O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS

Autores

Palavras-chave:

estágio curricular, educação física, intervenção profissional

Resumo

A pesquisa teve por objetivo verificar a percepção de acadêmicos de um curso de bacharelado em Educação Física acerca de suas intervenções no estágio curricular. Trata-se de um estudo de caso e a opção metodológica foi pela pesquisa descritiva. A amostra contou com 56 acadêmicos da Universidade Estadual de Maringá (UEM) – Campos Sede. Foi empregado um questionário, e os dados foram tratados com base na estatística descritiva e a partir dos indicativos da análise de conteúdo. Como resultados, verificaram-se saberes abordados na graduação que precisam ser mais bem desenvolvidos por serem considerados pertinentes à atuação no estágio curricular, como os recursos metodológicos e a coordenação das relações profissionais. Outras dimensões que foram indicadas como relevantes são o planejamento e os elementos conceituais e didáticos. Conclui-se que há necessidade de os cursos analisarem continuamente suas propostas curriculares, tendo em vista um processo formativo condizente com as demandas profissionais.

Biografia do Autor

Fabiane Castilho Teixeira, Universidade Estadual de Maringá - PR

Doutoranda em Educação Física. Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física UEM/UEL. Universidade Estadual de Maringá – PR. Maringá, Paraná, Brasil.

Camila Rinaldi Bisconsini, Universidade Estadual de Maringá - PR

Doutoranda em Educação Física. Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física UEM/UEL. Universidade Estadual de Maringá – PR. Maringá, Paraná, Brasil.

Pietro de Souza Bettin, Universidade Estadual de Maringá - PR

Graduando em Educação Física. Universidade Estadual de Maringá – PR. Maringá, Paraná, Brasil.

Ieda Parra Barbosa-Rinaldi, Universidade Estadual de Maringá - PR

Doutora em Educação Física. Docente da Universidade Estadual de Maringá e do Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física UEM/UEL. Universidade Estadual de Maringá – PR. Maringá/Paraná, Brasil.

Amauri Aparecido Bássoli de Oliveira, Universidade Estadual de Maringá - PR

Pós-doutor em Educação Física. Docente da Universidade Estadual de Maringá e do Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física UEM/UEL. Universidade Estadual de Maringá – PR. Maringá/Paraná, Brasil.

Referências

ALVES; Cláudia A.; FIGUEIREDO, Zenólia C. C. Diretrizes curriculares para a formação em educação física: camisa de força para os currículos de formação? Motrivivência, v. 26, n. 43, p. 44-54, dez., 2014.

ANVERSA, Ana Luiza B.; BISCONSINI, Camila Rinaldi; TEIXEIRA, Fabiane Castilho; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bassoli de. O estágio curricular em educação física – bacharelado. Kinesis, v. 33, n. 1, jan-jun., 2015.

ANZOLIN, Ana A. A formação do bacharel em educação física e o campo de intervenção profissional: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Centro de Ciências da Saúde. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2012.

BARBOSA-RINALDI, Ieda P; PIZANI, Juliana. Desafios dos estágios nos cursos de bacharelado em Educação Física. In: NASCIMENTO, Juarez Vieira do; FARIAS, Gelcemar Oliveira (Orgs.). Construção da identidade profissional em educação física: da formação à intervenção. Florianópolis, SC: EdUDESC, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9.394, de 17 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 02 de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília, DF, 2002.

______. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior. Resolução n. 07, de 31 de março de 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 abr. 2004.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Referenciais curriculares nacionais dos cursos de bacharelado e licenciatura. Disponível em: <http://www.dca.ufrn.br/~adelardo/PAP/ReferenciaisGraduacao.pdf>. Acesso em: 23 ago. 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2011.

CARNEIRO, Adriana. M. Estatística simples? Avaliação psicológica, v. 7, n. 2, p. 263-264, 2008.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro. A. Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. 5. ed. São Paulo: Mcgraw-hill do Brasil, 2002.

FÁVARO, Paula E.; NASCIMENTO, Glauce Y. do; SORIANO, Jeane B. O conteúdo da intervenção profissional em educação física: o ponto de vista de docentes de um curso de formação profissional. Movimento, v. 12, n. 2, p.199-221, 2006.

FIGUEIREDO, Zenólia Christina Campos. Formação docente em educação física: experiências sociais e relação com o saber. Movimento, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 89-111, 2004.

FREIRE, Elisabete dos Santos; VERENGUER, Rita de Cássia Garcia. Estágio supervisionado: a nova proposta para o curso de bacharelado em educação física da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Revista mackenzie de educação física e esporte, v. 6, n. 2, p. 115–119, 2007.

MARINHO, Alcyane; SANTOS, Priscila M. Estágios curriculares nos cursos de bacharelado em Educação Física. In: NASCIMENTO, Juarez Vieira do; FARIAS, Gelcemar Oliveira (Orgs.). Construção da identidade profissional em educação física: da formação à intervenção. Florianópolis, SC: EdUDESC, 2012.

MORAES, Maria C. O paradigma educacional emergente. 5. ed. Campinas, SP: Papirus, 2000.

NASCIMENTO, Juarez V. Novas diretrizes curriculares dos cursos de graduação em Educação Física. Anais do Fórum Nacional das Instituições de Ensino Superior em Educação Física, II, 2002, Rio de Janeiro, 2002.

NASCIMENTO, Juarez Vieira do e colaboradores. Formação acadêmica e intervenção pedagógica nos esportes. Motriz, v. 15, n. 2, p.358-366, abr./jun. 2009.

OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bassoli de. Mercado de trabalho em educação física e a formação profissional: breves reflexões. Revista brasileira de ciência e movimento, v. 8 n. 4, p. 45-50, set., 2000.

______. A formação profissional em educação física: legislação, limites e possibilidades. In: SOUZA NETO, Samuel; HUNGER, Dagmar (Orgs.). Formação profissional em educação física: estudos e pesquisas. Rio Claro, SP: Biblioética, 2006.

PIZANI, Juliana. A formação inicial em educação física no Estado do Paraná e o perfil dos cursos de licenciatura e bacharelado. 183f. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Centro de Ciências da Saúde. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2011.

RUFINO, Luiz Gustavo Bonatto; SOUZA NETO, Samuel de. Novos modelos curriculares para a educação física brasileira: resenha do livro “Instructional Models for Physical Education – 3ª edição”. Motrivivência, v. 28, n. 47, p. 290-304, 2016.

SILVEIRA, Julio Cezar F. A Responsabilidade civil do profissional de educação física. Revista da educação física/UEM, v. 13, n.1, p.47-54, 2002.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Resolução nº 140/2014 CI-CCS. Aprova nova grade curricular e o plano de disciplinas do Projeto Pedagógico do curso de graduação em Educação Física – Bacharelado – Turno Integral. Maringá, 2014.

Downloads

Publicado

2017-04-23

Como Citar

Teixeira, F. C., Bisconsini, C. R., Bettin, P. de S., Barbosa-Rinaldi, I. P., & Oliveira, A. A. B. de. (2017). O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS. Corpoconsciência, 21(1), 33-47. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/4594

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)