CONHECIMENTO GEOMÉTRICO NAS PERSPECTIVAS DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA E ETNOMATEMÁTICA NUMA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i1.11406

Palavras-chave:

Conhecimento Geométrico, Escola Família Agrícola, Etnomatemática, Pedagogia da Alternância, Teoria Fundamentada nos Dados

Resumo

Este artigo é um recorte de uma pesquisa qualitativa conduzida em uma Escola Família Agrícola, localizada na Zona da Mata, Minas Gerais. O seu principal objetivo foi compreender como 24 alunos dessa escola lidam com os conceitos geométricos quando estão em ambientes distintos: escola/família/comunidade. Essa pesquisa foi conduzida de acordo com as perspectivas da Pedagogia da Alternância e da Etnomatemática, visando responder a questão de investigação: Quais são as contribuições que a etnomatemática pode trazer para a construção do conhecimento geométrico de alunos do primeiro ano do ensino médio em uma escola família agrícola na perspectiva da pedagogia da alternância? Essa pesquisa fundamenta-se nas bases teóricas da Pedagogia da Alternância, da Educação do Campo, dos Fundos de Conhecimento e da Etnomatemática. Os dados foram coletados por meio de dois questionários: um inicial e um final; anotações no diário de campo, três blocos de atividades, um grupo focal e, também, pela utilização de três instrumentos da alternância: o Plano de Estudo, o Caderno da Realidade e a Colocação em Comum. Os dados coletados foram analisados conforme os pressupostos adaptados da Teoria Fundamentada nos Dados. Os resultados dessa pesquisa mostram que uma contribuição importante da Etnomatemática para o desenvolvimento de conteúdos geométricos nessa escola, na perspectiva da Pedagogia da Alternância, foi a valorização sociocultural da produção de conhecimentos geométricos desenvolvidos por esses participantes, que compartilharam as práticas locais em sala de aula conectando-as aos conteúdos geométricos escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vanessa da Luz Vieira, Rede Municipal de Ipatinga

Mestre em Educação Matemática pela Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP (2018) . Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal de Viçosa - UFV (2015). Atualmente é professora de matemática e geometria na rede Municipal de Ipatinga, professora da OBMEP na Escola, programa de extensão do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada. Atua também como tutora mestre e Coordenadora do curso de Licenciatura em Matemática EAD na Faculdade ÚNICA Ipatinga. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação do Campo, Pedagogia da Alternância e Etnomatemática.

Milton Rosa, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, Minas Gerais

Possui licenciatura em Ciências e Matemática-Faculdade de Ciências e Letras Plínio Augusto Amaral-FCLPAA (1983) e licenciatura em Pedagogia-FCLPAA (1994), em Amparo-SP. Especialização Educação Matemática-Etnomatemática/Modelagem-PUC/Campinas (1999). Mestrado Educação Matemática, Currículo e Instrução, California State University, Sacramento-CSUS (2000). Doutorado em Educacão, Liderança Educacional-Educação Básica-CSUS (2010), Estados Unidos. Ambos diplomas revalidados pela USP. Pós-Doutorado em Educação-Etnomodelagem-USP (2015). Professor Associado I (Fevereiro/2019) na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), atuando como professor/pesquisador desde 2011. Membro do Conselho Departamental-CEAD/UFOP (2016/2022). Membro (2014/2018) e membro suplente (2020/2022) do Colegiado do Mestrado em Educação Matemática-UFOP. Presidente Colegiado Curso Licenciatura Matemática a distância-CEAD/UFOP (2016/2022). Membro da Subcâmara das Llcenciaturas-UFOP, desde 2012. Membro Colegiado Curso Licenciatura em Pedagogia a distância-CEAD/UFOP (2017/2021). Presidente Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso Licenciatura Matemática, a distância-CEAD/UFOP, desde 2015. Membro suplente da Comissão Permanente de Internacionalização - CPInter/UFOP. Membro do North American Study Group on Ethnomathematics (NASGEm), Estados Unidos, desde 2000. Foi representante dos professores do Departamento de Educação Matemática (DEEMA), no Conselho Departamental-ICEB/UFOP (2016/2020) e membro do Comitê Gestor-UFOP, de 2014 a 2018. Atua como: a) Vice-coordenador Programa de Mestrado em Educação Matemática-UFOP (2018-2022), b) Presidente do International Study Group on Ethnomathematics-ISGEm (2020-2024). Estados Unidos, c) Editor do Journal of Mathematics and Culture (Qualis B4), Estados Unidos, desde 2011, d) Editor do Journal of Numerical Cognition, Alemanha, desde 2014, e) Coordenador GT5 - História da Matemática e Cultura-SBEM (2018-2021), f) Membro Diretoria - International Committee (IC) - Mathematics Education and Society-MES (2015-2021), g) Membro Diretoria-The International Community of Teachers of Mathematical Modelling and Applications?ICTMA (2017-2021). h) Membro Diretoria-Primeiro Tesoureiro-SBEM-MG (2019/2021), i) Membro Conselho Nacional Deliberativo (CND)-SBEM (2018-2021), j) Membro Conselho Nacional Editorial-CNE/SBEM (2019-2021), k) Membro Comitê Editorial de 14 periódicos e parecerista de 25 periódicos nacionais e internacionais, o) Membro do Comitê de Organização de 15 eventos nacionais e internacionais, p) Membro Conselho Nacional Editorial-SBEM (2019-2021), l) Orientação de 10 dissertações de mestrado concluídas, m) Coorientação de 03 dissertações de mestrado concluídas, n) Orientação de 03 iniciações científicas concluídas. Consultar Lattes para detalhamento de produções científicas (artigos, capítulos e livros, anais de eventos, etc.). Todas as produções do Lattes são devidamente comprovadas. Atuou como: a) Diretor da Sociedade Brasileira de Educação Matemática-Regional Minas Gerais-SBEM-MG (2015/2018), b) Vice-coordenador GT5-SBEM (2015-2018) e c) Membro Diretoria-International Study Group on Ethnomathematics-ISGEm (2014-2019). Foi coordenador de: a) Grupo de Estudo em Etnomatemática, ICME-13, Alemanha (2016) e b) Diretor do Tema: Aspectos Socioculturais da Matemática, XV CIAEM, México (2019). Escreveu livros, capítulos e artigos qualificados em inglês, espanhol e português. Foi palestrante e participou de mesas-redondas em congressos nacionais e internacionais. Coordenou sessões e mesas redondas em eventos nacionais e internacionais. É membro de corpo editorial e parecerista de 18 periódicos nacionais e internacionais. Tem experiência em Educação Matemática nas áreas: Etnomatemática, Modelagem Matemática, Etnomodelagem, Currículo e Instrução, História da Matemática, Liderança Educacional, Educação Inclusiva e Educação a Distância. Desde 03/2019 é Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2. 

Referências

ANDREATTA, C. Ensino e aprendizagem de matemática e educação do campo em uma escola comunitária rural: o caso da escola municipal comunitária rural “Padre Fulgêncio do Menino Jesus”, município de Colatina, estado do Espírito Santo. Dissertação de Mestrado. Vitória, ES: Instituto Federal do Espírito Santo, 2013. Disponível em: https://repositorio.ifes.edu.br/handle/123456789/174. Acesso em: 01 out. 2020.

ARROYO, M. G. Políticas de formação de educadores(as) do campo. Caderno Cedes, v. 27, n. 72, p. 157-176, 2007. https://doi.org/10.1590/S0101-32622007000200004.

AZEVEDO OLIVEIRA, D. P.; ROSA, M., VENTURA VIANA, M. C. Pedagogia culturalmente relevante e fundos de conhecimento em aulas de matemática. ZETETIKÉ, v. 23, n. 44, p. 329-346, 2015. https://doi.org/10.20396/zet.v23i44.8646542.

BAGGIO, M. A.; ERDMANN, A. L. Teoria fundamentada nos dados ou grounded theory e o uso na investigação em enfermagem no Brasil. Revista de Enfermagem Referência, v. 3, n. 3, p. 177-185, 2011. https://doi.org/10.12707/RIII11UI2.

BEGNAMI, J. B. Formação pedagógica de monitores das escolas famílias agrícolas e alternâncias: um estudo intensivo dos processos formativos de cinco monitores. Mestrado Internacional em Ciências da Educação. Formação e Desenvolvimento Sustentável; Belo Horizonte, MG: Universidade Nova de Lisboa (Portugal) e Universidade François Rabelais de Tours (França), 2003. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/391. Acesso em: 10 out. 2020.

CALDART, R. S., PEREIRA, I. B., ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro/São Paulo: EPSJV/Expressão Popular, 2012.

CHAVES, K. M. S.; FOSCHIERA, A. A. Práticas de educação do campo no Brasil: escola família agrícola, casa familiar rural e escola itinerante. Revista Pegada, v. 15, n. 2, p. 76-94, 2014. https://doi.org/10.33026/peg.v15i2.3192.

DAMASCENO, M. N.; BESERRA, B. Estudos sobre educação rural no Brasil: estado da arte e perspectivas. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 1, p. 73-89, 2004. https://doi.org/10.1590/S1517-97022004000100005.

D’ AMBROSIO, U. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 1, p. 99-120, 2005. https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000100008.

D’ AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 4° edição. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2011.

D’AMBROSIO, U. Prefácio. In: MATTOS, J. R. L. (Org.). Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba, PR: Editor CRV, 2016. pp. 7-8.

DESSEN, M. A.; POLONIA, A. C. A família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, v. 17, n. 36, p. 21-32, 2007. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2007000100003.

FERNANDES, B. M.; MOLINA, M. C. O campo da educação do campo. In: MOLINA, M. C.; JESUS, S. M. S. A. (Orgs.). Por uma educação do campo: contribuições para a construção de um projeto de educação do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação do Campo, 2004. pp. 13-52.

FRAZÃO, G. A; DÁLIA, J. M. T. Pedagogia da alternância e desenvolvimento do meio: possibilidades e desafios para a educação do campo fluminense. II Conferência do Desenvolvimento - CODE. Anais... Brasília, DF, 2011. p. 1-16.

GASQUE, K. C. G. D. Teoria fundamentada: nova perspectiva à pesquisa exploratória. In: MUELLER, S. P. M. (Org.). Métodos para a pesquisa em ciência da informação. Brasília, DF: Thesaurus, 2007. pp. 107-142.

GIMONET, Jean Claude. Praticar e compreender a pedagogia da alternância dos CEFFAs. Trad: Thierryde Burghgrave. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

GOHN, M. G. Educação não-formal e cultura política. São Paulo, SP: Cortez, 2001.

JAVARONI, L. J.; SANTOS, S. C. DOS; BORBA, M. C. Tecnologias digitais na produção e análise de dados qualitativos. Educação Matemática Pesquisa, v. 13, n. 1, p. 197–218, 2011. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/4525 . Acesso em: 30 set. 2020.

KNIJNIK, G. O político, o social e o cultural no ato de educar matematicamente as novas gerações. In MATOS, J. F.; FERNANDES, E. (Eds.). Actas do PROFMAT 2000. Lisboa, Portugal: Associação de Professores de Matemática de Portugal, 2000. pp. 48-60.

KNOB, D.; HILLESHEIM, L. P. A alternância como pedagogia de formação para os sujeitos do campo. Vivências, v. 3, n. 5, p. 12-18, 2007.

LEITE, S. C. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo, SP: Cortez, 1999.

MARIRRODRIGA, R. G.; CALVÓ, P. P. Formação em alternância e desenvolvimento local: o movimento educativo dos CEFFA no mundo. Tradução: Luiz da Silva Peixoto, João Batista Begnami; Thierry de Burghgrave; Laine F. Ulegon Trevisan. Belo Horizonte, MG: O Lutador (AIDEFA), 2010.

MATTOS, J. R. L. Introdução. In: MATTOS, J. R. L. (Org.). Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba, PR: Editor CRV, 2016. pp. 9-11.

MELO, E. F. Limites e possibilidades do plano de estudo na articulação trabalho-educação na escola família agrícola Paulo Freire. Dissertação de Mestrado. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 2013. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/3450. Acesso em: 15 set. 2020.

MOLL, L. C.; GREENBERG, J. B. Creating zones of possibilities: combining social contexts. In MOLL, L. C. (Ed.). Vygotsky and education: instructional implications and applications of sociohistorical psychology. Cambridge, Eng.: Cambridge University Press, 1990. pp. 319-348.

NASCIMENTO, C. G. A Educação Camponesa como espaço de resistência e recriação da cultura: um estudo sobre as concepções e práticas educativas da Escola Família Agrícola de Goiás – EFAGO. Dissertação de Mestrado (Educação). Faculdade de Educação. Campinas, SP: UNICAMP, 2005. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/252476. Acesso em: 05 out. 2020.

NOSELLA, P. Origens da pedagogia da alternância. Coleção Educação do Campo. Vitória, ES: Editora EDUFES, 2014.

OLIVEIRA, D. P. A. Um estudo misto para entender as contribuições de atividades baseadas nos fundos de conhecimento e ancoradas na perspectiva sociocultural da história da matemática para a aprendizagem de funções por meio da pedagogia culturalmente relevante. Dissertação de Mestrado Profissional em Educacional Matemática. Departamento de Educação Matemática (DEEMA). Instituto de Ciências Exatas e Biológica (ICEB). Ouro Preto, MG: Universidade Federal de Ouro Preto, 2012. Disponível em: https://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2986. Acesso em: 16 out. 2020.

RIBEIRO, M. Educação rural. In: CALDART, R. S. et al. (Orgs.). Dicionário da educação do campo (pp. 295-301). Rio de Janeiro, RJ: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2012.

ROSA, M; OREY, D. C. Abordagens atuais do programa etnomatemática: delineando um caminho para a ação pedagógica. BOLEMA, v. 19, n. 26, p. 19-48, 2006. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/1851. Acesso em: 02 set. 2020.

ROSA, M.; OREY, D. C. Uma base teórica para fundamentar as influências etnomatemáticas em sala de aula. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 538-560, 2013. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol13iss3articles/rosa-orey.htm. Acesso em: 12 set. 2020.

ROSA, M., OREY, D. C. Influências etnomatemáticas em sala de aula: caminhando para a ação pedagógica. Curitiba, PR: Editora Appris, 2017.

SOUZA, M. A. Educação do campo: políticas, práticas pedagógicas e produção científica. Educação & Sociedade, v. 29, n. 105, p. 1089-1111, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302008000400008.

STRAUSS, A. L.; CORBIN, J. Basics of qualitative research: grounded theory, procedures and techniques. Newbury, England: SAGE, 1990.

UNEFAB. Revista da formação por alternância. Volume 10, Brasília, DF: 2010.

VIEIRA, V. L. Ensino da geometria na escola família agrícola: a construção do conhecimento geométrico sob a perspectiva da alternância e da etnomatemática. Dissertação de Mestrado Profissional em Educação Matemática. Departamento de Educação Matemática (DEEMA). Instituto de Ciências Exatas e Biológicas (ICEB). Ouro Preto, MG: Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), 2018. Disponível em: https://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/10062. Acesso em: 10 set. 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

VIEIRA, V. da L. .; ROSA, M. CONHECIMENTO GEOMÉTRICO NAS PERSPECTIVAS DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA E ETNOMATEMÁTICA NUMA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21018, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i1.11406. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11406. Acesso em: 16 maio. 2021.

Edição

Seção

Educação Matemática