RELAÇÃO ENTRE A HEURÍSTICA DO EXCESSO DE CONFIANÇA E O PERFIL DE INVESTIDOR.

Autores

  • Renata Oliveira Pires de Souza renata.opiresdesouza@gmail.com
    19971506186

DOI:

10.30781/repad.v8i1.16842

Palavras-chave:

Excesso de confiança, Finanças comportamentais, Perfil do investidor

Resumo

O presente estudo tem como foco a análise do fenômeno conhecido como "Excesso de Confiança" em estudantes matriculados em cursos técnicos do campo de Gestão em uma cidade no interior de São Paulo. O objetivo central é investigar se diferentes tipos de investidores (conservadores, moderados e agressivos), exibem variações no nível desse excesso de confiança. Para alcançar essa meta, um questionário foi aplicado a 162 participantes, os quais foram agrupados conforme os seus perfis de investimento. A abordagem metodológica empregada envolveu a utilização dos procedimentos propostos por Gigerenzer e Kleinbölting (1991) e Baratella (2007), além da aplicação do teste de Wilcoxon. O intuito por trás da seleção desses métodos foi comprovar a presença ou ausência do fenômeno do excesso de confiança nos perfis dos investidores. Além disso, para um exame mais aprofundado das diferenças entre os três tipos de perfis, também foi empregado o teste de Kruskal-Wallis. Esse teste estatístico tem a finalidade de avaliar se existem discrepâncias significativas nas distribuições do excesso de confiança entre os diferentes grupos de investidores. Os resultados da análise e avaliação estatística conduziram à conclusão de que não há evidências suficientes para afirmar que os três perfis de investidores possuam disparidades significativas em termos de distribuição do excesso de confiança

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACKERT, L. F.; DEAVES, R. Behavioral Finance: Psychology, Decision-making, and Markets. Mason: South-Western Cengage Learning, 2010.

ANBIMA. Suitability: Entenda por que considerar seu perfil de investidor ao investir. 2021 Disponível em: https://comoinvestir.anbima.com.br/noticia/suitability-entenda-perfil-investidor/. Acesso em junho de 2023.

BARATELLA, F. M. Excesso de confiança: Estudantes versus gerentes. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, p.139. 2007

BARBER, B. M.; ODEAN, T. The Courage of Misguided Convictions: The Trading Behavior of Individual Investors. Financial Analyst Journal, v.55, n.6, 1999.

BARBER, B. M.; ODEAN, T. Boys will be boys: Gender, overconfidence, and common stock investment. The Quarterly Journal of Economics, v. 116, n.1, p.261-292, 2001.

BOGEA, F.; BARREIRA DE CAMPOS BARROS, L. A. B. de C. B. A. Processo de tomada de decisão do investidor individual brasileiro no mercado acionário nacional: Um estudo exploratório enfocando o efeito disposição e os vieses da ancoragem e do excesso de confiança. Gestão & Regionalidade, v.24, n. 71, p.6-18, 2008.

BRABAZON, T. Behavioral Finance: A new sunrise or a false dawn? University of Limerick, August 2000.

CAMPELO, M. A. Tolerância a riscos em investimentos: Quais os níveis e a importância de entender de acordo com o seu perfil. 2023. Disponível em: https://www.gov.br/investidor/pt-br/penso-logo-invisto/tolerancia-a-riscos-em-investimentos-quais-os-niveis-e-a-importancia-de-entender-de-acordo-com-o-seu-perfil. Acesso em abril de 2023.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS – CVM. Guia CVM Suitability: Dever de verificação da adequação dos produtos, serviços e operações ao perfil do investidor. Rio de Janeiro, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/investidor/pt-br/educacional/publicacoes-educacionais/guias/guia-de-suitability-lancamento. Acesso em fevereiro de 2023.

CORRÊA, M. V. Perfil do Investidor nas Instituições do Mercado Financeiro Nacional. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) Escola Federal de Engenharia de Itajubá, 2001

DAMODARAN, A. Avaliação de Empresas. 2ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

DAMODARAN, A. Avaliação de Investimentos: Ferramentas e Técnicas para a determinação do valor de qualquer ativo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010.

DEBONDT, W. F. M.; THALER, R. H. (). Financial Decision Making in Markets and Firms: A Behavioral Perspective. In: JARROW, R.; MAKSIMOVIC, V.; ZIEMBA, W. T. Finance. North Holland: Handbooks in Operations Research and Management Science. 1995

BRASIL. Decreto nº 10.393, de 9 de junho de 2020. Institui a nova Estratégia Nacional de Educação Financeira - ENEF e o Fórum Brasileiro de Educação Financeira - FBEF. Brasilia, DF: Diário Oficial da União, 2020.

BRASIL. Decreto nº 7.397, de 22 de dezembro de 2010. Institui a Estratégia Nacional de Educação Financeira - ENEF, dispõe sobre a sua gestão e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2010

DONADIO, R. O perfil do Investidor e a tomada de decisão: uma abordagem comportamental. Tese (Doutorado em ciências) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

DREXLER, A., FISCHER, G.; SCHOAR, A. Keeping it simple: Financial literacy and rules of thumb. American Economic Journal: Applied Economics, v.6, n.2, p.1-31, 2014.

FAMA, E. F. Efficient capital markets: A review of theory and empirical work. The Journal of Finance, v.25, n.2, May 1970.

FREITAS, A. U. Avaliando o comportamento de gestor especialista em ações sob a ótica de behavioral finance. Dissertação (Mestrado em Economia) - Faculdades Ibmec, Programa de Pós-Graduação em Economia, Rio de Janeiro, 2006.

GIGERENZER, G; KLEINBÖLTING, H. Probabilistic Mental Models: A Brunswikian theory of confidence. Psychological Review, v. 98, n.4, p.506-528, 1991.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Atlas. 2008

GITMAN, L. J. Principles of Managerial Finance. 13ª ed. Prentice Hall, 2011.

GRABLE, J. E. Financial Risk Tolerance. In: Xiao, J. (Ed.), Handbook of Consumer Finance Research. Springer, Cham, 2016.

GRABLE, J. E.; Joo, S. Factors related to risk tolerance: A further examination. Consumer Interests Annual, v.45, n.1, p.53-58, 1999.

GRIFONI, A.; MESSY, F. Current Status of National Strategies for Financial Education: A Comparative Analysis and Relevant Practices. OECD Working Papers on Finance, Insurance and Private Pensions, n.16, OECD Publishing: Paris, 2012

JORION, P. Value at Risk: A Nova Fonte de Referência para a Gestão do Risco Financeiro. São Paulo: BM&FBOVESPA, 2010.

KAHNEMAN, D.; TVERSKY, A. Prospect theory: An analysis of decision under risk. Econometrica, v.47, n.42, p.263-292, 1979.

KAHNEMAN, D.; SLOVIC, P.; TVERSKY, A. Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. Science, v.185, p. 1124–1131, 1974.

KANNASHASAN, M. Risk appetite and attitudes of retail investors with special reference to capital market. Management Accountant, v.41, n.6, 2006.

MARCONI, M. A., & LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ªed. São Paulo: Atlas, 2003

MATIAS, A. B. Finanças Corporativas de Longo Prazo: Criação de Valor com Sustentabilidade Financeira. São Paulo: Atlas, 2007.

OLIVEIRA, L. E. N. O impacto das decisões de investimentos estratégicos sobre o valor de mercado das empresas quando tomadas por gestores otimistas e excessivamente confiantes. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil, 2011.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE. Recomendação sobre os Princípios e as Boas Práticas de Educação e Conscientização Financeira. 2005. Disponível em: https://www.oecd.org/daf/fin/financial-education/%5BPT%5D%20Recomenda%C3%A7%C3%A3o%20Princ%C3%ADpios%20de%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Financeira%202005%20.pdf. Acesso em setembro de 2023.

PAK, O.; MAHMOND, M. Impact of personality on risk tolerance and investment decision. International Journal of Commerce and Management, v.25, n.4, p.370-384, 2015.

POMPIAN, M. Behavioral Finance and Wealth Management: How to Build Optimal Portfolios That Account for Investor Biases. Finance Mark Portfolio Manage, v.21, p.491–492, 2006.

POTRICH, A. C. G.; VIEIRA, K. M.; KIRCH, G. Você é alfabetizado financeiramente? Descubra no termômetro de alfabetização financeira. Encontro Brasileiro de Economia e Finanças Comportamentais, São Paulo, SP, Brasil, 2014.

SAITO, A. T. Uma contribuição ao desenvolvimento da educação em finanças pessoais no Brasil. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

SAMPAIO, M. S.; BRUNI, A. L.; FILHO, R. N. L.; Filho, J. B. C. Um estudo envolvendo práticas orçamentárias. Revista de Finanças Aplicadas, v.1, p.1–20, 2012.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodología de la investigación. 6ª ed. México: McGraw Hill, 2014.

SCHIFFMAN, L. G.; KANUK, L. L. Comportamento do consumidor. 6º ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

SEWELL, M. History of the Efficient Market Hypothesis. University College London, v.11, n.4, 2011.

SHEFRIN, H. Beyond Greed and Fear: Understanding Behavioral Finance and the Psychology of Investing. New York: Oxford University Press, 2000.

SHILLER, R. J. From Efficient Markets Theory to Behavioral Finance. The Journal of Economic Perspectives, v.17, n.1, p.83-104, 2003.

SIMON, H. A. Theories of bounded rationality. In: MCGUIRE, C. B.; RANDERS, R. Decision and Organization: A volume in honor of Jacob Marschack. Amsterdam: North-Holland Publishing Company, 1972.

THALER, R. Behavioral Economics: Past, Present and Future. American Economic Review, v.106, n.7, p.1577-1600, 2016.

TVERSKY, A.; Kahneman, D. Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. Science, v.185, n. 4157, p. 1124-1131, 1974.

VAN ROOIJ, M. C. J., LUSARDI, A.; ALESSIE, R. J. M. Financial literacy and retirement planning in the Netherlands. Journal of Economic Psychology, v.32, n.4, p.593-608, 2011.

WISNIEWSKI, M. L. G. A importância da educação financeira na gestão das finanças pessoais: Uma ênfase na popularização do mercado de capitais brasileiro. Revista Intersaberes, v.6, n.11, p. 155–170, 2011.

Downloads

Publicado

2024-07-16

Como Citar

OLIVEIRA PIRES DE SOUZA, R. RELAÇÃO ENTRE A HEURÍSTICA DO EXCESSO DE CONFIANÇA E O PERFIL DE INVESTIDOR. Revista Estudos e Pesquisas em Administração, [S. l.], v. 8, n. 1, 2024. DOI: 10.30781/repad.v8i1.16842. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/repad/article/view/16842. Acesso em: 20 jul. 2024.