Narrar para não esquecer

a literatura de testemunho sob a ótica polifônica na escola básica

Autores

Palavras-chave:

Ensino, Experiência, Literatura de testemunho, Polifonia

Resumo

Este artigo propõe um diálogo entre as contribuições teóricas do filósofo russo Mikhail Mikhailovich Bakhtin e do seu Círculo, sob a ótica da equipolência de vozes presentes nos diálogos que se entrecruzam na Literatura de Testemunho e autores alinhados à perspectiva da literatura como lugar de resistência nos contextos sociais em crise.  Assim, conceitos como “Experiência” do filósofo alemão Walter Benjamin e “Testemunho literário”, do historiador Márcio Seligmann e Silva  subsidiarão o nosso diálogo, de modo a destacar a potência da leitura no contexto do Ensino Fundamental II, a fim de ampliarmos o debate literário na escola básica.

Biografia do Autor

Letícia Queiroz de Carvalho, Instituto Federal do Espírito Santo

Doutora em Educação e Mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professora efetiva do Instituto Federal do Espírito Santo, campus Vitória, na área de Letras. Atua no Mestrado Profissional em Ensino de Humanidades, Mestrado Profisisonal em Letras e nas graduações em Letras presenscial e a distância, nas disciplinas que versam sobre llinguagem, ensino de literatura, leitura e educação.

Lohaynne Gomes de Mello, Secretaria Estadual de Educação - ES

Graduada em Letras - Português, pela Universidade Federal do Espírito Santo. Mestranda do Profletras - Mestrado Profissional em Letras, do Ifes - Campus Vitória. Docente efetiva da rede estadual de ensino do ES.

Referências

ANDRÉ DU RAP. Sobrevivente André du Rap, do Massacre do Carandiru. Coordenação editorial: Bruno Zeni. São Paulo: Labortexto, 2002.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. 6 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

BAKHTIN, M. M. / VOLOCHÍNOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC, 1997.

BENJAMIN, Walter. Experiência e Pobreza. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet; prefácio Jeanne Marie Gagnebin – 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 123-129.

______. História da literatura e ciência da literatura. Trad. Helano Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Sete Letras, 2016.

BEZERRA, Paulo. Polifonia. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.

CANDIDO, Antonio et al. O direito à literatura. Vários escritos, 2a. ed.. São Paulo: Duas Cidades, 1977.v. 3, p. 235-263.

CARVALHO, Letícia Queiroz de. Dialogismo e literatura: contribuições para a formação do leitor crítico na educação básica. Percursos Linguísticos (UFES), v. 8, p. 77-90, 2018.

______. A leitura literária em espaços não escolares e a universidade: diálogos possíveis para novas questões na formação de professores. 2012. 290 f. 2012. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Educação)–Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

CASTRILLÓN, Silvia. O direito de ler e de escrever. São Paulo: Pulo do Gato, 2011.

CHAVES, Priscila Monteiro; GHIGGI, Gomercindo; OURIQUE, João Luis Pereira. A dimensão política da leitura literária e a possibilidade da experiência estética em Walter Benjamin. Atos de Pesquisa em Educação, v. 13, n. 3, p. 599-619, 2018.

DE MORAIS, Guilherme Augusto Louzada Ferreira. O conceito de experiência, de Walter Benjamin, análogo às narrativas heróicas clássicas. Letras Escreve, v. 7, n. 3, p. 385-402, 2017.

FRANK, Anne. O diário de Anne Frank. LeBooks, 2017.

FILIPOVIC, Zlata; DE MACEDO SOARES, Antonio; JAHN, Heloisa. O diário de Zlata: a vida de uma menina na guerra. Editora Companhia das Letras, 1993.

FREIRE, Paulo; CAMPOS, Marcio D.'Olne. Leitura da palavra... leitura do mundo. Obra de Paulo Freire; Série Entrevistas, 1991.

GHIGGI, Gomercindo; CHAVES, Priscila Monteiro; DA CRUZ SCHNEIDER, Daniela. A literatura infantil entre a experiência estética e a educação moral. Educação, v. 41, n. 3, p. 437-445, 2018.

GINZBURG, Jaime. Linguagem e trauma na escrita do testemunho. In: O testemunho na literatura: representações de genocídios, ditaduras e outras violências. Org. SALGUEIRO, Wilberth. Vitória: EDUFES, 2011.

KUCINSKI, Bernardo. Você vai voltar pra mim: e outros contos. Cosac Naify, 2014.

LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

______. 71 contos de Primo Levi. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2005.

PETIT, Michèle. A arte de ler ou como resistir à adversidade. São Paulo: Ed. 34, 2009.

POLARI, Alex. Camarim de prisioneiro. São Paulo: Global, 1980.

PIRES, Vera Lúcia; ADAMES, Fátima Andréia Tamanini. Desenvolvimento do conceito bakhtiniano de polifonia. Estudos semióticos. Nov.2010, São Paulo,v.6, nº 2, p.66-76.

RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere [1953]. 2 vol. São Paulo: Círculo do Livro, 1985.

SALGUEIRO, Wilberth. O que é literatura de testemunho (e considerações em torno de Graciliano Ramos, Alex Polari e André du Rap). Matraga-Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, v. 19, n. 31, 2012.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Testemunho da Shoah e literatura. Revista Eletrônica Rumo à tolerância. FFLCH-IEL-UNICAMP, 2008, pp.1-16.

______. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia clínica, v. 20, n. 1, 2008, p. 65-82.

______. O local do testemunho. Revista Tempo e Argumento, v. 2, n. 1, 2010, p. 3-20.

TODOROV, Tzvetan. O que pode a literatura. Trad. Caio Meira. In: TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009, p. 73-94.

TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Mikhail Bakhtin: itinerário de formação, linguagem e política. In: FILHO, Luciano Mendes de (Org.). Pensadores sociais e história da educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

Downloads

Publicado

2020-11-13

Edição

Seção

Artigo de Convidado