O FUTEBOL NO JORNAL DAS MOÇAS: AS APROXIMAÇÕES E OS DISTANCIAMENTOS DAS MULHERES

Autores

Palavras-chave:

Futebol, Mulheres, História do Esporte

Resumo

O presente estudo tem como objetivo identificar as representações das relações entre as mulheres e o futebol veiculadas no Jornal das Moças de 1941 a 1965, período em que vigorou o Art. 54 do Decreto-Lei 3.199/1941, o qual delimitava as práticas esportivas às mulheres. Para tanto, foi realizada uma coleta de informações no Jornal das Moças, periódico direcionado às mulheres. As reportagens foram interpretadas a partir da técnica de análise documental. O Jornal das Moças, que era produzido por homens, foi uma ferramenta de afastamento das mulheres do futebol e, também, normatizar comportamentos, com reportagens apoiadas no discurso médico, o qual atribuía a tal prática danos irreversíveis aos órgãos reprodutores femininos, bem como à feminilidade. Entretanto, as mulheres encontraram no papel de espectadoras e telespectadoras uma forma de participar do meio futebolístico; devido a esta aproximação, há vestígios de que houve a necessidade de um novo decreto para salientar tal afastamento feminino.

Biografia do Autor

Alice Francisco Freitas, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)


Graduanda da 7º fase do curso de Educação Física/Licenciatura da Universidade Federal de Santa Catarina. Vinculada ao Centro de Memórias da Educação Física e Desporto Grupo Sôma- Núcleo de Estudos em Cultura, Corpo e Movimento. Objetos de pesquisa: rugby feminino, futebol e história.

Bruna Letícia de Borba, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Estudante de Graduação da 7º fase do curso de Educação Física/Licenciatura da Universidade Federal de Santa Catarina. Bolsista do Projeto Práticas Corporais e Vinculação ao Grupo CEMEFID e Sôma.

Sara Fantin Ribeiro, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduanda da 7º fase do curso de Educação Física/Licenciatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Possui graduação em Administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2012). Atualmente é bolsista de iniciação científica da Rede Cedes/SC, vinculada ao Centro de Memórias da Educação Física e Desporto (CEMEFID) e ao Grupo Sôma (Núcleo de Estudos em Cultura, Corpo e Movimento do CDS/UFSC). Participa do Grupo de Pesquisa em Estudos Olímpicos (GPEO). Tem experiência na área de Administração, treinamento de atletismo e Filosofia. Principais temas de pesquisa: Jogos Olímpicos, estudos históricos e socioculturais do Esporte, Educação Olímpica e Filosofia.

Carolina Fernandes da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professora do Departamento de Educação Física (DEF), do Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora convidada da Universität Leipzig, na Alemanha. Pós-doutorado em Ciências do Movimento Humano, no PPGCMH da UFRGS. Doutora em Ciências do Movimento Humano no PPGCMH/ESEFID/UFRGS, com bolsa CAPES e período sanduíche na Charles University em Praga na República Tcheca. Mestre em Ciências do Movimento Humano. Especialista em Cinesiologia pela ESEFID/ UFRGS. Licenciada em Educação Física pela Universidade da Região da Campanha. Líder do Sôma - Núcleo de Estudos em Cultura, Corpo e Movimento do CDS/UFSC. Pesquisadora do Núcleo de Estudos em História do Esporte e da Educação Física- NEHME- ESEFID/UFRGS. Membro da junta diretiva da Associação Latina de Filosofia do Desporte (ALFID). Membro da Academia Olímpica Brasileira, participante do 19th International Seminar on Olympic Studies for Postgraduate Students of the International Olympic Academy, ocorrido em Olímpia - Grécia. Membro pesquisadora da Academia Paralímpica Brasileira. Atuando principalmente nos seguintes temas: Estudos históricos e socioculturais do Esporte, da Educação Física, do Esporte Paralímpico, do Corpo e área Didático-Pedagógica.

Referências

ALBINO, Beatriz Staimbach. Os cuidados com o corpo e o ser mulher na capital de Santa Catarina: sobre a "página feminina" do jornal "dia e noite" (1936-1941). In: VAZ, Alexandre Fernandez; BOMBASSARO, Ticiane (Org.). Fragmentos para uma história da educação do corpo em Santa Catarina. Florianópolis, SC: Dioesc, 2012.

ALMEIDA, Nukácia Meyre Araújo de. Jornal das Moças: leitura, civilidade e educação femininas (1932-1945). 2008. 261f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 2008.

BARROS, José D'assunção. A fonte histórica e seu lugar de produção. Caderno de pesquisa do Cdhis, Uberlândia, MG, v. 2, n. 25, p.407-429, dez., 2012.

BONADIO, Maria Claudia. Moda: costurando mulher e espaço público: estudo sobre a sociabilidade feminina na cidade de São Paulo 1913 - 1929. 2000. 184f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2000.

BRASIL. LEI Nº 3.071, DE 1º DE JANEIRO DE 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 jan. 1916. Seção 1, p.133.

BRASIL. Decreto-Lei N° 3199, DE 14 DE ABRIL DE 1941. Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o pais. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 18 abr. 1941, p. 7652.

BRASIL. Deliberação N°7, DE 7 DE AGOSTO DE 1965. O Conselho Nacional de Desportos no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo disposto nos artigos 1º e 3º do Decreto-Lei n 3199. Conselho Nacional de Desportos. Poder Legislativo. Brasília, DF, 2 set. 1965, Seção 2, p.8984.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira Participações S.a, 1949.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BUITONI, Dulcília. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Summus, 2009.

COELHO, Renata. A evolução jurídica da cidadania da mulher brasileira: breves notas para marcar o dia 24 de fevereiro, quando publicado o código eleitoral de 1932 e os 90 anos do voto precursor de Celina Viana. 2017. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/pgr/documentos/Evoluojurdicadacidadaniadamulherbrasileira_RenataCoelho.pdf.> Acesso em: 15 jan. 2019.

COSTA, Victor. Sketches, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 9/02/1939, ed. 01234, p. 32.

DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

EVANGELHO, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 23/02/50, ed. 01810, p.63.

EVANGELHO, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 18/06/1959, ed. 02296, p.20.

EXPEDIENTE EMPRESA JORNAL DAS MOÇAS, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 4/01/1940, ed. 01281, p.4.

FRANZINI, Fábio. Futebol é "coisa para macho"?: Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista brasileira de história, v. 25, n. 50, p. 315-328, dez., 2005.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 19, n. 2, p. 143-151, jun., 2005.

GOELLNER, Silvana Vilodre; KESSLER, Cláudia Samuel. A sub-representação do futebol praticado por mulheres no Brasil: ressaltar o protagonismo para visibilizar a modalidade. Revista USP, v. 117, n. 1, p. 31-38, abr. 2018.

GUTERMAN, Marcos. O futebol explica o Brasil: uma história da maior expressão popular do país. São Paulo: Contexto, 2010.

JANOTTI, Maria de Lourdes. O livro Fontes Históricas como fonte. In: PINSKY, Carla Bassanezi (Org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2008.

MATOS, Claúdia Neiva de. Gêneros na Canção Popular: os casos do samba e do samba canção. Artcultura, v. 15, n. 27, p. 121-132, dez., 2013.

MAZO, Janice Zarpellon; SILVA, Carolina Fernandes da; LYRA, Vanessa Bellani. As mulheres no cenário do associativismo esportivo em porto alegre/rs na transição do século XIX para o XX: alternativas de sociabilidade e lazer para elas. Licere, v. 13, n. 3, p. 1-25, set., 2010.

MENDES, Bárbara Gonçalves; SILVA JUNIOR, José Aelson da; ANJOS, Luiza Aguiar dos. Futebol, gênero e sexualidades. In: SILVA, Silvio Ricardo da; CORDEIRO, Leandro Batista; CAMPOS, Priscila Augusta Ferreira (Orgs.). O ensino do futebol: para além da bola rolando. Rio de Janeiro: Jaguatirica, 2016..

MOÇAS DE HOJE, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 9/07/1931, ed. 00838, p. 39.

NA CIDADE, NO CAMPO, COMO NA PRAIA..., Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 25/01/1934, ed. 00971, p. 18.

PARA NOIVAS E ESPOSAS, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 31/10/1997, ed. 2211, p.12.

PESAVENTO, S. História & história cultural. 2. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2008.

PISANI, Mariane da Silva. Futebol feminino: espaço de empoderamento para mulheres das periferias de São Paulo. Ponto Urbe, [s.l.], n. 14, p. 1-10, ago., 2014.

PINSKY, Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. São Paulo: Contexto, 2014.

PRÓ-TV (Org.). Biografias: Fada Santoro. 1995. Disponível em: <http://www.museudatv.com.br/biografia/fada-santoro>. Acesso em: 24 maio 2019.

RICOUER, Paul. História e verdade. São Paulo: Forense, 1968.

SANTOS, Rafael José dos. Globalização e americanidade: o caso da publicidade no Brasil dos anos 30. Revista USP, v. 33, n. 1, p. 44-55, fev., 1997.

SPAVIÈR, Aracy M. Você e seu lar. Jornal das Moças. Rio de Janeiro, 7/01/1960, ed. 02325, p.14.

SUSY, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 30/08/1951, ed. 01889, p. 9

TELE-FATOS, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 21/12/1959, ed. 02323, p. 48

TOTA, Antonio Pedro. O imperialismo sedutor: a americanização do Brasil na época da Segunda Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

TROÇAS & TRAÇOS, Jornal das Moças, Rio de Janeiro, 4/09/1952, ed.01942, p. 8.

Downloads

Publicado

2019-08-14

Como Citar

Freitas, A. F., de Borba, B. L., Ribeiro, S. F., & da Silva, C. F. (2019). O FUTEBOL NO JORNAL DAS MOÇAS: AS APROXIMAÇÕES E OS DISTANCIAMENTOS DAS MULHERES. Corpoconsciência, 23(2), 63-74. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/8457