O Currículo e as identidades/diferenças indígenas: normalização, invisibilidade e subalternização

JOSÉ LICÍNIO BACKES, Ruth PAVAN

Resumo


O artigo objetiva refletir sobre o currículo, mais especificamente sobre o currículo dos anos finais do ensino fundamental e como esse está vinculado a processos de normalização, invisibilização e subalternização das identidades/diferenças indígenas. A pesquisa de campo foi realizada por meio de entrevistas com 11 professores de uma escola pública estadual do Município de Campo Grande (MS), com alto Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) nos anos finais do ensino fundamental. Os resultados indicam que as identidades/diferenças indígenas, ao não serem percebidas pelos professores, sendo os indígenas tratados de modo normal ou como se tivessem mais dificuldade de aprendizagem, contribuem para a sua subalternização.

 

Palavras-chave: Currículo. Identidade. Indígenas.


Palavras-chave


Currículo; identidade; indígenas.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. W. Políticas de direita e branquidade: a presença ausente da raça nas reformas educacionais. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.16, pp. 61-67, 2001.

BACKES, J. L. A escola indígena intercultural: espaço/tempo de afirmação da identidade étnica e de desconstrução da matriz colonial. Interações (UCDB), Campo Grande, v. 15, p. 13-20, 2014.

BACKES, J. L; PAVAN, R. A desconstrução das representações coloniais sobre a diferença cultural e a construção de representações interculturais: um desafio para formação de educadores. Currículo sem Fronteiras, v. 11, p. 108-119, 2011.

BARROS, J. P. P. Bullying e discriminação étnico-racial no contexto escolar: recortes de uma pesquisa-intervenção em Fortaleza-Ceará. In: 34ª Reunião Anual da ANPED: Educação e Justiça Social 2011. Anais. Natal: ANPED, 2011, p. 1-14.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

CANDAU, V. M. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, vol.13, n.37, p. 45-56, 2008.

CANDAU, V. M. F; RUSSO, K. Interculturalidade e educação na América Latina: uma educação plural, original e complexa. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 151-169, jan./abr. 2010.

COELHO, W. N. B; COELHO, M. C. Os conteúdos étnico-raciais na educação brasileira: práticas em curso. Educar em Revista, Curitiba, n. 37, p. 67-84, jan./mar. 2013.

GARCIA, M. R. V. Homofobia e heterossexismos nas escolas: discussão da produção científica no Brasil e no mundo. In: Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional 2009 Anais... São Paulo: ABRAPEE, 2009, p. 1-15.

GOMES, N. L; JESUS, R. E. As práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei 10.639/2003: desafios para a política educacional e indagações para a pesquisa. Educar em Revista, Curitiba, n. 47, p. 19-33, jan./mar. 2013.

GOMES, N. L. Movimento negro educação: ressignificando e politizando a raça. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, p. 727-744, jul/set. 2012.

ESTEBAN, M. T. A negação do direito à diferença no cotidiano escolar. Avaliação, Sorocaba, v. 19, n. 2, jul. 2014.

FERRARI, A; ALMEIDA, M. A. Corpo, gênero e sexualidade nos registros de indisciplina. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. 865-885, set./dez. 2012.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

PACHECO, J. A. Políticas de avaliação e qualidade da educação. Uma análise crítica no contexto da avaliação externa de escolas, em Portugal. Avaliação, Sorocaba, v. 19, n. 2, jul. 2014.

PAVAN, R; PANIAGO, M. C. L; BACKES, J. L. A construção de um diálogo intercultural com indígenas por meio da pesquisa-ação não-convencional. Acta Scientiarum. Education (Online), Maringá v. 36, p. 165-175, 2014. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc Acesso em: 10 mar. 2015.

PEREIRA, J. S. Diálogos sobre o exercício da docência: recepção das leis 10.639/03 e 11.645/08. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 36, n. 1, p. 147-172, jan./abri. 2011.

QUIJANO, A. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Revista Novos Rumos, v. 17, n. 37, p. 4-25, maio./ago. 2002.

ROSEMBERG, F. Educação infantil e relações raciais: a tensão entre igualdade e diversidade. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 44, n. 153, set. 2014.

SILVA, T. T. Currículo e identidade social: territórios contestados. In: SILVA, T. T. (Org.) Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p. 190-207.

SILVEIRA, R. M. H. A entrevista na pesquisa em educação: uma arena de significados. In: COSTA, M. V. (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 119-142.

SKLIAR, C. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

WALSH, C.. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In. CANDAU, V. M (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43.

WALSH, C. Interculturalidad y (de)colonilidad: perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.29286/rep.v26i61.2421

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


     
 
 

Fontes de Indexação:

        
 
 
 
R. Educ. Públ. Cuiabá:UFMT. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367, Boa Esperança. Cuiabá-MT, Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, sala 02 térreo.. CEP: 78.060-900 – Telefone: (65) 3615-8466. Homepage: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica; E-Mail: rep@ufmt.br
 
Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License
 
 
 

 

contador de visitantes Acessos

Design e editoração eletônica