CORPOS QUE DANÇAM

A SIGNIFICAÇÃO DO CORPO NO DANÇAR A DOIS

Autores

  • Allana Alexandre Cardoso Universidade Federal de Santa Catarina
  • Jaqueline da Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rui Manoel Coelho Resende da Silva Instituto Universitário da Maia, Portugal

DOI:

10.51283/rc.v25i1.11604

Palavras-chave:

Dança, Corporeidade, Movimento

Resumo

O dançar a dois proporciona uma comunicação mais íntima e direta entre os pares, estimulando as relações corporais e consequentemente, a corporeidade daqueles que a praticam. Instigados a compreender como se processa a articulação entre corpo e corporeidade na dança, bem como sua influência nas relações corporais no dançar a dois, realizou-se uma revisão narrativa da literatura, de caráter descritivo, com uma síntese qualitativa dos trabalhos analisados. Os dados evidenciados permitem a reflexão acerca de um corpo que, influenciado e moldado pelo tempo, pela cultura e pela sociedade, possui uma íntima relação com a dança, construindo  sua corporeidade por meio das partidas e oportunidades no dançar a dois.

Referências

ALVES, Dina e colaboradores. Cultura e imagem corporal. Motricidade, v. 5, n. 1, p. 1-20, jan. 2009.

BONFIM, Tânia Regina. Corporeidade e Educação Física. Revista Fafibe Online, n. 1, v. 1, p. 1-6, 2011.

CARDOSO, Allana Alexandre e colaboradores. Associated factors and profile of injuries in professional ballroom dancers in Brazil: a cross-sectional study. Motriz, v. 26, n. 2, p. 1-8, 2020.

CARDOSO, Allana Alexandre e colaboradores. Fadiga e qualidade de vida em bailarinos profissionais de dança de salão no Brasil. Ciência & saúde coletiva, v. 26, n. 2, p. 757-764, 2019.

CHAVES, Aline Dessupoio; MOREIRA, Wagner Wey; CARBINATTO, Michele Viviene. Conceito de corpo para acadêmicos da área de saúde. Corpoconsciência, v. 17, n. 2, p. 27-36, jul./ dez., 2013.

DENTZ, René Armand. Corporeidade e subjetividade em Merleau-Ponty. Intuitio, v. 1, n. 2, p. 296-307, nov., 2008.

DANTAS, Mônica Fagundes. O corpo dançante entre a teoria e a experiência: estudo dos processos de realização coreográfica em duas companhias de dança contemporânea. Revista CAMHU, v. 1, n. 1, p. 1-17, 2011.

DANTAS, Estélio. Fitness: a ecologia do corpo. Niteroi, RJ: Universidade, 1997.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

FRANCO, Marcel Alves; MENDES, Maria Isabel Brandão de Souza. Fenomenologia e educação física: uma revisão dos conceitos de corpo e motricidade. Motrivivência, v. 27, n. 45, p. 209-218, set., 2015.

FREIRE, Ida Mara. Dança-educação: o corpo e o movimento no espaço do conhecimento. Caderno Cedes, v. 53, n. 21, p. 31-55, 2001.

GHIDETTI, Filipe Ferreira; RODRIGUES, Renata Marques. Cultura corporal de movimento em pauta: uma análise sobre o objeto de ensino da educação física como vetor dos processos de subjetivação com o corpo. Motrivivência, v. 32, n. 61, p. 1-23, jan./ mar., 2020.

GRANT, Maria J.; BOOTH, Andrew. A typology of reviews: an analysis of 14 review types and associated methodologies. Health information & libraries journal, v. 26, n. 2, p. 91-108, 2009.

LACINCE, Nelly; NÓBREGA, Terezinha Petrúcia. Corpo, dança e criação: conceitos em movimento. Movimento, v. 16, n. 3, p. 239-256, jul./ set., 2010.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

______. Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LESAGE, Benoit. À Corps se Crée/accord Secret de la Construction du Corps en Danse. In: ROUSIER, Claire (Org.). Histoire de corps, à propôs de la formation du danseur. Paris: Cité de la Musique, 1998.

LIMA, Marlini Dorneles. Composição coreográfica na dança: movimento humano, expressividade e técnica, sob um olhar fenomenológico. 2006. 90f. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2006.

LORANDI, Rodolfo Marchetti; MANCINI, Bianca Scliar Cabral. Condução e danças de salão: Conducorporificação. Interfaces, v. 19, n. 1, p. 104-120, mai., 2019.

LOURENÇO, Frederico. Estética da dança clássica. Lisboa, Portugal: Cotovias, 2014.

LÜDORF, Silvia Maria Agatti. A prática pedagógica do professor de educação física e o corpo de seus alunos: um estudo com professores universitários. Pensar a prática, v. 8, n. 2, p. 243-256, jul./ dez., 2005.

MARQUES, Danieli Alves Pereira e colaboradores. Dança e expressividade: uma aproximação com a fenomenologia. Movimento, v. 19, n. 1, p. 243-263, jan./ mar., 2013.

MATTHEWS, Eric. Compreender Merleau Ponty. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 1992.

______. Fenomenologia da percepção. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MEZZAROBA, Cristiano; ZOBOLI, Fabio; CORREIA, Elder Silva. A gestão do desejo dos corpos através da comunicação e mídia: um estudo panorâmico-monográfico dos periódicos da Educação Física brasileira. Motrivivência, v. 30, n. 55, p. 258-273, set., 2018.

MOEHLECKE, Vilene; FONSECA, Tania Mara Galli. El cuerpo encuentra Apolo y Dioniso: potencias y debilidades. Psicologia USP, v. 19, n. 3, p. 375-392, 2008.

MOREIRA, Wagner Wey; CHAVES, Aline Dessupoio; SIMOES, Regina Maria Rovigati. Corporeidade: uma base epistemológica para a ação da Educação Física. Motrivivência, v. 29, n. 50, p. 202-212, mai., 2017.

NÓBREGA, Terezinha Petrucia. Corporeidade e educação física: do corpo-objeto ao corpo-sujeito, Natal, RN: EDUFRN, 2009.

NUNES, Bruno Blois; FROEHLICH, Marcia. Um novo olhar sobre a condução na dança de salão: questões de gênero e relações de poder. Revista educação, artes e inclusão, v. 14, n. 2, p. 91-116, 2018.

PEREIRA, Arliene Stephanie Menezes; GOMES, Daniel Pinto. Dança encantada e de resistência: (trans) significações corporais no torém dos índios Tremembé. Corpoconsciência, v. 22, n. 1, p. 120-129, jan./ abr., 2018.

PERETTA, Éden Silva. Anatomia altruísta. Revista brasileira de ciência do esporte, v. 28, n. 3, p. 125-139, mai., 2007.

PICCININI, Larise; SARAIVA, Maria do Carmo. A dança-improvisação e o corpo vivido: re-significando a corporeidade na escola. Pensar a prática, v. 15, n. 3, p. 551­820, jul./ set., 2012.

POLEZI, Carolina; MARTINS, Anderson Luiz Barbosa. Condução e contracondução na dança de salão. Horizontes, v. 37, p. 1-14, 2019.

RESTANY, Pierre. O poder da arte: Hundertwasser o pintor-rei das cinco peles. São Paulo: Taschen, 2003.

ROTHER, Edna Terezinha. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paulista de enfermagem, v. 20, n. 2, p. v-vi, abr./ jun., 2007.

SARAIVA, Maria do Carmo. O sentido da dança: arte, símbolo, experiência vivida e representação. Movimento, v. 11, n. 3, p 219-242, set./ dez., 2005.

SOARES, Carmen Lúcia; MADUREIRA, José Rafael. Educação física, linguagem e arte: possibilidades de um diálogo poético do corpo. Movimento, v. 11, n. 2, p. 75-88, mai./ ago., 2005.

SOUSA, Nilza Coqueiro Pires de; CARAMASCHI, Sandro. Contato corporal entre adolescentes através da dança de salão na escola. Motriz, v. 17, n. 4, p. 618-629, out./ dez., 2011.

VOLP, Catia Mary. A dança de salão como um dos conteúdos de dança na escola. Motriz, v. 16, n. 1, p. 215-220, jan., 2010.

ZAJENKOWSKI, Marcin; JANKOWSKI, Konrad S.; KOLATA, Daria. Let's dance–feel better! Mood changes following dancing in different situations. European journal of sport science, v. 15, n. 7, p. 640-646, out., 2015.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

Cardoso, A. A. ., Silva, J. da, & Silva, R. M. C. R. da . (2021). CORPOS QUE DANÇAM: A SIGNIFICAÇÃO DO CORPO NO DANÇAR A DOIS. Corpoconsciência, 25(1), 74-89. https://doi.org/10.51283/rc.v25i1.11604

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)