.pdf> Acesso em: 14 mai 2021.

JOSSO, M. C. Experiência de Vida e Formação. São Paulo: Cortez, 2004.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das Ciências. São Paulo: Edusp, 1988.

LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Coleccion Sur Sur, CLACSO, Ciudad AutÛnoma de Buenos Aires, Argentina, 2005.

MARTINS, K. V. Formação inicial de professores de biologia: elementos da etnoecologia para uma prática docente sensível à diversidade cultural. 109f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em:< https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/30700> Acesso em: 25 jun 2021.

MORAIS, R. F. Identidades racializadas e a atitude de negras(os) frente à física. 197f. Tese (Doutorado em Ensino e História da Matemática e da Física) – Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: <http://www.pg.im.ufrj.br/pemat/DSc%2002_Rodrigo%20Fernandes%20Morais.pdf> Acesso em: 15 maio 2021.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

NASCIMENTO, L. M. M. Exame crítico da racialização da doença falciforme na formação de professoras/es de biologia: promoção da educação das relações étnico-raciais, da educação em saúde e de uma visão equilibrada da ciência. 256f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/32768/1/Tese_Lia%20Midori%20Meyer%20Nascimento.pdf> Acesso em: 28 jun. 2021.

OLIVEIRA, B. C. Ensino de Ciências e educação das relações étnico-raciais: relações discursivas, recontextualização e possibilidades de articulação a partir da Base Nacional Comum Curricular. 126f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020 Disponível em:< https://lume.ufrgs.br/handle/10183/219135>. Acesso em: 12 maio 2021.

PEREIRA, A. A dimensão pedagógica dos terreiros e o racismo ambiental: aportes das lutas antirracistas à educação ambiental crítica. 109f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019. Acesso em: 15 jun 2021. Disponível em:< http://www.unirio.br/ppgedu/DissertaoPPGeduAlessandraPereira.pdf>. Acesso em: 13 maio 2021.

PRUDÊNCIO, C. A. V.; JESUS, J. de. As relações étnico-raciais e o ensino de Ciências: visão de professores de Itabuna-BA. Com a Palavra, o Professor, [S. l.], v. 4, n. 9, p. 186–209, 2019. https://doi.org/10.23864/cpp.v4i9.463

SANTOMÉ, J. T. As culturas negadas e silenciadas no currículo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa; Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista crítica de Ciências Sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 63 | 2002. https://doi.org/10.4000/rccs.1285

SANTOS, B. S. (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, Boaventura Souza. MENEZES, Maria Paula. Epistemologias do Sul (Org). São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, J. A. ARAÚJO, M. L. F. Education for Ethnic-racial Relations in the New Curriculum Guidelines and in the Common National Base for the Initial Training of Brazilian Teachers: Implications for the Teaching of Anti-racist Science and Biology. Science Education International, v. 32, n. 4, p. 374-383, 2021. https://doi.org/10.33828/sei.v32.i4.13>.

SILVA, D. V. C. Educação das relações étnico-raciais no ensino de ciências: diálogos possíveis entre Brasil e Estados Unidos. 335f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009. Disponível em:<https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/2222?show=full>. Acesso em: 12 maio 2021.

SILVA JUNIOR, I. M. O pensamento decolonial na Biogeografia e suas contribuições na formação docente. 313f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2020. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31480>. Acesso em 27 jun. 2021.

SOUZA, M. O lugar do ensino de ciências na escolha da carreira universitária de jovens negros. 109f.Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2019. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/11654/Dissertação%20Milena%20de%20Souza%20versão%20final.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 15 maio 2021.

TORRES, A. O. P. Lápis cor de pele? De qual corpo humano falamos? 102f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/33603>Acesso em: 22 jul. 2021.

VERRANGIA, Douglas; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Cidadania, relações etnicoraciais e educação: desafios e potencialidades do ensino de ciências. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 3, p 705-718, 2010. https://doi.org/10.1590/S1517-97022010000300004

VERRANGIA, D. Educação científica e diversidade étnico-racial: o ensino e a pesquisa em foco. Revista Interacções, [S. l.], v. 10, n. 31, 2015. https://doi.org/10.25755/int.6368

Downloads

Publicado

2023-06-01

Como Citar

BRITO, R. C. de .; EUGÊNIO, B. G. . O ENSINO DE CIÊNCIAS E AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS EM DISSERTAÇÕES E TESES (2009-2021): ENTRE AUSÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23028, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.14803. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14803. Acesso em: 19 maio. 2024.