RECURSO DIDÁTICO PARA ENSINAR GEOMETRIA: O USO DE DOBRAS DE PAPEL PARA OBTER REGIÕES POLIGONAIS/POLÍGONOS

José Carlos Pinto Leivas, Dionatan de Oliveira Nadalon, Gabriel de Oliveira Soares, Maurício Ramos Lutz

Resumo


Neste artigo apresenta-se alguns resultados de uma pesquisa qualitativa, realizada por um grupo de estudos e pesquisas em Geometria-GEPGEO, que buscou explorar o recurso didático papel, por meio de dobraduras específicas para dinamizar atividades exploratórias em representações de regiões poligonais/polígonos, visualmente regulares, de 3 a 11 lados. Como metodologia de pesquisa foram empregadas atividades investigativas, no sentido de obter dimensões das faixas de papel de modo a obter regiões poligonais com aproximadamente a mesma área, ou seja, polígonos inscritos em circunferências de mesmo raio. Por meio de exploração intuitiva, investigou-se o tipo de material que mais se adequou às construções e à manipulação de modo a obter as figuras geométricas visualmente e esteticamente adequadas. Concluiu-se que os objetos construídos com o material, denominado papel pardo, além de ser de baixo custo, oferece boa visualização e facilidade na identificação dos elementos dessas figuras. Além disso, obteve-se também, por meio de experimentação e por cálculos matemáticos as melhores medidas em cada caso. A partir de levantamento de bibliografia a respeito, o grupo considerou que recursos didáticos ou manipuláveis são todos os recursos materiais que podem ser utilizados pelo professor, de forma intencional, explorados pelos estudantes e que propiciem a construção do conhecimento, por exemplo, softwares dinâmicos, jogos, os de uso comum como sólidos geométricos, geoplanos, blocos multibásicos e outros, como os utilizados na pesquisa.

 


Palavras-chave


dobraduras; materiais manipuláveis; recursos didáticos; ensino de geometria

Texto completo:

PDF

Referências


BOTAS, D.; MOREIRA, D. A utilização dos materiais didáticos nas aulas de Matemática – Um estudo no 1º Ciclo. Revista Portuguesa de Educação, 2013, 26(1), pp. 253-286.

DIENES, Z. P.; GOLDING, E.W. A geometria pelas transformações II. São Paulo: EPU, 1975. 91 p.

DIENES, Z. P.; GOLDING, E.W. Exploração do espaço e prática da medição. São Paulo: EPU, 1977. 95 p.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática – percursos teóricos e metodológicos. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. 226 p.

FISCHBEIN, E. Intuition in science and mathematics: an educational approach. London: Mathematics Education Library, 1987.

FREUDENTHAL, H. Mathematics as na Educational Task. Doltrecht-Holland: D. Reidel Publishing Company, 1973. 680 p.

MIRANDA, V. C. Un recurso para la enseñanza de la Geometría. Educación Matemática, v. 5, n.1, abril 1995, p.11-45.

MOREIRA, M.A. Metodologias de pesquisa em ensino. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2011. 242 p.

NASSER, L. Using the Van Hiele Theory to improve secundary school geometry in Brasil. Thesis (University of London, King’s College London, Centre For Educational Studies), 1992. 368 p.

PAIS, L. C. Didática da Matemática. Uma análise da influência francesa. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 128 p.

PIAGET, Jean; INHELDER, Bärbel. A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. 507 p.

POLLARD, M. Maria Montessori. Série: Personagens que mudaram o mundo. Os grandes humanistas. São Paulo: Editora Globo, 1993. 64 p.

SABBATIELLO, E. E. El geoplano – un recurso didáctico para la enseñanza dinámica de la geometría plana elemental – su aplicación e utilización en la escuela primaria. Buenos Aires: Ediciones G.A.D.Y.P., 1967. 238 p.

SKEMP, R. Psicología del aprendizaje de las matemáticas. 2. ed. Madrid: Ediçiones Morata, 1993. 335 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p265-281.i5715

Apontamentos

  • Não há apontamentos.