ANÁLISE COMPARATIVA DA RESPOSTA AFETIVA E DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO EM JOGOS REDUZIDOS EM DIFERENTES DIMENSÕES

Autores

  • Julia Castellano Marques Laboratório de Estudos em Futebol (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)
  • Lucas Ometto Bezerra Laboratório de Estudos em Futebol (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)
  • Fabrício Vieira do Amaral Vasconcellos Laboratório de Estudos em Futebol (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Palavras-chave:

Jogos Reduzidos, Prazer, Percepção Subjetiva de Esforço, Futebol

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar comparativamente a resposta afetiva e a percepção subjetiva de esforço (PSE) de jogadores de futebol da categoria sub 15 em jogos reduzidos em campo grande (36x27m) e pequeno (27x18m). A amostra foi composta por 31 sujeitos do sexo masculino com idade média de 14,7±0,24. Todos praticavam regularmente o treinamento em futebol por mais de seis meses em um clube da 1ª divisão da cidade do Rio de Janeiro. Os dados foram recolhidos por meio de uma pesquisa onde foram utilizadas a Escala de Valência Afetiva de Hardy e Rejeski e a escala de Borg para PSE. Segundo os resultados, os jogadores têm mais prazer em realizar jogos reduzidos em campo menor. A PSE foi maior em campo grande quando comparada ao campo pequeno, concluindo-se que os jogos em campo menor foram mais prazerosos e menos cansativos, podendo ser uma estratégia para potencializar o treino desta categoria.

Biografia do Autor

Julia Castellano Marques, Laboratório de Estudos em Futebol (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Formada em Bacharel em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduanda em licenciatura pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Voluntária no Laboratório de Estudo em Futebol (Labesfut)

Lucas Ometto Bezerra, Laboratório de Estudos em Futebol (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Mestre em Ciências do Exercício e do Esporte UERJMembro Labesfut/UERJ

Fabrício Vieira do Amaral Vasconcellos, Laboratório de Estudos em Futebol (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Possui graduação em Licenciatura plena em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2005), Pós-graduação em Treinamento Desportivo pela Universidade gama Filho (2007), Mestrado em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco (2009) e Doutorado em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto (2014).

Referências

ARMSTRONG, Neil.; MCMANUS, Alison. Physiology of elite young male athletes. The elite young athlete: Karger Publishers, v. 56, 2011. p.1-22.

BORG, Gunnar. Borg's perceived exertion and pain scales. Human kinetics, 1998.

BUZZACHERA, Cosme Franklim e colaboradores. Comparison of the physiological, perception and affective responses during treadmill walking at self-selected pace by adult women of three different age groups. Revista brasileira de medicina do esporte, v. 16, n. 5, p. 329-334, 2010.

CASAMICHANA, David; CASTELLANO, Julen. Time–motion, heart rate, perceptual and motor behaviour demands in small-sides soccer games: Effects of pitch size. Journal of sports sciences, v. 28, n. 14, p. 1615-1623, 2010.

CLEMENTE, Filipe; ROCHA, Rúben. Jogos reduzidos na educação física: efeitos na intensidade de prática. Brazilian journal of biomotricity, v. 6, n. 4, p. 254-260, 2012.

COVENEY, John; BUNTON, Robin. In pursuit of the study of pleasure: Implications for health research and practice. Health, v. 7, n. 2, p. 161-179, 2003.

CROSSLEY, Nick. In the gym: Motives, meaning and moral careers. Body & society, v. 12, n. 3, p. 23-50, 2006.

CRUZ, José Fernando A. Psicologia do desporto e da actividade física: natureza, história e desenvolvimento. In: CRUZ, José Fernando A. (Org.). Manual de psicologia do desporto. Braga, Portugal: Sistemas Humanos e Organizacionais, 1996.

COSTA, Israel Toledo da e colaboradores. Sistema de avaliação táctica no futebol (FUT-SAT): Desenvolvimento e validação preliminar. Motricidade, v. 7, n. 1, p. 69-84, 2011.

COSTA, Israel Toledo da e colaboradores. Relação entre a dimensão do campo de jogo e os comportamentos táticos do jogador de futebol. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 25, n. 1, p. 79-96, 2011.

EKKEKAKIS, Panteleimon. Pleasure and displeasure from the body: Perspectives from exercise. Cognition & emotion, v. 17, n. 2, p. 213-239, 2003.

FAUL, Franz e colaboradores. Statistical power analyses using G* Power 3.1: Tests for correlation and regression analyses. Behavior research methods, v. 41, n. 4, p. 1149-1160, 2009.

FIFA. Television Audience Report for the 2014 FIFA World Cup. 2014.

FONSECA, Helder. Futebol de Rua, um fenómeno em vias de extinção? contributos e implicações para a aprendizagem. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências do Desporto). Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2006.

GARCIA, Jorge Diaz-Cidoncha e colaboradores. Quantification and analysis of offensive situations in different formats of sided games in soccer. Journal of human kinetics, v. 44, n. 1, p. 193-201, 2014.

GONÇALVES, Gabriel Henrique Treter e colaboradores. Motivos à prática regular de futebol e futsal. Saúde e desenvolvimento humano, v. 3, n. 2, p. 7-20, 2015.

HARDY, Charles J.; REJESKI, W. Jack. Not what, but how one feels: The measurement of affect during exercise. Journal of sport and exercise psychology, v. 11, n. 3, p. 304-317, 1989.

HELSEN, Werner; VAN WINCKEL, Jan; WILLIAMS, A. Marck. The relative age effect in youth soccer across Europe. Journal of sports sciences, v. 23, n. 6, p. 629-636, 2005.

IMPELLIZZERI, Franco e colaboradores. Use of RPE-based training load in soccer. Medicine & science in sports & exercise, v. 36, n. 6, p. 1042-1047, 2004.

KENNETT, David C.; KEMPTON, Tom; COUTTS, Aaron J. Factors affecting exercise intensity in rugby-specific small-sided games. The journal of strength & conditioning research, v. 26, n. 8, p. 2037-2042, 2012.

LIMA, Nuno João Cruz. Jogos reduzidos em futebol: comportamento técnico-táctico e variabilidade da frequência cardíaca em jogos de 3x3 e 6x6 com jogadores sub-13. 47f. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências do Desporto). Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Vila Real, Portugal, 2010.

MEDEIROS, Artur Lenno Rodrigues e colaboradores. Exercício aeróbio em intensidade autosselecionada atinge as recomendações para benefícios à saúde em homens sedentários. Educação física em revista, v. 8, n. 3, p. 10-25, 2015.

OWEN, Adam; TWIST, Craig; FORD, Paul. Small-sided games: the physiological and technical effect of altering pitch size and player numbers. Insight, v. 7, n. 2, p. 50-53, 2004.

OWEN, Adam e colaboradores. Heart rate responses and technical comparison between small-vs. large-sided games in elite professional soccer. The journal of strength & conditioning research, v. 25, n. 8, p. 2104-2110, 2011.

PAIM, Maria Cristina Chiemelo. Motivos que levam adolescentes a praticar o futebol. Revista Digital, v. 7, n. 43, 2001.

RAMPININI, Ermanno e colaboradores. Factors influencing physiological responses to small-sided soccer games. Journal of sports sciences, v. 25, n. 6, p. 659-666, 2007.

WILLIAMS, K.; OWEN, Adam. The impact of player numbers on the physiological responses to small sided games. Journal of sports science & medicine, v. 6, n. Suppl 10, p. 100, 2007.

Downloads

Publicado

2019-04-03