FORMAÇÃO/PRÁTICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM ESTATÍSTICA, PROBABILIDADE E COMBINATÓRIA: UM ESTUDO BASEADO EM PERIÓDICOS CIENTÍFICOS BRASILEIROS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i2.13454

Palavras-chave:

Educação Estatística, Estado do conhecimento., Produção Científica

Resumo

Este trabalho tem como objetivo inventariar, sistematizar e descrever a produção científica do conhecimento sobre a temática formação/prática de professores que ensinam Estatística, Probabilidade e Combinatória, publicada em periódicos científicos brasileiros. Metodologicamente, o admitimos como sendo uma pesquisa do tipo estado do conhecimento e de caráter essencialmente analítico-descritivo, tendo como material de análise 34 artigos relacionando e articulando Educação Estatística e Formação de Professores como objeto de estudo. As pesquisas foram categorizadas em quatro eixos temáticos: Compreensão/Concepção e Saberes Docentes; Formação Inicial/Continuada e Desenvolvimento Profissional; Formação/Prática mediada por grupos colaborativos; Prática/Trabalho Docente. Em cada uma dessas categorias, são apontadas e descritas as características e, a posteriori, são expostos, para o conjunto de artigos analisados, os sujeitos pesquisados, os conteúdos enfocados, os principais aportes teóricos e abordagens metodológicas adotadas. Os principais resultados apontam para o fato de que muitos dos artigos analisados parecem convergir para a ideia de que os professores pesquisados apresentam, em geral, dificuldades em compreender conceitos estatísticos, probabilísticos e combinatórios, o que, por sua vez, levanta questionamentos a respeito da forma como esses assuntos são tratados nos cursos de formação inicial. Também foi observada uma ênfase em pesquisas categorizadas na temática Formação Inicial/Continuada e Desenvolvimento Profissional (47,1% dos artigos analisados).

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gerlan Silva Silva, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Atualmente é Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) da Universidade Federal de Santa Catarina. É membro de dois grupos grupos de pesquisa da mesma instituição: GEPPROFEM ? Grupo de Estudos e Pesquisas em Processos Formativos em Educação Matemática e do ICEM ? Insubordinações Criativas em Educação Matemática. É sócio ativo da Sociedade Brasileira de Educação Matemática desde 2019. Tem interesse de pesquisar sobre os seguintes temas: Estudos de Revisões Sistemáticas da Literatura no campo da Educação Matemática; Formação de Professores que ensinam Matemática; Educação Educação Estatística; Ensino e aprendizagem de Probabilidade na Educação Básica; e recursos tecnológicos para o ensino de Matemática.

Rodrigo Medeiros dos Santos, Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), Santarém, Pará, Brasil

É licenciado pleno em Matemática pela Universidade do Estado do Pará-UEPA; possui especialização e mestrado em Matemática e Estatística, na linha de Controle Estatístico de Qualidade e métodos robustos, pela Universidade Federal do Pará-UFPA; e Doutorado em Educação, na linha de Ensino e Práticas Culturais, pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP. Atualmente, é professor adjunto do programa de Ciências Exatas da Universidade Federal do Oeste do Pará-UFOPA. É avaliador/revisor da revista Educação Matemática Pesquisa, da PUC-SP (QUALIS A2 da Capes), e da revista Zetetiké, da Unicamp (QUALIS A2 da Capes). Tem experiência na área de Estatística Aplicada; Ensino, com ênfase em Didática da Matemática, Saberes docentes e Formação do professor; Educação Especial; Educação Estatística; e Probabilidade e Estatística.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: edições, 1977.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigações qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Editora Porto, 1994.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/matematica.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

CAZORLA, I. M.; KATAOKA, V. Y.; SILVA, C. B. Trajetória e Perspectivas da Educação Estatística no Brasil: um olhar a partir do GT-12. In: LOPES, C. E. A.; COUTINHO, C. Q.S.; ALMOULOUD, S. A. (Org.). Estudos e Reflexões em Educação Estatística. Campinas: Mercado das Letras, 2010, p. 19-44.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente. In: BORBA, M. de C.& ARAÚJO, J. de L. (Orgs). Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, p. 47–76, 2004.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte". Educação & sociedade, v. 23, n. 79, p. 257-272, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/vPsyhSBW4xJT48FfrdCtqfp/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 13 set. 2020.

GAUTHIER, C.; MARTINEAU, S.; DESBIENS, J.-F.; MALO, A.; SIMARD, D. Por uma Teoria da Pedagogia: Pesquisas contemporâneas sobre o saber. Ijuí-RS: UNIJUÍ, 1998.

GAL, I. Adults' statistical literacy: Meanings, components, responsibilities. International Statistical Review, Netherlands, v. 70, n. 1, p. 1-25, 2002. https://doi.org/10.1111/j.1751-5823.2002.tb00336.x

PONTE, J. P. Da formação ao desenvolvimento profissional. In: ProfMat, 1998, Lisboa. Actas... Lisboa: APM, 1998, p. 27-44.

PORTUGAL. Lei de Bases do Sistema Educativo. Lei nº 46/86. Diário da República n o 237/1986, Série I de 1986-10-14, 1986.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo "estado da arte" em educação. Revista diálogo educacional, v. 6, n. 19, p. 37–50, 2006. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/24176. Acesso em: 02 de set. de 2020.

SANTOS, R. M. Balanço das Pesquisas sobre Formação/prática de Professores que ensinam Estatística, Probabilidade e Combinatória. Zetetiké, v. 25, n.1, p. 204-19, 2017. https://doi.org/10.20396/zet.v25i1.8647576

SANTOS, R. M. Estado da arte e história da pesquisa em Educação Estatística em

programas brasileiros de pós-graduação. 2015. 348 f. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

SHAMOS, M. H. The myth of scientific literacy. New Brunswick: Rutgers University Press,

SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1175860. Acesso em: 10 dez. 2020.

SOWDER, J. T. The mathematical education and development of teache. In: LESTER, F. K. (Ed.). Second Handbook of Research on Mathematics Teaching and Learning. North Carolina: Information Age Publishers, 2007. p. 157–223

WENGER, E. Communities of Practice: learning, meaning and identity. New York: Cambridge, 1998. Disponível em: https://cpb-us-e1.wpmucdn.com/you.stonybrook.edu/dist/a/37/files/2015/03/Ch6-Wenger-Learning-in-doing-1998-1c43txi.pdf. Acesso em: 12 dez. 2020.

Publicado

2022-07-30

Como Citar

SILVA, G. S.; SANTOS, R. M. dos. FORMAÇÃO/PRÁTICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM ESTATÍSTICA, PROBABILIDADE E COMBINATÓRIA: UM ESTUDO BASEADO EM PERIÓDICOS CIENTÍFICOS BRASILEIROS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 2, p. e22040, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i2.13454. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/13454. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação Matemática