CIBERTECNICISMO

Autores

DOI:

10.29286/rep.v31ijan/dez.13919

Palavras-chave:

tecnicismo, instrução programada, cibercultura, tecnologias educacionais

Resumo

Neste texto, definimos, caracterizamos, fundamentamos, historicizamos e problematizamos o cibertecnicismo, uma abordagem didático-pedagógica instrucionista e massiva baseada nas tecnologias digitais em rede em que os processos educacionais são semi ou totalmente automatizados por meio de técnicas e tecnologias como instrução programada, plataformização, youtuberização, gamificação, algoritmização, dataficação, entre outras. O cibertecnicismo visa a efetivar uma arte de ensinar sem professores, com pouca ou nenhuma mediação humana, mantendo os princípios básicos da racionalidade técnica e científica que caracterizaram o tecnicismo, agora reconfigurado pelas tecnologias digitais em rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariano PIMENTEL, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Doutor em Informática e Professor na UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro). Atua na Pós-Graduação em Informática e no Bacharelado em Sistemas de Informação; e lecionou, por 10 anos, no curso a Licenciatura em Pedagogia a Distância UNIRIO/CEDERJ/UAB. Tem extensa produção acadêmica, destacando-se a organização do livro "Sistemas Colaborativos" (2011), que ganhou o Prêmio Jabuti. É coordenador do grupo de pesquisa ComunicaTEC, que pesquisa o desenvolvimento e o uso de tecnologias de comunicação mediada por computador. É colaborador do GPDOC - Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (UFRRJ) e do CIBERDEM - Grupo de Pesquisa e Inovação em Ciberdemocracia (MACKENZIE). Realiza pesquisas na área de Sistemas de Informação, Informática na Educação, Educação e Cibercultura. 

Felipe CARVALHO, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Doutor em Educação. Pesquisador-colaborador do Grupo de Pesquisa em Docência e Cibercultura (GPDOC) e Grupo de Gênero, Sexualidade e Saúde (GENI). 

Referências

AMARAL, M. M.; VERGARA, S. C. O “aluno-cliente” nas instituições de ensino superior: uma metáfora a ser banida do discurso educacional? Boletim Técnico do Senac, v. 37, n. 1, p. 4-15, 2011. Disponível em: <https://www.bts.senac.br/bts/article/view/197/180>. Acesso em: 4 fev. 2022.

ANPEd (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação). Uma formação formatada: posição da ANPEd sobre o “Texto Referência: Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a formação inicial e continuada de professores da educação básica”. Rio de Janeiro, 9 out. 2019. Disponível em: <http://www.anped.org.br/news/posicao-da-anped-sobre-texto-referencia-dcn-e-bncc-para-formacao-inicial-e-continuada-de>. Acesso em: 4 fev. 2022.

ATUALIZADA legislação que regulamenta Educação a Distância no país. Ministério da Educação, 2017. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/212-educacao-superior-1690610854/49321-mec-atualiza-legislacao-que-regulamenta-educacao-a-distancia-no-pais>. Acesso em: 4 fev. 2022.

BARANAUSKAS, M. C. C.; ROCHA, H. V.; MARTINS, M. C.; d’ABREU, J. V. V. Uma taxonomia para ambientes de aprendizado baseados no computador. In: VALENTE, J. A. O Computador na Sociedade do Conhecimento. Campinas, SP: Nied/Unicamp, 1999, p. 49-68. Disponível em: <https://www.nied.unicamp.br/biblioteca/o-computador-na-sociedade-do-conhecimento>. Acesso em: 4 fev. 2022.

BELLONI, M. L. Educação a distância. 6. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

CALLE2. Em marcha, a Educação uberizada. In: OutrasPalavras, 15 jun. 2021. Disponível em: <https://outraspalavras.net/tecnologiaemdisputa/em-marcha-a-educacao-uberizada>. Acesso em: 4 fev. 2022.

CIBERNÉTICA. In: Wikipedia, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Fundation, s.d. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Cibernética>. Acesso em: 4 fev. 2022.

COMENIUS, I. A. Didactica Magna (1621-1657). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

FREITAS. L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FREITAS. L. C. Neotecnicismo digital. Blog Avaliação Educacional, 2021. Disponível em: <https://avaliacaoeducacional.com/2021/07/11/neotecnicismo-digital>. Acesso em: 4 fev. 2022.

FREITAS. L. C. Neotecnicismo e formação do educador. In.: ALVES, Nilda (org.). Formação de Professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 11. ed., 2011b, p. 95-108.

FREITAS. L. C. Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neotecnicismo? III Seminário de Educação Brasileira, fev. 2011a, p. 1-35.

GOMES, A. S.; PIMENTEL, E. P. Ambientes Virtuais de Aprendizagem para uma Educação mediada por tecnologias digitais. In: PIMENTEL, M.; SAMPAIO, F. F.; SANTOS, E. (org.). Informática na Educação: ambientes de aprendizagem, objetos de aprendizagem e empreendedorismo. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021. Disponível em: <https://ieducacao.ceie-br.org/ava>. Acesso em: 4 fev. 2022.

JAQUES, P. A.; NUNES, M. A. S. N. Computação Afetiva aplicada à Educação. In: SAMPAIO, F. F.; PIMENTEL, M.; SANTOS, E. O. (org.). Informática na Educação: games, inteligência artificial, realidade virtual/aumentada e computação ubíqua. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021. (Série Informática na Educação CEIE-SBC, v.7). Disponível em: <https://ieducacao.ceie-br.org/computacaoafetiva>. Acesso em: 4 fev. 2022.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Editora Loyola, 21. ed., 2006.

MACEDO, R. S. Formação de professores e políticas de sentido experienciais e acontecimentais. In: Formação de professores, educação online e democratização do acesso às redes [live], Congresso Virtual UFBA, 2020. Disponível online: <https://www.youtube.com/watch?v=UD0KrPkHBiY&t=295s>. Acesso em: 4 fev. 2022.

MORAES, M. C. Informática educativa no Brasil: uma história vivida, algumas lições aprendidas. Revista Brasileira de Informática na Educação (RBIE), v. 1, n. 1, 1997, p. 19-44. Disponível em: <http://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/view/2320>. Acesso em: 4 fev. 2022.

OLIVEIRA, W.; BITTENCOURT, I. I.; DERMEVAL, D.; ISOTANI, S. Gamificação e Informática na Educação. In: SAMPAIO, Fábio F.; PIMENTEL, Mariano; SANTOS, Edméa O. (org.). Informática na Educação: games, inteligência artificial, realidade virtual/aumentada e computação ubíqua. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021. Disponível em: <https://ieducacao.ceie-br.org/gamificacao>. Acesso em: 4 fev. 2022.

PIMENTEL, M.; CARVALHO, F. Instrução (re)programada, máquinas (digitais em rede) de ensinar e a pedagogia (ciber)tecnicista. SBC Horizontes, jul. 2021. Disponível em: <http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/06/02/maquinas-de-ensinar>. Acesso em: 4 fev. 2022.

PIMENTEL, M.; CARVALHO, F. Princípios da Educação Online: para sua aula não ficar massiva nem maçante! SBC Horizontes, maio 2020. Disponível em: <http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/05/principios-educacao-online>. Acesso em: 4 fev. 2022.

PLATO (computer system). In: Wikipedia, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Fundation, s.d. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/PLATO_(computer_system)>. Acesso em: 4 fev. 2022.

SANTAELLA, L. O homem e as máquinas. A arte no século XXI: A humanização das tecnologias, p. 37-59, 1997.

SAVIANI, D. Escola e democracia: polêmicas do nosso tempo. 32. ed. SP: Campinas, Autores Associados, 1999.

SILVA, J. A. R.; BERNARDO JÚNIOR, R.; OLIVEIRA, F. B. Abandono e conclusão de alunos inscritos em cursos MOOC. In: Anais do 20º Congresso Internacional ABED de Educação a Distância. 2014. Disponível em: <http://www.abed.org.br/hotsite/20-ciaed/pt/anais/pdf/116.pdf>. Acesso em: 4 fev. 2022.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

TREVISOL, J. V.; MAZZIONI, L. A universalização da Educação Básica no Brasil: um longo caminho. Roteiro, v. 43, p. 13-46, 2018.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, F. J. Visão analítica da Informática na Educação no Brasil: a questão da formação do professor. Revista Brasileira de Informática na Educação (RBIE), v. 1, n. 1, 1997, p. 45-60. Disponível em: <http://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/download/2324/2083>. Acesso em: 4 fev. 2022.

VALENTE, J. A. Informática na Educação no Brasil: análise e contextualização histórica. In: VALENTE, J. A. O Computador na Sociedade do Conhecimento. Campinas, SP: NIED/UNICAMP, 1999, p. 1-13. Disponível em: <https://www.nied.unicamp.br/biblioteca/o-computador-na-sociedade-do-conhecimento>. Acesso em: 4 fev. 2022.

VICARI, R. M. Inteligência Artificial aplicada à Educação. In: PIMENTEL, Mariano; SAMPAIO, F. F.; SANTOS, E. O. (org.). Informática na Educação: games, inteligência artificial, realidade virtual/aumentada e computação ubíqua. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021. (Série Informática na Educação CEIE-SBC, v.7) Disponível em: <https://ieducacao.ceie-br.org/inteligenciaartificial>. Acesso em: 4 fev. 2022.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

PIMENTEL, M.; CARVALHO, F. CIBERTECNICISMO. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 31, n. jan/dez, p. 1–22, 2022. DOI: 10.29286/rep.v31ijan/dez.13919. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/13919. Acesso em: 13 jul. 2024.