O CORPO LÚDICO COMO POSSIBILIDADE DE TRANSGRESSÃO NA ESCOLA

Autores

Palavras-chave:

Corpo, Lúdico, Escola, Transgressão

Resumo

A escola é um espaço social de normatização e disciplinamento de corpos e possui mecanismos que promovem regulação de práticas, voltadas ao controle das expressões. O objetivo do estudo é interpretar manifestações do corpo lúdico no contexto escolar, assim como identificar estratégias de regulação que permeiam e constituem a cultura escolar, no sentido de controle dos corpos, dos modos de agir, pensar e expressar-se. Realizamos uma pesquisa qualitativa interpretativa, com observações de uma turma de 1º ano de uma Escola de Tempo Integral em Campinas/SP e registro narrativo em diário de campo. Identificamos que diversos mecanismos de controle são utilizados no contexto escolar, que se revela, igualmente, como espaço de resistência e transgressão das regras e normas pelas crianças. Uma das formas comumente observadas é por meio do lúdico. O corpo lúdico constitui-se como possibilidade de transgressão quanto às imposições presentes na cultura escolar.

Biografia do Autor

Gabriel da Costa Spolaor, Mestre pela Faculdade de Educação Física - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Graduado em Licenciatura e Mestre em Educação Física e Sociedade no programa de Pós-Graduação na Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é professor de Educação Física na Educação Básica. Coordena o EscolaR (Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física Escolar) da FEF/UNICAMP e é membro do GRUBAKH (Grupo de Estudos Bakhtinianos), sub-grupo do GEPEC situado na FE/UNICAMP. Desenvolve pesquisas com os temas: Educação Física escolar, Brincar, Prática pedagógica e Formação docente.

Rogério de Melo Grillo, Doutor pela Faculdade de Educação Física - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2014). Possui Mestrado em Educação pela Universidade São Francisco (2012), campus Itatiba/SP. Licenciatura Plena em Educação Física (2005) e Especialização em Educação Física Escolar (2007) pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais/SP. Graduação em Pedagogia pela FAFIBE (MG). É Assessor Pedagógico de Educação Física na Editora Positivo (Curitiba, PR). É também pesquisador na UNICAMP, sendo membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Física Escolar (EscolaR - UNICAMP) e membro do Centro de Estudo sobre Ludicidade e Lazer (CELULA - UFC). Foi membro da "The Association for the Study of Play (TASP)" por três anos (2015-2017). Fez estágio doutoral (Edital Cooperação Mundial) na Argentina, sob a orientação da profa. Dra. Carolina Duek (UBA/Conicet). É membro do Conselho Editorial da Editora Científica. Realiza pesquisas na área de Educação, com ênfase em Jogo, Brinquedo, Didática, Lúdico e Psicologia Histórico-Cultural.

Elaine Prodócimo, Professora Livre Docente da Faculdade de Educação Física - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Possui mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos (1994) e doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Atualmente é livre docente da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: educação física escolar, escola, violência, educação infantil e jogo.

Referências

ARENHART, Deise. O corpo como expressão de culturas infantis na escola: marcas de geração e classe social. Cadernos de Formação RBCE, p.91-102, 2015.

CANDAU, Vera Maria. Reinventar a Escola. 9ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

CAZENEUVE, Jean. L’esprit ludique dans les institutions. In: CAILLOIS, Roger. Jeux et Sports. Paris: Encyclopédie de la Pléiade, 1967.

DAYRELL, Juarez. A escola como espaço sócio-cultural. In: DAYRELL, Juarez. (Org.) Múltiplos Olhares sobre educação e cultura. 2 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

ENGUITA, Mariano Fernández. A Face Oculta da Escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FONTANA, Roseli Cação. O corpo aprendiz. In: CARVALHO, Yara; RUBIO, Katia. (Org.). Educação Física e Ciências Humanas. 1ed.São Paulo: Hucitec, v. 1, p. 41-53, 2001.

FOUCAULT, Michel. O Sujeito e o Poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

_____. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 39. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 50ª. ed., Rio de Janeiro: Paz e terra, 2011.

GRILLO, Rogério de Melo. Mediação semiótica e jogo na perspectiva Histórico-Cultural em Educação Física escolar. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, SP, 2018.

GRILLO, Rogério de Melo; SPOLAOR, Gabriel da Costa; PRODÓCIMO, Elaine. A Cultura Lúdica e a Educação Física escolar. Lúdicamente, v. 5, p. 10-24, 2016.

HINMAN, Lawrence. Nietzsche’s Philosophy of Play. Chicago: Dissertations Paper, 1975.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, p. 9-43, jan-jun/2001.

LEMOS, Flavia Cristina Silveira. A apropriação do brincar como instrumento de disciplina e controle das crianças. Estudos e pesquisa em psicologia, UERJ, RJ, v. 7, n. 1, p. 81-91, abr. 2007.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

PINO, Angel. As marcas do humano: as origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

PRADO, Guilherme do Val Toledo; SERODIO, Liana Arrais; PROENÇA, Heloísa Helena Dias Martins; RODRIGUES, Nara Caetano. (Org.) Metodologia narrativa de pesquisa em educação: uma perspectiva bakhtiniana. São Carlos: Pedro e João Editores, 2015.

RAMOS do Ó, Jorge. O governo do aluno na modernidade. Revista Segmento – Dossiê: Foucault pensa a educação. 2007, p. 36-45.

ROCHA, Ruth. Quando a escola é de vidro. In ROCHA, Ruth. (Org.) Este admirável mundo louco. Rio de Janeiro: Salamandra, 2012.

SPOLAOR, Gabriel da Costa. O ato de brincar na escola: um estudo sobre o seu processo de significação. 2019. 104f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, SP, 2019.

SPOLAOR, Gabriel da Costa; PRODÓCIMO, Elaine. Corpo e escola: o que o brincar nas filas [re]vela. Motrivivência, Florianópolis, v. 32, n. 62, p. 01-16, jun. 2020.

SPOLAOR, Gabriel da Costa; SOUZA, Galdino; GRILLO, Rogério de Mello; PRODÓCIMO, Elaine. 'Prô, quando vamos brincar?' O recreio na Escola de Tempo Integral. Lúdicamente, v. 8, p. 1-16, 2019.

VIGOTSKI, Lev S. A brincadeira e seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais, n.8, p. 23-36, 2007.

VIÑAO FRAGO, Antônio. Do espaço escolar e da escola como lugar: propostas e questões. In: VIÑAO FRAGO, Antônio; ESCOLANO, Benito. Currículo, espaço e subjetividade. Rio de Janeiro: DPA, 1998.

Downloads

Publicado

2020-07-23

Como Citar

Spolaor, G. da C., Grillo, R. de M., & Prodócimo, E. (2020). O CORPO LÚDICO COMO POSSIBILIDADE DE TRANSGRESSÃO NA ESCOLA. Corpoconsciência, 24(2), 144-156. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10705

Edição

Seção

Seção Temática - IMPLICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS DO JOGO (BRINQUEDO E BRINCADEIRA) NAS PRÁTICAS CORPORAIS