Libras e língua portuguesa: línguas que se entrelaçam na educação bilíngue para surdos

Autores

Palavras-chave:

Libras. Língua Portuguesa. Educação Bilíngue. Surdos.

Resumo

O presente artigo objetiva discutir acerca das repercussões geradas pela presença da Língua Brasileira de Sinais e da Língua Portuguesa no contexto educacional bilíngue para surdos, a partir dos estudos que abordam essa filosofia educacional. Para tanto, fundamentamo-nos nos principais documentos que orientam a educação de surdos, assim como em Vygotski (2008) e Bakhtin (2011). A metodologia foi a revisão da literatura, por meio de artigos publicados, nos últimos cinco anos, nas bases de dados Capes e Scielo. Percebemos que a Libras permanece reduzida a uma língua que serve de suporte para o acesso aos conhecimentos produzidos na língua majoritária.

Biografia do Autor

Michele Elias Carvalho, Universidade Católica de Pernambuco

Doutoranda em Ciências da Linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco - Unicap. Mestra em Ciências da Linguagem pela mesma universidade (2013). Especialista em Educação de Jovens e Adultos, Globalização e Multiculturalidade (2009) e em Coordenação Pedagógica e Supervisão Escolar (2001), ambas pela UFPE. Graduada em Pedagogia pela Fundação de Ensino Superior de Olinda (1998). Atualmente é professora 1, na função de Coordenadora Educacional, da Secretaria Executiva de Planejamento e Gestão em Educação da Prefeitura Municipal do Jaboatão dos Guararapes. Assumiu, nessa rede, a função de Supervisora escolar, Gestora escolar, Coordenadora do programa de correção de fluxo escolar (2009-2012) e Chefe do Núcleo de Educação Especial (2013-2016), entre outras.Tem experiência na área de Educação, com ênfase em coordenação de projetos educacionais, formação continuada de professores e Educação Especial. Possui o foco de suas pesquisas voltado para alfabetização e letramento, educação bilíngue para surdos e inclusão escolar.

Wanilda Alves Cavalcanti, Universidade Católica de Pernambuco

Graduação em Letras Neolatinas pela Faculdade Frassineti do Recife ( FAFIRE) (1979) ; Formação e Licenciatura Em Psicologia pela Faculdade Frassinetti do Recife (1983), graduação em Pedagogia - Hab. Supervisão Escolar pela Faculdade Frassinetti do Recife (1981).Especialista em Fonoaudiologia ( Unicap), Especialista em Educação Especial ( UFPE). Doutorado em Salud y Familia - Universidad de Deusto/Espanha (2003). Pós Doutorado pela Universidade Federal da Paraíba. Professor assistente III da Universidade Católica de Pernambuco. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: inclusão, surdez, surdocegueira, cegueira, Libras, aquisição da linguagem e comunicação.

Josiane Almeida da Silva, Universidade Católica de Pernambuco

Doutoranda em Ciências da Linguagem - Universidade Católica de Pernambuco - 2017.1 Possui Mestrado em Ciências da Linguagem pela mesma universidade (2011); Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE - 2016), Licenciatura plena em Letras pela Universidade Católica de Pernambuco (2008), especialização em Psicopedagogia pela Faculdade de Tecnologia (FATEC - 2010), Especialização em Atendimento Educacional Especializado e Educação Inclusiva pela Faculdade dos Guararapes (UNIFG - 2019). Atua na Educação Inclusiva e Coordenação Educacional da Secretaria de Educação do município do Jaboatão dos Guararapes.

Referências

ANGNES, J. S. et al. Um estudo sobre a educação do sujeito surdo na rede estadual de educação de Foz do Iguaçu – Paraná. Holos, 2016, V. 08, p. 338-354.

BAALBAKI, A. C. F. Línguas, escola e sujeito surdo: análise do “Relatório sobre a política linguística de educação bilíngue – Língua Brasileira de sinais e Língua Portuguesa”. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Línguas e culturas em contato n. 53, 2017, p. 323-342.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BRASIL, Lei 10.436/02. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília, DF, 2002.

______ Decreto 5.626/05. Regulamenta a Lei 10.436 e o art. 18 da Lei 10.098. Brasília, DF, 2005.

______ Política Nacional da Educação especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008.

______ Relatório sobre a política linguística de educação bilíngue – Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília, DF, 2014.

CONCEIÇÃO, B. S.; MARTINS, V. R. O. Educação bilíngue de surdos e a possível contribuição da formação em pedagogia: desafios atuais. Periferia: educação cultura e comunicação, 2018, v. 8, n. 2, p. 66-90.

DAMÁZIO, M. F. M. Atendimento Educacional Especializado: pessoa com surdez. SEESP/SEED/MEC. Brasília, DF, 2007.

FERNANDES, E. Linguagem e surdez. Porto Alegre: Artmed, 2003.

FERNANDES, S.; MOREIRA, L. C. Políticas de educação bilíngue para estudantes surdos: contribuições ao letramento acadêmico no ensino superior. Educar em Revista, 2017, n. spe.3, p. 127 – 150.

HOHENDORFF, J. V. Como escrever um artigo de revisão de literatura. In: Koller S. H.; Couto M. C. P. P.; Hohendorff J. V. (Orgs.). Manual de produção científica. Porto Alegre: Penso, 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisas. 6. ed. São Paulo: GEN/Atlas, 2017.

LACERDA, C. B. F., SANTOS, L. F (Orgs.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2013.

LODI, A. C. B.; LACERDA, C. B. F. (Orgs.) Uma escola, duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Mediação, 2009.

LODI, A. C. B.; HARRISON, K. M. P.; CAMPOS, S. R. L. Letramento e surdez: um olhar sobre as particularidades dentro do contexto educacional. In: LODI, A. C. B. et al. (Orgs.). Letramento e minorias. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2009.

MARTINS, V. R. O. Educação de Surdos e Proposta Bilíngue: ativação de novos saberes sob a ótica da filosofia da diferença. Educação & Realidade Set 2016, Volume 41 n. 3 p. 713-729.

MESQUITA, L. S. Políticas Públicas de Inclusão: o acesso da pessoa surda ao ensino superior Educação & Realidade Set 2017, v. 43 n 1, p. 255 – 273.

MOURA, M. C. A escola bilíngue para surdos: uma realidade possível. In: SÁ, N. (Org.) Surdos: qual escola? 2. ed. Manaus: Editora Valer, 2019.

OLIVEIRA, L. A. B. A necessidade de um olhar psicopedagógico no processo de inclusão de surdos. Holos, 2018, v. 07, p. 103-116.

PEREIRA, M. C. C. Papel da língua de sinais na aquisição da escrita por estudantes surdos. In: LODI, A. C. B. et. al (Orgs.) Letramento e minorias. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2009.

_______Ensino da Língua Portuguesa para Surdos. Marilia, SP: UNESP, 2014

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

SILVA, M. FREIRE, G. H. A. Um olhar sobre a educação escolarizada de surdos à luz da competência em informação. Informação & Sociedade, 2017, v 27, n. 1, p. 161-174.

STREICHEN, E. M. et al. Pedagogia surda e bilinguismo: pontos e contrapontos na perspectiva de uma educação inclusiva. Acta Scientiarum. Education (UEM), 2017, v 39 n. 1, p. 91-101.

VYGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Downloads

Publicado

2020-04-28