OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DOCENTE NA PERSPECTIVA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Autores

  • Luiz Gustavo Bonatto Rufino Unesp - Rio Claro, São Paulo.
  • Larissa Cerignoni Benites Udesc - Florianópolis, Santa Catarina.
  • Samuel de Souza Neto Unesp Rio Claro, São Paulo.

Palavras-chave:

Formação de professores. Trabalho docente. Profissionalização do ensino. Educação Física escolar.

Resumo

Objetivou-se analisar a perspectiva de professores de Educação Física com relação aos desafios para o desenvolvimento do trabalho docente. Utilizou-se um questionário, analisado por meio da Análise de Conteúdo. Os principais desafios foram: falta de materiais e espaço (24%), desinteresse dos alunos (24%), necessidade de fazer com que os alunos compreendam a importância da Educação Física (16%), condições de trabalho precárias (13%), falta de tempo para formação continuada (13%) e indisciplina dos alunos (10%). Conclui-se que esses problemas incidem na prática da Educação Física, sendo necessário propor alterações que contribuam com o desenvolvimento do trabalho docente neste componente curricular.

Biografia do Autor

Luiz Gustavo Bonatto Rufino, Unesp - Rio Claro, São Paulo.

Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista, Unesp Rio Claro (bacharel e licenciatura). Mestre em Desenvolvimento Humano e Tecnologias e doutorando em Ciências da Motricidade por essa mesma instituição. Professor de Educação Física e pesquisador membro dos seguintes grupos: Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Física: Formação Profissional e Campo de Trabalho (NEPEF: FPCT) e Docência, Formação de Professores e Práticas de Ensino (DOFPPEN).

Larissa Cerignoni Benites, Udesc - Florianópolis, Santa Catarina.

Licenciada em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista, Unesp Rio Claro, mestre e doutora em Ciências da Motricidade por essa mesma instituição. Professora na Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC) e membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Física: Formação Profissional e Campo de Trabalho (NEPEF: FPCT).

Samuel de Souza Neto, Unesp Rio Claro, São Paulo.

Graduado em Educação Física e Pedagogia pelo Pontifício Instituto das Missões (PIME) e em Letras pela UNESP Assis. Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), Professor livre docente do Departamento de Educação da Unesp Rio Claro e coordenador dos grupos Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Física: Formação Profissional e Campo de Trabalho (NEPEF: FPCT) e Docência, Formação de Professores e Práticas de Ensino (DOFPPEN).

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza D.A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

ARROYO, Miguel G. Experiências de inovação educativa: o currículo na prática da escola. In: MOREIRA, A.F.B. (Org.). Currículo: políticas e práticas. Campinas, Brasil: Papirus, 2001.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A.; SILVA, Roberto. Metodologia científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

COCHRAN-SMITH, Marilyn; LYTLE, Susan L. Knowledge and Practice: Teacher Learning in Communities. Review of Research in Education, v.24, n.1, 249-305, 1999.

DARIDO, Suraya C. A educação física na escola e o processo de formação dos não praticantes de atividade física. (2004). Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.8, n.1, p. 61-80.

FIRESTONE, William A.; PENNELL, James R. (1993). Teacher Commitment, Working Conditions, and Differential Incentive Policies. Review of Educational Research, v.63, n.4, p. 489-525.

GATTI, Bernardete A. Educação, escola e formação de professores: políticas e impasses. Educar em Revista, Curitiba, v.50, n.1, p. 51-67, 2013.

GOULART, Íris B.; SAMPAIO, Jáder R. Psicologia do trabalho e gestão de recursos humanos: estudos contemporâneos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

HARGREAVES, Andy. Four Ages of Professionalism and Professional Learning. Teachers and Teaching: History and Practice, v.6, n.2, p. 151-182, 2000.

HUBERMAN, Michel. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto: Ed. Porto, 1995.

LA TAILLE, Yves. A indisciplina e o sentimento de vergonha. In: AQUINO, J.G. (Org.). Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996.

MACHADO, Thiago S et al. As práticas de desinvestimento pedagógico na Educação Física escolar. Movimento, Porto Alegre, v.16, n.2, p.129-147, 2010.

PERRENOUD, Philippe. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

PORATH, Margareth et al. Fase de desinvestimento da carreira docente de professores de Educação Física. Movimento, Porto Alegre, v.17, n.4, p. 203-222, 2011.

RUFINO, Luiz Gustavo B.; SCHWARTZ, Gisele M. O conteúdo dos jogos nas aulas de Educação Física: relações, tensões e perspectivas para a formação de professores. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, v.1, n.4, p. 1-16, 2016.

SCHÖN, Donald A. Educating the reflective practitioner: toward a new design for the teaching and learning in the professions. San Fracisco: Jossey-Bass, 1987.

TARDIF, Maurice. A profissionalização do ensino passado trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação e Sociedade, Campinas, v.34, n.123, p. 551-571, 2013.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2012.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente - Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

WITTIZORECKI, Elisandro S.; MOLINA NETO, Vicente. O trabalho docente dos professores de Educação Física na Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. Movimento, Porto Alegre, v.11, n.1, p. 47-70, 2005.

Downloads

Publicado

2017-12-01

Como Citar

Rufino, L. G. B., Benites, L. C., & Souza Neto, S. de. (2017). OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DOCENTE NA PERSPECTIVA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Corpoconsciência, 21(3), 55-65. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/5717