DISCUSSÕES SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E INTERDISCIPLINARIDADE: O QUE DIZEM AS RESOLUÇÕES CNE/CP 2/2015 E CNE/CP 2/2019

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.14343

Palavras-chave:

Trabalho Interdisciplinar, Formação Inicial de Professores, Práxis

Resumo

Este artigo tem como temática discussões sobre a interdisciplinaridade e a formação de professores, tomando como apoio documentos oficiais. Para isso, temos por objetivo compreender como a interdisciplinaridade está sendo desenvolvida na formação inicial de professores, com base na Resolução CNE/CP n° 2/2015 e na Resolução CNE/CP n° 2/2019. Como aportes teóricos, dialogamos com estudos que tematizam a interdisciplinaridade, a partir das especificidades e complexidades que atravessam a formação inicial de professores. Com relação a metodologia, adotamos a perspectiva da pesquisa documental, por meio de pressupostos da análise documental. Dessa forma, buscamos verificar como os termos - interdisciplinar, interdisciplinares e interdisciplinaridade - apareceram nestes documentos e, principalmente, qual o contexto de inserção. Os resultados revelam, de maneira geral, uma ausência na conceituação da interdisciplinaridade e a falta de orientação para com o desenvolvimento de ações que assegurem o trabalho interdisciplinar. Com isso, é possível evidenciar nas intencionalidades político-pedagógicas uma carência de subsídios que viabilizem o ensino interdisciplinar. Para além disso, foi possível identificar também uma acentuada diminuição nas menções de um documento para o outro, bem como uma relação de correspondência dos termos com a formação de professores, entretanto, não conseguimos diagnosticar orientações claras com relação ao desenvolvimento e efetivação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Paula Dameão, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Possui graduação em Física Licenciatura pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2012). Participou, durante a graduação como bolsista, do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência oferecido pela CAPES (PIBID física), com objetivo de promover ações na escola conveniada ao projeto e elevar a qualidade de sua formação inicial. Possui mestrado em Ensino de Ciências pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (2018) com ênfase em Formação de professores, Interdisciplinaridade e Ensino de Física. Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e professora da rede básica de ensino.

Gerson dos Santos Farias, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Professor do Magistério Superior, classe assistente, nível A, do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas (DCET) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) em Vitória da Conquista, atuando nos cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia. Doutorando em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEduMat) do Instituto de Matemática (INMA) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Educação Matemática (2020-2022) pelo PPGEduMat/INMA - UFMS. Especialista em Educação de Jovens e Adultos (EJA) em Ensino de Matemática; Tecnologias Aplicadas a Educação Presencial, pela Faculdade UNIBF (2021 - 2022). Especialista em Ensino da Matemática; Didática do Ensino da Matemática; Docência do Ensino de Matemática pela Faculdade UNIBF (2020 - 2021). Graduado em Licenciatura em Matemática pela UFMS/ Campus de Três Lagoas (CPTL) (2016-2020). Membro do Grupo de Pesquisa - Formação e Educação Matemática (FORMEM) e do Grupo de Articulação, Investigação e Pesquisa em Educação Matemática (GAIPEM). Editor Adjunto da Revista Ensin@ UFMS e Membro da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). Tem experiência na área de Educação com ênfase em Educação Matemática, Formação de Professores que ensinam Matemática (formação inicial, formação continuada e desenvolvimento profissional), Abordagens Narrativas em Educação e Pesquisa (Auto)biográfica.

Patrícia Sandalo Pereira, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Possui graduação em Ciências Habilitação Plena Em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (1985), mestrado em Educação Matemática (1997) e doutorado em Educação Matemática (2005) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Rio Claro. Diretora do Instituto de Matemática - INMA (2013-2021)., Docente do curso de Licenciatura em Matemática e dos Programas de Pós-Graduação em Educação Matemática e Ensino de Ciências da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS (2011-2013). Chefe do Departamento de Matemática da UFMS (2009-2010). Avaliadora CAPES de Projetos PIBID (2013 e 2020).e Residência Pedagógica (2020). Editora-Chefe do Periódico Perspectivas da Educação Matemática da UFMS (2010-2013).Revisora e membro do corpo editorial de inúmeros periódicos. Coordenadora do Projeto CNPq Estado da arte das pesquisas em educação Matemática que tratam da formação de professores produzidas nos Programas de Pós-Graduação das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste no Brasil a partir de 2005 (2011-2013). Coordenadora do projeto em rede Trabalho colaborativo com professores que ensinam Matemática na Educação Básica em escolas públicas das regiões Nordeste e Centro-Oeste, financiado pelo Programa Observatório da Educação - CAPES na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS (Instituição sede) (2013-2016). Colaboradora do Projeto Universal CNPq Mapeamento e estado da arte da pesquisa brasileira sobre o professor que ensina Matemática (2013-2016). Coordenadora adjunta do Grupo de Trabalho Formação de Professores que ensinam Matemática (GT 7) da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (2015-2018). Membro do GT7 - Formação de professores que ensinam Matemática da SBEM. Associada da Anped ? Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação e da AFIRSE ? Associação Francofone Internacional de Pesquisa Científica em Educação - Secção Brasileira. Líder do Grupo de Pesquisa FORMEM - Formação e Educação Matemática. Atualmente desenvolve estudos e pesquisas na área de Educação Matemática e Ensino de Ciências com base nos princípios do Materialismo Histórico Dialético e da Pesquisa Colaborativa, atuando principalmente com Formação de Professores (formação inicial, formação continuada e desenvolvimento profissional).

Referências

ALVES, L. H.; SARAMAGO, G.; VALENTE, L. de F.; SOUSA, A. S. de. Análise documental e sua contribuição no desenvolvimento da pesquisa científica. Cadernos da FUCAMP, 20, 2021. Disponível em: https://revistas.fucamp.edu.br/index.php/cadernos/article/view/2335. Acesso em: 27 jul. 2022.

BAZZO, V.; SCHEIBE, L. De volta para o futuro... retrocessos na atual política de formação docente. Revista Retratos da Escola, 13, p. 669-684, set./dez de 2019. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/1038. Acesso em: 25 jul. 2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1 de 18 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/escola-de-gestores-da-educacao-basica/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/13207-resolucao-cp-2002. Acesso em: 25 jul. 2022.

BRASIL. Resolução CP/CNE 2/2015 de 1 de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação Inicial e Continuada em Nível Superior de Profissionais do Magistério para a Educação Básica. Brasília, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/escola-de-gestores-da-educacao-basica/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/13207-resolucao-cp-2002. Acesso em: 25 jul. 2022.

BRASIL. Resolução CP/CNE 2/2019 de 20 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação Inicial e Continuada em Nível Superior de Profissionais do Magistério para a Educação Básica. Brasília, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 25 jul. 2022.

BRASIL. Lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 25 jul. 2022.

CASTRO, M. G. Uma retrospectiva da formação de professores: histórias e questionamentos. VI Seminário da redestrado - Regulação Educacional e Trabalho Docente. UERJ, 06 e 07 de novembro de 2006. Disponível em: http://estrado.fae.ufmg.br/cd_viseminario/trabalhos/eixo_tematico_1/uma_retrospec_form_prof.pdf. Acesso em: 25 jul. 2022.

DAMEÃO, A. P.; PEREIRA, P. S. Formação de Professores e Interdisciplinaridade: uma análise preliminar da Resolução CNE/CP 2/2015. In: CONAPESC - DIGITAL EDITION, 2020, Campina Grande. Anais do V CONAPESC, 2020.

DAMEÃO, A. P.; PEREIRA, P. S.; ROSA, P. R. da S.; ERROBIDART, N. C. G. O conceito de Interdisciplinaridade e de Abordagem Interdisciplinar para Professores de Ciências em Processo de Formação Continuada. VIDYA, v. 41, n. 1, p. 279-299, 2021. Disponível: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/VIDYA/article/download/3880/2798. Acesso em: 26 jul. 2022.

DOURADO, L. F. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educ. Soc., 36, 299-324. abr-jun de 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/hBsH9krxptsF3Fzc8vSLDzr/abstract/?lang=pt. Acesso em: 25 jul. 2022.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Edições Loyola, 1991.

FAZENDA, I. Integração e Interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo. Loyola, 1979.

FRIGOTTO, G. O Enfoque da Dialética Materialista Histórica na Pesquisa Educacional. Em I. F. (Org.), Metodologia da Pesquisa Educacional. p. 69-90. São Paulo: Cortez, 1997.

GATTI, B. A. A formação de professores no Brasil: características e problemas. Sociedade & Educação, v.31, p. 1355-1379, out./dez. de 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/R5VNX8SpKjNmKPxxp4QMt9M/?format=pdf. Acesso em: 25 jul. 2022.

HAAS, C. M. Interdisciplinaridade: Uma nova atitude docente. Olhar do professor, 10, p. 179-193, 2007. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/1481. Acesso em: 27 jul. 2022.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

KRIPKA, R. M.; SCHELLER, M.; BONOTTO, D. de L. Pesquisa documental na pesquisa qualitativa: conceitos e caracterização. Revista de investigaciones UNAD, 14, p. 55-73, julio-diciembre de 2015. Disponível em: file:///C:/Users/gerso/Downloads/Administrador,+04_Pesquisa+documental+na+pesquisa+qualitativa.pdf. Acesso em: 27 jul. 2022.

NOGUEIRA, K. F. A prática como componente curricular nos cursos de licenciatura em matemática: entendimentos e alternativas para sua incorporação e desenvolvimento. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática), Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Campo Grande, 2012. Disponível em: https://posgraduacao.ufms.br/portal/trabalho-arquivos/download/1836. Acesso em: 25 jul. 2022.

OLIVEIRA, L. M.; MOREIRA, M. B. Da disciplinaridade para a interdisciplinaridade: um caminho a ser percorrido pela academia. REVASF, 7, p. 06-20, abril de 2017. Disponível em: https://periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/download/22/30. Acesso em: 26 jul. 2022.

PEREIRA, P. S.; FARIAS, G. dos S. A Formação de Professores de Matemática na Região Centro-Oeste do Brasil frente as Reformas Curriculares: Perspectivas e Desafios. Educação Matemática em Revista - RS, 2, 2021. Disponível em: http://sbemrevista.kinghost.net/revista/index.php/EMR-RS/article/view/2908/1980. Acesso em: 27 jul. 2022.

SANTANA, F. C.; DE PAULA, E. F.; PEREIRA, P. S. Potencialidades da Resolução CNE/CP Nº 02/2015 diante das (des)construções curriculares para a formação de professores(as) de matemática: insubordinações para (re)existir. Revista de Educação Matemática (REMat), 19 (Edição Especial), p. 1-25, 2022. Disponível em: https://www.revistasbemsp.com.br/index.php/REMat-SP/article/view/722. Acesso em: 25 jul. 2022.

SANTOS, A. G. F.; QUEIROZ, G. R. P.; C, DOMINGOS, P.; CATARINO, G. F de CASTRO. A formação de professores de ciências na perspectiva interdisciplinar sobre a flutuação para vida no planeta: pelos caminhos da co-docência. Revista Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciência, 21(e10596), 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/epec/a/r3xV3tw9bvZ7F4qT48ZRKrz/?lang=pt. Acesso em: 25 jul. 2022.

VÁSQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. 2ª ed. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales - Clacso. São Paulo, Brasil: Expressão Popular, 2011.

Downloads

Publicado

2023-05-31

Como Citar

DAMEÃO, A. P.; FARIAS, G. dos S.; PEREIRA, P. S. DISCUSSÕES SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E INTERDISCIPLINARIDADE: O QUE DIZEM AS RESOLUÇÕES CNE/CP 2/2015 E CNE/CP 2/2019. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23020, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.14343. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14343. Acesso em: 21 jun. 2024.