REGISTROS NA RESOLUÇÃO DE MULTIPLICAÇÕES E DIVISÕES: DESVELANDO A PRODUÇÃO DE ALUNOS DO 4º ANO

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.11113

Palavras-chave:

Multiplicação e divisão., Anos Iniciais., Registro, Significado das operações

Resumo

O presente artigo corresponde às reflexões e constatações provenientes de uma das fases da pesquisa intitulada A interação nas aulas de Matemática: da negociação de significados à construção de conhecimentos, realizada no âmbito da Universidade Federal de Mato Grosso, nos anos de 2019 e 2020. O estudo dessa fase teve por objetivo analisar o registro de alunos ingressantes no 4º ano do ensino fundamental na resolução das operações de multiplicação e divisão. Os dados foram retirados da avaliação diagnóstica, aplicada pela escola participante da pesquisa, instrumento que orientou o encaminhamento dos alunos com dificuldades em Matemática para a sala de apoio pedagógico. A análise dos registros ocorreu de forma qualitativa, como base no método interpretativo. Conclui-se que existem diversas possibilidades de registro para a expressão do conhecimento acerca da técnica da multiplicação e da divisão que, embora não sejam convencionais, podem revelar significativas relações matemáticas construídas pelos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana Aline Nita, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduanda do curso de Pedagogia na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Membro bolsista do Projeto de Pesquisa intitulado "A interação nas aulas de Matemática: da negociação de significados à construção de conhecimentos."

Sueli Fanizzi, Universidade Federal de Mato Grosso

Professora Adjunta do Departamento de Ensino e Organização Escolar do Instituto de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (Campus Cuiabá), atuando como docente no curso de Pedagogia, nas áreas de Educação Matemática e Estágio Supervisionado. Doutora e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, na área temática Ensino de Ciências e Matemática. Coordenadora Pedagógica do Laboratório de Ensino de Ciências e Matemática do IE-UFMT. Coordenadora do Projeto de Pesquisa: A Interação nas Aulas de Matemática: da negociação de significados à construção de conhecimentos. Coordenadora do Projeto de Extensão: Ações Formativas na Área de Matemática: professores e futuros professores em um espaço de interlocução e aprendizagem. Líder do GRUPEMAI - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática dos Anos Iniciais, da Universidade Federal de Mato Grosso. Pesquisadora do GEPEME - Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Matemática e Educação, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Autora da Coleção Porta Aberta para o Mundo - Ciências, da Editora FTD Educação. Foi professora contratada pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, em 2016 e 2017. No mesmo período, também trabalhou como professora supervisora do Programa de Estágio Clube de Matemática, Ciências e Geografia, na mesma instituição. Atuou como professora e formadora de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental, em instituições privadas de São Paulo, ao longo de 15 anos.

Vanessa Lacerda Tarouco, Secretaria Municipal de Educação

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande (2012) e mestra em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2017). Atuou como professora na rede privada de ensino em Cuiabá no período de 2012, 2013, 2014 e 2017. Foi professora substituta na UFMT no período de março de 2018 à março de 2020, atuando no curso de Pedagogia com a disciplina Fundamentos e Metodologia do Ensino da Matemática e, no curso de Matemática, com a disciplina de Didática Geral. Ao longo de 2019 participou do Projeto de Extensão & quot;A Matemática pela via da ludicidade". Atualmente é professora da rede municipal de Cuiabá e membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Matemática dos Anos Iniciais - GRUPEMAI.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/ >. Acesso em: 02 ago. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf>. Acesso em: 14 jul. 2020.

CANDIDO, P. T. Comunicação em Matemática. In: DINIZ, M. I.; SMOLE, K. S. (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: Habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001.

FANIZZI, S. A Importância da Comunicação e da Interação nas Aulas de Matemática: da elaboração oral à construção de conhecimentos. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, [S.l.], v. 14, n. 2, p. 317-336, set. 2012. ISSN 1983-3156. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/emp/article/view/9443>. Acesso em: 14 jul. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. - 6. ed. - São Paulo: Atlas, 2008.

GOMEZ-GRANELL, C. Rumo a uma epistemologia do conhecimento escolar: o caso da educação matemática. In: RODRIGO, M.J.; ARNAY, J. (orgs.). Domínios do conhecimento, prática educativa e formação de professores. v. 2. São Paulo: Editora Ática, 1997. p. 15- 41.

MENDONÇA, M. do C. D. A intensidade dos algoritmos nas séries iniciais: uma imposição sócio-histórico-estrutural ou opção valiosa? Zetetike, v. 4, n. 5, p.55-76, jan/jun. 1996. ISSN 2176-1744. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646864/13765>. Acesso em: 02 ago. 2020.

NACARATO, A. M.; MENGALI, B. L. S.; PASSOS, C. L. B. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

NUNES, T; BRYANT, P. Crianças fazendo matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

PAIS, L.C. Didática da Matemática: uma análise da influência francesa - 2. ed - Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

PIAGET, J. Abstração reflexionante: relações lógico-aritméticas e ordem das relações espaciais. Porto Alegre. Artes Médicas, 1995.

PINTO, N. B. O erro com estratégia didática: Estudo do erro no ensino da matemática elementar. Campinas, SP: Papirus, 2000.

PONTE, J. P.; SERRAZINA, M. L. Didáctica da matemática do 1º ciclo. Universidade Aberta, 2000. Capítulo 6: Dinâmica do processo de ensino, p. 109-130.

TAROUCO, V.L. Ensino da divisão no primeiro ciclo do ensino fundamental: análise das práticas pedagógicas de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de pós-graduação em Educação, Instituto de Educação, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, p. 120. 2017.

VERGNAUD, G. A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino da matemática na escola elementar. Curitiba: Ed da UFPR, 2014.

Publicado

2020-12-09

Como Citar

NITA, M. A. .; FANIZZI, S.; TAROUCO, V. L. REGISTROS NA RESOLUÇÃO DE MULTIPLICAÇÕES E DIVISÕES: DESVELANDO A PRODUÇÃO DE ALUNOS DO 4º ANO. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 713-731, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.11113. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11113. Acesso em: 7 jul. 2022.