A dupla caixa e o espaço em branco no processo de alfabetização

Autores

  • Márcia Martins de Oliveira ABREU mmartinsabreu@uol.com.br
    Universidade Federal de Uberlândia
  • Adriana Pastorello Buim ARENA dricapastorello@gmail.com
    Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

10.29286/rep.v28i68.8402

Palavras-chave:

Alfabetização. Apropriação da cultura escrita. Dupla caixa. Espaço em branco.

Resumo

Este artigo é parte de uma pesquisa de doutorado, cujo propósito era o de desenvolver uma possibilidade metodológica de trabalho com crianças em processo de apropriação da língua escrita tendo como suporte textos construídos e utilizados socialmente. Para o alcance do objetivo foi realizada uma pesquisa de intervenção com uma turma de 1º ano do Ensino Fundamental de uma escola da rede federal de ensino localizada na cidade de Uberlândia/MG. Entre os diversos temas discutidos na tese, elegeu-se para esta publicação o debate em torno do uso da letra maiúscula durante o processo de alfabetização. Entre alfabetizadores ainda existe a crença de que as letras em caixa alta são mais simples para serem aprendidas e, por este motivo, é oferecido às crianças pequenas este tipo de letra. Entretanto, os resultados indicaram que o envolvimento dos sujeitos no trabalho com a dupla caixa auxiliou qualitativamente o processo de alfabetização.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Martins de Oliveira ABREU, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em educação. Professora da escola de aplicação - ESEBA – da Universidade Federal de Uberlândia, MG. E-mail: mmartinsabreu@uol.com.br

Adriana Pastorello Buim ARENA, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Educação. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia, MG. E-mail: dricapastorello@gmail.com

Referências

ARENA, Dagoberto Buim. A literatura infantil como produção cultural e como instrumento de iniciação da criança no mundo da cultura. In: SOUZA, Renata Junqueira de. Ler e compreender: estratégias de leitura. São Paulo: Fapesp: Mercado de Letras, 2010. p. 13-44.

______. Ensino e aprendizagem: perspectivas no campo da alfabetização. In: LONGHINI, Marcos Daniel. (Org.). O Uno e o diverso na educação. Uberlândia: EDUFU, 2011. V.1, p.27-38.

BAJARD, Élie. Da escuta de textos à leitura. São Paulo: Cortez, 2007.

______. Nova embalagem, mercadoria antiga. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, set./dez. 2006. p. 493-507.

______. A descoberta da língua escrita. São Paulo: Cortez, 2012.

______. Ler e dizer: compreensão e comunicação do texto escrito. São Paulo Cortez, 1999.

BARROCO, Sônia M. S.; SUPERTI, Tatiane. Vigotski e o estudo da arte: contribuições para o desenvolvimento humano. Psicologia & Sociedade. 26 (1), 2014. p. 22-31. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v26n1/04.pdf.

Acesso em: 15 de ago. de 2018.

BERNARDIN, Jacques. As crianças e a cultura escrita. Porto Alegre:

Artmed, 2003.

FIORIN, José L. Da necessidade da distinção entre texto e discurso. In: Brait Beth; ILVA, Maria Cecília, S. (Orgs.). Texto ou discurso? São Paulo: Contexto, 2012.

______. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2006.

GERALDI, J. W. O computador e o desenvolvimento de novas atividades: uma perspectiva epistemológica. In: GERALDI, J. W.; BENITES, M.; FICHTNER, B. Transgressões convergentes: Vigotski, Bakhtin e Bateson. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

JOLIBERT, Josette. Formando crianças leitoras. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

JOLIBERT, Josette; JACOB, Jannette. Além dos muros da escola: a escrita como ponte entre os alunos e a comunidade. Porto alegre: Artmed, 2006.

MARCUSCHI, Luiz A. A oralidade no contexto dos usos linguísticos:

caracterizando a fala. In: MARCUSCHI, Luiz A.; DIONISIO, A. P. Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

POSSENTI, Sírio. Notas sobre língua, texto e discurso. In: Brait Beth.; SILVA, Maria Cecília, S. (Orgs.). Texto ou discurso? São Paulo: Contexto, 2012.

SMOLKA, Ana L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez, 2012.

______. Da alfabetização como processo discursivo: os espaços de elaboração nas relações de ensino. In: GOULART, Cecília M. A.; GONTIJO, Cláudia M. M.; FERREIRA, Norma S. A. (Orgs.). A alfabetização como processo discursivo: 30 anos de A criança na fase inicial da escrita. São Paulo: Cortez, 2017.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VOLOCHÍNOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara F. Vieira. 16. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

______. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina V. Américo. 1. ed. São Paulo: editora 34, 2017.

Downloads

Publicado

2019-05-20

Como Citar

ABREU, M. M. de O.; ARENA, A. P. B. A dupla caixa e o espaço em branco no processo de alfabetização. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 28, n. 68, p. 465–484, 2019. DOI: 10.29286/rep.v28i68.8402. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/8402. Acesso em: 24 jul. 2024.