CONCEPÇÕES DE MESTRANDOS EM ENSINO DE FÍSICA SOBRE O SISTEMA SOLAR SOB A PERSPECTIVA DAS LEIS DE KEPLER

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.10000

Palavras-chave:

Professores de Física. Astronomia. Sistema solar. Leis de Kepler.

Resumo

Na contemporaneidade podemos observar muitos avanços na astronomia. Não é raro recebermos notícias sobre resultados de estudos e observações de lugares antes apenas imagináveis do Universo. Contudo, em um mundo no qual o conhecimento avança rapidamente e se tem acesso a muitas informações, como o Sistema Solar é imaginado? Quais são as concepções acerca do movimento dos planetas que o constitui? Inspirados nestas perguntas o presente trabalho objetivou investigar quais são as concepções acerca do sistema solar na perspectiva das Leis de Kepler dos mestrados de um polo do Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) do estado do Paraná. Como consequência deste delineamento indagamos sobre as estações do ano e se o conteúdo Gravitação Universal é ensinado pelos participantes. Para realizar o estudo utilizamos os pressupostos da pesquisa qualitativa; e os dados foram constituídos por intermédio de um questionário, em que esperávamos encontrar concepções consistentes devido ao interesse pelo MNPEF. Contudo, pudemos verificar equívocos nas concepções e a falta delas por meio das questões sem resposta. Também foi possível evidenciar que as questões relacionadas ao tema Gravitação Universal não são discutidas na educação básica pelos mais variados motivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luana Paula Goulart de Menezes, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutoranda do programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência e a Matemática, Universidade Estadual de Maringá.

Michel Corci Batista, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Departamento Acadêmico de Física, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão, Paraná, Brasil/ Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência e a Matemática, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil.

Referências

CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D.; CARVALHO, A. M. P.; PRAIA, J.; VILCHES, A. A necessária renovação do Ensino das Ciências. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CANALLE, J. B. G. O problema do Ensino da Órbita da Terra. Física na Escola, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 12-16, 2003

CANIATO, R. Ato de fé ou conquista do conhecimento. Um episódio na vida de Joãozinho da Maré. Boletim da Sociedade Astronômica Brasileira, v. 6, n. 2, abril/junho, p. 31-37, 1983.

COPÉRNICO, N.; MARTINS, R. A. Commentariolus: São Paulo: Livraria da Física, 2003.

COUTINHO, C. P. Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas: teoria e prática. Coimbra: Almedina, 2015.

BATISTA, M. C. Um estudo sobre o ensino de astronomia na formação inicial de professores dos anos iniciais. 2016. 183 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação para Ciência e a Matemática, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

BBC Brasil. British Broadcasting Corporation. 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-46946683. Site consultado em dezembro de 2019.

DI LISCIA, D. A. El Concepto de Causalidad y el desarrolo de una Teoría Cosmológica en Johannes Kepler. In: Anales de la Academia Nacional de Ciencias de Buenos Aires, 2007, Buenos Aires. Anais. Buenos Aieres, 2007. p. 723- 753.

DREAMSTIME. 2020. Disponível em: https://www.dreamstime.com/. Site consultado em janeiro de 2020.

ESA. European Space Agency. 2012. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WuqB3aB6-RI&feature=emb_title. Site consultado em junho de 2019.

ÉVORA, F. R. R. A revolução Copernicano-Galileana. Campinas: Unicamp, 1993.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2008.

GREGORIO-HETEM, J.; JATENCO-PEREIRA, V. O sol. In: GREGORIO-HETEM, J.; JATENCO-PEREIRA V.; OLIVEIRA, C. M. Fundamentos de astronomia. São Paulo: IAG/USP, 2010.

ITOKAZU, A. G. Astronomia nova: a história da guerra contra Marte como exposição do método astronômico de Kepler. 2006. 249 f. Tese (Doutorado) - Curso de Filosofia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

LANGHI, R.; NARDI, R. Ensino de Astronomia: Erros conceituais mais comuns presente em livros didáticos de ciência. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 87-111, ago. 2008. ISSN 2175-7941. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6055/12760. Site consultado em: 04 jun. 2019.

LUCAS, C. S. Uma Abordagem Alternativa para as Leis de Kepler no Ensino Médio. Rio de Janeiro: Projeto de Instrumentação para o Ensino de Física. Instituto de Física/UFRJ, 2007.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. Pesquisa em educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTIN, R. Earth's Evolving Systems: The History of Planet Earth. Newark: Jones & Bartlett Learning, 2018.

MNPEF. (2019). Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física. http://www1.fisica.org.br/mnpef/. Site consultado em maio de 2019.

MOREIRA, M. A. Grandes desafios para o ensino da Física na educação contemporânea. Revista do Professor de Física, v. 1, n.1, 2017.

MOSLEY, M.; LYNCH, J. Uma história da ciência: experiência, poder e paixão. Trad. Ivan Weisz Kuck. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

MOURÃO, R. R. F. Kepler - A descoberta das Leis do Movimento Planetário. São Paulo: Odysseus Editora, 2ª edição, 2008.

NASA Earth observatory. (2000). Milutin Milankovitch (1879-1958). https://eart hobservatory.nasa.gov/features/Milankovitch/milankovitch_2.php . Site consultado em junho de 2019.

NASA Sicence. Solar System Exploration. https://solarsystem.nasa.gov/solar-system/beyond/overview/. Site consultado em junho de 2019.

SADLER, P. M. The Initial Knowledge State of High School Astronomy Students. 1992. 231 f. Tese (Doutorado) - Curso de Eucação, Harvard University, Cambridge, 1992.

SALTIEL, E.; VIENNOT, L. Qué aprendemos de las semejanzas entre las ideas históricas y el razonamiento espontáneo de los estudiantes? Enseñanza de Las Ciencias, v. 3, n. 2, p.137-144, 1985.

SMITH, C L; TREAGUST, D. Not understanding gravity limits student’s comprehension of astronomy concepts. The Astralian Science Teachers Journal. p. 21-24, 1998.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

YU, K. C.; SAHAMI, K.; DENN, G. Student Ideas about Kepler’s Laws and Planetary Orbital Motions. Astronomy Education Review, v. 9, n. 1, p.1-17, 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-05

Como Citar

MENEZES, L. P. G. de; BATISTA, M. C. CONCEPÇÕES DE MESTRANDOS EM ENSINO DE FÍSICA SOBRE O SISTEMA SOLAR SOB A PERSPECTIVA DAS LEIS DE KEPLER. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 352-373, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.10000. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10000. Acesso em: 25 set. 2020.