ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL NO PERÍODO DE 2002 A 2016

Autores

DOI:

10.30781/repad.v3i2.8674

Palavras-chave:

Empreendedorismo. Desenvolvimento econômico. Atividade Empresarial.

Resumo

Este artigo apresenta a evolução do empreendedorismo no Brasil, nos últimos 15 anos, utilizando como fonte de dados secundário, as pesquisas do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Serviço de Apoio as Micros e Pequenas Empresas (SEBRAE), cuja buscas realizadas de 2002 a 2016. Os resultados apontam uma análise descritiva quanto á taxa de empreendedores novos e nascentes, taxa de empreendedorismo segundo estágio do empreendedor (inicial e estabelecido), bem como, a taxa de empreendedorismo iniciais segundo sua motivação (por oportunidade ou necessidade), empreendedores segundo gênero, faixa etária e grau de escolaridade. Este estudo mostrou que o Brasil de 2002 a 2016 apresenta um crescimento significativo em relação ao empreendedorismo, assim como avanço da contribuição do sexo feminino na economia, aumento do empreendedorismo por oportunidade, bem como estabilidade e maior período de sobrevivência dos negócios já existentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Alan Barbosa da Silva, Universidade Estadual de Goiás - UEG Programa de Pós-graduação em Gestão de Negócios

Possui Pós-graduação em Gestão de Negócios (02/2017-06/2018), e em Gestão Estratégica de Logística (02/2016-03/2017) ambos pela Universidade Estadual de Goiás UEG. Graduado Tecnólogo em Logística (2013-2015), e Bacharel em Administração (2015-2019) ambos pela Universidade Estácio de Sá UNESA. Habilitação Profissional Técnica em Logística Empresarial (2010-2012) pelo Instituto Tecnológico do Estado de Goiás ITEGO. Atualmente é Pós-graduando em Docência na Educação Profissional, Técnica e Tecnológica (10/2018-06/2020) pelo Instituto Federal de Goiás IFG. Possui Experiência Profissional Plena de 16 anos, Pesquisas Publicadas, Interesse, e, Docência nas áreas de: Gestão de Operações Logística e Transportes; Modais de Transportes e Infraestrutura; Cadeia de Suprimentos; Distribuição Física; Logística Industrial e Reversa; Administração da Produção; Sistemas de Produção; Planejamento e Controle da Produção; Projetos Logísticos; Gestão de Estoques e Armazenagem; Teoria Geral da Administração; Introdução à Administração; Administração Estratégica, Empreendedorismo, Serviço ao Cliente e Customer Service Logistics.

Murilo Sergio Vieira Silva, Universidade Estadual de Goiás - UEG Programa de Pós-graduação em Gestão de Negócios

Graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário de Goiás com Pós-graduação em Administração Estratégica em Marketing pela Universidade Estadual de Goias, Mestre em Psicologia em análise do comportamento com ênfase no comportamento do consumidor pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Doutorando em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Professor do curso de Administração e Coordenador do Programa de Pós-graduaçaõ em Gestão de Negócios da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e do Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA).

Referências

ALDRICH, H. E.; CLIFF, J. E. The pervasive effects of family on entrepreneurship: toward a family embeddedness perspective. Journal of Business Venturing, 18(5), 573–596. (2003). doi: 10.1016/S0883-9026(03)00011-9.

AMIT, R.; GLOSTEN, L.; MULLER, E. Does venture capital foster the most promising entrepreneurial firms? California Management Review, primavera, v.32, p.103. (1990).

BARROS, A. A.; PEREIRA, C. M. M. A. Empreendedorismo e crescimento econômico: uma análise empírica. Revista de Administração Contemporânea, 12(4), 975-993. (2008).

BAKAR, R.; ISLAM, M. A.; LEE, J. Entrepreneurship Education: experiences in selected countries. International Education Studies, 8(1), 88-99. (2015).

BIRLEY, S.; MUZYKA, D. F. Dominando os desafios do empreendedor. São Paulo: Makron Books. (2001).

BLOCK, J. H.,; SANDNER, P. Necessity and opportunity entrepreneurs and their duration in self-employment: evidence from German micro data. Journal of Industry Competition and Trade, 9(2), 117-137. (2009). doi: 10.1007/s10842-007-0029-3

BLOCK, J. H.; WAGNER, M. Necessity and opportunity entrepreneurs in Germany: characteristics and earnings differentials. Schmalenbach Business Review, 62(2), 154-174. (2010).

BRUNEAU, J.; MACHADO, H. V. Empreendedorismo nos países da América Latina baseado nos indicadores do Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Panorama Socioeconómico. v. 24, n.33, p. 18-25. (2006).

BRUTON, G.; AHLSTROM, D.; Li, H. Institutional theory and entrepreneurship: Where are we now and where do we need to move in the future? Entrepreneurship Theory and Practice, 34(3), 421–440. (2010). doi:10.1111/j.1540-6520.2010.00390.x

CONGREGADO, E.; MILLÁN, J.; ROMÁN, C. From own-account worker to job creator. International Review of Entrepreneurship, 8(4), 277–302. (2010).

CUNHA, N. C. V.; SANTOS, S. A. As práticas gerenciais adotadas nas empresas líderes em inovação para promover o empreendedorismo corporativo. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Gramado, RS, Brasil, 24. (2006).

CRISTIAN-AURELIAN, P.,; CRISTINA, S. P. Entrepreneurship Education and e-learning: A Perfect Match. Journal of Electrical and Electronics Engineering, v. 5, n. 1, p. 203. (2012).

DA SILVA, J. A. B.; SCHLAG, F. Aspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte público. In: ANAIS DO SEMINÁRIO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, ENSINO E EXTENSÃO DO CAMPUS ANÁPOLIS DE CSEH (SEPE), 3, n. 1. Anais… 2017.

DA SILVA, J. A. B. Customer service logistics como estratégia organizacional: um estudo de caso em uma multinacional. Brazilian Journal of Production Engineering, v. 4, n. 4, p. 226-244, 2018.

DA SILVA, J. A. B.; SILVA, S. Critérios de qualidade em serviços de transporte público urbano: uma contribuição teórica. Brazilian Journal of Production Engineering, v. 4, n. 1, p. 83-98. 2018.

DA SILVA, José Alan Barbosa; SCHLAG, Fabricio; SILVA, Solange da. Trade-offs de custos logísticos: uma avaliação de conhecimento em uma multinacional. Revista Produção Online, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 179-202, mar. 2019. ISSN 16761901. Disponível em:

<https://www.producaoonline.org.br/rpo/article/view/3176>. Acesso em: 23 mar. 2019. doi:https://doi.org/10.14488/1676-1901.v19i1.3176.

DA SILVA, J. A. B.; SCHLAG, F.; SOLANGE, S. Trade-offs de custos logísticos: uma avaliação de conhecimento em uma multinacional. Revista Produção Online, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 179-202, mar. 2019. ISSN 16761901. doi:https://doi.org/10.14488/1676-1901.v19i1.3176.

DA SILVA, J. A. B. Métodos e práticas colaborativas na cadeia de suprimentos: revisão de literatura. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558. v. 10. n. 2, p. 76-91, abr. 2019.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introduction: Entering the field of qualitative research. In: DENZIN, Norma K., & LINCOLN, Yvonna S. (Ed.). Handbook of Qualitative Research, Thousand Oaks: Sage Publications. (1994).

DOLABELA, F. Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura. (1999).

DOLABELA, F. Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. Rio de Janeiro: Sextante. (2008).

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier. (2001).

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo corporativo. Rio de Janeiro: Elsevier. (2003).

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier. (2008).

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier. (2011).

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. (5a ed.). Rio de Janeiro: Empreende / LTC. (2015).

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor: políticas e princípios. São Paulo: Pioneira. (1986).

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor (Enterpreneurship): prática e princípios. São Paulo: Pioneira Thompson. (2002).

EVANS, R. S.; PARKS, J.; NICHOLS, S. The Idea to Product® Program: An Educational Model Uniting Emerging Technologies, Student Leadership and Societal Applications. International Journal of Engineering Education, v. 23, n. 1, p. 95-104. (2007).

FILION, L. J. Empreendedores e proprietários de pequenos negócios. Revista USP – Revista da Administração, São Paulo, p.5-28. (1999).

FILION, L. J. Empreendedorismo e gerenciamento: Processos distintos, porém complementares. RAE-Revista de Administração de Empresas, 40(3), 2-7. (2000). doi:10.1590_S0034-75902000000300012

FONTENELE, R. E. S. Empreendedorismo, Competitividade e Crescimento Econômico: Evidências Empíricas. RAC – Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.14, n. 6, p. 1094-1112, nov./dez. (2010).

FRANCO, M. M. S. Empreendedorismo Feminino: Características Empreendedoras das Mulheres na Gestão das Micro e Pequenas Empresas. Anais. Goiânia: EGEPE. (2014).

FRIEDMAN, R. E. Entrepreneurial renewal in the industrial city. Annals of the American Academic Political Science, 488(1), 35-46. (1986). doi: 10.1177/0002716286488001003.

GOMES, D. T.; GUERRA, P. V.; VIEIRA, B. N. O desafio do empreendedorismo feminino. Anais... EnANPAD, Rio de Janeiro, 35. (2011).

GIL, A. C.; SILVA, S. P. M. O método fenomenológico na pesquisa sobre empreendedorismo no Brasil. Revista de Ciências da Administração, v. 17, n. 41. (2015).

GOUVÊA, A. B. C. T.; SILVEIRA, A.; MACHADO. H. P. V. Mulheres empreendedoras: compreensões do empreendedorismo e do exercício do papel desempenhado por homens e mulheres em organizações. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, São Paulo, v. 2, n.2, p. 32-54, maio./ago. (2013).

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM). Empreendedorismo no Brasil. (2016). Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/GEM%20Nacional%20-%20web.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

GREBEL, T.; PYKA, A.; HANUSCH, H. An evolutionary approach to the theory of entrepreneurship. Industry and Innovation, v. 10, n.4, p. 493–514. (2003).

HASHIMOTO, M.; ANDREASSI, T.; ARTES, R.; NAKATA, L. E. Relações entre intra-empreendedorismo, clima organizacional e desempenho financeiro – um estudo sobre as melhores empresas para se trabalhar no Brasil. Anais... EnANPAD, Rio de Janeiro, 34. (2010).

HISRICH, R. D.; PETERS, M. P.; SHEPHERD, D. A. Empreendedorismo. (9a ed.). (F. A. Costa, Trad.). Porto Alegre: AMGH. (2014).

KARIMI, S., et al. Entrepreneurship education in Iranian higher education: The current state and challenges. European Journal of Scientific Research, v. 48, n. 1, p. 35-50. (2010).

KAKOURIS, A.; GEORGIADIS, P. Analysing entrepreneurship education: a bibliometric survey pattern. Journal of Global Entrepreneurship Research, 6(1), 1-18. (2016).

KAUTONEN, T.; PALMROOS, J. The impact of a necessity-based start-up on subsequent entrepreneurial satisfaction. International Entrepreneurship and Management Journal, 6(3), 285-300. (2010). doi: 10.1007/s11365-008-0104-1

KELLEY, D. J.; SINGER, S.; HERRINGTON, M. Global report. London: The Global Entrepreneurship Monitor. (2011). Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2018.

KON, A. Perfil dos trabalhadores por conta própria no Brasil (Relatório de Pesquisa nº 31/2001). (2001). Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/3122/Rel%2031-2001.pdf?sequence=1.

LAMBING, P. A.; KUEHL, C. R. Entrepreneurship. 4th ed. New Jersey: Prentice Hall. (2007).

LOHRKE, F.; LANDSTROM, H. History matters in entrepreneurship research. In H. Landström & F. Lohrke (Eds.), Historical foundations of entrepreneurship research (pp. 1-14). Massachusetts: Edward Elgar Publishing. (2010).

MARITZ, P. A.; BROWN, C. Illuminating the black box of entrepreneurship education programs. Education + Training, 2(3), 234-252. (2013).

MEZA, M. L. F. G et al. O perfil do empreendedorismo nos países latino-americanos na perspectiva da capacidade de inovação. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 2, n. 2, p. 58-75. (2008).

MCCLELLAND, D. C. Entrepreneurship and Achievement Motivation. In Lengyel, P. (Ed.). Approaches to the Science of Socioeconomic Development. Paris: U.N.E.S.C.O. (1971).

NAIA, A.; BAPTISTA, R.; JANUARIO, C.; Trigo, V. Entrepreneurship education literature in the 2000s. Journal of Entrepreneurship Education, 18(31), 111-136. (2015).

NASSIF, V. M. J.; AMARAL, D. J.; PRANDO, R. A. A universidade desenvolve competências empreendedoras? Um mapeamento das práticas de ensino numa universidade brasileira. Administração: Ensino e Pesquisa, 13(3), 597-597. (2012).

NATIVIDADE, D. R. Empreendedorismo feminino no Brasil: políticas públicas sob análise. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 1, p. 231-256. (2009).

NOGAMI, V. K. C.,; MACHADO, H. V. Atividade Empreendedora nos Países do BRIC: uma análise a partir dos relatórios do GEM no período de 2000 a 2010. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 5, n. 3, p. 114-128. (2011).

NOGAMI, V. K. C.; MACHADO, H. V. Análise da Atividade Empreendedora dos Países Ibero Latino Americanos de Acordo com o Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Latin American Journal of Business Management, v. 5, n. 1, p. 83-108. (2014).

PARKER, S. The economics of entrepreneurship. Cambridge, UK: Cambridge University Press. (2009).

PEDROSO, J. P. P.; MASSUKADO-NAKATANI, M. S.; MUSSI, F. B. A relação entre o jeitinho brasileiro e o perfil empreendedor: possíveis interfaces no contexto da atividade empreendedora no Brasil. Revista de Administração Mackenzie - RAM, v. 10, n. 4, p. 100-130. (2009).

PFEIFER, S.; SARLIJA, N. The Relationship between Entrepreneurial Activities, National and Regional Development and Firm Efficiency - Global Entrepreneurship Monitor (GEM)-based Evidence from Croatia. Journal of Entrepreneurship, v.19, n. 1, p. 23–41. (2010).

PLEHN-DUJOWICH, J. M. (n.d.). The dynamic relationship between entrepreneurship, unemployment, and growth: evidence from U.S. industries. (2013). Recuperado de http://www.sba.gov/sites/default/files/rs394tot.pdf.

QIAN, H.; HAYNES, K. E. Beyond innovation: the Small Business Innovation Research program as entrepreneurship policy. The Journal of Technology Transfer, v. 39, n. 4, p. 524-543. (2014). http://dx.doi.org/10.1007/s10961-013-9323-x.

ROMÁN, C.; CONGREGADO, E.; MILLÁN, J. Start-up incentives: Entrepreneurship policy or active labour market programme? Journal of Business Venturing, 28(1), 151–175. (2013). doi:10.1016/j.jbusvent.2012.01.004

RUDA, W.; MARTIN, T. A.; DANKO, B. Comparing Start-up Propensities and Entrepreneurship Characteristics of Students in Russia and Germany. Acta Polytechnica Hungarica, v. 9, n. 3. (2012).

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Fatores condicionantes e taxa de mortalidade de MPE (unidades de federação: São Paulo). Brasília: Autor. (2007a).

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Fatores condicionantes e taxa de mortalidade de MPE (unidades de federação: Minas Gerais). Brasília: Autor. (2007b).

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Os donos de negócios no Brasil, por regiões e por unidades da federação. (Série Estudos e Pesquisas). Brasília: Sebrae. (2017).

SANDU, P. Entrepreneurship in emerging economies: evidence from the global entrepreneurship monitor. Review of Business Research, v. 8, n. 1, p. 161-169. (2008).

SAUTET, F. Local and Systemic Entrepreneurship: Solving the Puzzle of Entrepreneurship and Economic Development. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 37, n. 2, p.387-402. (2013).

SEIKKULA-LEINO, J.; et al. How do Finnish teacher educators implement entrepreneurship education? Education + Training, 57(4), 392- 404. (2015).

SERAFIM, M. C.; MARTES, A. C. B.; RODRIGUEZ, C. L. Segurando na mão de Deus: organizações religiosas e estruturas de suporte ao empreendedorismo. Anais... EnANPAD, Rio de Janeiro, 34. (2010).

SILVA, A. C. C. J.; FURTADO, J. H.; ZANINI, R. R. Evolução do empreendedorismo no Brasil baseada nos indicadores do global entrepreneurship monitor (GEM). Revista Produção Online, 15(2), 758-780. (2015). doi:https://doi.org/10.14488/1676-1901.v15i2.1940.

SIVAPALAN, A.; BALASUNDARAM, N. Level of entrepreneurial intention of the management undergraduates in the University of Jaffna, Sri Lanka: scholars and undergraduates perspective. South Asian Academic Research Journals, 2(10), 24-42. (2012).

SOARES, A. P.; BASTOS, D. Empreendedorismo e planejamento: um estudo sobre a utilização do plano de negócios nas pequenas e médias empresas. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO E ESTRATÉGIA EM NEGÓCIOS, 5, 2007, Seropédica/RJ. Anais... Seropédica/RJ: SIMGEN. (2007).

SOUZA, E. C. L.; LOPEZ JÚNIOR, G. S. Empreendedorismo e desenvolvimento: uma relação em aberto. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 3, p.120-140. (2011).

SHANE, S. Reflections on the 2010 AMR decade award: Delivering on the promise of entrepreneurship as a field of research. Academy of Management Review, v. 37, n. 1, p. 10-20. (2012).

SHANE, S.; VENKATARAMAN, S. The promise of entrepreneurship as a field of research. Academy of Management Review, v. 25, n.1, p. 217-227. (2000).

SMALLBONE, D.; WELTER, F.; ATELJEVIC, J. Entrepreneurship in emerging market economies: Contemporary issues and perspectives. International Small Business Journal, v. 32, n. 2, p. 113 –116. (2013).

THAI, M.; TURKINA, E. Macro-level determinants of formal entrepreneurship versus informal entrepreneurship. Journal of Business Venturing, 29(4), 490–510. (2014). doi:10.1016/j.jbusvent.2013.07.005

TEIXEIRA, E. B.; VITCEL, M. S.; LAMPERT, A. L. Iniciação científica: desenvolvendo competências e habilidades na formação do administrador. Revista de Estudos de Administração, 8(16), 115-144. (2008).

TEIXEIRA, R. M.; et al. Empreendedorismo jovem e a influência da família: a história de vida de uma empreendedora de sucesso. Revista de Gestão, São Paulo – SP, Brasil, v. 18, n. 1, p. 3-18, jan/mar. (2011).

TONY, O. A. Entrepreneurship education: challenges and implications for educators in Higher Education Institutions. International Journal of Information, Business and Management, 8(2), 307-324. (2016).

TOWNSEND, D. M.; BUSENITZ, L. W.; ARTHURS, J. D. To start or not to start: outcome and ability expectations in the decision to start a new venture. Journal of Business Venturing, 25(2), 192-202. (2010). doi: 10.1016/j.jbusvent.2008.05.003.

UMMAH, S. Entrepreneurial motivation and self-employment intention: an empirical study on management undergraduates in Sri Lanka. Journal of Management, 5(1), 87-96. (2009).

UMMAH, S.; GUNAPALAN, S. Factors influencing on entrepreneurial success: an empirical study on women headed families in Ampara and Batticaloa districts in Sri Lanka. International Journal of Business, Economics and Law, 1(1), 141-148. (2012).

VALARELLI, M. M.; VALE, G. M. V. Informalidade e cidadania: empreendimento informais no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IBASE. (1997).

VALE, G. M. V.; AGUIAR, M. A. S.; ANDRADE, N. A. Fatores condicionantes da mortalidade de empresas. Brasília: Edições Sebrae. (1998).

VALE, G. M. V. Empreendedorismo, marginalidade e estratificação social. Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 3, p. 310-321. (2014).

VIEIRA, S. F. A.; et al. Ensino de empreendedorismo em Cursos de Administração: um levantamento da realidade brasileira. Revista de Administração FACES Journal, 12(2), 93-114. (2013).

VIEIRA, S. F. A.; et al. A visão dos estudantes universitários de Administração sobre empreendedorismo: comparações entre o Estudo Guesss Brasil 2011 com o levantamento realizado na Universidade Estadual de Londrina- PR. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 3(3), 77-103. (2014).

WADHWANI, R. D. How Entrepreneurship Forgot Capitalism: entrepreneurship teaching and research in business schools. Journal of Society, 49(3), 223-229. (2012).

WILLIAMS, C. C. The motives of off-the-books entrepreneurs: necessity-or opportunity-driven? Springer Science, 5(2), 203-217. (2008). doi: 10.1007/s11365-008-0098-8

WILLIAMS, C. C.; ROUND, J. Evaluating informal entrepreneurs’ motives: evidence from Moscow. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, 15(1), 94-107. (2009). doi: 10.1108/13552550910934477.

WILLIAMS, C. C.; ROUND, J.; RODGERS, P. Evaluating the motives of informal entrepreneurs: some lessons from Ukraine. Journal of Developmental Entrepreneurship, 14(1), 59-71. (2009). doi: 10.1142/S1084946709001144.

YANG, D.; ZHAO, X. Study on Evolutionary Path of University Students’ Entrepreneurship Training. Mathematical Problems in Engineering. (2014). http://dx.doi.org/10.1155/2014/535137.

YUSOFF, M. N. H. B.; ZAINOL, F. A.; IBRAHIM, M. D. B. Entrepreneurship Education in Malaysia’s Public Institutions of Higher Learning: a review of the current practices. International Education Studies, 8(1), 17-28. (2015).

ZALIO, P. P. Sociologie économique des entrepreneurs. In P. Steiner, & F. Vatin (Eds.), Traité de sociologie économique (pp. 573-607). Paris: Puf. (2011).

Downloads

Publicado

2019-08-29

Como Citar

DA SILVA, J. A. B.; SILVA, M. S. V. ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL NO PERÍODO DE 2002 A 2016. Revista Estudos e Pesquisas em Administração, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 115-137, 2019. DOI: 10.30781/repad.v3i2.8674. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/repad/article/view/8674. Acesso em: 13 maio. 2021.