Escola como local das culturas: o que dizem os índios sobre escola e currículo

Autores

  • Rita Gomes NASCIMENTO ritapotyguara@gmail.com

DOI:

10.29286/rep.v26i62/1.5000

Palavras-chave:

Educação Escolar Indígena. Currículo Intercultural. Escola diferenciada.

Resumo

A partir das falas de professores e lideranças indígenas acerca da escola diferenciada, busca-se apresentar uma reflexão sobre pluralidade curricular que toma a cultura, ao lado da identidade, como categorias centrais. Buscando construir seus currículos de acordo com os preceitos do paradigma intercultural, os povos indígenas se movimentam em um campo de produção de discursos sobre direitos que abrangem os espaços públicos de enunciação das diferenças e os seus rebatimentos nos diplomas legais que orientam as políticas de educação escolar indígena. Pode-se pensar, assim, as políticas do campo do currículo, através das ideias de pluralidade e diversidade.

 

Palavras-chave: Educação Escolar Indígena. Currículo Intercultural. Escola diferenciada

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita Gomes NASCIMENTO

Indígena do Povo Potiguara do Ceará. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande (UFRN).

Referências

ASSIS, Eneida Corrêa. Escola indígena, uma frente ideológica? Dissertação. (Mestrado em Ciências Sociais)- Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, UnB, Brasília, DF, 1981.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 8 fev. 2017.

______. Decreto nº 26 de 4 de fevereiro de 1991. Dispõe sobre a Educação Indígena no Brasil. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D0026.htm>. Acesso em: 8 fev. 2017.

______. Decreto n. 5.051, de 19 de abril de 2004. Promulga a Convenção no 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas e Tribais. Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) de 1989. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5051.htm>. Acesso em: 8 fev. 2017.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10806-pceb013-12-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 10 jan. 2017.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação deProfessores Indígenas. 2014. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15619-pcp006-14&category_slug=maio-2014-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 10 jan. 2017.

______. Diretrizes Nacionais para o Funcionamento das Escolas Indígenas,1999. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/leis2.pdf>. Acesso em: 08 fev. 2017

______. Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar Indígena, 1993. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001778.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2017.

______. Lei n 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 10 jan. 2017.

______. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas (RCNEI), 1998. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001778.pdf>. Acesso em: 10 Jan. 2017.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In: ______. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac & Naify, 2009. p. 311-373.

GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. Olhar longe, porque o futuro é longe: cultura, escola e professores indígenas no Brasil. 2008. 237 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social)- Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2008.

KAUFMANN, Jean-Claude. L’entretien compreensif. Paris: Nathan, 1996.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3 p. 1530 – 1555, out./dez. 2014.

MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu da. Sociologia e Teoria Crítica do Currículo: uma introdução. In: MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Currículo, cultura e sociedade. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 7-37.

NASCIMENTO, Adir Casaro; URQUIZA, Antonio Hilário. Currículo, diferenças e identidades.: tendências da escola indígena Guarani e Kaiowá. Currículo sem fronteiras, v. 10, n. 1, p. 113-132, jan./jun. 2010.

NASCIMENTO, Rita Gomes do. Educação Escolar dos Índios: consensos e dissensos no projeto de formação docente Tapeba, Pitaguary e Jenipapo-Kanindé. 2006. 140f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.

______. Rituais de resistência: experiências pedagógicas Tapeba. 2009. Tese (Doutorado em Educação)-. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

OLIVEIRA, Luiz Antonio de; NASCIMENTO, Rita Gomes do. Roteiro para uma história da Educação Escolar Indígena: notas sobre a relação entre política indigenista e educacional. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, p. 765-781, jul.-set. 2012.

OLIVEIRA, Luiz Antonio de. Interculturalidade e políticas de educação escolar indígena. UPFE, Programa de Pós Graduação em Antropologia, 2013. Inédito.

PRATT, Mary Louise. Os Olhos do Império. Relatos de Viagem e Transculturação. Bauru: EDUSC, 1999.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às Teorias de Currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica. 2010.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Escolas indígenas: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: SILVA, Aracy Lopes; FERREIRA, Marina Kawall (Org.). Antropologia, História e Educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001. p. 44-70.

Downloads

Publicado

2017-05-01

Como Citar

NASCIMENTO, R. G. Escola como local das culturas: o que dizem os índios sobre escola e currículo. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 26, n. 62/1, p. 373–389, 2017. DOI: 10.29286/rep.v26i62/1.5000. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/5000. Acesso em: 25 jul. 2024.