EDUCAÇÃO NÃO FORMAL EM ASTRONOMIA: ANÁLISE DE ARTIGOS ACADÊMICOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.10625

Palavras-chave:

educação em Astronomia, Educação não formal, Estado da arte

Resumo

Neste trabalho são analisados artigos sobre a educação não formal em Astronomia, publicados entre 2009 e 2019, em revistas acadêmicas nacionais e internacionais. Nesta pesquisa, do tipo Estado da Arte, utilizou-se a análise de conteúdo de Laurence Bardin. Foram identificados 225 artigos científicos a partir de um levantamento no Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). As categorias de análise foram: ano de publicação, país de origem dos artigos, instituição, revista, conteúdos e foco temático. Foi observado que a educação não formal pode ser abordada de várias maneiras e em diversos locais, ampliando a oferta de atividades, ações e projetos sobre Astronomia que envolvem pessoas com diferentes níveis de escolaridade.  Os artigos apresentaram como tendências o crescente uso da tecnologia, atividades em espaços não formais e a aproximação entre a educação formal e não formal. Porém, foram detectados vários problemas, como a pequena quantidade de pesquisas sobre Astronomia Amadora, Astronomia Indígena, história da Astronomia, relações da Astronomia com o meio ambiente, inclusão e igualdade de gênero. Embora a produção internacional seja diversificada e presente em muitos países, os Estados Unidos possuem grande parte dos artigos, instituições e revistas, enquanto outros países têm pouca produção acadêmica. Do mesmo modo, foi identificada uma concentração de artigos brasileiros nas regiões Sudeste e Sul e a ausência de artigos na região Norte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leandro Donizete Moraes, Universidade Cruzeiro do Sul

Doutorando em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul, mestre em Ensino de Física pela Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL (2016), especialista em Matemática pelas Faculdades Integradas de Jacarepaguá (2013) , licenciatura plena em Física pela Universidade de Franca (2014), licenciatura plena em Matemática pela Universidade de Franca (2011) e licenciatura plena em Pedagogia pela Universidade de Franca (2019). Foi um dos vinte professores de Física do Brasil que participaram da Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa, na Suíça, em 2017. Se interessa pelo uso de recursos tecnológicos no ensino de Ciências e Matemática, pela educação formal e não formal em Astronomia, pelo ensino de Física e Matemática e pela formação de professores. Atua em cursos voltados para concursos públicos, Física e Matemática do ensino médio e superior , dentre outros. É professor efetivo em Matemática e em Física no estado de Minas Gerais e atualmente é vice-diretor de uma escola estadual de Minas Gerais.

Ismar Frango Silveira, Universidade Cruzeiro do Sul

Possui Graduação em Matemática-Informática pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1994), Mestrado em Ciências (área: Computação Gráfica) pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (1997) e Doutorado em Engenharia Elétrica (tema: Realidade Virtual Distribuída aplicada à Educação) pela Universidade de São Paulo (2003). Atualmente é Professor Adjunto I da Universidade Presbiteriana Mackenzie, atuando nos cursos de Graduação da Faculdade de Computação e Informática e no Programa de Mestrado e Doutorado em Engenharia Elétrica e Computação; é Professor Titular II da Universidade Cruzeiro do Sul, onde coordena o Bacharelado em Ciência da Computação e atua nos Programas de Mestrado (Profissional e Acadêmico) e Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática. Foi professor visitante da Universidad de la República, no Uruguay (2017). Foi presidente da CEIE (Comissão Especial de Informática na Educação) da SBC de 2012 a 2014. É membro da comunidade LACLO e da Asociación LATIn. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Informática na Educação, Jogos Digitais, Recursos Educacionais Abertos, Pensamento Computacional, Engenharia de Software e Processamento Gráfico.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: buscando rigor e qualidade. Cadernos de Pesquisa, n. 113, p. 51-64, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742001000200003&script=sci_arttext.

Acesso em: 15 jun. 2020.

AMARAL, P.; OLIVEIRA, C, E. Q. V. Astronomia nos livros didáticos de ciências: uma análise do PNLD 2008. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, v. 12, n. 12, p. 31-55, 2011. Disponível em: http://www.relea.ufscar.br/index.php/relea/article/view/162. Acesso em: 15 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.37156/RELEA/2011.12.031.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BARBOSA, J. I. L.; VOELZKE, M. R. Questionário-diagnóstico sobre conceitos básicos de Astronomia por alunos do Ensino Médio Integrado. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 7, n. 2, p. 25-38, 2016. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1146. Acesso em: 15 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.26843/rencima.v7i2.1146.

BELIZ, F. S. Construção de um jogo didático digital ligado à divulgação científica da astronomia. 2016. 112 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2016. Disponível em: http://tede2.uefs.br:8080/handle/tede/390. Acesso em: 15 jun. 2020.

BORGES, T. O. Aprendizagem em astronomia: o desenvolvimento de uma sequência didática a partir de reflexões sobre a organização de cenas presentes no ambiente do planetário móvel da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. 2017. 81 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Dourados, 2017.

BUENO, M. A.; OLIVEIRA, E. A. G., NOGUEIRA, E. M. E.; RODRIGUES, M. S. Astronomia Cultural: um levantamento bibliográfico dos saberes sobre o céu de culturas indígenas. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 11, n. 24, p. 27-40, 2019. Disponível em: http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/1547. Acesso em: 15 jun. 2020.

BUSSI, B.; BRETONES, P. S. Educação em Astronomia nos Trabalhos dos ENPECs de 1997 a 2011. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia, SP, 2013. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/ixenpec/atas/resumos/R0144-1.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

ESTEBAN, M. P. S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

LANGHI, R. Educação em Astronomia: da revisão bibliográfica sobre concepções alternativas à necessidade de uma ação nacional. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n. 2, p. 373-399, 2011. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5165373. Acesso em: 15 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2011v28n2p373.

LANGHI, R.; NARDI, R. Educação em Astronomia: repensando a formação de professores. São Paulo: Escrituras editoras, 2012.

MARQUES, J. B. V.; FREITAS, D. Fatores de caracterização da educação não formal. Educação e Pesquisa, v. 43, n. 4, p. 1087-1110, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022017000401087&script=sci_arttext&tlng =%20pt. Acesso em: 15 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.1590/s1517-9702201701151678.

MARQUES, J. B. V. Educação Não-Formal e Divulgação de Astronomia no Brasil: Atores e Dinâmica da área na Perspectiva da Complexidade. 2017, 306 f. Tese (doutorado) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 2017. Disponível em: http://www.btdea.ufscar.br/teses-e-dissertacoes/educacao-nao-formal-e-divulgacao-de-astronomia-no-brasil-atores-e-dinamica-da-area-na-perspectiva-da-complexidade. Acesso em: 15 jun. 2020.

MEGID NETO, J. Educação ambiental como campo de conhecimento: a contribuição das pesquisas acadêmicas para sua consolidação no Brasil. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 4, n. 2, p. 95-110, 2009. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/pesquisa/article/view/6193. Acesso em: 15 jun. 2020. Doi: http://dx.doi.org/10.18675/2177-580X.vol4.n2.p95-110

MENEZES, L. P. G.; BATISTA, M. C. Concepções de mestrandos em ensino de Física sobre o Sistema Solar sob a perspectiva das leis de Kepler. REAMEC – Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 8, n. 2, p. 352-373, 2020.

NOY, M. V.; JAMES, H.; BEDLEY, C. Reconceptualizing Learning: a review of the literature on informal learning. Pistacaway: ACT Fundation, 2016.

OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. Epistemologia: implicações para o ensino de ciências. Porto Alegre: Evangraf; UFRGS, 2011.

SANTOS, H. L.; LUCAS, L. B.; SANZOVO, D. T.; PIMENTEL, R. G. O uso das tecnologias digitais para o ensino de Astronomia: uma revisão sistemática de literatura. Research, Society and Development, 8(4), 37, 2015.

YANO, V. T. B. Formação inicial e subjetividade docente no Centro de Ciências e Planetário do Pará. 2017. 117 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/328684452_Subjetividade_e_formacao_inicial_docente_no_Centro_de_Ciencias_e_Planetario_do_Para. Acesso em: 15 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2020-09-07

Como Citar

MORAES, L. D.; SILVEIRA, I. F. EDUCAÇÃO NÃO FORMAL EM ASTRONOMIA: ANÁLISE DE ARTIGOS ACADÊMICOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 189-209, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.10625. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10625. Acesso em: 1 out. 2020.