Consumistas ou sujeitos de suas existências? Estratégias e táticas de juventudes da escola pública na cultura do consumo

Autores

DOI:

10.29286/rep.v30ijan/dez.9139

Palavras-chave:

juventudes, consumo, educação escolar, educação ambiental.

Resumo

O presente trabalho analisa representações produzidas por jovens estudantes de uma escola pública carioca, compartilhadas em um grupo focal sobre suas práticas de consumo. Inspirados em Michel De Certeau, operamos com as noções de “estratégia” e “tática” para compreender as interações das juventudes com suas realidades socioculturais, e, a partir delas, as ações criadas para a satisfação de desejos de consumo ou subversão dos dispositivos sociais de fomento ao mesmo. Por fim, a partir das narrativas dos sujeitos da pesquisa, indiciamos e debatemos elementos-chave para a compreensão de suas experiências face aos contraditórios cotidianos nos quais se inserem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Cerqueira do Nascimento BORBA, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Educação na UFF. Mestre em Educação, licenciado e bacharel em Ciências Biológicas pela UFRJ. Pesquisador associado ao Grupo de Pesquisa Currículo, Docência e Cultura (CDC/UFF/CNPq), onde realiza investigações sobre ensino de Ciências e Biologia na interface entre Currículo e História da Educação.

Matheus Sampaio Favrat dos SANTOS, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Estudante de graduação na Licenciatura em Ciências Biológicas da UFRJ. Bolsista de Iniciação Científica do Projeto de Pesquisa e Extensão Educação Ambiental para Professores da Educação Básica (EAPEB/UFRJ).

Maria Jacqueline Girão Soares de LIMA, Universidade Federal do Rio de Janeiro e Universidade Federal Fluminense

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFF e da Faculdade de Educação da UFRJ. Doutora em Educação pela UFRJ com estágio pós-doutoral no PROPED/UERJ. Trabalha com a formação de professores de Ciências e Biologia e realiza pesquisas sobre Educação Ambiental, Consumo e Juventudes.

Referências

ABRAMOVAY, M.; CASTRO, M. G. Ser jovem no brasil hoje: políticas e perfis da juventude brasileira. Cadernos Adenauer, n.1, v.16. 2015. Disponível em: <http://www.kas.de/wf/doc/16488-1442-5-30.pdf>. Acesso em 10 abr. 2018.

AMARAL, M. B. Tele natureza e a construção do natural: um olhar sobre imagens de natureza na publicidade. In: Daisy Lara de Oliveira. (Org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Editora Mediação, 1997, p. 83-960.

BAUMAN, Z. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

BOURDIEU, Pierre (1989). O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand.

BOURDIEU, Pierre (2008). A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 5a ed. São Paulo: Perspectiva; 2004.

BOURDIEU, P. (2011). Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus

BRITES, M. J. Quando a investigação é feita com participantes ativos: ampliar o uso de técnicas de entrevista e de grupo focal. In: FERREIRA, V. S. (org). Pesquisar Jovens: caminhos e desafios metodológicos. Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2017, p. 91-109.

CALVINO, I. As cidades Invisíveis. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANCLINI, N. G. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2001.

COSTA, M. V. Há estranhos nas escolas. In: COSTA, M. V. (org.) A Educação na Cultura da Mídia e do Consumo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

COSTA, M. V. Educar-se na Sociedade de Consumidores. In: COSTA, M. V. (org.) A Educação na Cultura da Mídia e do Consumo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009a.

DAYRELL, J. T. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, n. 24, set.- dez. 2003, p. 40-52.

DAYRELL, J. T.. A Escola “Faz” as Juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, 2007, p. 1105-1128.

DE CERTEAU, M. (1998). A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Petrópolis:Vozes.

FERREIRA, V. S. E RAIMUNDO, A. conversas entre jovens: o uso youth-friendly de grupos focais. In: FERREIRA, V. S. (org). Pesquisar Jovens: caminhos e desafios metodológicos. Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2017, p. 57-89.

FONTENELE, I. A. Cultura do consumo: fundamentos e formas contemporâneas. Rio de Janeiro, FGV Editora, 2017.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasilia: Liber Livro Editora Ltda, 2005. 77p .

GOMES, A. A. Apontamento sobre a pesquisa em educação: usos e possibilidades do grupo focal. Eccos. Revista Científica, v. 7, p. 275-290, 2006.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo:Ática,1997.

LEITE, M. S. ; LIMA, M. J. G. S. . Diferença, emancipação e conservação na educação ambiental. Educação em Foco (Juiz de Fora), v. 20, p. 179-204, 2015.

MADEIRA, Z. e GOMES, D. D. DE O. Persistentes desigualdades raciais e resistências negras no Brasil contemporâneo. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 133, p. 463-479, set./dez. 2018. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n133/0101-6628-sssoc-133-0463.pdf >. Acesso em 30 jul. 2019.

MARGULIS, M.; URRESTI, Marcelo. La juventud es más que una palabra. Buenos Aires: Biblos, 2000, p. 85-101.

OLIVEIRA, A. M.; TOMAZETTI, E. Quando a sociedade de consumidores vai à escola: um ensaio sobre a condição juvenil no Ensino Médio. Educar em Revista, Curitiba, n.44, p.181-200, jun. 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/er/n44/n44a12.pdf>. Acesso em 14 mai. 2018.

PAIS, J. M. Culturas juvenis. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2003.

SARLO. B. Cenas da vida pós moderna: intelectuais, arte, videocultura na Argentina. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2013.

SCHWERTNER, S.F. & FISCHER, R. M. B. Juventudes, conectividades múltiplas e novas temporalidades. Educação em Revista, v.28 n.01, p.395-420.

SOUZA, P. H. O.; LIMA, M. J. G. S. Estranho no ninho: juventude, consumo e escola. E-Mosaicos, v. 7, 2018 p. 33-48.

Downloads

Publicado

2021-05-17

Como Citar

BORBA, R. C. do N. .; SANTOS, M. S. F. dos; LIMA, M. J. G. S. de. Consumistas ou sujeitos de suas existências? Estratégias e táticas de juventudes da escola pública na cultura do consumo. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 30, n. jan/dez, p. 1-18, 2021. DOI: 10.29286/rep.v30ijan/dez.9139. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/9139. Acesso em: 15 jun. 2021.