SUICÍDIO, RELIGIÃO E SOCIOLOGIA: SUAS INTERFACES

Autores

  • Geruza Silva de Oliveira Vieira UFMT
  • Thais Alves Marinho UnB e PUC-Goiás

Palavras-chave:

Suicídio, sociologia, religião.

Resumo

O artigo que segue possui como objetivo geral a compreensão do Suicídio como fenômeno social e sua relação com a Religião a partir de perspectivas teóricas metodológicas da sociologia. A intenção é entender as interfaces possíveis de serem construídas entre suicídio e religião, como duas categorias institucionalizadas em nossa realidade social. A pesquisa bibliográfica em livros, sites especializados, dados secundários institucionalizados, foram os principais caminhos metodológicos utilizados para a construção deste artigo. Pensa-se, portanto, o Suicídio como Fato Social e ao relacioná-lo à Religião, entende-se esta como umas das expressões culturais e morais que intensamente demonstram interesse em refletir e perceber o suicídio com a tentativa de se apresentar como uma variável limite a ele.

 

Biografia do Autor

Geruza Silva de Oliveira Vieira, UFMT

Mestre e doutora em Sociologia. Docente adjunta no Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá. Brasil. Pós-doutoranda em Ciências da Religião. Atua como pesquisadora no Grupo de Pesquisa Observatório de Políticas Públicas/UFMT e no grupo de Pesquisa Memória Social e Subjetividade/CNPQ/PUC Goiás. E-mail: geruza.vieira.ufmt@gmail.com

 

Thais Alves Marinho, UnB e PUC-Goiás

Graduação em Ciências Sociais e Relações Internacionais. Especialização em Políticas Públicas. Mestrado em Sociologia. Doutorado em Sociologia. Pós-Doutora em Ciências Sociais. Atua como pesquisadora do Grupo de Pesquisa Cultura, Memória e Desenvolvimento-CMD (CNPQ/UnB) e é líder do Grupo de Pesquisa Memória Social e Subjetividade (CNPQ/PUC Goiás). É editora adjunta da Revista Arquivos do CMD/UnB e editora da Revista Mosaico/PPGHIST/PUC Goiás. E-mail: thais_marinho@hotmail.com

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

__________________. Vida Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BOFF, Leonardo. Ethos Mundial. Um consenso mínimo entre os Humanos. Rio de Janeiro: Record, 2009.

BONNEWITZ, Patrice. Primeiras Lições sobre a Sociologia de Pierre Bourdieu. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

BOUDON, Raymond. Tratado de Sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Primeiras Lições sobre a Sociologia de P. Bourdieu. Petrópolis. RJ: Vozes, 2003.

________________. A Distinção. Crítica social do Julgamento. Porto Alegre: 2017.

DIAS, Maria Luiza. Suicídio. Testemunhos de Adeus. São Paulo: editora brasiliense, 1991.

DURKHEIM, Émile. As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DURKHEIM, Émile. As Regras do método Sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DURKHEIM, Émile. O Suicídio. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

ENGELS, Friedrich e MARX, Karl. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 1998.

FLICK, Uwe. Introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREUD, Sigmund. O Futuro de uma Ilusão, O Mal-Estar na civilização e outros Trabalhos (1927-1931). Rio de Janeiro: Imago, 1996.

GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

MARX, Karl. Sobre o Suicídio. São Paulo: Boitempo, 2006.

MELEIRO, Alexandrina; TENG, Chei Tung; WANG, Yuan Pang. Suicídio. Estudos Fundamentais. São Paulo: Segmento Farma, 2004.

PIETRAFESA, José Paulo, et al. Do Contexto ao Texto. Anápolis: Unievangélica, 2006.

QUINTANEIRO, Tania, et al. Um Toque de Clássicos: Marx. Durkheim e Weber. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

RODRIGUES, Alberto Tosi. Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

ROOSEVELT, M.S. Cassorla. Do Suicídio. Campinas: Papirus, 1991.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Volume 1. São Paulo: Editora UnB, 2004.

CARNEIRO, Anna Bárbara de Freitas. Reverso. Belo Horizonte. Ano 365. N. 65. P 15-24. Julho, 2013. Suicídio, religião e cultura: reflexões a partir da obra “Sunset Limited”- http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-73952013000100002. Acesso em: 2017.

TEIXEIRA, Ricardo Rodrigues. Interface. Comunicação, Saúde, Educação. V. 6. N. 11. P. 143152. Agosto, 2002. Três fórmulas para compreender “O suicídio” de Durkheim. Ricardo Rodrigues Teixeira. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832002000200021. Acesso em 2017.

RODRIGUES, Marta M. Assumpção. Revista Latino Americana. Psicopat. Fund. São Paulo. V. 12. N.4. p. 698-713. Dezembro, 2009. Suicídio e sociedade: um estudo comparativo de Durkheim e Marx. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-47142009000400006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 2017.

PARAVIDINI, João Luiz Leitão e GONÇALVES, Márcio Antônio. Neopentecostalismo: desamparo e condição masoquista. Revista Mal-Estar e Subjetividade. Fortaliza. Vol ix. N. 4, p. 1173-1202, dez/2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482009000400006. Acesso em: 2017.

CHRISTANTE, Luciana. Com Sem saída. Disponível em: https://www.unesp.br/aci/revista/ed13/com-saida. Acesso em: out. de 2017.

ACESSO DE JOVENS AO ÁLCOOL E DROGAS. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2016/08/26/interna_nacional,797707/aumenta-acesso-de-jovens-a-alcool-e-drogas-revela-ibge.shtml. Acesso em: out. de 2017.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Viva: instrutivo notificação de violência interpessoal e autoprovocada [Internet]. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [citado 2017 set 19]. 92 p. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/viva_instrutivo_violencia_interpessoal_autoprovocada_2ed.pdf.

Informe Técnico. N. 15/2017. Ministério da Saúde/Sistema de Informações sobre Mortalidade. Elaboração: Instituto Mauro Borges/Segplan-GO/Gerência de Estudos Socioeconômicos e Especiais. Disponível em: http://www.imb.go.gov.br/pub/informestecnicos/15-Suic%C3%ADdios%20em%20Goi%C3%A1s-201709.pdf. Acesso em> mar. de 2018.

Portaria MS. N. 1.271/2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1271_06_06_2014.html. Acesso em: mar. de 2018.

Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde. Volume 48. N° 30 – 2017. ISSN 2358-9450. Disponível em: portalms.saude.gov.br. Acesso em: mar. de 2018.

Julio Jacobo Waiselfisz. Mapa da Violência. Os jovens do Brasil. Rio de Janeiro: FLACSO BRASIL, 2014. Disponível em: https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2014/Mapa2014_JovensBrasil_Preliminar.pdf. Acesso em: mar de 2018.

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN é alimentado, principalmente, pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória (Portaria GM/MS Nº 2325 de 08 de dezembro de 2003), mas é facultado a estados e municípios incluir outros problemas de saúde importantes em sua região. Disponível em: https://artedecuidar.webnode.com.br/products/sistema%20nacional%20de%20agravos%20de%20notifica%C3%A7%C3%A3o%20%28sinan%29/. Acesso em: abr. de 2018.

José Lisboa Moreira de Oliveira. Antropologia da Religião. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Pró-Reitoria de Extensão (Proex). Diretoria de Programas de Pastoral (Dipas). Centro de Reflexão sobre Ética e Antropologia da Religião (Crear). Disponível em: http://www.ucb.br/sites/000/14/PDF/antropologiadareligiao.pdf. Acesso em: set. de 2018.

Downloads

Publicado

2020-02-08