GESTÃO DO ARRANJO FÍSICO NO AMBIENTE DE TRABALHO: Estratégias para a concepção de espaços mais humanizados e eficientes

STRATEGIES FOR THE DESIGN OF MORE HUMANIZED AND EFFICIENT SPACES

Autores

  • Daniel Felipe Hendges daniel.felipe@tjms.jus.br
    Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul https://orcid.org/0000-0003-0952-2772
  • Devanildo Braz da Silva professordevanildo@gmail.com
    Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

10.30781/repad.v5i3.13050

Palavras-chave:

Arranjo físico. Layout. Ergonomia. Neuroarquitetura. Poder Judiciário.

Resumo

A gestão do arranjo físico assume fundamental importância na busca da melhoria na qualidade do ambiente de trabalho e do desempenho dos processos como um todo. Um planejamento adequado, com o uso de estratégias atuais baseadas em estudos do campo motivacional, ergonomia, mobiliário, layout e, mais recentemente, da chamada neuroarquitetura, pode oferecer diversos benefícios para a organização, com pessoas mais motivadas e satisfeitas, maior facilidade nos processos e na movimentação dos materiais e pessoas, com redução de custos e tempo nas operações. No âmbito das unidades administrativas do Poder Judiciário, isso se mostra fundamental, tendo em vista a natureza das atividades, muitas vezes prolongadas e repetitivas inibindo o funcionamento mental do colaborador, o uso intensivo do computador e poucas pausas. Nesse sentido, esse artigo busca destacar a relação entre o ambiente de trabalho e o sucesso organizacional como um todo, sem objetivar um estudo de caso específico. São trazidos conceitos a serem aplicados no ambiente de trabalho, de modo que se obtenha maior eficácia na prestação do serviço público, com foco nas chamadas atividades “meio”, relacionadas às unidades administrativas do Poder Judiciário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Felipe Hendges, Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul

Arquiteto e Urbanista, Administrador, Diretor da Secretaria de Obras do TJMS. E-mail: daniel.felipe@tjms.jus.br.

Referências

BITNER, M. J. Servicescapes: the impact of physical surroundings on customers and employees. Journal of Marketing, v. 56, n. 2, p. 57-71, 1992.

BORBA, Mirna de. Arranjo Físico. 1998. Departamento de Engenharia de Produções e Sistemas. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: http://www.feg.unesp.br/~fmarins/po-i/slides/apostila_Proj_fab-layout.doc. Acesso em: 15 fev. 2019.

CAÑELLAS, K.; FORCELINI, F.; ODEBRECHT, C. A evolução dos postos de trabalho: aspectos ergonômicos dos escritórios em Blumenau/SC. 2010. Anais do V Encuentro Latinoamericano de Diseño, Año V, Vol. 9, Julio 2010, Buenos Aires, Argentina, p. 72-76. Disponível em: https://fido.palermo.edu/servicios_dyc/publicacionesdc/archivos/148_libro.pdf. Acesso em: 15 fev. 2019.

CHIAVENATO, Idalberto. Comportamento organizacional. 2. ed. Rio de Janeiro:

Elsevier, 2010.

CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

CORRÊA, Henrique L.; CORRÊA, Carlos A. Administração de produção e operações – Manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. São Paulo: Atlas, 2004.

CURY, Antônio. Organização e Métodos. São Paulo: Atlas, 2006.

CURY, Antônio. Organização e Métodos: uma visão holística. São Paulo: Atlas, 2005.

DINIZ, D. Ergonomia odontológica: fator indutor de saúde e educação para acadêmicos de odontologia. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP, Araçatuba, 2009.

DUNN A. Arquiteta defende as virtudes do “open office” como espaço de trabalho. CARNEIRO, R. 2018. Disponível em: https://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2018/08/arquiteta-defende-virtudes-do-open-office-como-espaco-de-trabalho.html. Acesso em: 7 mar. 2019.

FERREIRA, M.; MENDES, A. Trabalho e Riscos de Adoecimento: o caso dos Auditores-Fiscais da Previdência Social Brasileira. Brasília: Ler, Pensar e Agir, 2003.

FONSECA, Juliane Figueiredo. A contribuição da ergonomia ambiental na composição cromática dos ambientes construídos de locais de trabalho de escritório. Rio de Janeiro, 2004, 292p. Dissertação de Mestrado. Departamento de Artes e Design. PUC - Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=6115@1. Acesso em: 6 jun. 2019.

FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE. Cadernos Rumo à Excelência: Pessoas. São Paulo: Fundação Nacional da Qualidade, 2008. (Série Cadernos Rumo à Excelência).

GAIGHER FILHO, W.; MELO, S. LER/DORT: a psicossomatização no processo de surgimento e agravamento. São Paulo: LTr, 2001.

GAITHER, Norman; FRAZIER, Greg. Administração da Produção e Operações. 8. ed. São Paulo: Pioneira, 2004.

GRANDJEAN, E. Manual de Ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

HAYNES, B. P. The impact of office layout on productivity. Journal of Facilities Management, v. 6, n. 3, p. 189-201, 2008.

HEMÉRITAS, Adhemar Batista. Organização e normas. 7 ed. São Paulo: Atlas, 1998.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo. Edgar Blucher Ltda, 1990.

JÚDICE, M. Contribuições da ergonomia para projetos de concepção de espaços de trabalho em escritório. Instituto de Psicologia. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, 2000.

MACEDO, Mariano Matos de. Gestão da produtividade nas empresas. São Paulo, set. 2002. Disponível em: http://www.fae.edu.br. Acesso em: 18 fev. 2019.

MAENO, M. et al. Lesões por esforços repetitivos (LER) - Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) - Dor relacionada ao trabalho: Protocolos de atenção integral à saúde do trabalhador de complexidade diferenciada. Brasília, DF, Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_ler_dort.pdf. Acesso em: 5 maio 2019.

MARELLI. Neuroarquitetura: como os ambientes impactam no cérebro? Marelli2018. Disponível em: https://blog.marelli.com.br/pt/neuroarquitetura-como-os-ambientes-impactam-no-cerebro. Acesso em: 31 jan. 2019.

MARTINEZ, M. C. As relações entre a satisfação com aspectos psicossociais no trabalho e a saúde do trabalhador. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6134/tde-07112006-210400/publico/MartinezMC.pdf. Acesso em: 31 jan. 2019.

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, 2006.

MELO, Eugênio Ribeiro da Cunha e, BARROS, Claudius D’Artagnan C. Cartilha da qualidade e produtividade. São Paulo, jan/mar. 1997. Disponível em: http://www.sgc.goias.gov.br. Acesso em: 15 fev. 2019.

MORAES, Ana Maria de; MONT’ALVÃO, Claudia. Ergonomia: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: 2AB Editora, 2003.

MOREIRA, Daniel Augusto. Administração da Produção e Operações. 1. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Sistemas, organização e métodos. Uma abordagem gerencial. 14. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

PAIVA, A. Ambiente de Trabalho e Saúde Cerebral: Insights da NeuroArquitetura. 2018. Disponível em: https://www.neuroau.com/blog/ambiente-de-trabalho-e-sa%C3%BAde-cerebral-insights-da-neuroarquitetura. Acesso em: 7 mar. 2019.

PINHO, Cintia de Jesus Abreu Batista. A cor e suas influências no ambiente corporativo. 2016. Revista Especialize On-line IPOG. 13ª Edição nº 012 Vol.01/2017. Disponível em: https://www.ipog.edu.br/download-arquivo-site.sp?arquivo=cintia-de-jesus-abreu-batista-pinho-1079318.pdf. Acesso em: 5 jun. 2019.

RIBEIRO, A.; SILVA, D.; MEDEIROS, D. A Influência da Ergonomia Organizacional Na Motivação dos Funcionários da Área da Saúde. XXV Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Porto Alegre: ENEGEP, 2005.

SCHERMERHORN, John R. Jr; HUNT, James G; OSBORN, Richard N. Fundamentos de Comportamento Organizacional. Trad. Sara Rivka Gedanke. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 1999.

SLACK, Nigel et al. Administração da Produção. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

TUBINO, Dalvio Ferrari. Sistemas de produção: a produtividade no chão de fábrica. Porto Alegre: Bookman, 1999.

VIDAL, M. Introdução à Ergonomia. Apostila do Curso de Especialização Superior em Ergonomia. UFRJ – Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

WEIL, K. Manual de Administração da Produção. 3. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1976.

ZAPATER, André Rocha et al. Postura sentada: a eficácia de um programa de educação para escolares. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2004, vol.9, n.1, pp.191-199. ISSN 1413-8123. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100019. Acesso em: 5 maio 2019.

ZOCCHIO, A. Prática da Prevenção de Acidentes: ABC da segurança do trabalho. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1992.

Downloads

Publicado

2021-12-31 — Atualizado em 2021-12-31

Versões

Como Citar

HENDGES, D. F.; BRAZ DA SILVA, D. GESTÃO DO ARRANJO FÍSICO NO AMBIENTE DE TRABALHO: Estratégias para a concepção de espaços mais humanizados e eficientes: STRATEGIES FOR THE DESIGN OF MORE HUMANIZED AND EFFICIENT SPACES. Revista Estudos e Pesquisas em Administração, [S. l.], v. 5, n. 3, 2021. DOI: 10.30781/repad.v5i3.13050. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/repad/article/view/13050. Acesso em: 21 jun. 2024.