O envelhecimento como processo social. Aging as a social process

Autores

  • Ana Rafaela Pecora arpecora@terra.com.br
    Univerisdade Federal de Mato Grosso http://www.ufmt.br
  • Paula Martins dos Anjos paulahdosanjos@gmail.com
    Universidade Federal de Mato Grosso. http://www.ufmt.br
  • Eugenia Coelho Paredes eugeniaparedes@uol.com.br
    Universidade Federal de Mato Grosso. http://www.ufmt.br

DOI:

10.29286/rep.v19i39.378

Palavras-chave:

Educação. Representações sociais. Envelhecer. Docentes.

Resumo

O artigo traz a análise das representações sociais sobre o envelhecer, compartilhadas por 103 professoras que atuam no nível fundamental da rede de ensino público de Cuiabá. Teórica e metodologicamente, apoia-se nas propostas da Teoria das representações sociais (TRS), desenvolvida por Moscovici em 1961. Os dados foram coletados mediante o uso das associações de palavras, seguido de explicações gravadas sobre os vocábulos. Estes foram processados pelo software EVOC e, posteriormente, submetidos à análise de similitude e a uma categorização. Os resultados permitem considerar que a organização das representações e a construção do seu significado ocorrem a partir de dois elementos: doença e experiência, indicando perdas e ganhos no processo de envelhecimento, com destaque para os prejuízos e apontando para as condições sociais que o cercam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Rafaela Pecora, Univerisdade Federal de Mato Grosso

Professora do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da
Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Paula Martins dos Anjos, Universidade Federal de Mato Grosso.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Eugenia Coelho Paredes, Universidade Federal de Mato Grosso.

Professora Orientadora do GPEP/PPGE/UFMT

Referências

ABRIC, J-C. L’organization interne des représentations sociales: système central et système périphérique. In: GUIMELLI, C. (Org.). Textes de base en sciences sociales: structures et transformations des représentations sociales. Paris:

Neuchatel, Delachaux et Niestlé, 1994. p. 73-84.

______. O estudo experimental das representações sociais. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Tradução Lilian Ulup. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 155-171.

______. Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In: CAMPOS, P. H. F.; LOREIRO, M. C. S. (Org.). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia: Ed. da UCG, 2003. p. 37-57.

______. La recherche du noyau central et de la zone muette des représentations sociales. In: ______. (Org.). Méthodes d’étude des représentations sociales. Paris: Éditions érès, 2005. p. 59-80.

______. Methodologie de recueil des représentations sociales. In: ______. (Org.). Pratiques sociales et representations. Paris: Presses Universitaires de France, 2006. p. 59-82.

BEAUVOIR, S. de. A Velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

FLAMENT, C. L’analyse de similitude: une technique pour les recherches sur les representations sociales. In: DOISE, W.; PALMONARI, A. (Ed.). L’étude des représentations sociales. Paris: Delachaux et Niestlé, 1986. p. 139-156.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: ______. (Org.). As representações sociais. Tradução Lilian Ulup. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 17-44.

MOITA, M. C. Percursos de Formação e de Trans-formação. In: NÓVOA, A. Vida de Professores. Portugal: Porto Editora, 2000. p. 111-141.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

MUCIDA, A. O sujeito não envelhece. Belo horizonte: Autêntica, 2006.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias de sua vida. In: ______. (Org.). Vida de professores. Portugal: Porto, 2000. p. 11-30.

PECORA, A. R. Memórias e representações sociais de Cuiabá e da sua juventude, por três gerações, na segunda metade do século XX. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2007. 218 p.

SÁ, C. P. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis: Vozes, 1996.

SANTOS, S. S. C. Gerontologia e pressupostos de Edgar Morin. Rio de Janeiro: UNITI/UERJ, 2003. v. 6. Textos sobre envelhecimento. p. 01-118.

STANO, R. C. M. T. Identidade do Professor no Envelhecimento. São Paulo: Cortez, 2001.

SILVA, L. R. F. Da velhice à terceira idade: o percurso histórico das identidades atreladas ao processo de envelhecimento. Hist. Cienc. saúde-Manguinhos, [online], v. 15, n. 1, p. 155-168, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br>.

Acesso em: 06 set. 2009.

SIQUEIRA, R. L.; BOTELHO, M. I. V.; COELHO, F. M. G. A velhice: algumas considerações teóricas e conceituais. Ciênc. saúde coletiva, [online], v. 7, n. 4, p. 899-906, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v7n4/14613.pdf>. Acesso em: 08 set. 2009.

Recebimento em: 01/02/2010.

Aceite em: 02/03/2010.

Downloads

Publicado

2012-08-28

Como Citar

PECORA, A. R.; ANJOS, P. M. dos; PAREDES, E. C. O envelhecimento como processo social. Aging as a social process. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 19, n. 39, p. 55–73, 2012. DOI: 10.29286/rep.v19i39.378. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/378. Acesso em: 30 set. 2023.