A constituição de corpora sócio-históricos do português brasileiro: edições de cartas pessoais e o modelo de Tradição Discursiva

Autores

Palavras-chave:

Cartas pessoais, Tradição Discursiva, História da Língua Portuguesa

Resumo

Neste artigo, apresento uma discussão sobre a importância das fontes escritas de sincronias passadas e reflito sobre a adoção do modelo da Tradições Discursivas para a tipologia-documental cartas particulares coletadas no âmbito do projeto Para História do Português Brasileiro (PHPB).

Biografia do Autor

Cleber Alves de Ataíde, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutor em Linguística (2013) pela Universidade Federal da Paraíba e professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Campus de Serra Talhada. Como pesquisador, coordena o Laboratório de Edição e Documentação Linguística de Pernambuco (LeDoc) e o projeto Para História do Português Brasileiro em Pernambuco (PHPB). É membro dos grupos de pesquisa certificados pelo CNPq Tradições Discursivas do Ceará (TRADICE-UFC), do Grupo de Investigações Funcionalistas (GIF-UFPB) e líder do Grupo de Estudos da Língua em Uso (ELU-UFRPE). Foi presidente do Grupo de Estudos Linguísticos e Literários do Nordeste (GELNE), no biênio 2016-2018 e, atualmente, é membro conselheiro da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN) e do Grupo de Estudos Linguísticos e Literários do Nordeste (GELNE). Em cooperação com a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, integra também a Comissão Científica Internacional do projeto Pombalia: Pombal Global, do qual é coordenador em Pernambuco.

Referências

ATAÍDE, C. A. Aspectos sócio-históricos dos manuscritos e impressos pernambucanos. Palimpsesto - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, [S.l.], v. 17, n. 28, p. 72-103, abr. 2019. ISSN 1809-3507. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/palimpsesto/article/view/42148/29329>. Acesso em: 07 jul. 2020. doi:https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.42148.

______; LIMA, T. J. S. A variação diatópica dos pronomes pessoais Tu e Você em cartas de amor do sertão pernambucano do século XX. Revista LaborHistórico. Rio de Janeiro, 4 (2): 92-103, jul. | dez. 2018.

AUGUSTO, M.H. Professor leigo. In: OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM.

BARBOSA, A. G. O controle de marcas de inabilidade na escrita alfabética e a identificação das mãos inábeis em corpora histórico-diacrônicos. Revista da ABRALIN, [S.l.], v. 16, n. 2, apr. 2017. ISSN 0102-7158. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/abralin/article/view/51997/32039>. Acesso em:04 july 2020: doi:http://dx.doi.org/10.5380/rabl.v16i2.51997.

BROWN, Roger; GILMAN, Albert. The pronouns of power and solidarity. In: SEBEOK, Thomas Albert (Ed.). Style in Language. Cambridge: Massachusetts, The MIT Press, 1960. p. 253-276. Disponível em: https://www.ehu.eus/seg/_media/gizt/5/5/brown-gilman-pronouns.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2010.

COSTA; E.; ARAÚJO, T.L.; ATAÍDE, C. Os caminhos do subsistema de tramamento pernambucano: as relações nas cartas de amor dos anos 50 em duas variedades. 2020 (no prelo)

LOSE, D. A. SANTOS, L. S. Uma análise diplomático-paleográfica no nordeste brasileiro em fins do séc. XVIII ou Quem escreveu os pasquins sediciosos da conspiração dos alfaiates / revolta dos búzios? (no prelo).

GOMES, V.; LOPES, C. R. S. Variação entre formas dos paradigmas de tu-você em cartas pernambucanas dos séculos XIX e XX. In: Revista do GELNE. v.16, 2014a. p. 1-15. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/gelne/article/view/11626. Acesso em: 01 de junho de 2020.

______. Formas tratamentais em cartas escritas em Pernambuco (1869-1969): tradição discursiva e sociopragmática. In: Revista de Estudos da Linguagem. v. 24, 2016. p.157-189.

Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/6299. Acesso em: 01 de junho de 2020.

GOMES, V. “Esta humilde e fraca pena” registra a tradição das cartas de amor do casal N e Z (1949). In: LaborHistórico,5 (Especial 1), 104-129. Disponível em doi: https://doi.org/10.24206/lh.v5iEspecial.25536. Acesso em: 01 de junho de 2020.

KABATEK, Johannes. Tradições discursivas e mudança linguística. In: LOBO, Tânia et al. (Orgs.). Para a história do português brasileiro. Salvador: Edufba, 2006.

KOCH, Peter; ÖESTERREICHER, Wulf. Linguagem da imediatez–linguagem da distância: oralidade e escrituralidade entre a teoria da linguagem e a história da língua. Tradução: Hudinilson Urbano e Raoni Caldas. Revista Linha D’Água, n. 26, p. 153-174, 2013. Disponível em:https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/55677/60935. Acesso em: 20 de maio de 2020.

LIMA, T.J.S. A variação dos pronomes pessoais Tu e Você em cartas de amor rurais do sertão pernambucano. Relatório de atividades acadêmicas de iniciação científica. Unidade Acadêmica – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Serra Talhada, 2018.

MARQUILHAS, Rita. A faculdade das letras: Leitura e escrita em Portugal no séc. XVII. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Ensaios para uma Sócio-História do Português Brasileiro. São Paulo, Parábola, 2004

RAMOS, C. Postais para ver: cartofilia no Brasil na primeira metade do século XX na coleção Estella Bustamante. Dissertação (Mestrado). Instituto de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2018.

SANTIAGO, H. S. Um estudo do português popular brasileiro em cartas pessoais de “mãos cândidas” do sertão baiano. Dissertação de Mestrado em Estudos Linguísticos. Universidade Estadual de Feira de Santana, Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, 2012, V. 2

______. A escrita por “mãos inábeis”: uma proposta de caracterização. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura, 2019.

SILVA, A. G.; GOMES, V. S. Os subgêneros da carta pessoal em correspondências pernambucanas da primeira metade do século XX In: ATAÍDE, C. et. all. Gelne 40 anos: Experiências teóricas e práticas nas pesquisas em Linguística e Literatura.1 ed. São Paulo: Blucher, 2017, p. 207-229.

SILVA, Jane Q. G. Um estudo sobre o gênero carta pessoal: das práticas comunicativas aos indícios de interatividade na escrita dos textos. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Letras – Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

Disponível em:

http://www.letras.ufmg.br/padrao_cms/documentos/profs/romulo/UM%20estudo%20sobre%20o%20g%C3%AAnero%20carta%20pessoal%20de%20JANE%20QUINTILIANO.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2019.

SOUZA, C. D. de. Eu te amo, eu lhe adoro, eu quero você: a variação das formas de acusativo de 2ª pessoa em cartas pessoais (1880-1980). Rio de Janeiro: UFRJ – FL, 2014.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 14, p. 61-88, Aug. 2000. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782000000200005&lng=en&nrm=iso>. access on 01 July 2020.

Sites consultados:

http://ledoc.com.br. Acesso em 10 de maio de 2019.

https://informacoesdobrasil.com.br/rua/pe/triunfo/sitio-brejinho+6490. Acesso em 20 de junho de 2019.

Downloads

Publicado

2020-10-01